O que eu precisava e não sabia

Escrito por Kendall | Revisado por Lelen

Tamanho da fonte: |


Capítulo 1

  O vento frio queimava o rosto de Jayden enquanto o garoto de dezoito anos dava sua vigésima volta pela pista naquela tarde. Sentir as pernas tremerem depois de um longo dia em cima de seu fiel companheiro Lion, era uma sensação nada agradável, mas como cavaleiro, já havia se habituado, afinal, a palavra “campeonato” fazia parte de seu vocabulário desde os dez anos. Ao contrário de muitas crianças nessa idade, em seu aniversário, ao invés de ganhar um carrinho de brinquedo ou uma bola, Jayden ganhou um cavalo de verdade. Aquele dia havia feito morada em sua memória.
  Como sempre, o futuro atleta estava em casa esfregando as mãos de ansiedade esperando o momento que seu maior ídolo passaria por aquela porta, algo que não acontecia com tanta frequência, visto que seu pai estava sempre viajando por causa das competições. Porém, naquela tarde, o ranger da porta da mansão fez seus brilharem em alegria.
  — Você chegou! — exclamou, pulando no colo da única pessoa que tinha no mundo.
  — Oi, meu campeão! — O pai acariciou os cabelos do menino.
  — Sabe que dia é hoje? — indagou o garoto mostrando certa impaciência e expectativa.
  — Sei sim, é o dia em que eu, Alex Shiba, trouxe mais um troféu de campeão do campeonato mundial de hipismo para casa! — Enquanto exibia um sorriso, o atleta renomado percebeu o olhar de decepção do filho, e por isso completou: — E também é o aniversário de um certo garotinho que eu conheço!
  Jayden riu.
  — Por isso mesmo eu vou deixar esse garotinho colocar esse novo lindo troféu na minha prateleira. O que acha?
  Como toda criança, tudo que Jayden queria desesperadamente naquele instante era passar um tempo com seu pai sem que ele falasse sobre seus feitos incríveis em competições ou sobre como seu cavalo era melhor. Seria tão bom se seu pai, assim como todos os outros, o convidasse para tomar sorvete e não para assisti-lo vencer uma corrida. Não que o garotinho não gostasse de ver o pai chegar em primeiro lugar, claro que ele ficava muito orgulhoso, porém, não a todo instante.
  Em todo lugar que ia, Jayden era reconhecido como o herdeiro do famoso Alex Shiba, campeão de hipismo, e às vezes, tudo que o solitário garotinho queria era ser apenas o Jayden, um garoto de dez anos sem responsabilidades, que adorava se entupir de sorvete e brincar. Contudo, a partir daquela tarde, toda chance de ter uma infância comum lhe foi arrancada.
  Forçando um sorriso, o garotinho segurou o objeto – que a seus olhos só levava seu pai para longe – e o levou para perto das estantes que às vezes jurava serem mais amadas por seu pai do que ele próprio.
  — Muito bem, meu filho, eu geralmente não deixo ninguém mexer nessa estante sagrada coberta por meus incríveis feitos, mas você é meu herdeiro, então te darei essa honra!
  Entendendo que precisava fazer, Jayden, com todo cuidado, colocou o troféu brilhante em um dos poucos espaços vazios.
  — Pronto, papai! — exclamou com esperança de que agora teria a atenção voltada para seu aniversário.
  — Ótimo! Meu garoto! Sabe, Jayden, quero que olhe bem para esses troféus.
  O pequeno fixou seus olhos na prateleira fingindo olhar de admiração por aqueles objetos estúpidos, porém por dentro tudo que queria era destruí-los para ver se assim seu pai parava em casa.
  — Esses são os bens mais preciosos da minha vida! — Alex encarava seus prêmios com um afeto que nunca havia direcionado nem mesmo ao próprio filho.
  — É, eu sei — Lamentou Jayden, não escondendo a tristeza em sua voz, essa, contudo, sempre passava despercebida.
  — Por isso mesmo eu quero que você tenha uma prateleira igual a essa um dia. Sendo meu filho, não tenho dúvidas de que será um grande campeão.
  — Mas pai eu…
  — Eu sei, meu filho, você ainda não tem um cavalo. Bom, como hoje é seu aniversário, vou resolver isso agora mesmo!
  E assim, antes que o garotinho tivesse a chance de explicar que não queria viver daquele jeito, em busca de troféus e esquecendo a própria família, ele entrou em uma limusine a caminho do country clube que um dia seria seu.
  — Muito bem, meu filho, eu sei que o trago aqui pouco, mas pretendo mudar isso!
  — Que legal pai, mas eu pensei que no meu aniversário nós iríamos naquela lanchonete que serve um sundae gigante, lembra?
  — Eu sei, mas tenho certeza de que você vai gostar do que te aguarda aqui! Afinal, nada é mais legal do que cavalos, não é? — indagou como se a opinião do filho fosse importante.
  — É — o garoto respondeu não se esforçando para demonstrar o mínimo entusiasmo, da mesma forma que o pai não se esforçava em escutá-lo.
  — Isso mesmo! Então vem cá!
  Alex guiou o filho por entre os campos verdes do clube, Jayden precisava admitir que o lugar era muito bonito, com uma grama verde, pássaros cantando e diferentes tipos de flores. Uma pena que no meio de tanta beleza, seu pai só enxergasse glória e competição.
  Por fim, depois de alguns minutos, chegaram ao estábulo onde ficavam diferentes tipos de cavalos, alguns brancos, pretos, cinzas, até mesmo marrons. Cada um relinchava mais alto do que o outro fazendo Jayden pensar em como seu pai aguentava aquilo.
  — Aqui estamos, no paraíso! O estábulo, onde crio cavalos para vender a outros clubes, mas, principalmente, os treinos para competir. Cada cavaleiro tem o seu próprio cavalo.
  — E onde está o Rubi? — indagou se referindo ao cavalo com que o pai competia.
  — Ah, ele fica em um lugar especial, separado, afinal, o Rubi é um cavalo muito especial, o mais bem treinado e experiente de todos. Mas eu te trouxe aqui para ver alguém em específico!
  Alex levou o filho até uma porta e a abriu revelando um pequeno cavalo que mais parecia um pônei, de pelos brancos e crina avermelhada. Ao ver Jayden, o animal se aproximou de maneira gentil, como se o reconhecesse.
  — Jayden, meu filho, este é o Lion, ele é seu!
  O garoto arregalou os olhos, incrédulo, afinal tudo que ele menos queria de aniversário era algo que tivesse a ver com hipismo, principalmente um cavalo, mas o pequeno equino não tinha culpa de nada e seus olhos eram tão fofinhos, talvez ele pudesse ser a companhia que Jayden tanto queria, já que a maior parte do tempo ficava em casa somente com os empregados, estes, mais atenciosos do que Alex.
  — Legal! E eu posso brincar com ele?
  O campeão de hipismo riu como se tivesse ouvido uma piada.
  — Ah, meu filho, claro que não, este cavalo é de raça, puro, feito para competições, você não vai brincar com ele, mas sim treinar — o dono do clube explicou como se fosse óbvio, ignorando o fato de que estava falando com uma criança de dez anos.
  — Como assim? — O tom de Jayden era inocente.
  — Você completou dez anos, a idade mínima para competir no campeonato municipal de hipismo infantil!
  O garotinho forçou um sorriso, algo que era comum quando estava com seu pai
  — Ah, esse é o meu presente de dez anos. Participar de uma competição. Que legal! — A voz do garoto soava desanimada de propósito, em uma tentativa falha de fazer o pai perceber o que ele realmente queria, mas como sempre, Alex Shiba preferiu permanecer em seu mundo de ilusões.
  — Pois é, não é demais!
  Um misto de emoções tomou conta do peito do futuro atleta. Por um lado, ele queria ser uma criança normal, com tempo para brincar, aprender e se divertir, porém por outro, seu pai era quem havia ficado com ele, o havia aceitado e lhe dado tudo que tinha, por isso seria errado desapontá-lo.
  Naquele momento a gratidão venceu o desejo de liberdade.
  — Sim, é incrível, pai. Eu estou muito feliz, pode ter certeza que vou dar o meu melhor! — afirmou tentando acreditar nas palavras que saíam de sua boca.
  — Esse é o meu garoto!
  A partir daquele dia, a vida de Jayden passou a se resumir ao hipismo, seu pai o tirou da escola e contratou professores para ensiná-lo em casa, somente o necessário, visto que os treinos tomavam grande parte de seu tempo.
  Era como se seus dias tivessem sido arrancados dele. Não tinha amigos e as poucas vezes que ia a um lugar diferente, era sempre acompanhado de seu pai e o assunto sempre voltava para os cavalos.
   A pobre criança de dez anos aprendeu desde cedo que se divertir era um crime. Às vezes, em um ato de bravura, ele encarava outras crianças no clube que brincavam alegres em meio às árvores, ia até elas e por alguns segundos se sentia como alguém normal, como se o direito de viver uma infância feliz não lhe tivesse sido roubado, porém, o treinador contratado por seu pai e que o supervisionava como um falcão, logo aparecia e gritava.
  — Jayden, você está treinando ou brincando?
  Assim, como se tivesse sido pego em flagrante, o pobre garotinho voltava para cima de Lion e aguentava mais extensas horas de treino.
  Com o tempo, ele cresceu, e com seu crescimento a visão de seu pai foi cada vez mais implementada em seu subconsciente. Assim, aos quinze anos, quando via crianças brincando pela floresta, não mais pensava que elas eram felizes, mas zombava sobre como estavam perdendo seu tempo, enquanto ele seria atleta campeão. O jovem internalizou em sua mente a ideia de que se divertir era um crime, por isso agora ele mesmo a cortava de sua vida.
  Agora, quando lhe perguntavam qual era seu grande sonho, respondia como se estivesse repetindo uma programação de computador:
  — Ser um grande campeão de hipismo como meu pai.
  Jayden adotou a visão de Alex como sua própria, troféus eram mais importantes do que família, por isso mesmo nem se lembrava da última vez que havia visitado sua avó, pois era muito ocupado, sempre visando um objetivo que, bem no fundo, mesmo com toda a lavagem cerebral, o agora jovem adulto, sabia que não era dele.
  Imerso em seus pensamentos, Jayden não notou quando Lion fez um desvio inesperado, o derrubando com as costas no chão.
  — Ah, desculpa, amigão, eu me distraí um pouco, ainda bem que ninguém viu isso! — comemorou cedo demais, visto que logo em seguida uma voz grossa, muito familiar aos ouvidos do cavaleiro, afirmou:
  — Eu vi. Ah não, o grande cavaleiro Jayden Shiba, pentacampeão do campeonato juvenil estadual que agora se prepara para encarar o campeonato adulto, foi protagonista de uma cena digna de um meme, onde seus glúteos tocaram o chão. Me diz como se sente sobre isso? — Mike imitou a voz de um locutor esportivo, estabelecendo a Jayden um raro momento de descontração.
  — Você é muito idiota, Mike, e só as minhas costas encostarem no chão — o jovem atleta resmungou se levantando.
  — Eu vi, só estava querendo tirar uma com a sua cara!
  — Ha, Ha, muito engraçado, só não conta para o meu pai, você sabe como ele fica irado quando eu caio, ainda mais poucos dias antes do campeonato interno.
  — Eu sei, conheço a figura, não se esqueça que meu pai trabalha para ele desde antes de você nascer e eu cresci naquela casa, por isso mesmo sou seu melhor amigo! —afirmou se gabando.
  — Só porque é o único.
  — Eu sei que você me ama! — retrucou Mike em um tom de deboche.
  O garoto de topete e temperamento relaxado e Jayden se conheciam mesmo desde o tempo das fraldas, afinal eles tinham algo em comum, a mãe de Mike também fez a opção por deixá-lo com o pai quando este completou dez anos. Como seu novo responsável legal era mordomo na casa dos Shiba desde sempre, o menino começou a morar lá e a conviver com o filho de Alex Jayden. Dava graças a Deus pela presença daqueles dois em sua casa, visto que seu pai passava a maior parte do tempo viajando.
  Enquanto Ji fazia seu jantar, Mike invadia suas sessões de estudos as tornando bem mais divertidas. Eram como o irmão pai que ele nunca teve.
  — Eu não vou nem me dar ao trabalho de responder. Agora, se me der licença, vou fazer esse circuito mais uma vez.
  — Ah não, vai não. Você está nessa a tarde toda e eu percebi que você não comeu nada e como seu melhor amigo, é meu dever fazer com que se mantenha saudável. Vem, vamos à lanchonete, eles colocaram um novo milk-shake de morango que parece uma delícia.
  Jayden suspirou. Mike era a única pessoa capaz de fazê-lo esquecer um pouco suas responsabilidades.
  — Tudo bem.

  Mesmo com as mãos sujas de late, Zoey apresentava um sorriso no rosto. Por anos ela tentou conseguir um trabalho no clube Shiba, na esperança de ficar perto dos cavaleiros e dos cavalos.
  Desde pequena os olhos de Zoey brilhavam quando uma competição de hipismo passava na TV, a adrenalina, os obstáculos e a maneira como cada cavaleiro interagia com seu animal, era tudo tão incrível. Muitas vezes a sonhadora garotinha de fios loiros se imaginava ali, competindo, seria tão bom sentir o vento em seu rosto e seu coração palpitando enquanto ela dizia para seu cavalo ir mais rápido. No entanto, este era um sonho impossível, visto que sua família não tinha condições de frequentar um country clube.
  Mas agora ela havia conseguido um emprego no melhor clube da cidade, onde treinavam os melhores cavaleiros. Tudo bem que era um emprego de garçonete, porém todos precisam começar de algum lugar. Ela faria seu trabalho bem feito e quando surgisse oportunidade, ela montaria um cavalo. Ah, como seria incrível.
  As fantasias da jovem sonhadora foram interrompidas por um grito de sua rabugenta patroa.
  — Ei, menina, anda logo e vê se capricha nesse milk shake, é para o filho do dono.
  O coração de Zoey disparou.
  — Espera, Jayden Shiba está aqui na lanchonete? — A loira não se preocupou em esconder a empolgação.
  Alex Shiba era seu maior ídolo no mundo do hipismo, se um dia ela chegasse à metade do que ele conquistou, já estaria satisfeita. Mesmo trabalhando no clube, ainda não o havia conhecido, mas agora o filho dele estava ali, era sua chance!
  — Sim e esperando o milk shake que pediu!
  Entendendo o recado, Zoey terminou seu trabalho e com as pernas tremendo, caminhou até as mesas. Não demorou muito para reconhecer o rosto que já havia visto tantas vezes pela televisão e aqueles olhos azuis cristalinos fizeram suas mãos começarem a tremer enquanto se aproximava.
  — Aqui está o seu milk shake, senhor Shiba. Eu poderia falar com você só por um segundo? É importante e…
  Tudo estava indo bem até seus dedos moles a traírem e a fazerem cometer um grande erro.
  — Olha só, minha roupa de treino favorita, você não presta atenção?! — berrou Jayden que ao invés de receber o milk shake no copo recebeu em sua blusa e em sua calça.

CONTINUA...



Comentários da autora