The Last Time

Escrito por: Maraíza Santos - Siga a autora no Twitter
Beta-Reader: Naty



Parte do Projeto Songfics - 13ª Temporada // Música: Taylor Swift Feat. Gary Lightbody - The Last Time

Sentada na arquibancada, batia seu pé e olhava para os lados à procura de enquanto segurava uma pequena caixinha com o presente de um ano de namoro que eles faziam naquele dia. Deu uma olhada em suas roupas: tênis, camiseta azul e jeans. Nada mal. Aos poucos saiam os alunos do último ano e ela avistou gargalhando de alguma piada que um dos seus amigos contara.
sorriu automaticamente ao escutar sua risada e ver que seus olhos quase desapareciam quando sorria. Seus cabelos loiros dourados amarrados com uma liga revelava o maxilar fino. A garota de cabelos castanho-vermelho e lisos, recém pintados, foi andando em direção a ele com um sorriso estampado no rosto, era como se não tivesse ninguém ao seu lado, apenas e ela.
. – Ela cutucou seu ombro levantando a cabeça para cima. Às vezes esquecia que parecia minúscula ao seu lado. Talvez fosse sua postura ereta que ganhara por praticar esgrima desde criança. O garoto loiro olhou pra trás e sorriu ao ver sua garota com os olhos verdes opacos vidrados nele.
— Oi, meu amor. – Ele virou-se pra ela abraçando-a, a garota o segurou com seus braços ao redor do seu pescoço e sentiu todo o seu corpo pedir pra que ele não se afasta-se dela. fungou nos cabelos de sua namorada sentindo o cheiro de morango que ela sempre tivera. Afastou-se para olhá-la e selou seus lábios rapidamente. Ao se afastar, a viu com um sorriso singelo e com uma das mãos nas costas como se escondesse algo.
— O que é isso? – Ele perguntou curioso e inclinou-se sobre a garota a fazendo sentir-se minúscula, mais do que o normal. se inclinou pra trás para esconder a pequena caixinha branca com um laço azul que segurava com um sorriso travesso.
— Está bem. – Ele voltou a sua posição de antes. - Se você não quer me mostrar, tudo bem. Ah e sobre a gente sair hoje não vai dar, sabe? – O sorriso da garota se desfez aos poucos. – Eu queria muito sair com você hoje, mas...
— Eu não acredito. – Ela disse se mostrando irritada. – Você vai fazer isso de novo?
— Mas... Eu tenho algo importante pra fazer hoje. – Ele justificou-se.
— Ok. – Ela cruzou os braços. – Diga-me o que é tão importante.
— É a festa de hm... Um amigo muito íntimo meu. – Ele disse incerto. riu sem humor jogando a cabeça pra trás.
— Como você é ridículo! Saiba que você é um péssimo mentiroso! – Ela falou ríspida.
— Por Deus! Por que não podemos sair outro dia? O que há de tão importante em... – sentiu seu corpo congelar ao ver já em lágrimas, ela se abraçou tentando se acalmar. Seus olhos verdes pareciam pingar vidro e tudo que sentia fora uma pequena dor ao vê-la naquele estado.
— Você não se lembra, não é mesmo? – Ela olhava para o chão. – Claro que você não se lembra. Você nunca lembra. – Ela falou em sussurros tentando conter a voz chorosa.
— O quê? O que eu esqueci? – Enquanto tentava procurar em sua mente algo que fizesse sentido, estendeu suas mãos nos ombros da garota para consolá-la. rapidamente deu um passo pra trás afastando.
— Nosso um ano de namoro! Você esqueceu de novo, assim como esqueceu os sete meses, oito meses de namoro... – Ela olhou nos seus olhos. Raiva e ressentimento carregavam seu olhar. sentiu-se estremecer. Hoje era o quê, dia 7? Mas não era dia 18 que eles completavam um ano de namoro?
— Meu amor, me perdoa. – Ele tentou abraçá-la, mas ela afastou-se.
— Não.
sentiu como se estivesse levado uma tapa. Sentiu seu coração parar naquele momento. Ele costumava esquecer-se das datas de aniversário, ela lembrava, ele pedia desculpas, ela perdoava e assim ficavam bem. Naquela vez era diferente, ele percebeu que não parecia muito disposta a aceitar suas desculpas.
– Ela suspirou e limpou suas lágrimas com as costas das mãos. – Acho que é melhor a gente terminar... - Ele arregalou os olhos azuis, assustado.
— Terminar? Mas... Mas... Por quê? Não estamos bem? – Ele gaguejou. – Você não me ama mais? Nós nos amamos, certo? Tem algum outro garoto nessa história?
— Não! – Ela respondeu rápido. – Eu te amo, só não sei se você me ama. – Ela suspirou cansada. – Acabou, . Acabou.
pôs o presente que iria dar ao seu, agora, ex-namorado no bolso e virou-se andando em direção a saída da escola. olhou pra trás e percebeu que todos olhavam para ele e diante a discussão.
— Que foi? Perderam alguma coisa aqui? — Ele perguntou irritado e todos desviaram o olhar.
A aula já tinha acabado e ela gostaria de guardar seu drama pós-fim de namoro para casa. Estava cansada de e sua falta de compromisso. Além de esquecer as datas importantes, sempre colocava festas e jogos com seus amigos à frente de seu relacionamento, já perdera as contas das vezes em que ele cancelou seus encontros porque iria a uma festa qualquer de um desconhecido da escola. Suspirou e pegou o presente do seu bolso, era um chaveiro com um pingente de Hogwarts, era um fã de Harry Potter de carteirinha e sabia disso. Ela se pôs a perguntar se ele sabia algo dela que ninguém soubesse, já que na maioria das vezes ele apenas falava. Parando pra pensar, não a amava, não de verdade. Sentiu as lágrimas teimarem em descer mais uma vez e engoliu o choro.
se via sentando em sua cama há mais de duas horas. Sua barriga já reclamava por falta de comida, mas ele não queria sair dali. havia terminado, eles não eram mais namorados. Sua não era mais sua. Queria dizer que a culpa era dela, que não sabia o porquê do fim do relacionamento. Queria que ele não estivesse se importando com o término e que fosse se divertir com seus amigos na festa que ocorreria hoje na sua rua. Mas ele não conseguia. ficava passando e repassando a cena em que ele e brigavam. Ela parecia tão magoada. Ele estava errado, muito errado. Devia cuidar dela e amá-la do jeito que um dia prometera. Precisava fazer alguma coisa. Mudar? Talvez.
Sentiu sua cama começar a vibrar e viu seu telefone tocar, esticou-se rapidamente torcendo pra que fosse , fez uma careta ao ver “” no visor.
— Oi. — Ele falou se jogando na cama.
— Opa! Que desanimação é essa? — disse no outro lado da linha. — Então essa história do fim do namoro seu e de é verdade? Anima, cara! Agora você pode pegar quem quiser.
— Não é assim, . — Ele passou a mão no rosto. — Eu gosto dela...
— Só gosta? — falou em tom risonho. — Isso é amor, cara, amor! Você está apaixonado por ela e não admite. Nunca deu valor, agora, toma essa!
— Que tipo de amigo você é? — Ele ralhou. — Eu não preciso de mais um motivo pra ficar na fossa.
— Escuta Taylor Swift agora. — Provocou e logo soltou uma risada. sentiu vontade de socar-lhe o rosto. — Mas, sério, fala com ela e para de agir igual a um idiota e enquanto isso eu arrumo outra pessoa para ir à festa comigo.
— Ok. Eu resolvo. — Ele se levantou. — Até mais, bro.
— Até. — Respondeu e desligou o telefone.
se levantou determinado em fazer algo, mas antes, precisava comer alguma coisa.

(...)

parou em frente ao espelho e olhava para seu reflexo. Por que não a dava valor? Talvez seria por ela não ser tão popular como ele. Ou seria por que ela era gorda? mordeu o lábio inferior nervosamente e balançou a cabeça. Não ia se preocupar com isso. Aproveitou o fato de seus pais não estarem em casa e pegou um pote de sorvete na geladeira e colocou “Ele não está tão afim de você” no DVD para assistir em sua sala.
— Porque nada está tão ruim para que não possa piorar. — Ela falou e soltou uma risada sem humor, enquanto sentava no chão da sua sala.
Ela só podia estar na fossa, pré-supôs. Tanta tristeza pelo fim de um relacionamento e o pior é que não conseguia chorar, nenhuma lágrima descera de seus olhos, era como se a tristeza lhe deixasse tão pra baixo que nem chorar conseguia. Desde que colocou o fim do seu namoro sentia uma pequena dor que aumentava gradativamente em seu peito e parecia estar a um fio para desabar de vez. Deveria estudar para sua próxima prova, mas ela não sentia vontade de fazer nada. Mais um namoro fracassado, não era? E dessa vez seria um pouco pior já que ela ainda o amava.
Voltou-se ao filme que passava em sua TV e deu a primeira colherada no sorvete em seu colo. Ouviu a campainha tocar e xingou até a quarta geração de quem a atrapalhava naquela hora da noite. Desajeitada, levantou-se ainda com a colher na boca e jogou o cabelo que caia no rosto para trás. Com a mão na maçaneta abriu a porta e se viu estática ao ver quem era. .
olhava para seus sapatos e mexia seu cabelo os bagunçando, fios loiros balançando enquanto ele desviava o olhar para qualquer coisa dentro da casa de , menos nela.
— Hm... — Ela tirou a colher da boca. — O que faz aqui?
— Eu... — engoliu o seco. — Vim falar com você.
— Sobre? — Ela cruzou os braços. — Se for à mesma história eu...
— Por favor, . — Ele suplicou. — Me escuta, só dessa vez.
— Pra quê? Você vai falar as palavras certas, a gente vai voltar e você vai fazer tudo de novo! — Ela falou as palavras em tremenda dureza. sentiu seu estômago revirar.
— Eu te amo, ! — Disse com a facilidade que não sabia que tinha.
A garota desviou o olhar para o chão se mostrando desacreditada. Era assim mesmo, não é? As pessoas falavam sobre o amor da mesma forma que se referiam ao que preferem no almoço, um “Eu amo bacon’’ dele soaria mais verdadeiro do que ele acabara de dizer.
— Mas... — pôs um dedo em seus lábios impedindo a de falar.
— E porque te amo não quero me afastar de você. Porque te amo eu vou te proteger e ser aquilo que você sempre quis que eu fosse. Você sempre foi minha prioridade, . É você a pessoa que eu penso antes de dormir e quando acordo e também é a pessoa que eu quero estar. É você!
deu um passo para trás como se alguém a tivesse empurrado. Desde que conhecera o rotulava como um garoto que não demonstrava seus sentimentos, vê-lo naquela situação era como estar em um dos quaisquer livros de romance que lia nas férias.
— Eu? — Ela sibilou.
— Estou disposto a mudar. — Ele segurou o rosto da garota com as duas mãos. — Eu mudarei por você. E não vou prometer, minha palavra basta. Eu te amo e vou mudar.
— Eu também te amo. — Com lágrimas ameaçando descer, soltou a colher que ainda segurava e se jogou nos braços de o apertando forte em um abraço. O loiro a segurou pela cintura e a ergueu enquanto a rodava e eles caiam em uma gargalhada. Ainda rindo, a garota foi colocada no chão enquanto apoiava as mãos no peito de seu namorado.
— Essa é a última vez que eu vou te pedir isso — Ela fechou os olhos e suspirou. — ponha meu nome no topo da sua lista.
— Essa é a ultima vez — Ele sussurrou. — eu não vou mais te machucar.
E a beijou.

 

Comentários da autora



AEEEE! Sei, sei, parece que eu nunca paro de escrever HSUAHSUAHS Primeiramente, gostaria de dizer o quão feliz eu fiquei ao receber “the last time’’ da minha palmitinha para fazer a fanfic, já que é uma das minhas músicas favoritas do red (Gary ta SENSACIONAL nessa música, amo a harmonia das vozes dos dois) e escrever essa fanfic foi uma das melhores experiências que tive no Projeto Songfics. Bem, diga o que vocês acharam no meu Twitter ou cometem aqui, ficarei muito feliz. :)) Até mais!

Nota da Beta: Encontrou algum erro? Não use os comentários. Fale por aqui.