Home

Atualizações
Colunas
Críticas

Projetos

Adote Uma Ideia
Leitor Criativo
Quiz Criativo
Songfics

Informativo

Destaques
Vagas abertas
Torne-se VIP

VOCÊ SABIA? As atualizações são anunciadas diariamente pelo nosso twitter. Siga o perfil para saber quais histórias foram atualizadas!

⥃ CONFIRA ATUALIZAÇÕES PASSADAS

Histórias Vip
  1. Dopa(mine), por Ilane CS
    | Artistas, Mackenyu Arata, Restrita, Andamento
  2. Shadow, my Shadow, por Ilane CS
    | K-pop, Seventeen, Restrita, Andamento
  3. Last, My Last, por Ilane CS
    | K-Pop, Seventeen, Finalizada
  4. Black & Diggory II, por Reh
    | Livros, Harry Potter, Andamento
  5. Campus Crush, por Liv
    | K-pop, Seventeen, Andamento

Histórias de época: como utilizar a linguagem antiga e atual
|| terça-feira 26 de janeiro de 2021 às 17:00 - Comentários
|| Arquivado em: Colunas

Estabelecer o ano em que o enredo da sua história acontece é um desses pequenos detalhes que podem fazer grande diferença na hora do planejamento; quando falamos de uma história de época, é que se torna mais importante ainda ter um período e ano estabelecido. Dos diversos fatores que regem uma história ambientada na época passada, a linguagem do narrador e dos diálogos são importantes para passar a vibe certa do período retratado.

Então, como fazer isso?

  • Pesquise quem eram as pessoas da época;

Durante suas pesquisas, tente focar em o que era ser um indivíduo naquela época. Quais as profissões mais populares? Quem tinha acesso a educação formal? Quais eram os escritores mais conhecidos e que as pessoas citavam? Como a dinâmica familiar funcionava? Há diferença no tratamento entre jovens e velhos? Em que estágio a língua (portuguesa, inglesa, etc) estava em sua evolução (aqui no sentido de mudança, não de pior para melhor)?

Faça perguntas chaves que dizem respeito a linguagem. De modo geral, a língua carrega a cultura e os pensamentos difundidos por uma sociedade. Quais eram as expressões populares mais conhecidas?

  • Leia textos escritos nessa época;

É um exercício gigante, mas para conhecer a linguagem de uma época, é imprescindível que você tenha contato com a escrita e formas de comunicação que eram usadas durante esse período. Se for uma do século XX, por exemplo, você pode encontrar alguns vídeos e entrevistas de famosos que podem te auxiliar. Já nos séculos anteriores você pode encontrar cartas entre autores famosos, notícias, críticas e etc. Também há diversos textos em domínio público que são uma mão na roda em momentos como esse.

Recomendo não buscar textos contemporâneos que retratam a época. Mesmo que os autores tenham um cuidado especial com a pesquisa, há reflexos da nossa linguagem atual que são impossíveis de disfarçar. Tente ir atrás da fonte.

  • Equilíbrio;

É a hora de escrever e você se sente meio confuso. Escrevo como se estivesse nos anos 20? Uso vários se’s, me’s e ti’s? Que tal usar um vosmecê?

Aqui você deve manter um jogo de cintura. Usar a linguagem antiga sem adaptação nenhuma pode deixar o leitor cansado e pode acabar por desistir da história. Tente ‘polir’ a linguagem o máximo para que se torne simples, mas não tenha marcas explícitas da atualidade.

Quer um exemplo? Em O Morro dos Ventos Uivantes da Emily Brontë (1850), a tradução de Ana Maria Chaves, o primeiro diálogo do capítulo 1 tem a seguinte construção:

Estou a falar com Mr. Heathcliff? perguntei. Aquiesceu com a cabeça.
Sou Mr. Lockwood, o seu novo inquilino. Quis ter a honra de vir visitá-lo logo após a minha chegada, para lhe apresentar as minhas desculpas e lhe dizer que espero não o ter importunado demais com a minha insistência em alugar a Granja dos Tordos: constou-me ontem que o senhor tinha dito que…”

A formação das frases são típicas da época. “Estou a falar”, “lhe apresentar”, “constou-me ontem” e entre outros datam o tempo em que ele foi escrito. Então, o que fazer para que essa linguagem fique mais confortável?

A tradução de João Sette Câmara teve um cuidado maior em transformar a linguagem em algo mais atual, menos difícil de digerir.

Senhor Heathcliff falei. Um aceno com a cabeça foi a resposta.
Senhor Lockwood, seu novo inquilino, senhor. Tenho a honra de vir falar com o senhor o mais cedo possível após minha chegada, para expressar a esperança de que eu não tenha lhe importunado com a minha insistência em solicitar o aluguel da Granja de Thrushcross: ontem ouvi dizer que o senhor tinha pensado que…”

Perceba que, embora o principal sentido do texto continuou o mesmo, a escolha por palavras mais comuns o transformou em algo mais fácil de ser lido e não tirou a característica da época. Ele reduziu os pronomes oblíquos e substituiu palavras menos correntes como “constou-me” para mais conhecidas como “ouvi dizer”.

 

Esse é o tipo de equilíbrio entre a linguagem antiga e atual que devemos buscar ao escrever uma história de época.

É isso. Até mais!

Coluna por Maraíza Santos




0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x