McLow

Escrito por Camilla Lima - Siga a autora no Twitter
Beta-Reader: Flavinha



Capítulo 1

POV'S

Bem, vou lhes contar como tudo na minha vida aconteceu muito rápido, até me assusto, mas foi tudo de bom, por incrível que pareça. Uns podem pensar, "Nossa isso realmente aconteceu com ela?" Pois eu digo que sim! Basta acreditar em você mesma. Quer ver?

Chamo-me , tenho 17 anos, sou brasileira, COM MUITO ORGULHO, filha de pais cantores de sertanejo, (isso me agonia, mas não deixo de amá-los) eles também tem uma empresa fora do país. Bem legal, não é?
Desde pequena fui ensinada a tocar violão, a cantar e a tocar piano. Venho de família de músicos e isso me faz querer seguir carreira de cantora, mas não de sertanejo, não é o meu tipo de música, gosto mesmo é de rock, os antigos, que são os melhores, EVER, e claro os novos, tipo ALL TIME LOW E MCFLY, minhas bandas favoritas. Ainda caso com o ou com o . Sonho demais, mas não custa nada, certo? Minhas melhores amigas e pensam do mesmo jeito que eu, só que a unica coisa é que elas brigam pelo idiota do Danny Jones, mas isso é o de menos, sinto que iremos morar juntas e trabalhar juntas, por mais que elas queiram fazer um curso totalmente diferente do meu. Quero ser cantora, mas amo engenharia. Já estou no 3º ano e sinto que esse ano vai ser o melhor da minha vida... Sabe quando você acorda e sente que o dia vai ser perfeito e tudo acaba saindo do jeito que você quer? Pois bem, senti isso na virada do ano. Como sempre, estava com meus amigos, e minhas duas companheiras de sempre, a e a , na praia, comemorando o ano novo com toda a nossa família.

- MENINAS! - disse gritando - SINTO QUE ESSE ANO VAI SER PERFEITO PRA NÓS!
- DEUS TE OUÇA! - disse a me dando um abraço.
- Quero um abraço também, suas idiotas - falou a pulando em cima de nós duas, fazendo todas nós cair na areia e dar ataques de risos. Até que a nossa música começa a tocar no fundo, You've Got A Friend do Mcfly, por mais que meus pais sempre dissessem "Essa banda não presta." na mesma hora que vira nossa cena, ele sabia que aquela música dizia tudo sobre nós três, colocou. Até que a começa a chorar.
- Não quero que vocês me deixem, não quero deixar vocês nunca. - disse chorando e abraçando eu e a .
- Oh sua besta, isso nunca vai acontecer, três mosqueteiras. Lembra? - fala olhando pra , rindo da cara de idiota que ela fazia.
- Deixe desse drama menina. - pulei em cima dela rindo - Agora levanta e vamos comer algo, estou morta de fome, só fiz beber a noite toda.
- SUA CACHACEIRA! - disse batendo em mim.
- Você não pode falar nada, ultrapassou hoje. - disse - Eu sou a unica santa aqui. Não bebo, não faço nada, só vocês suas pervertidas.
- AHAM. - falamos pra .

Estava tudo ótimo, eu iria terminar meu 3º ano com minhas amigas, iríamos cursar na faculdade dos sonhos, com os cursos dos sonhos. Eu com engenharia, com medicina e a com moda. A mandava muito bem em biologia, mas mandava melhor ainda em organizar as coisas, ela era responsável pelas coisas do colégio, e como sempre, ótima em moda, organizava a parte de figurino do colégio. Já eu? Só ajudar meu lance com cálculos era ótimo. Pareço uma nerd, mas não sou. Voltando pro ano novo, as meninas decidiram dormir na minha casa de praia, no outro dia iriam embora, passar o primeiro dia do ano com a família de cada uma, mas iríamos nos ver do mesmo jeito, éramos do mesmo condomínio.
No outro dia, depois das mesmas irem, passei um ótimo primeiro dia de ano com minha família, tudo não poderia estar mais perfeito! Por enquanto. No outro dia, meu pai chama minha mãe e eu, para uma conversa séria. Tenho medo quando ele chega dizendo que o lance é sério. A cara dele dá medo, brincadeira, mas dá medo, pois na maioria das vezes nunca é bom.

- Tenho uma notícia ótima para dar à vocês duas! - disse meu pai olhando fixamente para minha mãe e para mim.
- O quê? - perguntei animada - Vou ganhar um carro?! - perguntei esperançosa.
- Fica quieta ! Deixe seu pai terminar. - disse minha mãe com um sorriso, aposto que ela estava mais ansiosa pra saber o que era do que eu mesma.
- Não é isso minha filha, uma coisa bem melhor! - disse o mesmo.
- Ah pai, então para de enrolar e diz logo caramba! - disse arregalando meus olhos, quase pulando.
- Pois bem, a notícia é que iremos morar em Baltimore, nos EUA, estamos indo para lá mês que vem! A empresa progrediu muito ano passado e está precisando de mim. Como sou o dono, preciso ver as coisas de perto. Não é simplesmente fascinante? - disse o mesmo na maior animação.
- COMO É?? - gritei - Não pode, não quero ir para lá. E meus amigos, minha vida aqui pai? Você quer estragar tudo! Vou morar com a vovó aqui no Brasil, podem ir vocês dois pros Estados Unidos.
- Marcos, isso é verdade ou é mais uma de suas pegadinhas de começo de ano? - perguntou minha mãe com cara de "não acredito".
- É sim Alicia, estamos indo em fevereiro. Mandei meus funcionários irem atrás de um apartamento grande lá em Baltimore, escola da , já está tudo certo, você só precisa pegar a transferência no colégio dela. - disse meu pai sério.
- NÃO VOU PARA LÁ! Já disse! - falei chorando e saindo correndo da sala, indo em direção à praia.
- Alicia ela vai ter que aceitar isso, vai poder passar as férias aqui, ou a amigas delas lá. Ela irá conosco!
- Eu sei que ela irá... - disse minha mãe com apreensão - Vou falar com ela.
- Vá e depois mande ela vir falar comigo.
- Tudo bem. - disse minha mãe saindo da sala e indo em minha direção.

- Filha,você está bem? - pergunta a mesma. Mas como ela poderia perguntar aquilo? Alô mãe!!
- Não mãe, não estou, deixar tudo pra trás, começar tudo e o pior é que é em outro país. Não sei se consigo. - falei chorando e soluçando.
- Mas é claro que consegue! - falou minha mãe me abraçando.
- Como vou contar isso pros meus amigos? E as meninas? Vão morrer... A fez um drama danado ontem! Acho que aquela lesa sabia o que ia acontecer, sempre achei que ela fosse meio paranormal. - disse com um tom engraçado.
- Dirá a elas como seu pai falou... Conte como vai ser, sei que elas vão te apoiar, não é outro país que afastará vocês. Agora vá lavar o rosto, falar com seu pai, e contar para suas amigas. Aproveitem o tempo que têm juntas. - sorriu minha mãe.
- Ok mamãe. - me levantei e sai pra falar com meu pai.

- Como está? - perguntou.
- Bem, eu acho. Como não tem outra escolha, vou ter que ir não é?
- É sim filha, vai dar tudo certo. Prometo.
- Promete mesmo?
- Claro que sim! - deu um sorriso e senti que eu poderia confiar cem por cento nele.
- Ok. Então, vou dar a notícia para as meninas. - sai dando um abraço no mesmo.

Fui ao meu quarto. Tomei um banho, coloquei um short, uma blusa bem colorida que tinha ganho de , uma sandália, peguei meu óculos, minha bolsa, e desci as escadas.
- Bem, vou indo. A casa das meninas não é longe da nossa, mas vou pegar o quadriciclo, certo? - falei já pegando a chave e saindo pela porta dos fundos, indo ate o quadriciclo.
Subi no mesmo e sai dirigindo, indo ate casa da . Chegando lá, encontro a prestes a sair com a mãe.
- , preciso falar urgente com você e a . Sobe aqui, vamos para a casa dela. - falei.
- Mãe, vou com ela ok? - disse a mesma pra mãe.
- Tudo bem, pode ir.
sobe no quadriciclo e saímos em direção da casa da . Subimos correndo as escadas da casa da mesma, indo em direção ao seu quarto.
- ! - disse gritando já batendo na porta do quarto dela - A precisa falar com a gente, é urgente. - disse a mesma gritando. - ABRE LOGO SUA IDIOTA!
Cara, como eu iria sentir falta dos nossos tratamentos carinhosos. Idiotas, burras, bitchs, retardadas e assim vai.
- AAI, esperava um pouco! Até eu trocar de roupa né. Estava no banho, sua lesada. - falou , fazendo um ?L? na testa - entra, que estou curiosa.
- Senta ai vocês duas. - saí empurrando as mesmas na cama da , que por sinal estava uma bagunça.
Contei a historia, quer dizer o fato pra elas. E a reação não foi boa.
- COMO É? NÃO ACREDITO EM VOCÊ! - se levanta gritando e andando nervosa.
- Eu sabia que ia acontecer algo, cara. Você não vai embora, vou falar com seu pai! - disse-me .
- Não adianta ! Vou embora mês que vem, temos que aproveitar esse mês. Mas vejam pelo lado bom, vocês vão poder ir para lá e poderemos sair à noite, altas baladas, pensa no lado positivo. - para nós três uma coisa só se torna positiva, quando se tem algo pra fazer. Antes disso, é um saco. - Não concordei também com meu pai, se vocês querem saber, mas eu não posso fazer nada, vou ter que ir! Agora venham aqui suas bitchs e me dêem um abraço. - falei com os olhos cheio de lágrimas. Ambas se levantam, e me abraçam.
- Promete que não vai esquecer da gente quando for pra lá e encontrar meninas branquelas e sem bunda, ao se juntar a elas? - falou com seu draminha.
- Claro que não! Vocês são minhas irmãs, não importa onde eu esteja.
- É bom mesmo, porque se isso acontecer eu te mato e não falo mais com você.
- Se vai me matar, como vai falar? IDIOTA! - falei rindo.
- Ah cala a boca! Vamos sair então, aproveitar as férias. Afinal, o Eduardo quer ficar com você. - falou me fez dar um sorriso enorme.
- É isso que se fala! Vamos nos divertir! Você vai pegar o Eduardo e eu e a vamos procurar alguém pra pegar - disse rindo. O que fez todas rirem. Pegamos nossas coisas e saímos para a praia. As três em um quadriciclo, não sei como, mas ele andou direitinho. Nos divertimos muito.
Amigas e amigos que tenho aqui são perfeitos, por isso é óbvio que tudo só poderia se tornar perfeito, não é verdade?

Chega o último dia. Já tínhamos voltado das férias na praia e saímos pra fazer compras, conversar, jantar em algum lugar, cinema, tudo isso... Até que eu ganho uma surpresinha delas. Um colar com uma bandeirinha do Brasil, atrás estava gravado "You?ve Got A Friend" com as nossas iniciais.
- Não tire isso nunca do seu pescoço, está me ouvindo? - disse em um tom mandão.
- E se tirar já sabe... - falou enquanto eu a interrompida.
- Você me mata e nunca mais fala comigo!! - disse rindo, colocando o colar - Obrigada mesmo meninas, não vou tirar não!
- Agora quero sua carteira da Louis Vuitton de presente. - falou - Eu estou falando sério.
- Ai, o que eu não faço por você, pode pegar. - entreguei rindo - Já que dei a minha melhor carteira pra essa lesada, vou te dar meu casaco preto com vermelho que você ama, . - entreguei a ela.
- AAAAH! MORRI, obrigada amor! - recebi um abração dela.
- Meninas - falou minha mãe entrando no meu quarto - não queria dizer isso, mas a e a vão ter que ir embora. Amanhã o nosso vôo é de manha, então você tem que acordar cedo, filha.
- Ah tia! Só mais um pouco - falaram e em coro.
- Não dá, sério! Vamos levá-las agora. - explicou minha mãe fechando a porta.
- Então é isso gente... Até a próxima férias ou feriado, quando eu vier para cá. E vocês tem de ir pra lá também, ok? Falem comigo no twitter, msn e no orkut. SEMPRE!
- Claro que sim né ! - falou em um tom "óbvio". Nos abraçamos e falamos ao mesmo tempo.
- AMO VOCÊS SEMPRE!
Choramos como umas menininhas que perderam seus doces ou a ida a um brinquedo no park de diversão, mas dessa vez não era drama. Me despedi delas, e terminei de arrumar minhas coisas para a viajem e fui dormir. No outro dia acordo com minha mãe, na porta do meu quarto.

- ! Está na hora de acordar, se arrumar e tomar café para partimos. - falou minha mãe na porta do meu quarto.
Levantei-me, tomei um banho, coloquei uma calça skinny, uma regata branca com uma blusa xadrez azul por cima, uma botinha all star amarela, uma bolsa preta simples e desci com minhas coisas. Estava com meu celular em mãos twittando como sempre, mas dessa vez tinha um grande motivo para isso. Sentei à mesa tomei um café rápido e escrevi no twitter:
"Acabei de me arrumar e de tomar café. Esperando minha mãe agora e partir pros EUA."
Com um outro em seguida:
"VOU SENTIR FALTA DISSO TUDO AQUI, BRASIL AMO VOCÊ!"
Na mesma hora, um twitter da :
@ Ei sua vaca, você não me ama não?
Respondi ironicamente dizendo que não. Disse que tinha que sair e que twittava mais quando chegasse ao aeroporto.
O que ela fazia acordada a essa hora da manhã? Vai saber...
Joguei as coisas no carro, me despedi dos empregados, dei tchau a minha casa, pois não sabia quando iria vê?la de novo. Não demorou muito para começar com o meu drama.
- Tchau casa, tchau casa da árvore, tchau pessoas que me viram crescer e não vão me ver me formando na faculdade. Adeus! Até nunca mais, culpem meu pai, eu deixo.
- Deixe de drama e entre no carro . - falou meu pai rindo já dentro do carro.
Fiz o que ele pediu e fomos pro aeroporto, onde a partir daí minha vida mudaria. Pra sempre!
"Agora partiu mesmo. Estados Unidos, Baltimore. No avião indo para meu novo país. #fail #lie xxx? Amo vocês."
Observei a cidade dentro do avião, dando tchau na minha cabeça pra tudo que via lá de cima.

Capítulo 2

Quando cheguei ao aeroporto dos Estados Unidos estava fazendo um friozinho bom sabe? Aquele onde seria ótimo estar em casa com os amigos, vendo TV, comendo pipoca e conversando sobre vários assuntos. Só que isso não iria rolar tão cedo (pelo menos eu achava).
Pequei meu celular e entrei no twitter como sempre e postei:
"Acabo de chegar nos EUA, está um frio ótimo aqui. Já já entro no msn pessoas, xxx"
Saí para pegar minhas malas e partir pra casa nova. Quero dizer, apartamento. Vai ser estranho morar em um apartamento, pois na minha vida toda sempre morei em casa. O jeito é tentar acostumar certo?
Chegando no nosso novo apartamento olhei todos os cômodos e chegando logo ao principal, o meu quarto. Pelo menos para mim.
Cheguei a conclusão de que meu quarto daqui é mais bonito que o do Brasil. Ele tinha paredes roxas com uma fotos enormes do ATL e do MCFLY em uma parede, minha cama de casal, um closet, - CARAMBA TENHO UM CLOSET! - TV, uma mesinha pro computador, sofá e na parede em cima da minha cama uma foto da Audrey Hepburn, minha diva sempre! O quarto tinha luzes embutidas batendo nas três fotos principais. Ao lado da cama havia um criado mudo, onde logo coloquei dois porta retratos, um com minhas melhores amigas e outro com uma foto com todos meus amigos - que tiramos antes de partir.
- ! Desça que vamos sair pra conhecer a cidade e jantar. - falou minha mãe no andar de baixo.
- Estou indo! Deixa só eu pegar um lenço na mala. - disse a minha mãe. Peguei o lenço, minha bolsa, e o celular na mão.
? Estou pronta. Aonde vamos?
- Em um restaurante na cidade. - disse meu pai.
- Ah, ótimo. - descemos de elevador, entramos no carro, e comecei a twittar de novo:
"Não vou entrar agora no msn, estou indo jantar com meus pais. Está tudo tão lindo aqui... xoxo" - joguei o celular na bolsa e fiquei olhando a cidade pela janela do carro.

Ao chegar no restaurante desci do carro e esperei minha mãe descer. Ela estava com um sapato alto novo, que machucava o seu pé. Avisei-a para não usá-lo hoje, mas ela não me ouviu.
Entramos no restaurante e foi aí que avistei-o sentado e rindo que nem um condenado, batendo no .
- MÃE! - dei um gritinho no ouvido dela - Olha só quem está ali. Mãe não estou me sentindo bem... - e cai dura no chão. Sim, eu desmaiei. Estava vendo o homem que eu passei e passo anos o amando, dizendo que iria me casar com ele e em pouco tempo que coloquei meu pé no meu novo país, vejo-o. É o destino.
- Alguém me ajude! - falou minha mãe no chão comigo - acorde pelo amor de Deus.
Meu pai estava estacionando o carro, por isso não tinha visto o ocorrido.
- Senhora, deixe ajudá-la. - falou com cara de assustado.
- Ah claro, por favor. - falou minha mãe, deixando meu corpo livre para que o mesmo me pegasse no colo e me lavasse a uma sala. Ele me colocou deitada em um sofá, onde ele logo depois se sentou e colocou minha cabeça na perna dele.
? Estranho, mas foi um impulso. Quando eu a vi no chão era como se eu já soubesse disso. - ele falou olhando pra minha mãe e mexendo no meu cabelo - quer que eu a leve pra algum médico? - perguntou.
- Vou esperar meu marido chegar. Muito obrigada mesmo, como se chama?
- Ah! Esqueci de me apresentar. Me chamo , prazer. - falou um todo educado esticando a mão pra minha mãe.
- Me chamo Alicia e essa é minha filha, . - falou minha mãe sorrindo.
- seu idiota, estávamos te procurando. - entrou na sala - Você é doido de sair assim do nada. E por sinal, temos um show agora à noite. Está esquecido? - falou um todo agoniado, ele não tinha reparado quem estava na sala e quem estava no colo dele.
- Ah cara, desculpa. Tinha que ajudar né! - falou olhando sério pro - E essa é a Sra. Alicia. Essa aqui no meu colo, é a menina que desmaiou, . - falou - Agora seja um menino educado e fale com a Sra. Alicia. - obrigou .
- Desculpa. Sou , integrante da melhor banda dos Estados Unidos, o All Time Low. - disse o mesmo com um sorriso enorme na cara estendendo a mão pra minha mãe.
- Você disse All Time Low? - perguntou minha mãe cumprimentado o mesmo.
- Sim, eu disse.
- Minha filha é fã de vocês! - falou minha mãe.
- Sua filha é gata. - falou .
- Se comporte ! Não está com qualquer fã, está com uma fã desmaiada! - falou com um tom sarcástico, minha mãe riu. Sim, minha mãe riu.
- Mãe... - falei meio sonolenta. Quando olho pra cima, dou de cara com sorrindo para mim.
- Ah que bom! Você acordou. - falou .
- AAAAAAAAAAAAAAAAH! - gritei caindo no chão - Mãe, me belisca agora! - falei - Eu to falando sério.
- , ele me ajudou quando você desmaiou. - explicou minha mãe.
- E ai gata. - falou me ajudando a levantar - Está melhor?
- Só pode ser um sonho. Ai Deus! - falei já acordada e me levantando - Estou e obrigado pela ajuda. - falei ao - e obrigada mesmo por você ter ajudado minha mãe. - disse olhando pro enquanto o mesmo me encarava.
- Ah, não é nada. Eu só... - tentou falar , sendo interrompido pelo idiota do .
- Quem fez tudo, fui eu. - falou rindo.
- Deixe de ser mentiroso menino! - falou minha mãe rindo.
- Mãe, você rindo com eles? Nossa, como assim? - falei rindo.
- , prazer. - falou .
- Eu sei disso... Quero dizer, , prazer. - disse sorrindo e ficando vermelha. O que o fez rir.
- Temos um show agora, está a fim de ir? Convidada especial. - perguntou o mesmo, me encarando.
"Mal posso esperar pra contar isso para as meninas!", pensei, gritando na minha mente.
- Mãe, posso? - perguntei fazendo um biquinho pra mesma.
- Não sei você acabou de desmaiar, não acho que seja bom. - falou minha mãe.
- Mãe, foi só um susto que e os outros meninos me deram. - falei.
- Não sou tão feio assim, . - falou - Sou até lindo e sensual. - falou com um tom sério, mas querendo rir.
- Você é um idiota, isso sim. Cala a boca! - falou , enquanto eu só fazia rir e ficar olhando para os dois. Não acreditava ainda que estivesse no mesmo ambiente com o meu bebezinho e o bebezinho da ao meu lado se xingando e me fazendo rir.
- Cadê o e o ? - perguntei.
- Devem estar cantando alguma garçonete por aí, esses dois não perdem tempo. - falou .
- Ah claro, típico. E aí mãe, você deixa? - na mesma hora meu pai entra todo preocupado.
- Você está bem? - perguntou.
- Sim, eu estou ótima graças ao . - falei apresentando os meninos a ele. - Pai, eles vão fazer um show agora à noite, o senhor me deixa ir? - fiz cara de mimada, dizendo que queria muito, só em um olhar.
- Tem certeza disso? - perguntou.
- Claro que tenho.
- Ok, então vá. Agora não demore, terminou o show vá para casa, teremos um dia cheio amanhã. - falou o mesmo.
- AAAH! Obrigado pai. - falei dando um abraço nele.
- Vamos então? - falou estendendo a mão para mim e me abraçando.
Para! Ele fez o quê? Estendeu a mão e ainda me abraçou?
- Olhe os modos com a minha filha, menino. - falou meu pai rindo.
- Vou cuidar dela Senhor... Não sei o seu nome. - falou .
- Depois o mal educado sou eu, prazer . - falou estendo a mão pro meu pai.
- Marcos . - falou sorrindo.
- Isso, vou cuidar dela Sr. Marcos. - falou sorrindo.
- Vou confiar, viu menino? O quê? Eu disse isso? - falou olhando pra minha mãe.
- Disse, agora cumpra a palavra. - disse a mesma.
- Tchau mãe, tchau pai. - disse dando um beijo nos dois, já voltando pros braços do .
Só pode ser um sonho, tenho que contar para as meninas.
- Ei , ei , teremos companhia hoje no show. - falou pulando em .
- Essa é a . - disse me apresentando pros outros meninos, que por sinal são mais lindos pessoalmente. O é mais lindo pessoalmente, a iria morrer.
- Oi meninos. - falei olhando e recebendo abraços e beijos na bochecha pelos dois.
- Vamos? - falou o empresário deles. - Ah, oi. - disse com um sorriso para mim.
- Oi. - falei sorrindo.

- Damas primeiro. - falou .
- Hum, educadinhos. - falei rindo e entrando no carro, que por sinal era uma limusine. Quando olho, o senta ao meu lado, me abraçando e me dando um sorriso.
- E aí , quem te conheceu? ou o tarado? Te acharam linda e te chamaram. O que é o mais provável. - falou .
- O idiota vá se ferrar, não sou assim. - falou .
- Hum, eu desmaiei no restaurante e o me ajudou. Tenso não é? - falei rindo.
- Ah, então o tumulto e a revolta do foi por sua causa? Todo mundo se levantou e não deu pra ver direito. - falou .
- Tenso mesmo. Que doideira. - falou rindo.
- Pois é. Tivemos sorte, conhecemos uma garota linda, com os pais legais. Ou seja, já posso te pedir em casamento. - falou se enxerindo pro meu lado me mandando um beijo e tentando fazer um olhar sedutor. O que me fez rir e ficar corada.
- Que pedir ela em casamento que nada. Cale sua boca, ela é minha. - Falou , dando um chute nas pernas dele e me abraçando com mais força.
Simplesmente morri com isso, só poderia ser um sonho, como em Alice no País das Maravilhas, mas dessa vez tudo real como as conversas, as risadas, os xingamentos engraçados dos vídeos, tudo estava acontecendo na minha frente, na ida até o local do show. A minha vontade era de pegar o meu celular, ligar para a e a , começar a falar em português e deixá-los doidos querendo saber o que eu falava. Não fiz isso, só peguei o meu celular, abri a página do Orkut e depois o twitter.
- Você tem twitter! Vou te seguir. - falou pegando seu celular e abrindo a página do twitter também. - Qual é o seu? - perguntou.
- Hum, @ - falei sorrindo.
- Hein? ?falou sem entender.
- Me dá que eu escrevo - peguei o celular dele, colocando o meu twitter. - Pronto, é só seguir.
- Quero te seguir também - falou . - Me dando celular dele, o que fez e o me darem os deles também.
- Vou cobrar hein. - falei séria.
- Cobre o que quiser que a gente paga. - falou com um tom malicioso.
- Não queira isso, amorzinho. - falei encarando o mesmo - Prontinho estão me seguindo já, obrigada guys.
- Ah merda , você só fala em... Que língua é essa?! - reclamou rindo.
- Vou começar a escrever em inglês, relaxe honey. É português. - falei - E deixe de ser mimado, use o tradutor fail do Google.
- FAIL! Adorei. - falou rindo.
- Seu idiota, nem foi engraçado. - disse o .
- Pois é, não foi. - falei rindo.
- Me deixem seus idiotas. - falou emburrado e se encolhendo na cadeira. Enquanto eu ria e twittava em português: "No carro com os meninos do ATL. Indo para o show acredite se quiser, verão as fotos."
Na mesma hora a fala:
"ME CONTE AGORA! VOCÊ TA FALANDO SÉRIO? DÁ NOTICIAS!"
"Já te ligo amor, deixa eu descer do carro e ajudar os meninos."
"SUA VACA, VOCÊ ESTA MENTINDO! ME LIGUE MESMO."
Dei tchau ao twitter, coloquei o meu celular na bolsa. Lembrei que não tinha jantado, mas não sentia fome naquela hora. Na verdade, nem tinha como.
Chegamos à casa de show onde por sinal estava lotado. É, iria ser um show incrível.
- Olha só que gata tem ali! PARA O CARRO, TENHO QUE CHAMAR ELA! - falou .
- Não pode idiota! As fãs iriam nos atacar... O que por sinal é bom. - falou rindo.
- Sem graça você. - falou .
- Está assim só por que a está aqui. - falou , o deixando corado.
Como assim o ficou corado por minha causa? Não pensei que causava tanto.
- Cala a boca e pare de me deixar com vergonha. - falou batendo no mesmo.
Descemos do carro, e o falou no meu ouvido.
- Prometi cuidar de você, então terá cuidados. - falou beijando minha bochecha. O que me fez corar bastante.
- É bom mesmo, viu? - falei olhando pra ele e sorrindo. Enquanto sentia o mesmo pegar na minha mão.
Ouvia as meninas, que os esperavam na entrada do camarim se perguntando "Quem é aquela com o ?!" e nos olhando. Nunca pensei que isso aconteceria comigo, quando soube que iria morar nos EUA, Baltimore especificamente, tinha esquecido completamente quem morava aqui.
Entramos no camarim e me sentei no sofá enquanto os meninos se preparavam para o show. Avisei ao que iria fazer uma ligação. Saí do camarim e fui pro corredor, onde não tinha movimentação. Logo o ou o iriam começar a gritar e correr pelo mesmo. Peguei o celular e liguei para .
"Sua idiota, dê sinal de vida pra mim e pra . Contei o que vi pra no twitter e fui até a casa dela"
Falou gritando no celular.
- Oi meninas! Também estou com saudades, como estão?
"Estamos ótimas e curiosas. Você estava falando sério, ?" - as duas falaram ao mesmo tempo.
- É estou, tenho que contar tudo para vocês, eu até agora não acredito! - comecei a falar em português, mas paro quando escuto o gritando no corredor.
- Não acredito ! Você está falando em português de novo? Não fale mal de mim pra ninguém, está me ouvindo? - falou gritando no corredor.
- Relaxe, não estou. - respondi.
" ! Não me diga que isso foi o ? Conheço a voz dele em todo canto." - recebi um grito da no outro lado.
- Sim, foi ele. Que por sinal é um idiotinha. - falei rindo.
- Passa o telefone, quero saber quem é. Se for amiga, apresente já! - Falou tentando tomar o telefone da minha mão.
- Espera! Eu passo, só deixa eu falar uma coisa aqui e coloco no viva voz, ok?
- e , vocês entenderam o que ele quis. Falem em inglês, ok? Ele reclama quando é em português, nem sei por que. - falei a elas.
"Ok, falaremos." - falou .
- Aqui apressadinho. - falei colocando no viva voz.
- Hey meninas, é o ! Onde vocês estão? Venham para cá, quero conhecer vocês. Devem ser lindas igual a . - falou empolgado.
"Estamos no Brasil, nem tem como!" - falou a explicando - "Mas iremos nas férias, não se preocupe."
- COMO É? Você é do Brasil?! - perguntou assustado olhando pra mim - Não tinha me tocado, nem perguntado. - falou.
- Agora tenho que ir meninas, depois eu entro em contado com vocês. Vou pro show agora, mandar ver. Uhuuul, beijos. - saiu gritando e me entregando o celular.
- Eu disse, ele é um idiota. - falei rindo.
"O idiota mais lindo do mundo." - disse gritando.
"QUERO O , ORAS! PORRA DE , QUERO !" - falou .
Na mesma hora escuto uns gritos de e do cantando We Are The Champions no corredor e o gritando que nem uma menina.
- Calma, depois do show eu ligo pra vocês e conto todos os detalhes de como isso aconteceu.
- , vamos. Vai começar - falou , me puxando. - Amores, eu ligo depois! durma na casa da hoje, para eu poder falar com as duas mais tarde, ok? Amo vocês! Beijos. - desliguei o telefone colocando-o no bolso enquanto era puxada pelo , que não tirava os olhos de mim. Adorava isso, claro.
- Estou indo, calma. Não vou sumir. - falei pro mesmo.
- Tenho medo que o te ataque. - falou rindo. Comecei a rir, e disse que não iria acontecer.
- Fica aqui, ok? Onde da pra ver o único gatão da banda. - fez uma cara engraçada com a boca e meu deu um beijinho na testa.
- Sim senhor, boa sorte gatão. - falei rindo.

Eles entraram no palco, pulando e o dizendo:
- BOA NOITE BALTIMORE! Estou sentindo que hoje vai ser um show muito FODA... YEAH!
Enquanto o olhava e acenava para as fãs, arrumava o baixo, aí o disse: - Vamos então... , comece meu filho.
E abriram o show com Damned If I Do Ya e seguindo com Lost In Stereo. Quase choro quando eles começaram a cantar Remembering Sunday. Cantei alto com Dear Maria e Poppin? Champagne.
Assim foi o show. Que foi simplesmente perfeito. O meu segundo deles, pelo fato deles terem feito um show no Brasil ano passado, mas nem chegamos perto de conhecer eles. Sou filha de famosos e tudo, mas não gosto de ter as coisas tão fáceis, prefiro fazer tudo com o meu esforço sabe? Nada de pedir ao papai para ver camarim pra gente. O bom é que elas pensam assim também, minhas amigas, quero dizer.
No final do show, todos me abraçam comemorando o show. Suados. Ai meu deus que nojo! Mas eram eles, então nem liguei.
Depois de conversarmos e tirarmos fotos, os meninos me chamaram pra ir pra uma festinha, só que nem rolava, meu pai pediu pra volta depois do show. Então obedeci, não é?
Depois de uma meia hora, falei com o , dizendo que tinha que voltar pra casa.
- Você tem mesmo que ir pra casa? - perguntou - Vou sentir saudades, juro.
- Mas você nem me conhece direito, vai que agente nem se encontra mais. - falei sorrindo.
- Mas sinto que vou - sorriu e me abraçou.
- To sentindo cheiro de tinta no ar. - falou tirando onda.
- Cala a boca seu besta. - falou rindo.
- Tenho que ir. - falei de novo.
- Ok, eu te levo então, deixa só eu pedir para trazerem o meu carro, certo?
- Tudo bem, vou ligar para os meus pais avisando. - falei saindo de perto.
Falei com eles e voltei pra onde todos estavam. Entrando na sala, fiquei parada perto da porta. Sabe quando vem uma música na sua mente e que aquilo que você estava vendo era uma cena de filme ou de seriado? Foi o que aconteceu comigo. Fiquei ali parada olhando eles quebrarem o vaso em cima da mesa, a brincarem que nem uns idiotas, era isso mesmo que eu amava neles, o jeito que eles encaravam a vida. Eram famosos, mas não eram chatos, como muitos por aí. Continuavam a ser o que sempre foram... Fiquei lá sorrindo que nem uma boba, até que o me vê, dá um sorriso e me chama pra se juntar a eles. Obvio que eu fui né, me sentei no braço do sofá junto dele, vendo o tirar várias fotos, tiramos uma última foto, pois avisam ao que o carro dele já estava la fora. Quando fomos para o estacionamento, tinha umas meninas gritando o de sempre. "TE AMO !" e seguidos de "QUEM É AQUELA COM ELE?" Ele sempre muito legal, foi até o portão e deu uns autógrafos. Uma me chama e pergunta.
- Você é namorada dele ou o quê? - perguntou.
- Ah nada, só amiga. - falei sendo sincera e sorrindo.
- , vamos. - chamou o .
Dei as costas pra menina e entrei no carro, colocando o cinto... Fomos pra casa conversando sobre tudo, mas ele queria mesmo era saber da minha vida. O tinha contado a ele que eu era do Brasil e ele não tinha reparado. Eu estava com um colar do Brasil, fala português e eles não perceberam? Só eles mesmo.
- Caramba! Não sabia que você era do Brasil, adorei o show que fizemos lá ano passado.
- Foi perfeito, eu fui. - falei rindo.
- Sério? E agente não se viu nem nada... - falou rindo.
- Nem tinha como, vocês mal ficaram lá. Foram embora rápido e mesmo assim, se agente se visse seria só foto e autógrafo. - disse rindo - Nem uma conversinha teríamos, seria meio tenso, sabe? Se é que me entende. - falei dando uma risadinha de leve.
- Pior que seria mesmo. O tempo estava corrido naquela época.
- Mas foi melhor agora, pelo menos eu acho. - fui sincera.
- Também achei melhor. - sorriu para mim.
- Bem, é aqui onde eu moro. - falei olhando pra janela, me virei pra ele, ficamos nos olhando um tempo até que quebrei o silêncio. - Bem, vou entrar. - falei indo abraçar ele - Obrigada por hoje, foi perfeito. - dei um beijo na bochecha dele e ficamos bem próximos um do outro, faltava pouco para as nossas bocas se encontrarem, se não fosse o meu celular com o nome " Bitch" aparecer... , eu te odei. Começamos a rir e ele me deu um beijo na bochecha.
- Foi o melhor show hoje, espero te ver de novo. - sorriu.
- Nos falamos pelo twitter, vê se me responde já que me conhece. - sorri - Tchau . - falei com um sorriso na cara.
- Tchau, . - soltou um beijinho com a boca e riu.
Subi o elevador falando com as meninas no telefone, reclamando com elas pelo fato delas terem atrapalhado o momento.
"OH MY GOD, VOCÊ IA BEIJAR ELE!"
- ÍAMOS, SE VOCÊS NÃO ATRAPALHASSEM! - falava rindo.
E continuamos rindo muito, entrei na sala, estava meu pai e minha mãe vendo TV, me perguntaram como foi o show e disse que foi ótimo, claro. Subi pro meu quarto
Ainda no telefone com as meninas, contei tudo para elas.
"Vou falar com meu pai pra ir passar as férias ai com você." - disse animada.
"Eu também, claro." - falou .
- Claro que sim, mas agora vou ter que desligar e dormir. Amanhã vai ser um dia cheio. Boa noite amores, Amo muito vocês! Beijos.
Desliguei o telefone, liguei o computador rápido e fui pro twitter, claro. Falei como foi perfeito agora à noite e que postava as fotos amanhã. Na mesma hora um twitter do :
"ESPERO TE VER DE NOVO". E outro do falando assim.
Cala a boca , quem vai ver a @ vai ser eu. Hahaha"
E um só pra mim: "Durma bem menina, já estou com saudades. Eu disse. Hahaha."
Respondi, dei uns prints básicos pra deixar guardado e fui dormir.
Amanhã seria um dia cheio.

POV'S

- Dude, o dia foi ótimo hoje não acha? - perguntei ao .
- O quê? Foi um dia normal de show. - respondeu o mesmo.
- Dã, seu retardado! Não é disso que eu estou falando, é da . - falei mexendo nos dedos.
- Ah! Você está afim dela, mas já? Se conheceram hoje. - falou rindo.
- Foi diferente... A gente até quase se beijou se não fossem as amigas dela ligando.
- Ah, aquelas do Brasil. Falei com elas hoje no telefone, voz sexy a delas. - disse o mesmo com um sarcasmo - Espero que sejam lindas, aí pego uma.
- Dude, você é safado, aprenda a se comportar rapaz. - disse rindo - Vou dormir sabe. Amanhã quero comprar umas coisas, então tenho que estar disposto. Meus pés vão doer e eu fiz as unhas ontem. - disse imitando uma menina.
- Vai embora seu gay, sai de perto de mim que isso pega. - falou o mesmo dando dedo do meio pra mim.
- Vem cá gostosão e me dá um beijinho de boa noite vai! - fui indo até o com os braços abertos.
- SAI PRA LA SEU GAY! - e saiu correndo - Vai dormir, vou ver novela mexicana aqui. Boa noite.
- Boa noite cara. - falei dando as costas e indo pro quarto.
Liguei o PC rápido e entrei no twitter, para ver se a estava on. Mas nem estava,resolvi deixar uma Direct Mensage.
"Hey . Hm, se estiver entediada esse dias me liga, é só chamar, hum. Se vê manda uma mensagem no celular, quando receber isso. Xx"
Resolvi dormir, pensando por que eu estava agindo daquela forma. Ela só tem 17 anos... Ok, nada contra, mas nunca fiquei assim por garota nenhuma, especialmente uma bem mais nova que eu. Admito que estava gostando.

POV'S

Dormi pensando em tudo o que tinha acontecido na noite anterior. Recebo uma mensagem da e da : "Bicha SORTUDA, love you (L)"
Que bom que elas não me esqueceram mesmo. Levantei, coloquei minhas pantufas, olhei pela janela, vi que realmente eu estava lá e que tudo na noite anterior aconteceu mesmo. Ai Jesus!
O tempo estava um pouco nublado e não demorou pra começar a chover fraco, escutei minha mãe me chamar pra tomar café. Prendo meu cabelo em um rabo de cavalo alto e desço. Cheguei na cozinha com um sorriso tão grande que se eu tivesse competindo com o Bozo, ele perdia.
- Nossa está tão feliz assim por quê? - pergunta minha mãe.
- Ah nada, só o fato que eu passei o meu primeiro dia, quero dizer, noite com os meus ídolos que viraram meus novos amigos, então é besteira. - falei sorrindo e comendo uma amora.
- Então, espero que a amizade dê certo. - disse a mesma com toda a sinceridade.
- Mãe, não creio que você riu com os meninos ontem e que o papai me deixou sair sozinha no meu primeiro dia nos EUA.
- Seu pai tinha bebido. Brincadeira, ele só me falou depois que sentia confiança nele. Até eu achei estranho. - disse dando uma risadinha baixa.
- Hum, então isso é super! Mas cadê ele? - perguntei.
- Saiu, foi na empresa e já estará de volta, iremos à sua nova escola e comprar algumas coisas. - falou.
- Ah, ok então. - falei terminando meu café da manhã e me levantando da mesa.
- Suba, tome logo seu banho que quando seu pai chegar é só trocar de roupa.
- Dã, eu sei mãe. - disse rindo - Vou subir.
Entrei no meu quarto, liguei o som, coloquei Lady Gaga e comecei a imitá-la em frente ao enorme espelho que tinha no quarto. Entrei no banheiro, tomei um banho quente, coloquei uma calça de moletom e uma camiseta, coloquei as pantufas de novo e liguei o computador. Abrir o msn e as janelas já foram piscando, meus amigos. Saudades mil deles. Abri também o twitter e vi que tinha uma DM nova. Nem preciso dizer que morri quando eu vi que era do , e que tinha o número do mesmo lá. Fiz o que ele pediu, mandei uma mensagem assim:
"HAHA, você me ama, peguei o número, grava o meu no seu também, se quiser sair é só ligar. Adorei ontem, xxx."
Na mesma hora, liguei a web com as minhas amigas e contei mais coisas deles. Uma hora depois minha mãe avisa que meu pai tinha chego e que iríamos sair. Fui trocar de roupa, coloquei uma sapatilha, calça jeans preta, camiseta rosa, um cardigan e uma boina da Glamour Kills, uma bolsa de lado simples, fiz a maquiagem e fui conhecer a escola nova, não largando do twitter.
De lá fomos almoçar e depois fomos a algumas lojas legais de roupas, acessórios e utensílios para a casa. Em certa loja que entro me deparo com o e com o brigando por um boné. Na certa comecei a rir, e fui até eles com dois bonés lindos na mão e disse:
- Um pra cada e parem de brigar suas crianças. - falei rindo.
- Hey ! Como você está? - pergunta .
- Ótima e vocês? - falei entregando os bonés.
- Pô, curti o boné. Vou ficar, valeu. Eu to bem, mas quem vai ficar mesmo é o , ta no provador, vai lá. - falou .
- Ah, valeu, vou lá sim - disse indo até o mesmo.
- me dá a blusa que esta em cima da cadeira ai fora, por favor - gritou dentro do provador.
- Essa aqui? - peguei a blusa e coloquei dentro do provador.
- É sim. Ei, essa mão não é do , a não ser que ele tenha feito plástica. - colocou a cabeça pra fora - Que? To pelado sai daqui. Ah, oi - disse rindo.
- Oi - sorri.
- Me espera ali, por favor, minhas pernas são feias - falou rindo.
- Eu já vi suas pernas - disse.
- Pervertida - falou rindo.
- Em foto oras, ninguém mandou tirar foto de cueca. - ri da cara dele.
- Nem me fale daquelas fotos. E ainda fizeram pôster dela.
- Eu sei, eu tenho um enorme. - ri de novo.
- Você é do mal.
- Que nada, agora sai daqui menino.
- Pronto. Me ajuda! Qual eu compro amiga? - falou com uma voz de gay.
- Hum, compraria a roxa e essa azul. - disse olhando para as blusas.
- Boa escolha - sorrio indo me abraçar - E você está linda. - falou me encarando.
- Obrigada Sr. .
- Não tem por onde Sra. , quer dizer . - riu sem graça, me deixando vermelha também. Apenas ri para quebrar o clima tenso, mas um tenso engraçado.
- Então, recebeu minha mensagem?
- Claro esta gravado, qualquer coisa eu te ligo pra te perturbar - falou indo em direção ao caixa - vai comprar alguma coisa aqui? - perguntou.
- Vou, umas blusas que prometi para umas amigas de presente, acabei não comprando nada de natal pra elas.
- Que malvada você.
- Que nada, minha mesada não tinha chego ainda. Tinha a mudança, fiquei sem tempo... Me ajuda a procurar algo? - perguntei.
- Claro que sim - sorriu.
E procuramos algo, enquanto o e o brigavam agora por uma blusa.
- Cadê o ?
- Ficou em casa. Ele assistiu a maratona da novela mexicana ontem de madrugada e quando acordei ele ainda estava assistindo, é doido. - falou.
- Novela mexicana? Ta doido, não tem coisa pior. - falei rindo.
- Não tem mesmo. - falou.
- Hum, vou levar essas aqui mesmo. Estão boas, né? - falei.
- Estão ótimas! O que vai fazer depois daqui? - perguntou.
- Hum, na verdade eu não sei. A minha mãe ficou ali na loja da frente, vou perguntar pra ela. Por quê? - falei indo ao caixa pra pagar as blusas.
- Ia perguntar se você iria querer ir na Mcdonalds agora, tomar sorvete, sei lá, andar... - falou olhando pra mim.
- Posso perguntar se iremos fazer algo de importante, certo? - falei - Mas está um pouco frio pra sorvete, não acha? - dei uma leve risada.
- Ih, é mesmo. Comemos outra coisa então, mas posso ir falar com ela? - perguntou.
- Ah claro, mas por quê? - perguntei curiosa.
- Pra agradecer por ter deixado você ir ao show ontem. - sorriu.
- Ah, tudo bem então. Vamos? - falei sorrindo.
- Claro, deixa eu só falar com as crianças aqui. - falou mencionando ao e o .
- Tudo bem, aproveito e falo com eles também.
- Dudes, vamos dar uma volta, se forem lá pra casa, nada de bagunça. O deve estar dormindo, então acordem ele, daquele jeito lá. - disse querendo rir
- Pode deixar - falaram em coro.
- Tchau meninos, a gente se vê. - disse me despedindo.
- Tchau - falou .
- Se cuida menina, não é de confiança. - disse rindo - Brincadeira, até mais.
- Até! - falei abrindo a porta da loja e indo até o sinal da rua, esperar os carros passarem pra atravessar.
- Droga! - falou em um tom não agradável.
- O que foi? Não vai poder sair agora? - perguntei.
- Não é isso, são os paparazzi ali - apontou - Vamos - falou atravessando a rua com a mão nos meus ombros.
- Relaxa, é só fingir que não viu nada. - disse sorrindo.
- É vou tentar seguir isso que você falou, eu sempre dou dedo pra eles. - disse rindo - Aí sempre colocam nas revistas " é um saco, um chatinho" mas às vezes cansa, se é que me entende.
- É deve ser chato ter uma vidinha assim, pessoas te seguindo. - falei entrando na loja e procurando minha mãe, até que eu avisto na sessão de bolsas.
- Mãe, olha quem eu encontrei na loja da frente. - disse.
- Oi querido. - Quê? A minha mãe disse querido? Mas que intimidade é essa?
- Oi, Sra. . Queria só agradecer por ter deixando a ir ao show ontem. - sorriu.
- Ah, não foi nada. - disse a mesma.
- Mãe, o me chamou pra dar uma volta, posso? - perguntei.
- Claro, suas aulas só começam na semana que vem. Então aproveite - falou.
- Ok, brigada mãe. Estamos indo, qualquer coisa me liga.
- Ok, avise quando estiver voltando pra casa. - falou - Ah , se quiser apareça lá em casa um dia desses.
- Olha que eu apareço mesmo viu?! Obrigada. Então, vamos? - falou - Até mais Sra. . - deu um beijo na bochecha da minha mãe. - como assim? Eu ri.
- Tchauzinho mãe. - falei indo em direção a porta da loja com o mesmo.
- Sua mãe é um amorzinho de pessoa, puxou a ela - espera, ele disse isso mesmo?
- Ah obrigada . - falei ficando vermelha.
- Olha eles lá! Vão nos seguir e continuar tirando fotos, tem algum problema? Ou quer ir de carro? - perguntou.
- É muito longe? Se não vamos a pé mesmo, não ligo - sorri sendo sincera.
- Você é demais sabia? - sorriu.
- Obrigada de novo.
E partimos para o Mcdonalds, sendo seguida por paparazzi. Sempre fingindo que não os via, conversando e rindo muito. Parece que já nos conhecíamos há muito tempo. Estava ótimo. Comecei a imaginar na ida, se um dia a gente passaria dessa amizade, sabe? Não custa nada imaginar e nem pensar nas possibilidades.
Quando chegamos ao Mc tinha um grupo de fãs que estavam lá e foram falar com ele. Claro não ligo nem nada, também fui uma delas. Ou ainda sou, não sei ao certo.
- Vou procurar uma mesa - falei indo atrás de uma.
- Ah, ok. Eu não demoro - falou pra mim.
- Sem problemas - sorri indo até uma mesa de dois que estava vazia, perto da janela.
- Pronto! As fãs são uns amores e tudo mais, mas às vezes só quero andar e me distrair e elas estão lá pra tirar um pouco do tempo. Não ligo, pois se não fossem elas eu estaria fazendo alguma faculdade e tentando arrumar um emprego pra pagar. - falou rindo.
- Ah isso é verdade. Agradeça a mim também, ok? - disse dando um sorrisinho.
- Ah é? Então obrigada por não me deixar fazer faculdade e arrumar um emprego. - falou rindo.
- De nada menino. - sorri - Então, o que vai comer ou tomar?
- Acho que um hambúrguer, batatas e uma coca-cola. E você?
- Chá gelado, hambúrguer com batatas - disse.
- Nossa! Posso falar uma coisa? Espero que não fiquei meia sem jeito... A maioria das meninas que eu saia elas comiam saladas e coisas pra não engordar. Já você não - falou me encarando.
- Ah, me preocupo com o corpo, por isso faço exercícios. Nem por isso vou largar um bom Milk shake e uma boa batata frita. - disse sorrindo e encarando o mesmo, enquanto as outras fãs nos encaravam às vezes. Isso já estava incomodando, mas tive que ficar na minha. Fingi que elas não estavam olhando.
- Vou ao caixa fazer os pedidos. - disse.
- Hum, aqui o dinheiro pro meu - falei pegando meu dinheiro.
- Que? Eu te chamei, ok? Então eu pago, pare com isso - sorriu
- Ah, ok então. - falei o olhando indo até o caixa. Me virei e olhei para a janela, começará a chover de novo, me perdi olhando pra chuva.
- , voltei! - falou - Alô! - falou dando estalos nos dedos - Acorda - riu.
- Desculpa, viajei um pouco - disse.
- Percebi, estava pensando em mim não era? Todas ficam assim - falou se gabando.
- Você não é nada modesto hein?! - falei rindo.
- Brincadeira, os pedidos já saem. Mas e aí, dormiu bem ontem?
- Ah muito. Estava um pouco cansada, mas dormi bem. - disse - E você, como dormiu?
- Muito bem, noite ótima... Tirando a maratona de novela mexicana passando na TV, foi tudo ótimo. - disse rindo.
- Que bom então - sorri ficando em silêncio e olhando pro mesmo.
- Bem... Me fala, ta gostando de Baltimore? - falou quebrando o silêncio.
- Estou adorando! Pensei que não iria gostar, mas até agora a cidade é incrível. Claro que nada se compara ao meu país lindo, Brasil! Sinto muita falta de lá. - falei dando um leve sorriso.
- Brasil é ótimo sempre, mas você se acostuma rápido, eu posso te ajudar também - disse.
- É só estou com um pouco de medo da nova escola, não conhecer ninguém e tudo mais.
- Você vai se sair bem, calma. - falou segurando minha mão e me olhando.
- Ai, espero... - falei sorrindo, e sentindo ele fazer carinho na minha mão.
- Os nossos pedidos - falou - vou pegar, já volto.
- Ok vai lá. - disse, começando a pensar.
"Deus, muito obrigado por tudo, me ajuda aqui viu?" na mesma hora, fui interrompida por com a bandeja na mão.
- Aqui - disse passando meu chá gelado.
- Valeu - disse tomando um gole do mesmo e comendo umas batatas.
- Está bom? - perguntou.
- Ótimo, e o seu?
- Ótimo também. - disse.
- Posso te levar ao colégio se quiser, vou ser seu tutor. - falou rindo. , não quero você como meu tutor e sim como... hm, deixa pra lá.
- Seria ótimo! Mas acho melhor não, pelo menos não agora. Sou aluna nova e chegar com você lá as meninas vão te atacar, ficar em cima de mim. Vão ficar perguntando o que eu sou sua. Quando eu já acostumar com o colégio, você me leva, certo?
- Vou cobrar então.
- Não era pra ser eu a cobrar? E não você? - disse sorrindo, e comendo.
- Pior que era... Só que eu fiquei a fim de te levar lá. - riu.
- Ah claro - falei rindo.
A hora tinha se passado e a chuva continuava mais forte.
- Caramba, como agente vai? Ta a maior chuva você, vai se molhar toda.
- Onde o carro está? - perguntei - Se tiver muito longe, agente pega um taxi. Se não, vamos a pé mesmo. Sem problemas.
- Longe não está. Só que a chuva ta muito forte. Não quero que se molhe e fique doente. Se isso acontecer, seus pais vão me culpar e não vão deixar você sair comigo.
- Que nada - disse - vamos, está perto. É só corrermos rápido. - falei dando a sugestão.
- Então vamos a pé. - falou - Vamos? - e se levantou.
- Claro - falei pegando e colocando minha bolsa nos ombros, então ele abriu a porta pra mim e me esperou sair.
- Está pronta? - perguntou ansioso.
- Muito! - disse animada - Isso vai ser divertido - dei um sorriso enorme, o que o fez rir, segurou na minha mão e saiu correndo me puxando enquanto riamos. Queria ver agora se os paparazzi irão nos pegar, pensei rindo.
Chegando ao estacionamento da loja anterior, ele procurou as chaves no bolso da calça, abriu o porta mala e jogou as sacolas da loja dentro.
- Ei, espera - disse.
- O que? - disse soltando a porta do carro.
- Eu abro - sorriu.
- Nossa que cavalheiro, obrigada. - sorri passando por trás dele, e me virando olhando o mesmo, que parecia um pinto molhado, eu estava me sentindo feia. Quer dizer, eu estava feia, mas o que eu poderia fazer?
Senti o mesmo chegando perto de mim, enquanto minha respiração começava a ficar mais forte e pensava, "Será que vai rolar o que eu to pensando?", ficando nervosa, até que o celular dele toca.
- Droga - falou baixinho, pegando o mesmo. Me olhando, deu um sorriso. - É o idiota do , espera. - falou.
- Ah, manda um beijo pra ele. - falei me virando e entrando no carro, vi que ele parou, me olhou e fechou a porta. Eu só ouvi ele dizendo.
- O que você quer? - disse - Ah, cara nem dá estou indo pra casa agora. pede uma pizza ai pra você, certo? Já estou a caminho, é contra mão. - falou desligando.
- O que ele queria? - perguntei
- Comida - disse rindo - nossa, você está toda molhada. Vamos até a minha casa, pra você trocar de blusa e se secar um pouco... Tem algum problema? - me perguntou.
- Claro que não, aproveito e conheço sua casa - falei sorrindo.
- Ótimo - disse animado.
Na ida pra casa dele, escutamos um pouco de Green Day, ficamos cantando e imitando os integrantes. Chegando na casa dele, que por sinal não era enorme. Era uma casa que desse pra morar de boa e dar uma festa sem se preocupar com espaço. Entrando na mesma, encontro o passando só de calça e de meias.
- Hey , sentiu saudades e veio me ver? - falou indo me abraçar.
- Hey , como está? - disse sorrindo indo abraçar ele.
- Ótimo. Você está molhada - falou sorrindo.
- É vim aqui me secar, já estou indo pra casa. - sorri.
- Mas vai ficar um pouco, não é? - falou - o sabe fazer chocolate quente, que tal?
- Sabe é? Então eu fico, se ele fizer o chocolate - falei rindo.
- Ai saco! Claro que faço - sorriu.
- vem cá - me chamou - Vá logo se trocar, se enxugar e ligue pra sua mãe. O banheiro é ali. - sorriu, e falando parecendo meu pai.
- Ok, pai. - disse brincando - Está parecendo um, cuidando de mim.
- Epa! Pai não, se não eu não posso... Deixa pra lá, vai se trocar. O já vai terminar o chocolate, vou me trocar também.
Fiquei parada ali, olhando o mesmo, sorri e virei pra ir ao banheiro. Me troquei,coloquei a blusa dele - que ficou enorme em mim -, tirei os sapatos, arrumei meu cabelo, me olhei no espelho, ajeitei a maquiagem e saí indo em direção do quarto dele. A porta estava aberta então entrei.
Paro e vejo ele se olhando no espelho do banheiro, dou uma batida na mesma e pergunto onde coloco as coisas.
- Deixe tudo aí no cesto de roupas do banheiro, mando pra lavar e te entrego depois, pode ser? - perguntou o mesmo.
- Claro - fiquei ali esperando ele, e fui andando pelo quarto, olhando as fotos que tinha na parede. Quando me viro, me deparo com ele bem na minha frente.
- Está pronto? ?pergunto.
- Sim, mas tenho que fazer uma coisa antes. - falou se aproximando de mim.
- É? Então te espero lá embaixo. - disse saindo.
- Não, espera! - falou me puxando - Essa coisa que eu tenho que fazer, você tem que estar aqui - disse chegando mais perto ainda. Ai meu Deus, me segura!
- Ah é? E o que é então? - falei meio nervosa
- Isso - falou rápido e me deu um beijo. Ele passava a mão pela minha cintura e eu pelo cabelo dele. Ficamos ali por uns minutos. Na minha cabeça eu só pensava "Ta acontecendo isso mesmo?". Estava tudo tão bom, que tinha que ser atrapalhado mais uma vez por .
- Ei, não façam nada o que eu não faria ai em cima. - disse.
E continuamos o beijo, sorrindo ao mesmo tempo.
- Desçam já esta pronto! - gritou o mesmo.
Parei de beijá-lo sorri, ele fez o mesmo, me abraçando forte.
- Estamos indo, dude. - falou indo na frente e me puxando pela mão.
Descemos as escadas dando pausas e nos beijando. No final da escada ele me pega no colo e me leva até a sala. Não acreditei naquilo. Então só fiz dar umas risadas de leve.
- Você é doido - falei.
- Já volto, vou pegar as coisas e chamar o . - disse o mesmo. Pra que chamar o ?
- Ok - disse sorrindo.
- E ligue pra avisar que está aqui. - falou.
- Sim senhor - disse.
Liguei pra minha mãe, ela respondeu que tudo bem. Pra falar a verdade, eu tava achando estranho eles estarem liberais demais comigo. Aproveitar não é mesmo? Até que o celular toca... " Bicth". Sorri e atendi o telefone.
- Oi lesa. - falei pra mesma.
"Oi, novidade! Papai liberou o telefone pra eu te ligar. Super não?"
- AHHH, que tudo! - falei com uma voz alta.
- , pare de falar em português. - disse e rindo.
"De novo com eles? perguntou a mesma.
- Estou no telefone com a - disse pros dois - É sim, estou na casa do . Pegamos chuva e tudo mais, vim trocar de roupa. - disse animada - E outra, nos beijamos, foi tão lindo! - falei mais animada ainda.
- Hey , é a da voz sexy? - perguntou .
"Mentira !" gritou no telefone.
- É ela mesma . - disse rindo - Sério , te conto tudo no MSN pra você e pra . Avisa a ela, ok?
"Claro né!" falou animada, enquanto entrava na sala e me entregando a xícara com o chocolate.
- Me dá o telefone. Quero conversar com ela e o quer ficar com você. - falou sorrindo.
- Ok, espera. - falei - , quer falar com você e disse que o quer ficar comigo. Ai! - disse sorrindo - Beijo, falo com você depois. Amo você!
- Ok amiga, passe pro meu bebê, Amo você! - falou a mesma.
- Toma leso. Obrigada pelo chocolate - entreguei o telefone bebendo um pouco do chocolate - Ta bom viu?!
- Claro que está! Oi , tudo bom? - saiu falando com a mesma e dando sinal que estava no andar de cima. Fiz sinal de ok. Na mesma hora entra na sala e senta do meu lado. Ficamos em silêncio por um tempo, até que ele quebra o silêncio.
- Quer ver algum filme? - perguntou.
- Claro, qual? - perguntei.
- Não sei, deve estar passando algum ótimo na TV acabo. - falou ligando a TV e vendo os filmes que iriam começar.
- Volta! - falei - canal 60 vai passar Bonequinha de Luxo! Meu filme favorito! - disse com um sorriso na cara.
- Então vai ser esse! - disse o mesmo, me olhando e me dando mais um beijo. E ficamos horas assistindo filme, nos beijando, e ouvindo o dando risadas e dizendo "To louco pra te conhecer." Ui , ganhou. De lá, ele me deixou em casa, subiu pra falar com minha mãe e nos despedimos com um beijo. Estava tudo mais que perfeito. Cheguei no meu quarto e meu celular toca com uma mensagem dizendo:
"Dia perfeito, espero ter outros. <3 xxx" Sorri deitando na cama, onde acabei cochilando e nem falando com as meninas.

POV'S

Cheguei em casa mais feliz que nunca. Minha felicidade só perdia para o dia que assinamos com a primeira gravadora.
- Dude, a amiga dela é de mais! E linda, entrei no twitter dela. Meu irmão, ela é diferente das outras. Só pelo telefone eu já sei, doido isso não? - disse um animado.
- Ah claro - falei sentando na cadeira da cozinha, pegando o telefone e ligando pra pizzaria. - Vou tomar banho, se a pizza chegar, pega dinheiro na minha carteira. - falei ao .
- Claro! E você está caidinho pela , não é? - perguntou o mesmo.
Não respondi nada, só sorri e fui ao banheiro do meu quarto. Quando olhei pro lado vi as roupas dela. Não sei porque fiz isso, mas peguei e senti o cheiro dela, era doce e nem muito forte.
Tomei o banho, desci, peguei umas fatias de pizza e coca-cola e voltei para o meu quarto. Passei a noite assistindo Bonequinha de Duxo, bem gay um homem fazendo isso, mas acabei pegando na locadora na volta pra casa. Estava me sentindo diferente, não vou mentir, senti falta dela ao meu lado, e me fiz uma pergunta:
Será que estou gostando dela?
E fiquei lá por uns instantes até cair no sono.

Capítulo 3

Site da Revista TEEN TEEN POP
"Ual, flagrado nas ruas de Baltimore, o nosso lindo, (do All Time Low),] foi visto com uma menina correndo da chuva. Ele parecia estar muito feliz. Será um novo romance no ar? Bem, vamos esperar pra ver, e fiquem de olho no nosso site."
(clique aqui pra ver as fotos!)

- Cara, eu não acredito! - gritei do meu quarto.
- O que foi cara? - veio correndo até o mesmo.
- Olham o que já publicaram no site, e isso foi ontem meu! - falei indignado.
- Dude, sua cara ta hilária! - falou rindo - Liga não meu.
- YOYO! Tem alguém em casa? - gritou .
- Sobe aê cara! - gritou .
- Certo, só vou pegar uma cerveja - disse o mesmo.
- Dude, ser famoso é foda. - xingou , olhando pra .
- O que foi agora? - perguntou o mesmo.
- Já publicaram coisas sobre a e eu, vou mandar pra ela. - falei já entrando no twitter, e mandando uma DM pra mesma, falando: "Olha isso (com o link do lado) x." Na mesma hora, pegando o celular e mandando uma mensagem: "Olha o twitter depois! (DM) xxx <3"
- Vamos logo pra gravadora - disse - , deixa isso pra lá, vocês sabem o que fazem.
- Isso é. Vou só pegar o casaco, vão descendo. - disse indo terminar de me arrumar, e partindo pra gravadora.

POV'S

- ! Ande logo, vai se atrasar pro colégio. - gritou minha mãe.
- Já estou indo, calma aí! - falei, ouvindo o toque do meu celular e vendo que era uma mensagem. Saí correndo e jogando tudo na bolsa - Estou pronta. Vamos?
- Claro - falou a mesma pegando a bolsa e as chaves do carro.
Entrei no mesmo, pensando como iria ser o primeiro dias de aula. Se iria me adaptar, se as pessoas iriam gostar de mim, essas coisas. De casa até o colégio fui conversando com minha mãe sobre tudo, até do .
Chegando, me despedi da minha mãe e desci do carro.
- Tchau mãe - disse pegando o telefone na bolsa.
- Te pego às quatro horas. Boa sorte - disse sorrindo.
- Valeu - sorri e a vi indo embora. Me virei e olhem em volta. Todos estavam olhando pra mim, principalmente as meninas. Olhei no celular e vi que era uma mensagem dele. Sorri involuntariamente e li o que ele tinha me mandado. Fui ao centro de informações do colégio, pra saber qual seria meu armário. Fui procurar o mesmo, enquanto as meninas me olhavam e fofocavam entre elas. A única coisa que eu pensei foi "Eu estou feia." Quando encontrei o armário, joguei as coisas dentro e abrir o twitter. E cliquei no link que ele tinha me mandado. Parei tudo e abri um bocão de "Como é?!" E na mesma hora liguei pra ele, que só fez chamar, então mandei uma mensagem dizendo: "Acabei de ver, não acredito estou acreditando, mas deixas pra lá. ok? Se você se preocupar com isso, vai acabar perdendo os cabelos xxx? <3 PS: colégio novo agora. "
A dona do armário ao lado chegou já falando.
- Você é sortuda! - disse.
- Como é? - perguntei sem entender.
- Você acha que estão te encarando só por que é novata e é do Brasil? - disse a mesma. Como ela sabe que eu sou de lá?
- Bem, é... eu acho - falei.
- Pois não é. Todos do colégio já sabem de você e do - falou sorrindo. Já sabem? Medo. - Sortuda - sorriu se apresentando - Me chamo Jennifer e você é... - interrompi.
- - falei sorrindo, será que arrumei uma amiga? E espero que não seja só pelo .
- Que ano você faz? - perguntou.
- Hum, 3º D e você? - falei fechando o armário.
- A mesma que você! - falou um pouco animada.
- Ótimo, então me mostra a sala? - falei
- Claro, por aqui - disse a mesma, me fazendo segui-lá e partindo para as aulas que durariam até as quatro horas.
Passei o dia todo com a Jennifer, ela é muito gente boa e não ficou perguntando como eu conheci o - como outras meninas - e sim perguntando da minha vida.
- Hey ! - falou uma líder de torcida - quer ser uma líder?
- Ah, não gosto dessas coisas, mas obrigada mesmo assim. - falei sincera.
- Ah, ok - disse desanimada - mas se mudar de ideia é só falar.
- Falarei sim - disse me levantando e indo em direção ao carro da minha mãe - quer carona, Jennifer?
- Ah não, obrigada.
- Então, até amanha! - falei para a mesma.
Parti pra casa, quando escuto o telefone tocar... " Bitch"
- Amor! Que saudades! - disse animada.
", saudades! Você já viu na internet? Esta em todos os sites de revista pra adolescentes! Capricho, Love teen. Você é doida." falou rindo.
- Sério? Pensei que só fosse aqui! - disse passada - o colégio todo já sabe. - falei.
"Não creio, como assim?!" disse rindo. "Sua mãe sabe?"
- Não, vou contar a ela agora - falei olhando pra minha mãe, ela pra mim.
- Contar o que? - perguntou a mesma. Mas fiz sinal na mão de espera.
- , nas férias agora de julho, você vai vim não é? Você e ? - falei.
"Claro que sim! Meu pai e minha mãe concordaram já e os da também!" falou animada "Mas , quero falar com o , só a que fala com eles, não é justo." disse rindo.
- Te prometo que quando eu estiver com eles, eu passo pra você - disse pra mesma.
"Ok amor, vou desligar, tenho aula no cursinho agora. I Love you!"
- Ok, Love you, beijo - falei olhando pra minha mãe.
- Agora me fale - disse a mesma.
- Os paparazzi tiraram foto minha com o na rua e os sites publicaram falando que tinha romance no ar - falei.
- E se tiver, não vejo problema - falou sorrindo - Adoro ele e seu pai também. Ah, seu pai vai viajar pra Flórida amanhã.
- Ah, ok - falei sorrindo - Fiz amizades mãe! - falei como uma menina do primário.
- Ah que bom! - disse animada - Quero conhecer depois. - disse sorrindo e estacionando o carro na garagem. Desci e fui pro meu quarto, tomei um banho e fui dar uma estudada antes do jantar. Depois de um tempo estudando,entrei no msn e a já veio falando.

diz: olha o que linda essa música, pro teu celular!
diz: kkk vou ouvir, contei pra minha mãe do lance da internet.
diz: e aí?
diz: E aá que ela falou pra não ligar. e que se estivesse rolando algo, não teria problema, pois eles gostavam dele.
diz: pronta pra casar amiga? Kkk.
diz: Claro! Kkk

Meu pai entra no meu quarto pra se despedir de mim, por conta da viagem.
- Filha? Sua mãe me contou, vai ficar famosa ein?! - falou sorrindo.
- Que nada pai.
- Mas se acontecer algo, não esconda ok?! - falou o mesmo.
- Claro pai, pode deixar.
- Boa noite, até semana que vem, amo você! - disse.
- Também te amo! - falei dando um abraço e um beijo no mesmo e já voltando pro msn.

diz: era meu pai, desculpa a demora.
Já ia abrindo o link que tinha fotos minha e dele na internet, fiquei olhando a nossa felicidade, por estar na chuva. Parecíamos duas crianças.
diz: Sem problema, vê a musica ai, ok? Sua cara. Quero que me conte tudo depois certo? Agora tenho que ir. Love you (L)
diz: Certo, Love you (L)

Me despedi da mesma e dos outros que estavam online. Passei a música que a tinha me mandado pro celular. A música era uma vaca mugindo, coloquei como toque do mesmo. Tomei um banho pra dormir e ao sair do banheiro o meu celular muge. " ." dei um sorriso e atendo o mesmo.
- Oi! - falei animada.
"Hey !" falou o mesmo. "Como está? E como foi o colégio?"
- Ótima! E você? Ah, foi legal. Hm, todos já viram na internet aquilo que saiu de nós - falei.
"Nossa cara, não queria te colocar nisso. Sua mãe já sabe? E o seu pai?" perguntou. "Estou bem sim." - completou.
- Não tem problemas. Eles já sabem sim e não falaram nada. - disse sincera.
"Quem bom então. Desculpa por não ter atendido naquela hora e ter só retornado agora. Estava na gravadora e marcamos uma nova turnê. Legal não é?" falou animado.
- Que super! Quais cidades? - perguntei animada.
"Não sabemos, mas vai ser umas dez."
- Nossa, quanta!? disse rindo.
"Queria que você fosse." falou ficando em silêncio
- Também queria ir, mas não dá por conta do colégio.
"Ah, lembrei! Vai ser em julho"
- Sério? Quem sabe não é? - disse animada.
"Claro! Hum, quer pegar um cinema esse final de semana?"
- Claro que sim. - falei.
"Depois poderíamos jantar, se quiser comer algo."
- Seria ótimo! - falei querendo gritar.
"Então... posso te ligar esses dias?" Como assim? Já quer ficar em ligações e jogar o papo fora? Morri.
- Claro e se quiser aparecer aqui também, pode. Pedidos da minha mãe - falei.
"Só da sua mãe?" perguntou.
- É sim - disse rindo.
"Então, não vou..." falou murchando "Quero outro motivo."
- E tem motivo melhor? - falei - A minha mãe te ama!
"É, mas o que eu quero mesmo, não posso fazer com ela!" falou rindo.
Corei na mesma hora, e quis rir, gritar e rir mais ainda.
- Ok, me convenceu, quero que venha - disse rindo.
"Agora eu vou! disse gargalhando um "HAHAHA" que me fez rir mais ainda - "Nem te conto o que o falou da ."
- Claro que você vai me contar! - falei empolgada.
"Ele disse que cansou de falar com ela pela internet e que quer ela pessoalmente logo." - falou rindo muito, me fazendo rir mais do que tudo.
- Cara, não acredito! doido. - disse rindo - diga a ele que julho não vai demorar - falei.
"! A disse que em julho ela vem!" - gritou pro mesmo, e me fazendo ouvir um "Amém" de .
- , vou ter que desligar, preciso dormir. Tenho aula amanhã. - falei desanimada.
"Tenho que te levar pro colégio um dia."
- Você irá, é só marcar. - falei rindo.
"Certo, a gente marca. Boa noite e sonhe com o gatão aqui, pois que eu irei sonhar com você." falou rindo. O que me fez cair na risada, daquelas bem altas. "Que brega." falou.
- Um pouco... - disse rindo - Mas sonharei sim. Boa noite gatão. ?falei.
"Boa noite." falou desligando o celular.
Me virei para desligar o abajur, pensando nele - como sempre! - Mas lembrei de uma coisa. Ele é famoso, pode ficar com várias, não quero me iludir. E acabei caindo no sono pensando nessas coisas.

A semana passou rápido. Já tendo provas marcadas. É bem tenso.
E o tão final de semana chegou. Estava muito ansiosa pra sair com ele. Ta, era só um cinema e um jantar depois, mas não era com uma companhia qualquer.
- Mãe, vou sair com o certo? - falei pra ela.
- Tudo bem, vão aonde? - perguntou.
- Cinema e depois jantar. - disse dando um leve sorriso.
- Ok, me avise antes de sair.
- Claro, vou me trocar.
Subi pro quarto, tomei um banho, liguei o som, colocando Kesha pra da uma animada e me deixar mais calma. Pelo menos era o que eu estava tentando fazer. Banho tomado fiquei umas horas escolhendo a roupa. E meu celular muge mais uma vez.
- Oi - disse.
"Oi , você vai não é?"
- Eita, nem vai dar. - falei olhando o meu closet.
"Ah, mentira não é?" falou desanimado.
- Seu bobo! É claro que eu vou. Estou escolhendo a roupa - disse dando uma risadinha.
"Você é má!" falou rindo. "São oito horas, posso te pegar às nove?"
- Claro, vou estar pronta - falei.
"Ótimo! Vou me arrumar também, odeio escolher roupa, amiga." disse imitando um gay. O que me fez rir. Ele sempre me faz rir e com as coisas mais bestas, eu consigo rir.
-Ok amiga, fique bem linda - disse rindo.
"Claro que sim amiga." continuou imitando voz de gay. "Agora vou lá" falou normal.
- Ok, até daqui a pouco. - disse desligando.
Voltei pro meu closet e fui escolher a roupa de novo, não estava nem frio nem muito quente, estava normal. Então decidi colocar uma saia jeans um pouco desfiada na barrinha, uma camiseta preta com uma blusa xadrez vinho por cima, uma meia-calça preta e uma sapatilha, uma bolsa com alças douradas de lado. Me olhei no espelho e vi que estava boa a roupa. Fui terminar de me arrumar.

POV'S

- Que roupa eu vou. - falei sozinho no quarto - Nossa meu, pareci um gay!
- Você é gay, só não admite. - falou rindo - Vai sair com a ? - perguntou o mesmo.
- Vou pro cinema e depois jantar. - disse.
- Legal, cara! Pergunte pra se ela tem mais uma amiga bonita. O ta ficando doido com a , nem o reconheço mais. - falou com o olho arregalado. O que me fez rir.
- Vou perguntar - falei rindo - Vocês estão doidos.
- É por que as brasileiras são mais legais e bonitas. - fez gestos com as mãos.
- Sei o seu "bonita" - falei pro mesmo.
- Claro que sabe. Além de gay, não vai ser burro né! - falou .
- Idiota, vai me ajudar? - perguntei.
- Vou, mas cadê o , o teu marido? - perguntou.
- Foi ver a mãe que chegou esses dias. - disse.
- Hum,ok. Amiga, sou sua estilista então cale a boca e use o que eu mandar. - falou um gay.
- Começou - fiz uma cara de "ninguém merece". Não sabe como é ter o como estilista gay! - É né, vamos lá. - falei
- Como não está nem frio nem quente... - falou com uma voz normal. Ele falou mesmo?? Calça jeans escura, aquela sua blusa nova da Hurley e aquelas boinas da Glamour Kills - disse .
- Boa escolha, valeu gay! - disse - E você vai fazer o que?
- Hum, como não tenho nada pra fazer, vou ficar aqui e chamar o . Tem jogo da NBA hoje. Então é isso - falou.
- Tenho que te aturar meu! Certo, fique só não faça uma festa, pelo menos não sem mim. - falei malicioso.
- Sim Senhor! - falou .
- Bem são dez pras nove, vou indo. - falei pegando as chaves e a carteira - Se cuida viu idiota.
- Pode deixar, amo você! - falou me mandando um beijo.
E desci em direção ao carro pra pegar a . Estava animado para a noite. Estive pensando sobre estar gostando dela, decidi deixar rolar e ver no que ia dar.Chegando na casa dela, subi e esperei na sala com a mãe dela. Super simpática,como sempre!
- Vou chamar ela. - falou e eu acenei um sim com a cabeça e a vendo subir as escadas.

POV'S

- , o chegou. - falou minha mãe sorrindo.
- Ok, já estou indo. - falei - Está boa a roupa? - perguntei.
- Está linda - sorriu.
- Obrigada! - disse sorrindo e passando o perfume.
Fui até a sala. Enquanto descia as escadas, ele me olhava sorrindo. Parecia uma cena de filme, bem clichê.
- Está linda! - falou sorrindo e me dando um beijo na cabeça.
- Obrigada, você também. - falei olhando o mesmo.
- Bom se divirtam! , cuide dela. - falou minha mãe.
- Vou cuidar não se preocupe. - falou sorrindo, enquanto eu abria a porta e chamava o elevador. Entramos e ele me puxou me dando um beijo. Nossa como era bom!
Quando o elevador chegou ao térreo, nos soltamos, por conta dos paparazzi, entramos no carro e partimos pro cinema. Conversamos sobre minha nova escola e da turnê dele.
- O me pediu pra te perguntar uma coisa. - falou.
- O que?
- Perguntou se você tinha alguma amiga pra ele. - falou rindo.
- Caramba, virei fábrica. - falei rindo, o que fez o mesmo rir - Mas diga a ele que tem, e mande ele ficar relaxado. - falei rindo.
- Certo. Sobre o filme, tem um de terror ótimo, to doido pra ver, claro se você não gostar, assistimos outro.
- Adoro filmes de terror - falei.
- Ótimo - falou sorrindo, e procurando um lugar pra estacionar o carro. Descemos, compramos as entradas, pipoca, refrigerante e chocolates.Assistimos ao filme, nos pegamos e saímos da sala comentando sobre o mesmo e rindo das cenas mal feitas.
- Cara, foi hilário - falou .
- Muito! Adorei - falei.
- E aí, vamos pra onde agora? Está com muita fome? - perguntou.
- Hum, estou. - confessei.
- Também, tem uma lanchonete nova, vamos?
- Vamos sim - falei entrando no carro com o mesmo.
- , posso te levar no colégio? - perguntou.
-Claro que sim.
- E te buscar também? - disse o mesmo
- Claro, seria ótimo! - falei animada. E ele sorriu.
Depois de um tempo conversando e ouvindo Coldplay no carro, chegamos a lanchonete, ela era super colorida. Paramos em frente da mesma.
- Posso pegar na sua mão? - falou meio sem jeito. Que fofo.
- Claro que sim - disse sorrindo - não tem problema por conta dos paparazzi?
- Quero que eles se danem, não ligo mais. - sorriu estendendo a mão - E aí, vai pegar? - falou com o mesmo sorriso. E claro peguei na mão dele. Entramos de mãos dadas, e dessa vez não teve fãs pra atrapalhar - ótimo. Escolhemos a mesa e fomos olhando o cardápio. Até que meu estomago faz barulho, na mesma hora fico muito vermelha.
- Opa! - foi o que eu consegui falar naquela hora.
- Sem problemas, to morrendo de fome, pipoca não me satisfaz. - falou e eu comecei a rir da situação, ele me acompanhou e me deu um selinho. Como assim em público? Poker face now.
- Bem o que vai querer? - falei.
- Hum, quero esse aqui. Hambúrguer de filé, batatas e Milk shake de kiwi. E você? - falou o mesmo.
- Vou querer sanduíche de frango empanado, batatas e suco de morango.
- Ótimo, vou chamar o garçom. - falou o mesmo levantando a mão e chamando o garçom.
- Vou ao banheiro - falei.
- Cuidado com a loira do banheiro. - falou rindo.
-Claro, qualquer coisa eu grito e chamo você, aí me salva mais uma vez. - falei rindo, e indo ao mesmo. Entrando lá arrumei a maquiagem e o cabelo. Ao sair encontro a Jennifer entrando no mesmo, sendo simpática como sempre.
- Oi ! - falou sorrindo.
- Hey Jennifer! - disse - Como vai?
- Ótima! Veio com quem? - perguntou.
- Hum, com o... - falei dando pausas.
- Ah sério? Eu o vi, mas nem imaginei que você viria com ele. - falou - Estão namorando ou coisa do tipo?
-Que? Não. - disse - Hum, vou lá então. Até mais.
- Até - falou a mesma e me despedi dela. Saindo do banheiro pensando no que ela tinha me perguntado, foi bem estranho. Além do mais nunca me perguntaram aquilo e cheguei até a mesa sentando ao lado dele.
- Você demorou - falou.
- Encontrei uma amiga do colégio. - disse olhando pro lado e vendo a mesma saindo do banheiro.
- Ah sim, já estava pensando que a loira do banheiro tinha tirado você de mim. - falou se calando na mesma hora, o que me fez olhar pra ele e sorrir, com vontade de beijá-lo, mas tive que me conter.
- Acho que ela não seria tão malvada a esse ponto sabe. - falei sorrindo.
- Espero que não. - falou o mesmo - Estou morrendo de fome e está demorando muito.
- Está mesmo. - falei fazendo cara feia.
- Até que fim, nosso numero! Vou pegar o nosso - falou se levantando.
-Ok. - olhei o mesmo indo e senti alguém me olhando. Jennifer e as amigas dela. Foi bem tenso, mas tive que agir normal. Bem, com a Jennifer não tinha problema, ela era muito legal, eu gostava dela. Só que as amigas dela eram estranhas comigo. Queria ser uma mosquinha pra saber o que falavam de mim.
- Prontinho ta com uma cara boa. - disse sorrindo e sentando ao meu lado, e esqueci de mencionar, as cadeiras eram únicas, aí ficávamos bem mais perto um do outro, o que era bom.
- Ai ótimo, estou morrendo de fome - falei bebendo um pouco do suco de morango. Enquanto o mesmo comia o hambúrguer dele, fiz o mesmo com o meu.Conversamos e rimos,como sempre.
- Isso aqui ta bonzão! - falou imitando o Dean Winchester. Me fazendo rir.
- Super, você quer? - ofereci o meu.
- Claro, não recuso comida - falou mordendo o meu sanduíche.
- Está bom? - perguntei
- Ótimo! Se quiser me dar, aceitarei - falou rindo.
- Não, esta ótimo assim. - disse rindo e terminando o meu, esperando o mesmo terminar o dele.
- Quer ir pra algum canto depois daqui? Se não for tarde pra você - falou.
- Aonde você for eu irei - disse.
- Ótimo, então vamos dar uma volta por aí e paramos em algum lugar legal. - disse - Sem rumo, vamos? - perguntou.
- Opa, vamos - falei.
- Vou pagar já volto. - falou.
- Ok, vou só arrumar a bolsa - falei arrumando a mesma e a colocando de lado.
- Pronto, vamos?
- Claro - me levantei e senti ele pegando na minha mão com vontade. Fiquei vermelha,por conta da Jennifer e das amigas dela. Mas simplesmente acenei e sorri, enquanto a mesma fez o mesmo. Ficaram lá fofocando - sobre mim - e claro que seria o assunto no colégio. Mal chego e já estou popular, graças ao . Mas vou fazer igual ele fez com os paparazzi. Que se danem! Saímos da lancheria e entrei no carro com o mesmo, ele me mais um selinho.
- Queria te beijar sem problemas na rua. - falou.
- E porque não me beija? - falei - Danem-se eles, lembra? - perguntei em seguida.
- E isso aí, danem-se eles. - falou sorrindo - mas logo logo eu faço isso. - falou com uma cara maliciosa.
- Vou esperar então. - disse e seguimos sem rumo pelas ruas de Baltimore. Não paramos em lugar nenhum, só rodamos de carro e conversamos muito.
- É melhor eu ir pra casa - falei .
- Nossa, perdi a noção da hora, desculpa - falou .
- Sem problemas - disse - É só pra minha mãe não ficar preocupada.
- É verdade - falou.
E mudou de rumo, dessa vez com um de verdade, indo em direção a minha casa.
- Quer entrar? - perguntei.
- Não tem problemas? Por conta da hora? - disse.
- Claro que não, pelo menos eu acho. Mas minha mãe é de boa - disse.
- Ok, então eu entro pra dar boa noite pra ela também - sorriu.
- Isso - falei sorrindo e entrando no prédio, chamando o elevador. Entramos e ele me beijou mais uma vez. Nossa fazíamos isso toda vez que dava. Chegando em casa, falou com minha mãe - que estava escrevendo uma música.
-Boa noite Sra. . - falou .
- Ainda acordada, mãe? - perguntei.
- Boa noite querido. É sim, estou sem sono, então resolvi escrever um pouco.
- Está escrevendo o que? - perguntou .
- Letra de uma música - disse minha mãe.
- Sério? Que legal, mas escrevendo pra quem?
-Pro meu marido e pra mim. - falou enquanto eu puxava o mesmo pra sentar no sofá se sentando ao lado dele. - Somos cantores de sertanejo e country aqui nos EUA.
- Papai e mamãe são famosos lá no Brasil. Uma dupla e tanto. - disse.
- Que legal meu... Isso você não me contou - disse
- Esqueci desse detalhe - disse dando um leve sorriso.
- Sem problemas. - falou.
- Vocês estão namorando ou ficando, como dizem por aí? - perguntou minha mãe
- Mãe! - falei ficando com vergonha - eu e o somos... - e fui interrompida pelo mesmo.
- Ainda não, mas pretendo. - sorri me olhando.
- Olhe, então, eu aprovo desde já. - falou.
- Ai meu deus! - fiquei mais vermelha ainda e comecei a rir.
- vou ter que ir agora, está ficando um pouco tarde. - falou .
- Ah, tudo bem - disse.
- Bem, vou indo. - falou se levantando e indo em direção a minha mãe - Boa noite Sra. . - falou dando um beijo na bochecha da minha mãe.
- Abre a porta ? - perguntou .
- Claro.
-  Boa noite e cuidando quando voltar. Nos avise quando chegar em casa. ?falou mamãe.
- Avisarei. Boa noite! - falou saindo da minha casa.
- Você é doido de ter falado uma coisa daquelas pra minha mãe - falei sorrindo e olhando pro chão.
- Mas não era mentira! - disse me encarando, me puxando devagar pra perto dele, me abraçando pela cintura e beijando meu pescoço, me fazendo arrepiar.
- Continua sendo doido - falei abraçando o mesmo pelo pescoço e mexendo no cabelo em seu cabelo. E nos beijamos, ficamos daquele jeito por uns minutos até que ele foi embora e eu entrei. Fui pro meu quarto, me despedindo da minha mãe, troquei de roupa e me deitei.
Depois de um tempinho, recebo a mensagem dele.
"Já estou em casa, avise a sua mãe. Haha, quero conversar com você depois xxx? <3"
E dormi pensando no que seria. O que me deixava mais nervosa.

Acordei muito bem no outro dia, tomei um banho, coloquei um short, uma blusinha com um panda na frente e desci pra tomar café.
- Bom dia mãe! ?falei.
- Bom dia querida! - disse.
- Papai chega quando? - disse.
- Depois de amanhã, graças a deus! - aliviou minha mãe.
- Ótimo! - sorri tomando o meu café.
- Vai sair com o hoje? - perguntou.
- Ah, não... Não marcamos nada hoje, então acho que vou ficar em casa o dia todo. - falei.
- Ok, poderíamos assistir filmes, o que acha? - perguntou a mesma.
- Claro! - disse animada. - Bem vou usar o computador agora e depois do almoço assistimos filme. - falei.
- Ok, vai lá. - falou. E me retirei indo pro meu quarto, ligando o computador. Entrei nas mesmas coisas de sempre, msn, twitter, orkut. Entrei no mesmo site que o tinha me mandado com o artigo falando sobre nós, e fui pra página inicial do site. Pra minha surpresa, uma foto nossa nos beijando na lanchonete.
- De novo não - falei olhando bem pra foto, salvando ela pra mim e lendo o que continha dessa vez lá.

Site da revista TEEN TEEN POP
"Uhh, parece que acertamos outra vez. está de rolo com essa menina que até agora não sabemos quem é! Foram vistos na nova lanchonete de Baltimore, se beijando e se beijando de novo na saída.
A coisa estava boa então, ein!
Quem tiver nome, alguma coisa dessa menina, nos informe no e-mail abaixo, ficaríamos muito gratos, se é que me entendem!"

Na mesma hora, mandei pra ele. Não sabia mais o que fazer em relação a isso. Se deixava como estava ou se falaria pra não fazer nada em público. Por mim estava ótimo, só que o famoso aqui é ele e não eu, então ele sairia como prejudicado. Resolvi ficar na minha e ver o que ele falaria.
Desliguei o computador, e fui pro quarto da minha mãe para assistir filmes com ela. Programação mãe e filha, adorava isso.
Até que meu celular toca, e vejo que é o .
- Mãe já volto - falei.
- Ok, não demore muito. - falou.
- Certo! - disse - Oi .
"Oi ! Olha, disse que queria falar com você depois, mas não sei quando a gente vai se ver e nem vai dar pra te levar no colégio amanhã. Desculpa"
- Relaxa. - compreendi - Mas o que aconteceu? - perguntei.
"A banda pegou uns shows em cidades pequenas, vai ser umas duas semanas, por aí."
- Sem problemas. É o seu trabalho, não vá parar ele por minha causa. - disse.
"Então sem problemas."
- Claro né , que isso menino! Além do mais você não deve satisfação a mim. - falei rindo.
"Realmente. Por enquanto, eu espero." Riu.
- Isso aí! - foi a única coisa que falei, não sabia o que responder.
"Bem, vou ter que ir. Quero descansar, amanhã viajo."
- Certo. Então se quiser, me liga. - falei
"Ta bem, ligarei. Vou lá, beijos e se cuida"
- Você também, beijo. - disse e desliguei o telefone. Voltei pro quanto da minha mãe. - Pronto, pode por o filme de novo.
- Era o ? - perguntou.
- Sim, dizendo que a banda pegou uns shows, aí ficaria fora por umas duas semanas.
- Hum, certo - falou a mesma assistindo o filme, fiz o mesmo. O domingo foi super, com minha mãe, uma tarde boa e tranquila.
No outro dia, começaria tudo de novo, e resolvi ficar na minha no colégio, ouvir o que tinha que ouvir dos outros falando de mim e tentar escapar das perguntas que as pessoas faziam. Mas não faziam por mal, só estavam curiosos, eram todos legais comigo(pelo menos alguns eram), fiz amizades, mas ainda ficava um pouco insegura em relação a quem eu podia confiar ou não. A única mesmo, era a Jennifer.

Capítulo 4

Essa semana passou rápido, foi a primeira semana sem ver o e sem falar com ele. A segunda chegou mais rápido ainda e ele não deu sinal de vida. Então comecei a imaginar que ele não queria mais nada comigo, mas pensava "Que isso Camilla, ele viajou está tocando, ou seja, muito ocupado". A semana acabou e ele já deveria ter voltado pra cidade. Fiquei na espera da ligação dele, alguma coisa no twitter em relação ao site, mas ele não tinha postado nada nas duas semanas. Assim foi, minha vida se tornou normal de novo, além do mais eu tinha o na minha vida então não era um normal como antes. O mês tinha passado rápido e nada dele. Revolvi esquecer e segui minha vida, estudar e terminar meu terceiro ano, pensar na faculdade, iria fazer aqui nos EUA mesmo. Comecei a gravar algumas músicas pois estava pensando em colocá-las no MySpace. Conversei com minhas amigas sobre o , pedi opiniões nas músicas, como seria o meu MySpace e publiquei minhas músicas no tal site. Só pedi a Deus para que tudo desse certo, afinal, os Estados Unidos é um país ótimo pra se lançar como músico. Não aguentava mais ficar em casa, queria sair e respirar um pouco.
- Mãe, vamos sair? - falei.
- Não posso filha, estou morrendo de dor de cabeça. - falou - Chame o seu pai.
- Certo. - falei indo a procura do meu pai - Pai vamos sair?
- Claro, pra onde? - perguntou.
- Qualquer canto, tomar um sorvete, lanchar, só quero sair de casa um pouco.
- Certo, vou só tomar um banho. - falou.
- Ok, vou me arrumar - subi em direção ao quarto, coloquei um short, uma blusa e coloquei umas havaianas, desci em direção ao meu pai que já estava me esperando na sala.
- Vamos? - perguntou o mesmo.
- Claro! - sai super animada, partimos direto para a sorveteria. Foi divertido acabamos comprando algumas coisas na rua e voltamos pra casa, um dia normal, como sempre!

POV'S

A pequena turnê de duas semanas foi bem divertida, sabe? Mas já se passou alguns meses, quer dizer, já tinha passou dois meses e eu ainda não dei sinal de vida pra . Ela deve ter me esquecido, ou já esta namorando. Ela é uma menina linda e que chama atenção por onde vai. Mas não sei o que ouve comigo por não ligar pra ela, pensei que ela ligaria pela demora, mas nem isso fez. Então vou esperar pra ver no que vai dá.
- Cadê a ? - perguntou .
- Não sei. - disse desanimado.
- Você estava afim dela mesmo cara? Ou era só uma farsa? - falou o mesmo me encarando.
- Gostava cara e muito, quer dizer, ainda gosto. Desde o primeiro dia que a conheci, mas não sei o que aconteceu comigo e ela não ligou nem nada e eu também não liguei.
- Hum sei, acho que ela não ligou pra você por que ela sabe que você é famoso e tem muitas "cocotinhas" por aí querendo ficar com você e não quis se iludir e não ligou pra não dar uma de "desesperada". - falou um muito sério.
- Cara, você disse isso mesmo? - perguntei querendo rir.
- Pois é, minha capacidade ta foda meu irmão - falou.
- Claro, sempre! - disse bufando. - Bem, não sei o que eu faço... Se eu voltar a falar com ela tenho certeza que ela não vai olhar na minha cara - falei.
- Com certeza ela irá fazer isso. - falou sendo sincero - Porra meu, como você não ligou pra ela já que estava gostando dela? E disse essas coisas pra ela. Isso não se faz meu, olhe que com os sentimentos dela não se deve brincar, você foi do mal. CARALHO! Eu estou te dando conselhos e conselhos fodas nunca faço isso, aproveite - disse orgulhoso.
- Você ta foda mesmo - falei rindo - Vou pensar no que fazer a começar de agora - disse
- É bom mesmo já vai fazer dois meses que estamos aqui em Baltimore, desde a pequena turnê.
- Caralho é mesmo - falei meio irritado - Vou começar falando com ela no twitter - disse.
- É um começo. Olha só, vou sair com o e o , quer ir? - perguntou .
- Ah não, vão vocês vou ficar aqui pensando na minha vida inútil - falei ao . Eu realmente disse isso?
- Nossa cara você ta doido, fique ai mesmo de castigo pelo que fez - falou rindo.
- Vai embora seu gay - disse.
- Vou pegar seu tênis emprestado - falou já pegando meu tênis.
- Pegue e devolva inteiro - falei.
- Certo, até cara - disse saindo do meu quarto. Enquanto ligava o computador e bebia uma cerveja.
Depois de um tempo eu volto ao twitter, na mesma hora vários tweets das fãs "ATÉ QUE FIM O @JACKALLTIMELOW DEU SINAL DE VIDA!". Me fazendo rir. Meu, sentiram minha falta mesmo, mas fui direto ver as DM e vi que tinha uma dela, cliquei no link. Mais uma vez, os ataques dos paparazzi mas dessa vez um artigo de dois meses atrás, na noite que saímos pro cinema onde foi bem divertido, fiquei olhando a foto da gente se beijando, e comecei a relembrar de como aquilo era bom e como eu sentia falta dela. Como fui idiota por não ter ligado pra ela! Revelei aquela foto e as outras que já tinha pego do mesmo site. As fotos de nós dois correndo da chuva, a cara de felicidade dela, o sorriso, nossa meu como sou idiota, era o que eu pensava. E ainda tinha as fotos do primeiro dia que eu a conheci. As fotos no camarim que o tirou minha e dela, eu sentado no sofá olhando pra ela, e ela no braço do sofá olhando pra mim e sorrindo, nossa sabe tirar foto... A unica coisa que estragou foi a careta do do meu lado, cortei-o e revelei. Parei de olhar as fotos por um tempo e fui falar com ela no twitter.
"Me desculpa por não dar sinal de vida, ainda quer falar comigo? :/ <3"
Mandei por DM claro, fiquei olhando o twitter dela, e rindo com as coisas que ela dizia em inglês outras que ela escrevia em português. Traduzia as que conseguia e que por sinal eram bem engraçadas. Depois de um tempo desci peguei uns biscoitos e resolvi me deitar, fiquei pensando até que cheguei a uma conclusão, EU AMAVA a !
Nunca senti falta de uma menina como eu sentia dela, nem das minhas ex-namoradas. Com ela era diferente, agora o que restava era ela querer falar comigo e aceitar o meu pedido de namoro. Além do mais, estava disposto a isso.

POV'S

Os meses passavam muito rápido e já estávamos entrando no terceiro mês desde a viajem do , e nada dele. Mesmo eu querendo esquecê-lo eu não conseguia. Tentava, mas não conseguia.
", você está bem?" perguntou .
"Realmente, você ultimamente tem estado mal, muito triste, não se anima com nada."falou em seguida.
- Ah gente, não sei, sinto falta do . - falei - Não vou mentir.
"Cara. esquece ele..." disse . "O que ele fez foi do mal."
"E como foi do mal." falou em seguida.
- É , com você é mais fácil, mesmo com isso tudo, o continuou falando com você. Porque ele não falou comigo? ? disse desanimada
"Realmente . O fala comigo às vezes no twitter. Mas no nosso caso é diferente, tudo pela internet nada de contatos. Já vocês não, tiveram uma coisa a mais."
- Isso mesmo. - continuei dizendo.
"Desculpa , mas fique na sua, ok? Não ligue pra ele. Ele disse que iria ligar, se ele sentir sua falta irá falar com você. Só que cuidado, com esse tempo todo sem se falarem e do nada ele aparece, às vezes nunca é coisa boa."
" tem ração." falou .
- Tomarei meninas, não vejo à hora de vocês chegarem aqui. Caramba só falta um mês pras férias, mas ta demorando demais.
"MUITO, vou mandar papai comprar um acelerador de tempo." disse .
"Nossa como você é mimada" disse , o que me fez rir.
- Muito - falei rindo.
"Calma gente, é o gira tempo do Harry Potter, como vocês são sem graças!" disse bufando.
- Lesa - disse rindo. - Gente estamos aqui há duas horas já, nossa! Vou indo, amanhã tenho provas. Estudar rápido pro mês passar rápido.
"É verdade, amanhã nem tem aula. Estão fazendo uma reforma lá no colégio, quer dizer na nossa sala, aí não teve como nos colocar em outra, sorte não?" falou .
- MUITO suas lesas. - falei.
Que nada amiga" falaram as duas ao mesmo tempo.
- A ta! Meninas, agora vou indo boa noite. Amo muito vocês. - falei desligando o telefone. Como estava ficando um pouco tarde, resolvi tomar uma banho antes de dormir. Estava cansada isso ajudaria a dormir rápido, entrei no banheiro e tomei um banho super relaxante, troquei de roupa e desci pra comer alguma coisa. Acabei encontrando meu pai e minha mãe na cozinha.
- Acordados ainda? - perguntei
- Estamos fazendo a lista das compras de amanhã, sua mãe vai ao supermercado com a empregada. - disse meu pai.
- Quer alguma coisa de lá? - perguntou minha mãe.
- Quero pasta de amendoim e sorvete de kiwi. - falei.
- Ok - falou meu pai, anotando.
- E você, por que não está dormindo? - perguntou minha mãe.
- No telefone com as meninas - disse - mas só desci pra comer algo, já vou dormir.
- Tudo bem - disse minha mãe.
Comi bolo de chocolate, me despedi dos meus pais e subi pro meu quarto me deitei e fiquei rolando na cama pra dormir, o que eu não conseguia fazer. Peguei o meu celular e abrir na página do twitter. Nada de novo, tudo parado. Até que eu vejo que tem uma DM nova. E que por sinal era dele. Não sei se sorria se ficava triste- AI DEUS! Paranormal! -, falei sobre isso com as meninas no telefone, quando olho já tem uma coisa dele no twitter, tenho até medo. Não sabia o que eu fazer, se respondia pelo twitter, ou por mensagem. Resolvi não responder por nenhum dos dois. Saí do mesmo e fui tentar dormir. Quando eu começo a cochilar, meu celular toca com uma mensagem. "Não consigo esperar a sua resposta no twitter, se é que viu a DM. Mas quero saber se me desculpa e se ainda quer falar comigo, se você retornar a mensagem te ligo na mesma hora, se não te deixo em paz, eu vou entender xxx <3"
Caramba ele vai me matar. Eu não consigo esconder, eu AMO o , por que ele fez isso? É tenso, mas respondi a mensagem pra ele, não consegui me controlar:
"Te desculpo sim, e quero continuar falando com você xxx".
E esperei pra ver se ele ligava em seguida, foi o que ele fez " ."
- Alô? - falei ficando em silêncio
- ? - disse um pouco triste.
- Oi - falei.
- Você me desculpa mesmo? - perguntou.
- Desculpo sim, só que não sei por que você não deu sinal de vida. - falei.
- Eu sei, também não sei por que fiz isso. - falou.
- Ah espera aí né, ! Não sabe?! - disse com uma voz um pouco alta.
- Quero falar com você, pessoalmente, pode ser? - perguntou.
- Claro, quando e onde? - perguntei.
- Posso te pegar no colégio amanhã? Poderíamos sair pra um lugar calmo e conversar - falou.
- Pode ser, avisarei aos meus pais - falei.
- Ótimo quatro e meia passo lá, certo? - disse o mesmo.
- Certo.
- Está bem? ?perguntou o mesmo.
- Estou sim e você? - falei.
- Indo... - falou e eu o interrompi
- , vou ter que desligar tenho que dormir. Até amanha então? - falei.
- Claro, estarei lá - falou o mesmo - Boa noite.
-Boa noite - disse desligando o telefone. Mandei uma mensagem pra e para a ,dizendo da ligação dele, me virei de lado e acabei dormindo.
No outro dia, acordei com uma mensagem dele "Bom dia :D". Ele queria me agradar, ou coisa do tipo? Não conseguia expressar minhas emoções com essas coisas, quer dizer, eu não conseguia identificá-las. Era tenso. Me levantei, fui direto pro banheiro para tomar um banho e me arrumar pro colégio.
- Bom dia mãe, pai - falei me sentando.
- Bom dia querida - falou papai.
- Bom dia, dormiu bem? - perguntou minha mãe.
- Sim - disse sorrindo, já tomando o café da manhã - Mãe, vai me pegar no colégio - falei.
- Ah tudo bem - falou minha mãe, na maior naturalidade. Como assim?! Ela sabia de tudo e ainda falava assim? Fazer o que né.
- Seu pai vai te levar hoje, viu querida?! - falou a mesma.
- Ótimo - disse sorrindo. - Vou escovar os dentes e já estou pronta - falei.
- Ok, vou só pegar as coisas do trabalho. - falou papai - Te espero no estacionamento.
- Tudo bem - falei indo pro meu quarto e terminando de me arrumar, peguei as minhas coisas e parti pro colégio.Dia normal de novo.
Aulas e aulas passaram bem rápidas, que quando fui ver já ia dar quatro e meia. Fui ao banheiro ver se estava tudo certo comigo e fui em direção da saída do colégio. Abri a porta olhando pros lados procurando o , quando olho pra frente encontro ele encostado no carro me olhando e dando um sorriso de leve. As pessoas na mesma hora me encaram mais do que nunca, acho que era a primeira vez que o pessoal do colégio me via com o , por isso estava recebendo muitos olhares.
- Oi - falei dando um leve sorriso
- Não vai nem dar um abraço de leve? ?falou me encarando.
- Você não existe - falei um pouco séria e dei um braço nele de leve. Estávamos no meu colégio e a situação era tensa.
- Isso já me deixou um pouco melhor - falou me soltando - Vamos?
- Claro - falei entrando no carro. - Pra onde iremos? - perguntou.
- Estava pensando em estacionar em algum lugar e conversar, mas se não quiser... - falou.
- Tudo bem - falei jogando minhas coisas no chão do carro, enquanto o mesmo ligava o carro e ia dirigindo. Só que dessa vez foi diferente não cantamos, não conversamos e não rimos de nada. Ficamos calados sem mover um músculo sequer.
- Hum,chegamos - falou parando em frente a uma residência, que por sinal era muito bonita.
- O que você quer conversar comigo? - fui logo ao assunto.
- Quero te pedir desculpas por não ter dado sinal de vida, não ter ligado pra você, nem entrado no twitter. - falou o mesmo.
- É, eu já te desculpei por isso. - falei - Mas por que você não ligou? Disse que ligaria pra mim. Ah lembrei, acho que me iludi de mais com você , com as coisas que você tinha me dito antes. - fui sincera.
- Eu não te iludi, se você quer saber. Aquilo tudo que te falei era verdade, a mais pura verdade. - falou o mesmo me encarando.
- Não sei se acredito mais. - falei.
- Pode perguntar pra quem quiser da banda, eles são idiotas mas em relação a essas coisas, eles não mentem. - falou sendo sincero.
- Não vou perguntar a ninguém , quero só saber de você mesmo. - falei.
- Pois se quiser acredite em mim, não sei por que eu não liguei pra você e caramba que GOSTO de você - falou sendo convincente.
- Também gosto, muito. - falei ficando em silêncio - Só que...
- Só que o que? - perguntou.
- Acho melhor agente ficar na amizade como estava antes. Saímos normal, só que como amigos. O melhor mesmo é não ficarmos mais. - falei.
- Você ta brincando não é? - falou arregalando os olhos.
- Não estou , é melhor sabe. - falei enquanto o mesmo me interrompia e ligava o carro - Onde esta me levando? - perguntei.
- Pra sua casa - falou ficando em silêncio e vi que o mesmo ficava triste.
- Certo - falei olhando pra janela do carro enquanto uma lágrima escorria do meu rosto, mas era o melhor para ser feito agora, sermos só amigos.
- Chegamos - falou o mesmo olhando pra frente. Enxuguei o meu rosto e o encarei.
- , me desculpa por isso só que... Eu não sei o que você fez sabe, e do nada volta querendo continuar. Entende o que eu quero dizer?
- Não , eu não entendo. Olha não é querendo ser chato não, mas é melhor você ir. - falou o mesmo, sem olhar pra mim. Enquanto eu ficava olhando pra ele e não tendo resposta, peguei as minhas coisas, abri a porta do carro e sai.
- Tudo bem. Se quiser sair, sabe o número. - falei parada perto da porta aberta.
- Tchau, agente se vê - virou o rosto me olhou - É melhor entrar, ta começando a chover, vai acabar ficando doente. - disse já puxando a porta do carro e fechando.
- Tchau - falei ficando lá em pé, olhando o mesmo ir embora. Merda! Será que fiz a coisa certa?
Entrei em casa já chorando, corri pro meu quarto, joguei as coisas no chão, e me deitei na cama, acabei cochilando do mesmo jeito que eu estava.

POV'S

- Como foi com a ? - perguntou .
- Não deu em nada, ela não me quer mais. Só como amigo. - falei totalmente desanimado.
- Caralho, sério? - falou sem acreditar.
- É, não quer nada. PORRA! Eu fui um IDIOTA fazendo essas coisas - gritei na sala.
- Calma cara, você vai desistir dela? - perguntou.
- Claro que não - falei andando pra um lado e pro outro. - Ela não acreditou em mim quando eu disse que eu não tinha feio nada de "errado" na viajem.
- O pior que você não pegou ninguém mesmo. - falou , se levantado.
- Aonde vai? - perguntei.
- No banheiro, deu dor de barriga. Já volto.
- Certo - me sentei no sofá esperando o voltar, ligando a TV e colocando na MTV, estava passando o clipe do The Maine, Into Your Arms. - Cala a boca John, seu gay idiota - O que me dava mais raiva dessa musica era que ela dizia tudo sobre nós, quero dizer, sobre mim! Eu realmente tinha que fazer algo pra mudar isso, não aceitaria perder a .
- Voltei, o que você vai fazer? - perguntou .
- Não sei, mas estou tendo uma ideia. - falei me levantando do sofá e indo pro meu quarto.
- Me fale então - falou .
- Depois você vai ver. - falei entrando já no meu quarto, pegando meu celular e começando a fazendo umas ligações MUITO importantes. Claro eram essas ligações que iriam me ajudar mais do que nunca.

Capítulo 5

POV'S

- Meninas, me encontrei com o na hora da saída ontem. - falei pra e pra ao telefone.
"E aí?" Elas perguntaram.
- E aí que eu terminei o que não começou entre eu e ele, mas não sei se fiz a coisa certa - falei desanimada.
"Te entendo amiga." Disse . "Mas não fica assim, deixa ver o que vai acontecer daqui pra frente."
"Pois é , tudo pode acontecer daqui pra lá. Não fique triste, só deixe as coisas rolarem." Falou .
- Ai, vou tentar. Hoje é sexta, então acho que vou em um pub com a Jennifer hoje a noite. Tenho que estrondar por aqui, faz tempo que não faço isso. - falei dando uma risada de leve.
"Isso aí, mano." Gritou .
- Queria muito vocês aqui. - disse pras duas.
"Iremos nas férias!" Disse .
- Isso mesmo, vou esperar por vocês. Agora vou indo, a Jennifer está na segunda linha - disse. - Amo vocês.
Desliguei o telefone e fui ver o que a Jennifer queria. Era pra avisar que passaria aqui às oito horas. Já eram sete horas, tinha que tomar banho e escolher a roupa. O pub que iríamos era um que tinha acabado de abrir na cidade e as pessoas que o frequentavam poderiam se dispor a tocar. Deve ser bem divertido. Bem, eu estou precisando de muita diversão. Tomei meu banho e fui pro closet ver que roupa iria. Decidi ir com uma skine jeans clara rasgada nas pernas, uma t-shirt preta que tinha o nome da banda Sex Pistols na frente, coloquei uma jaqueta - para caso ficar frio -, calcei a coloquei uma ankle boot e uma bolsa tira colo com estampa da bandeira da Inglaterra. Maquiagem: destaquei o olho e os meu cabelos deixei um pouco bagunçado. Me olhei no espelho e vi que estava tudo ok.
- , Jennifer chegou - avisou minha mãe.
- Obrigada mãe, já estou indo. - falei para a mesma. Passei perfume e desci pra sala. - Cadê ela?
- Ah, está lá embaixo, não quis subir pra não atrasar - disse minha mãe.
- Ok, então vou indo. Beijos mãe! - falei saindo de casa e pegando o elevador. Chegando na entrada do prédio, Jennifer estava se olhando no espelho que tinha no mesmo. Estava com uma hot legging preta, uma blusa com uma estampa de uma frase que era ??you are stupid??, um colete preto e de sapato uma gladiadora de salto.
- Arrasou no look, Jennifer - falei.
- Você também - falou rindo - Agora vamos? Estou animada pra chegar lá. Falaram que é super divertido.
- Também estou! Tenho que me divertir, por que já sabe né? - disse fazendo bico e andando em direção ao carro dela. Já tinha 17 anos, então já podia dirigir. Entramos no carro e partimos em direção do pub ao som de "Friday I'll Be Over You", da Allison Iraheta. Essa música tinha que vir logo agora? Ela dizia mais ou menos o que eu estava pensando sobre o . Mas tinha que esquecer isso, a noite iria ser ótima, estava sentindo.

POV'S

- Cara hoje é sexta! SEXTA! Temos que sair cara - falava pra mim. Não estava animado pra sair, não mesmo. Tinha falado com os pais da na quarta feira, pra ver se eles me ajudavam com alguma coisa e a mãe dela disse que iria ver algo. Pelo menos estava tentando me ajudar. Não queria perdê-la, eu a amava e tinha que tê-la de volta aos meus braços.
- Eu sei que é sexta, mas não estou afim de sair de casa. Chama o ou o , eles devem estar afim de sair. - falei pro pra ver se ele parava de me encher.
- Não! Eles não estão em casa, saíram sem nos avisar. Viu que bando de viados?! E eu aqui te chamando. Não te chamo pra mais nada - falou fazendo drama.
- Ta bom, se eu for você me deixa em paz depois? - disse olhando pra ele que estava em pé na minha frente.
- Deixo! Agora vá se arrumar, iremos no pub novo que abriu na cidade, dizem que é super divertido. - disse todo animado.
- Certo.. Agora sai, vou trocar de roupa. - me levantei e sai empurrando o mesmo do meu quarto.
-Tudo o que eu tenho, você tem. Ah exceto uma coisa... Eu tenho um pinto e você não - falou rindo.
- HAHA, muito engraçado - falei fechando a porta na cara do mesmo. Coloquei uma calça jeans, uma blusa de social vermelha e um tênis. - Pronto bicha estou pronto, vamos? Quero voltar pra casa logo. - disse já abrindo a porta de casa. Entramos no carro e partimos ao som de "Keep Yout Hands Off My Girl", do Good Charlotte. Eu realmente estava desanimado, só pensava em como iria conquistar a de novo. Mas tinha que me divertir um pouco, se não iria enlouquecer...
- Chegamos - disse já estacionando o carro perto do tal pub. Descemos do mesmo e acabamos sendo interrompidos por umas fãs que estavam na fila do lugar.
- Calma, gente. - disse rindo - Tiraremos fotos com todas.
Nossa, como são elétricas. Tiramos fotos com as nossas fãs e fomos pra fila pra poder entrar. Não estava tão cheia, entraríamos logo.

POV'S

- Que bom que teve esse tumulto - falei pra Jennifer rindo.
- Que bom mesmo, perderam o lugar e agora somos as segundas - disse animada. - Só queria saber o porquê do tumulto.
- Também queria - falei - Ah olha, vamos entrar. - disse animada já entrando no local. Quando entramos lá, estava um pouco escuro e tinha umas mesinhas bem pequenas que só davam pra ficar quatro pessoas, no máximo. Estava com uma música eletrônica, depois iriam vim bandas e o publico poderia cantar ou tocar algo lá no final.
- Vamos sentar alí, - falou Jennifer me puxando rápido.
- Ai calma quase, derrubei a bebida do homem alí - disse rindo e sentando na cadeira. - O que vamos beber?
- Queria vodka - disse rindo.
- Também, mas somos de menor, será que vendem? - perguntei mordendo os lábios.
- Acho que sim, temos caras de mais velhas e também é só seduzir o barman. - falou rindo, me fazendo rir muito também.
- Ok, quem vai comprar? - perguntei dando indireta de que seria ela.
- Ok, eu vou... - falou se levantando e indo em direção ao bar. Comecei a olhar em voltar pra ver se tinha algo de interessante pra se ver e até que tinham uns meninos lindos sentados perto de onde estávamos. Continuei olhando em volta, quando me deparo com uma pessoa de vermelho procurando um lugar pra sentar com o .
- Ai meu Deus! Ele não pode me ver. - falei baixo pra mim mesma ja virando o rosto, se ele me visse o clima iria ficar super tenso e eu realmente não estava querendo aquilo.
- Voltei! - disse Jeniffer animada com duas taças em formato de funil com vodka - Eu disse, é só seduzir o barman - disse rindo.
- Mentira que você fez isso - falei rindo e pegando minha taça.
- Não, ele acreditou que eu já era de maior... - falou rindo e sentando do meu lado. - Ah, antes que eu esqueça, te coloquei pra cantar depois que os The Pumpkins se apresentarem.
- Que? Por que você fez isso, está doida? - perguntei sem acreditar na mesma.
- Agora vai ter que ir, tinha muita gente pra se apresentar, quase não conseguia te colocar. Você canta super bem e eles tem violão... Vai se sair bem, não se preocupe. - falou sorrindo e segurando minha mão, terminando sua vodka. Caramba, ela já terminou a taça de vodka? Bem rapidinha.
- Ok, agora você vai me ajudar a escolher a música.
- Por que não canta a que estávamos ouvindo agora no carro.
- Friday I'll Be Over You? Da Allison Iraheta?
- Sim, é uma boa música, consegue fazê-la no violão? - perguntou se levantando.
- Consigo sim, vai aonde? - falei olhando pra ela.
- Pegar mais bebida, quer? - falou caminhando mais devagar.
- Ah não... Ainda tenho - disse rindo. Olhei em volta pra vê se encontrava o e vejo ele perto do bar, me virei de novo. Estava escuro e do jeito que ele é retardado, não iria me enxergar. A Jennifer estava demorando pra voltar e eu não queria ficar sozinha alí por mais que estivesse tudo ótimo,; A música, o local. Ficar sozinha não é uma boa.
- Voltei! Ah e trouxe companhias - falou rindo e sentando ao meu lado. Olhei pra trás e não consegui ver direito quem realmente estava do lado dela.
- Ah foi? Quem então? Não consigo identificar - falei dando uma risada de leve.
- , esse é o . essa é a amiga que te falei, . Cadê seu amigo? - falou Jennifer olhando pra mim e pro . Ok, para tudo. A Jennifer realmente é uma tapada por não saber que ele é do All Time Low e que é amigo do .
- Não acredito que é você! - falou ele dando me um abraço - o vai pirar. - riu mais ainda.
- Ah ele está ai? - perguntei um pouco nervosa - Jennifer, não é por nada não, mas ele é do All Time Low, amigo do .. Você é demente? - disse rindo.
- Ah não fala assim comigo, eu não encontrei o com ele. E está tudo muito escuro, não consegui identifica-lo... Por isso não ia adivinhar. - falou a mesma se defendendo e o só prestando atenção.
- Hum. Ok, ok? falei rindo e batendo na cabeça da mesma.
- Certo. - disse a mesma já se sentando e puxando o pra perto dela.
- Mas e aí , como está? - pergunto pro que estava já nos ouvidos da Jennifer. Acho que atrapalhei um pouco.
- Ah muito bem, e você? Está diferente da última vez que nos vimos - disse olhando pra mim.
- Pois é, faz tempo mesmo que não nos vimos. Estou bem sim. - falei.
- Ah, olha o aí. Cara você demorou, olha quem eu acabei encontrando aqui - falou pro que estava atrás de mim.
- Ah, quem? - perguntou não muito animado.
- A , não a reconhece mais? - falou rindo. Eu simplesmente fiquei sem reação, mas teria que falar com ele, afinal o iria com certeza ficar com a Jennifer, teria que ficar com ele lá. Digo, ficar de conversar, só.
- Oi, . - falei me virando pro que estava muito, mais muito lindo com aquela blusa vermelha. Deus me ajuda!
- Oi, - disse o mesmo chegando perto de mim e me abraçando. Colocou a boca no meu ouvido e citou algo. - Está incrivelmente linda, sabia? - me soltou e sorrimos.
- Obrigada - falei um pouco nervosa - Senta aí. - falei me sentando de volta e bebendo a vodka.
- Como você está? - perguntou sentando bem perto de mim.
- Estou ótima, e você?
- Indo. Seus pais deixam você beber? - perguntou rindo.
- Ah claro, por que não deixariam? - falei me calando e virando pra frente. Por mais que eu gostasse muito do , não queria estar com ele naquela hora. Queria mesmo era esquecer ele e tentar ser AMIGA dele.
- AI MEU DEUS, É O ).toUpperCase())! - grita uma menina super desesperada e atacando ele - Ai, eu te amo tanto! - falou abraçando e dando vários beijos nele - Odiei quando eu vi que você estava com aquela colegial. se toca... Você tem que arrumar uma veterana... Tipo eu. - falava toda animadinha, ela falava tanto que nem deixou ele falar.
- Nossa, que atirada - falei baixo, olhando aquela cena toda.
- Ah é mesmo? Odiou foi? Acho que ela não estava odiando... E nem eu - falou rindo e olhando pra cara da menina loira, com uma saia super curta, uma bota de cano médio e uma blusa super decotada.
Além de atirada, é brega. Pensei.
- Olha só, vou no banheiro - disse me levantando e virando o resto da vodka que tinha no meu copo.
- , espera! - gritou fazendo a menina olhar torto pra mim, com cara de "Quem é a otária?" Ela não me reconheceu... Pelo menos isso.
- , eu vou no banheiro. - falei me virando e indo pro banheiro, que por sinal estava cheio. Me olhei no espelho, retoquei a maquiagem e fiquei me olhando pensando o quão eu odiava ficar vendo aquelas meninas se atirarem nele. Caramba, ele é meu! Ou já foi meu. Isso não é atitude de fã e sim, de groupie.
? Bando de vagabunda! - falei alto no banheiro fazendo todas as mulheres me olharem. Fiquei vermelha na mesma ora, me olhei de novo e sai do banheiro. Que mico eu paguei ali agora. Passei no bar e peguei um suco, não iria aguentar tomar mais vodka. Vejo a Jennifer passando por mim com o . - Aonde vai?
- Vou alí e já volto. Não demoro, prometo - falou a mesma indo em direção a uma parte mais escura do pub. Ainda estava tocando música eletrônica, faltava só alguns minutos pra começar a banda, pra depois ser a minha vez de cantar. Pego meu suco e quando me viro vejo o empurrando a menina para trás e ela se atirando nele totalmente. A minha vontade era de empurrar ela e dizer que ele tinha namorada, mas não poderia fazer isso. Quando chego lá, a menina olha pra minha cara e dá um beijo na boca dele. UH, ela deve ter me reconhecido na mesma hora. Mas isso me fez subir mais ódio ainda. Me sentei e fiquei lá parada vendo aquela cena toda, até que ele cede ao beijo por um instante, a soltando rapidamente.
- Você é doida, menina?! Sai daqui eu já disse que não quero nada com você! - falou um pouco alto. Fazendo a mesma sair de lá com a cara no chão. - Me desculpa, .
- Desculpar? Por quê? Não me deve satisfações, . - falei bebendo meu suco de morango.
- Eu sei, mas ela estava sendo muito atirada. E isso não se faz na frente de outras garotas, se é que me entende - falava o mesmo segurando minha mão e me olhando fundo.
- Entendo sim. Relaxe - disse tirando minha mão perto da dele e olhando pros lados. Soltei o copo em cima da mesa e continuei calada. Na mesma hora o DJ começa a tocar Memories do David Guetta e Kid Cudi (N/A: coloque pra tocar), aquela música me deixava muito animada. Tinha que dançar com alguém.
? Ai droga, amo essa música! Cadê a Jennifer pra dançar comigo?! - falei dando uma risada de leve.
- Eu não sei, mas se quiser eu danço com você - falou sorrindo
- Ai, ok... Pode ser. Mas só porque eu amo ela. - disse me levantando e passando na frente dele indo pra pista de dança. Começando a me mexer e vendo que ele chegava mais perto de mim.

All the crazy shit I did tonight
Those will be the best memories
I just wanna let it go for the night
That would be the best therapy for me

Enquanto eu dançava, ele segurava na minha cintura me fazendo colar no corpo dele e fazendo nossos rostos ficarem próximos de mais.

All the crazy shit I did tonight
Those will be the best memories
I just wanna let it go for the night
That would be the best therapy for me

Hey, hey
Yeah, yeah
Hey, hey
Yeah, yeah
Hey, hey
Yeah, yeah
Hey, hey
Yeah, yeah...

Me soltei ao ver que ele chegava perto do meu rosto pra me beijar. Segurei nas mãos dele olhei com um enorme sorriso e me balancei mais, fechando os olhos. A música parecia que entrava em mim, não conseguia me controlar. Ele me girou e me abraçou por trás dançando um pouco mais lento.

All the crazy shit I did tonight
Those will be the best memories
I just wanna let it go for the night
That would be the best therapy be for me

All the crazy shit I did tonight
Those will be the best memories
I just wanna let it go for the night
That would be the best therapy for me

A cada movimento que eu fazia ele tentava me acompanhar pra ver se de algum modo ele conseguiria me beijar. Eu estava evitando ao máximo fazer isso.

Hey, hey
Yeah, yeah
Hey, hey
Yeah, yeah
Hey, hey
Yeah, yeah
Hey, hey
Yeah, yeah...

Não sei se conseguiria aguentar por muito tempo ele na minha cola e não beijá-lo. Do jeito que estávamos dançando com o corpo e o rosto muito próximos. Sentia cada respiração dele, sentia cada toque que ele fazia no meu corpo. Estava ficando praticamente excitada.

It's getting late but I don't mind
It's getting late but I don't mind
It's getting late but I don't mind
It's getting late but I don't mind
It's getting late but I don't mind
It's getting late but I don't mind
It's getting late but I don't mind
It's getting late but I don't mind

Me virei pro , segurei no pescoço do mesmo e dei um beijo na boca dele ainda dançando. Sabia que não iria conseguir evitar aquilo tudo sem dar se quer um beijo nele. Sentia muita falta dele, dos beijos, do toque dele, do cheiro.

Hey, hey
Yeah, yeah
Hey, hey
Yeah, yeah
Hey, hey
Yeah, yeah
Hey, hey
Yeah, yeah...

Quando a música acabou, soltei o , olhei pra ele e via que ele sorria pra mim. Retornei o sorriso e segurei as duas mãos dele ainda o encarando e já sentindo o mesmo me abraçar. E falar no meu ouvido.
- Você não tem noção do quanto eu senti a sua falta, . - falou me abraçando forte.
- Eu também senti a sua falta - falei no ouvido dele. - Vamos sentar?
- Claro - falou me soltando e pegando na minha mão, me levando até a mesa onde estávamos, onde a Jennifer e o estava sentados olhando toda aquela cena.
- Até que fim, vocês ficaram de novo. - falou rindo.
- Concordo com você! - disse Jennifer animada. - Ah, já vai começar a banda. Vamos lá pra frente. - disse se levantando e saindo primeiro com o .
- Daqui a pouco iremos - falou .
- Vão indo, já, já encontro vocês lá. - falei me sentando na cadeira e vendo que o puxava a cadeira pro do lado da minha, sentando e colocando os braços em volta de mim. Ele ficava dando-me beijos no pescoço e sorrindo.
- , precisamos conversar - falou olhando pra mim.
- É eu sei, não conversamos direito naquele dia depois do colégio. - falei pra ele - Mas acho que aqui não é um lugar apropriado, vamos marcar esse final de semana, pode ser?
- Claro que sim. - disse o mesmo me olhando e chegando pra perto de mim. - Mas ao invés de ficarmos conversando agora, o que acha de... - falou sorrindo e se aproximando de mim.
- Concordo plenamente - sorriso e cedi o beijo dele. Ficamos nos beijando por um tempo até ser atrapalhada pela groupie louca que tinha se atirado nele um tempo atrás.
- Não acredito nisso, me trocou por essa horrorosa aí? - falava me empurrando.
- Olha aqui garota, vou te falar uma coisa. Eu amo todas as minhas fãs, até as groupies. Com todo respeito, - falou olhando pra mim sorrindo, o que me fez retornar o sorriso - Mas você ta ultrapassando dos limites, eu tenho uma vida se é que você sabe. E eu que decido com quem vou ficar ou namorar. Agora se não for muito, peço pra que nos deixe em paz, pode ser ou tá difícil? - falou o mesmo calmo e olhando pra menina. Que não falou nada, simplesmente ficou calada encarando o mesmo.
- Você vai se arrepender, - falou dando as costas. O que me fez rir na mesma hora.
- Que menina doida, sério. Já passei por várias groupies, mas uma que ficasse assim, achando que manda em mim foi foda. Perdi a paciência. - falou serio. Só que eu não conseguia ficar séria, só fazia rir da situação. - Tá rindo de que?
- Se adivinhar ganha um doce - continuei rindo. - Claro que é da situação, né!
- Ah claro, você ao invés de me defender, fica rindo. Obrigada , também te amo - falou fechando a cara e fazendo drama.
- Meu Deus, como você é dramático. - falei dando um selinho nele.
- Mas você entendeu o que eu quis dizer com o amar as groupies, não é? - perguntou sério de novo.
- Claro que sim, bobo. Tem umas que dá pra escapar, não são tão atiradas como essa doida aí e elas vão aos shows, isso quer dizer que te dão dinheiro. - falei rindo.
- Ah para de rir, vamos ver o show - disse se levantando e me levando junto. Encontramos com o e a Jennifer e curtimos o show inteiro, que por sinal foi muito bom, a banda realmente era boa. Depois de uns dez minutos de acabar a banda. O cara anunciou quem iria se apresentar depois. Citando os nomes.
- É , terá que ir agora - falou Jennifer rindo.
- Culpa sua, vou pagar o maior mico. - falei cruzando os braços.
- Você vai cantar? - perguntou .
- Vou sim, culpa dessa louca aí. - falei rindo.
- Não sabia que cantava. - disse .
- É canto... - falei sendo interrompida pela Jennifer.
- Ela tem músicas publicadas no MySpace. - disse.
- Sério? Você nunca me contou isso. - falou olhando pra mim.
- Não deu tempo de te falar, fiz a pouco tempo... Enquanto você estava viajando, eu gravei e publiquei elas lá. Depois te mando o link - respondi.
- Manda pra mim também - disse
- Ok, mandarei. Agora vou indo. - falei dando um beijo no e dando minha bolsa pra Jennifer. Parti em direção onde estava sendo organizado pra poder entrar o pessoal e vendo quem seria a segunda a cantar. Não me sentia nervosa, estava muito bem por sinal. Enquanto o homem estava cantando uma música do The Fray com uma menina. Eu resolvi mudar a música, não iria cantar mais a da Allison Iharreta. Não era uma boa letra para a situação.
- É a sua vez. - falou um homem moreno alto pra mim.
- Ok, valeu. - falei subindo no palco e vendo que o , a Jennifer e o eram os primeiros da mesa perto do palco. Peguei o violão e sentei no banco que tinha perto do microfone.
- Boa noite, gente! - disse olhando pra frente e vendo que todos prestavam atenção. - Minha primeira vez cantando pra um público. Então espero que gostem. Vou cantar uma música da Colbie Caillat, Falling For You. (N/A: coloque pra tocar) - falei tocando os primeiros acordes da música e começando a cantar.

I don't know but
I think I may be
Fallin' for you
Dropping so quickly
Maybe I should
Keep this to myself
Waiting 'til I
Know you better

I am trying not to tell you
But I want to
I'm scared of what you'll say
So I'm hiding what I'm feeling
But I'm tired of
Holding this inside my head

Cantava olhando pra frente e vendo que o não tirava o olho de mim e sorria que nem um idiota.

I've been spending all my time
Just thinking 'bout you
I don't know what to do
I think I'm fallin' for you
I've been waiting all my life
And now I found you
I don't know what to do
I think I'm fallin' for you
I'm fallin' for you

As I'm standing here
And you hold my hand
Pull me towards you
And we start to dance
All around us
I see nobody
Here in silence
It's just you and me

Enquanto cantava eu só sentia ele olhando pra mim e vejo a Jennifer sorrindo muito e falando pro que a música era pra ele.

I'm trying
Not to tell you
But I want to
I'm scared of what you'll say
So I'm hiding what I'm feeling
But I'm tired of
Holding this inside my head

I've been spending all my time
Just thinking about you
I don't know what to do
I think I'm fallin' for you
I've been waiting all my life
and now I found you
I don't know what to do
I think I'm fallin' for you
I'm fallin' for you

Oh I just can't take it
My heart is racing
The emotions keep spinning out

Na ultima parte da música, comecei a pensar em dedicar pra ele, mas resolvi não dizer o nome dele. Só simplesmente dizer que era pra ele.

I've been spending all my time
Just thinking about you
I don't know what to do
I think I'm fallin' for you
I've been waiting all my life
and now I found ya
I don't know what to do
I think I'm fallin' for you
I'm fallin' for you
I think I'm fallin' for you

I can't stop thinking about it
I want you all around me
And now I just can't hide it
I think I'm fallin' for you (x2)

I'm fallin' for you

Ooohhh
Oh no no
Oooooohhh
Oh I'm fallin' for you

Quando terminei de cantar, via que todos me aplaudiram e assobiavam.
Será que gostaram mesmo? Pensava.
- Queria dedicar essa música a uma pessoa - falei olhando pro que estava de pé com e a Jennifer. - E dizer que ele é muito importante pra mim. - falei sorrindo pro - É isso. - soltei o violão e sair do palco. Quando desço as pequenas escadas o estava me esperando junto com o e a Jennifer.
- Foi a melhor apresentação que eu já vi - falou me abraçando - A música era pra quem, posso saber? - falou rindo.
- Pra uma pessoa e espero que ela tenha se ligado na letra da música. - disse olhando abraçada com ele, olhando nos olhos.
- Você canta perfeitamente , parece com a Katharine McPhee cantando (n/a: Katharine McPhee). Já pensou em seguir carreira? - falou .
- Já sim, mas é coisa de se pensar. Leva tempo. - falei sorrindo.
- Que tal irmos pra um outro lugar. Só que pra comer?! Estou faminto - disse .
- Pode ser, também estou com fome - falei soltando o e descendo as escadas.
- Vamos - disse Jennifer andando com o na frente.
Ao sairmos do pub, decidimos ir a uma lanchonete que ficava perto pra comer umas pizzas.
- A vai comigo Jennifer, só que no seu carro, . - falou pro .
- Ok, toma as chaves. - disse entregando as chaves pro . Partimos em direção ao carro do , entramos e seguimos o no carro da Jennifer até a pizzaria. A noite tinha sido ótima, bem melhor do que eu esperava. Estava me sentindo ótima por esta de volta com o . Mas teria que conversar com ele direito. Uma coisa eu tinha certeza: eu amava o e não queria ficar mais longe dele.

Capítulo 6

A noite passada tinha sito ótima, acordei tão feliz quanto o primeiro dia em que eu conheci os meninos do All Time Low. Era um sábado então decidi passar o dia na casa da Jennifer e ver o no domingo, pra poder conversar direito. Estava disposta a dar uma chance pro , e ver o que realmente aconteceu, eu me precipitei de mais com ele na última vez que conversamos, nem deixei o coitado se explicar. Vai que ele não tinha ficado com ninguém mesmo, como ele tinha me dito... Ou vai que algo mais sério tivesse acontecido, com a família, ou amigos... Vai saber... Bem, o lance é: eu tinha que escutar ele.
- Mãe, to indo pra casa da Jennifer - avisei minha mãe que estava dormindo junto com o meu pai no quarto.
- Tudo bem, me ligue quando quiser voltar - avisou com uma voz sonolenta.
- Tudo bem, amo você - dei um beijo na cabeça dela e sai em direção da porta.
- , espera...
- Oi mãe.
- Você e o , se acertaram?
- Mais ou menos... Como é que a senhora sabe sobre o ? - perguntei confusa.
- Hum, eu apenas sei... Agora vá pra casa da Jennifer - falou minha mãe voltando a fechar os olhos.
- Tá-ta bom - gaguejei um pouco e fechei a porta do quarto dela.
Desci as escadas, peguei o elevador e fui atrás de um taxi pra ir até a casa da Jennifer. No caminho encontrei um carrinho vendendo café e donats. Comprei uns pra ir comendo e encontrei um taxi logo em seguida. Tive sorte, afinal não estava muito fácil de pegar um taxi naquela rua. Entrei nele, e fui pra casa da Jennifer. Demorou uns 20 minutos até chegar. Caramba, ela morava muito longe.
- Aqui moço, são vinte e cinco dólares... E isso? - falei entregando o dinheiro pro motorista.
- Isso senhorita, obrigada - agradeceu o mesmo.
- De nada - saí do carro e fui em direção à porta da casa dela, que era ENORME. Fiquei tipo POKER FACE! A casa dava um pouco de medo, tinha uma estrutura antiga, mas era linda. Toquei a campainha e quem atendeu foi a própria Jennifer.
- Ah, que demora pra chegar! - falou toda animada e me abraçando.
- Você quer trocar de casa comigo, amiga? Porra, que casão! - disse rindo.
- Acho um exagero, mas é legal morar aqui... Dá pra fazer umas festinhas supimpas - disse rindo - Mas vamos lá pra piscina, quero te contar uma coisa - falou correndo e me puxando.
- Calma Jennifer - falei rindo - O que você me contar?
- Senta aí, oras - falou me empurrando pra cadeira de se bronzear perto da piscina. - Vê só... Vou fazer dezoito anos já... E quero ajuda pra fazer minha festa. Queria te pedi pra você falar com o All Time Low, se eles poderiam tocar na minha festa... E VOCÊ vai decorar ela, me ajudar com as músicas da boate.
- AI MEU DEUS! Você ta falando sério!? Minha ajuda? - gritei animada - Claro que ajudo. E quanto ao All Time Low... Vou falar com eles, só que de graça não vai ser. - ri.
- Claro né sua besta... Meu pai disse que era pra escolher uma banda... Aí como é uma das melhores dos Estados Unidos, e você namora com o guitarrista, e é minha melhor amiga. Pensei na possibilidade.
- Eu não namoro o guitarrista...
- Ainda não, mais vai! - disse sorrindo.
- Aham, claro - ri ironicamente - Mas vou falar com eles. Relaxe. Mas me conta os detalhes....
Como eu tinha planejado, passei o dia na casa da Jennifer ouvindo The Maine e conversando com ela sobre o aniversário, e claro, da noite anterior.
- , e ontem a noite? - perguntava Jennifer colocando um morango na boca.
- O que tem ontem? - perguntei bebendo meu suco.
- Ah, nada... Só você e o ... - riu.
- Ai, não sei sabe... - dei um sorriso maroto - Você sabe que eu o amo, só que...
- Só que o que, ? - perguntava com cara fechada pra mim.
- Só que eu tenho que conversar com ele, é isso.
- E quando vão resolver isso?
- Amanhã... Vamos sair pra algum canto e conversar - dei um pequeno sorriso.
- Você são lindos juntos.
- Ah, para Jennifer. - falei enfiando um morando na boca e jogando chantili por cima.
- Você ta nervosa! - riu - Quando eu e o voltamos do cantinho escuto - nessa hora ela deu um sorriso tão grande, mais tão grande que até o Bozo perdia - Vocês lá, dançando, coladinhos, com aquela música vibrante no ouvido, que te deixa super doida. Ah eu sei disso. Foi muito excitante - riu mais ainda
- QUE?! SUA LOUCA! - ri batendo nela - Não foi nada....
- Claro que foi, você não viu nada antes comigo e com o .
- Ah, sua pervertida! Mas vou te contar... Eu beijei o porque eu quis, mas ele tava me deixando doida ali. Você não tem noção - ri alto.
- Imagino. Bem, já sabe o que vai falar com ele?
- Não, quero que ele fale primeiro, o que aconteceu lá... Aí eu falo - sorri e comi mais morango.
- Sei...
- Mas, mudando de assunto... O que você foi fazer com o naquela parte mais escura do pub? Hein, hein? - sorri maleficamente.
- Ah, você sabe, estávamos conversando... Decidimos ir pra um canto mais apropriado, estava com muita gente ali - riu com uma cara de que foi ótimo.
- Aí você vai, me deixa sozinha com o , e a groupie doida lá.
- Desculpa amiga. Mas não tinha como evitar. E mesmo assim, me agradeça, se não tivesse saído dali naquela hora... Você não teria ficado com o de novo.
- Não dê essa desculpa ?  ri.
- Cala a boca e aceite a situação que já passou - Jennifer deu um sorriso e se entupiu de chantili.
- Ok, ok.
Enquanto ficávamos conversando e se entupindo de morango com chantili, meu celular começa a mugir.
- Quem é? - pergunta Jennifer.
- EU DÃO SEI! - falei com a boca cheia com dois morangos e chantili - Alô?! - falei meio abafado. - BOU BOLOCAR NU BIVA BOX.
- É O QUE MULHER?
- NO VIVA VOZ! - gritei colocando no viva voz. - Alô?
- ? - falava uma voz de homem, que não reconhecia.
- A própria, quem fala?
- , sua lesa - falou rindo - Que voz foi aquela que você atendeu agora?
- Ah, estava com chantili e morangos na boca.
- Hum, chantili e morango... gosta ? falou rindo.
- Pervertido! - falou Jennifer rindo.
- E aí, Jennifer! - falou com a mesma.
- Fala baratinha.
- Barata não! - riu.
- Ok, mas por que não ligou com o seu número?
- Tá bloqueado, esqueci de pagar a conta...Aí esse é do ? riu baixo ? Não conta pra ele, ok?
- Ok, ok não vou contar. Mas e aí, como você está?
- Ótimo, e você?
- Também.
- , vou pegar mais água - disse Jennifer saindo da piscina.
- Ok - falei pra ela. - Erm, tá fazendo o que? - falei algo pra quebrar o silêncio. Não tinha formado nenhum, mas iria.
- Só falando com você mesmo, tava tocando guitarra até agora, passei o dia comendo e vendo desenhos. Quando não tem shows, coisas na TV, ou entrevista é bem entediante os finais de semana. Sabe como é, ai resolvi te ligar. E você o que ta fazendo?
Nossa, que conversa de pessoas que nunca tinham se visto na vida, mas... Depois de um bilhão de anos sem se falar, é praticamente isso.
- Legal... Ah, de manhã eu fiquei dormindo, até a hora do almoço - ri - Depois de almoçar, vim pra casa da Jennifer, ficamos aqui conversando e se entupindo de comida. Agora foi a parte de morango e chantili - ri.
- Legal, legal... - falou - Bem, não liguei pra você só pra falar disso... E sim sobre amanhã...
- Ainda nesse papinho de "oi tudo bom?" - Jennifer chegou rindo com dois copos de água na mão. Sorri e fiz um sinal de silêncio.
- Continua, ...
- Tá de pé amanhã ainda? ? perguntou.
- Ah, claro que está... Aonde iremos?
- Sei lá, em uma casa café? É tranquilo e tem café - falou dando um leve risada. O que me fez rir também.
- Ótimo, adoro café. Que horas a gente se encontra lá? É a casa café no centro? - perguntei.
- É sim. Umas três horas tá bom?
- Está sim, te vejo amanhã então... Beijo. - falei me despedindo.
- Até amanhã... Espera, não desliga... Posso te falar uma coisa? - perguntou meio nervoso.
- Claro, fala.
- Eu... Eu... Gostei muito de ontem, é isso. Ontem foi ótimo. ? falou um pouco aliviado.
- Ah... Também gostei - disse com a voz meia baixa e fazendo o silêncio. - Até amanhã então?
- É até amanhã, tchau - falou desligando o telefone na mesma hora.
- Achei que ele iria dizer que te amava - Jennifer fala pra mim
- Eu também achei... Mas deixa pra lá - falei meio desanimada - Espero que tudo se resolva amanhã, né?
- Isso aê. Vai passar o show do Christofer Drew barra Never Shout Never na MTV, vamos assistir? - perguntou dando uma leve risada.
- Sem mais comida ok? - ri pra ela.
- Sem mais, vamos - levantou estendendo a mão pra eu me levantar também. Passei o restinho do dia assistindo o show com a Jennifer. Depois liguei pros meus pais e voltei pra casa. Foi uma tarde bem legal... Mal podia esperar para as férias, pra festa da Jennifer e principalmente, pra chegada das minhas duas pimpolhas, e . Ao chegar em casa tomei um banho e fui ler O Evangelho de Coco Chanel antes de dormir, mas eu não estava cansada pra ir dormir... Não vou mentir que estava pouco nervosa pro dia seguinte, mas aconteça o que acontecer lá, vou seguir em frente.

Capítulo 7

No dia seguinte, acordei com o despertador antigo da minha avó, onde tinha ganhado no meu aniversário de dezesseis anos, era bem vintage e lindo... Só que um saco e muito barulhento. Lembro-me da minha avó dizendo "Quando tinha a sua idade, eu nunca me atrasava pra ir pro colégio", claro com um desses no ouvido queria ver se alguém voltava a dormir de novo. Enfim, eram dez horas da manhã... Me levantei e desci pra tomar o café da manhã com os meus pais, depois fui pro computador enquanto não dava a hora de me arrumar e ir encontrar com o .
- Vai sair hoje, filha? - meu pai perguntava entrando no quarto.
- Ah, vou sim. Marquei com o na casa café do centro.
- Sei, vocês voltaram? - falava se sentando no sofá do meu quarto.
- Se a gente voltou? Mas ele não era meu namorado pai, tem nem como - ri de leve. - Enfim... Vou conversar com ele, só isso. - sorri.
- Quer que eu te leve? - perguntou.
- Quero sim, marquei às três horas, umas dez pra três a gente sai, ok?
- Ok, vou na banca de revistas, quer alguma? - falou se levantando e indo até a porta do meu quarto.
- Sim, Vogue e a Elle - sorri - Valeu, pai.
Voltei a olhar pro computador e atualizar minha paginas na web: Orkut, twitter, e myspace. Que por sinal estava tendo um ótimo resultado com as músicas publicadas.
- Acho que vou fazer um vídeo e postar no youtube. - falei pra mim mesma.
Peguei a câmera, coloquei em cima da mesa do computador e sentei no sofá. - Ok, qual das minhas músicas eu canto? - Voltei pro computador e abri a pasta onde elas estavam... Escutei uma por uma, e decidi cantar Breakaway. Liguei a câmera, voltei pro sofá e comecei a cantar e a tocar. Na versão original ela era animadinha, mas ao violão ela ficou ótima. Terminando de gravar, passei o vídeo pro computador e editei. - Já são duas horas! - falei soltando o mouse e indo pro banheiro tomar um banho. Me troquei e fui chamar meu pai pra me levar até o .
- Pai, vamos? - falei entrando no escritório dele.
- Claro! - falou se levantando e pegando a chave do carro. Descemos e entramos, partimos pra casa café, que não era muito longe de onde eu morava, mas levaria uns dez minutos até lá... Era dez pra três, então chegaria bem na hora... Só esperava que ele estivesse lá primeiro, odeio marcar com as pessoas em um lugar e eu chegar primeiro, fico lá com cara de 'tacha'. Ao chegarmos, encontro o carro do estacionado em frente. Ótimo, ele chegou primeiro.
- Quer que eu te pegue depois? - perguntou meu pai.
- Ah, eu te ligo qualquer coisa - falei abrindo a porta - Tchau, te amo - dei um beijo nele e desci do carro. Atravessei a rua, e entrei na casa café. Procuro o e vejo que ele está de costas em uma mesa perto da janela. Pensei comigo mesma : "Por que sempre janela?". Dei um sorriso e fui até ele.
- Oi - falei sorrindo e sentando na cadeira em frente da dele.
- Oi , pensei que não viria. - falou soltando o celular.
- São três horas agora, seu bobo - disse - No twitter? - falei olhando pro celular dele.
- Sim, postando umas besteiras. - riu - E ai, como tá?
- Bem, e você? - falei colocando a bolsa no meu lado.
- Também. Se não achar ruim, pedi pra você um café com leite e chantilly por cima com cerejas. - sorriu.
- Está ótimo. Com chantilly é? - ri.
- Isso aí - riu maleficamente - O que fez hoje? Vi que postou o link do seu myspace, vou ouvir quando chegar em casa.
- É isso ai, mas só usei o computador. E você?
- Dormi o dia todo. - sorriu.
- Só sabe fazer isso, meu Deus! - ri.
- Estou sem shows, sem entrevistas e sem programas de TV pra fazer, então... O lance é comer e dormir.
- Por esse lado, tem razão... - sorri. Na mesma hora a garçonete chega com as xícaras de café e cookies.
- Aqui o pedido - falou a garçonete sorrindo pro - Guardanapo pro senhor - deu uma piscadinha. Na mesma hora subiu uma raiva por ter visto aquilo. Porra, groupies dos infernos.
- Valeu. - falou entregando minha xícara e tomando a dele. - Ah olha só, ela deixou o telefone dela. - falou me mostrando e amassando o guardanapo.
- Nossa... - falei comendo minha cereja, e vendo que o me olhava boquiaberto - Que foi? - falei jogando o talo da cereja na mesa.
- Nada... Hum... Você cantou ótimo ontem sabia? - sorriu.
- Obrigada, não acho que tenho uma voz boa, mas enfim... Dá pra enrolar - sorri - E não parece com a da Katharine Mcphee...
- É, o exagerou... Mas está sendo modesta, tem futuro, vai por mim. Me tenha como exemplo. Sou feio e sou famoso - riu.
- ME CHAMOU DE FEIA? - falei rindo e de boca aberta, dando um tapas no braço dele - Você não é feio, se fosse aquela PU... Aquela garçonete não teria dado o número dela pra você - levantei a sobrancelha.
- Você não é feia, é linda até de mais. Agora vamos mudar de assunto. Estou ficando com vergonha já... Erm...
- Vamos. - sorri.
- Olha... Lembra que eu disse que tínhamos que conversar direito?
- Claro, concordei e cá estou - sorri.
- Isso. Já te pedi desculpas por não ter ligado, afinal eu disse que ligaria...
- Eu sei, e eu queria saber o que foi que houve por não ligar... Se não queria mais ficar comigo era só falar, eu não sumiria como você fez... Ai depois volta achando que eu cederia.
- Mas você cedeu na sexta-feira - riu levemente.
- Ok, para - sorri de leve - Voltando... Você disse que não ficou com ninguém, essas coisas...
- Ok ... Eu meio que mentir pra você... Olha só, ninguém da banda sabe, mas... Teve uma noite que eu sai escondido pra respirar um pouco sabe, e acabei me encontrando com umas amigas que estudavam comigo no colegial...
- E...
- Ai elas me levaram pra uma festa, e acabei ficando com umas garotas lá... - enquanto dizia aquilo, meus olhos enchiam de lágrimas, mas me controlei pra não chorar, tomei meu café e olhei pra mesa.
- Ok, ai por que você não ligou e disse: "olha só, , não quero mais ficar com você" ao invés de sumir e depois voltar querendo algo comigo de novo?
- Por que eu me arrependi depois de ter ficado com as garotas lá. Não te liguei por que não tinha cara pra fazer isso.
- Mandava uma mensagem meu... - falei baixo, ainda olhando pra mesa. ?Ok, ... Pelo menos você me disse a verdade. Bem depois, mas me disse, e eu caí no que você tinha me dito. Como sou idiota - olhei pra ele.
- Não, você não é. Eu que sou por ter feito uma coisa dessas. Mas quero que você saiba de uma coisa...
- Não preciso saber de nada, é como eu tinha dito a você no carro... É melhor sermos amigos...
- Não, você vai ouvir...
- Então fale - olhei nos olhos dele.
- , por tudo que eu fiz... Eu nunca menti quando dizia aquelas coisas pra você antes... E que eu te amo, é isso. Eu te amo.
- Não me ama nada, ! Se me amasse não teria feito aquilo comigo. Até agora eu não entendo.
- Se você quer saber de uma coisa, pergunta pra sua mãe... Eu liguei pra ela e pedi a ajuda dela, pra planejar fazer algo pra que você voltasse comigo.
- Minha mãe? Ela gosta de você, não sabia de nada, e disse sim... Não foi?
- Foi... Só que a gente ficou na sexta-feira, ai pensei que já tínhamos...
- Que tínhamos voltado ao normal? Olha, você pensa alto viu... E o pior que eu penso assim também... Quer dizer, eu pensei assim também, até saber disso... Mas já que você disse que me "ama" vou te dizer uma coisa também, uma historia que eu ouvi.
- E o que é?
- Tenho dezessete anos, estou terminando o colegial, sou brasileira e minha banda favorita é o All Time Low... Meu favorito na banda? ... Desde o dia que conheci a banda dizia pra mim mesma "Um dia eu caso com o ". - falei ainda olhando pra ele - Isso era o que você ouviria de uma FÃ. Aí essa fã vai morar nos EUA, em Baltimore pra ser específica, e acaba conhecendo a sua banda favorita e tendo relações com o seu integrante favorito. Mas e se essa fã chegasse pra você dizendo, como eu vou dizer agora. Que te amava como ídolo por que não te conhecia direito, mas ao te conhecer passou a amar um homem chamado e não o guitarrista, o . E se ela chegasse dizendo... eu te amo, e realmente quero ficar com você pelo que você é, pelo homem que você é. - meu olho enchia de lágrima de novo. - O que você faria, hein, ?
- Se eu estivesse com essa fã, e que se eu tivesse feito coisas erradas, pediria desculpas e diria que tinha me arrependido desde o primeiro dia que tinha feito essas coisas, mesmo sabendo que a amava. Me ajoelharia na frente dela, dizia que a amava do fundo do coração, que não queria perdê-la por nada nesse mundo e a pediria em namoro. - ele falava olhando sério nos meus olhos.
Fiquei calada olhando pra ele, não sabia o que falar. Caramba, eu amava o , e queria ter ele perto de mim; Pra poder beijar, abraçar e dizer o quanto eu o amava! Mas estava com medo de ceder e voltar a ficar com ele.
- Então, ... Essa fã é você. E eu não menti no que eu falei agora pra você. Eu te amo, caramba! E não porquê você foi uma fã minha, e sim pelo que você é. Será que você consegue entender isso? Eu me arrependi no que fiz, estou te pedindo desculpas mais uma vez e tentando corrigir meus erros. Pedindo uma segunda chance. - enquanto falava, ele se levantava.
- Aonde você vai? - falei olhando pra ele, e vendo que ele se ajoelhava na minha frente. - , o que você está fazendo? Se levanta! - disse olhando diretamente nos olhos dele.
- QUERO QUE TODO MUNDO PRESTE ATENÇÃO NO QUE EU VOU FALAR AGORA, MESMO EU LEVANDO UM FORA... OU NÃO. - falou alto chamando a atenção de todos que estavam lá. - ... Estou aqui te pedindo desculpas mais uma vez e dizer que me arrependi de tudo que eu fiz, eu te amo e queria muito que você fosse a minha namorada. - falava em tom normal. - ... Você quer namorar comigo? - falava ainda ajoelhado.
Olhava em volta, e via umas pessoas sorrindo, voltei a olhar pra ele, e sentindo que uma lágrima corria pelo meu rosto. Limpei com a mão e olhei fundo nos olhos do .
- Eu também te amo, e eu aceito namorar com você - dei um sorriso, vendo que o mesmo dava um sorriso enorme. Ele se levantou pegando na minha mão, me levantou e me puxou, me beijando. Na mesma hora as pessoas aplaudiram e gritavam um ?Aê!?. Parecia cena de filme, coisinha mais clichê sabe... Mas não, estava acontecendo mesmo.
- Eu te amo. - dizia no meu ouvido. Parei de abraçá-lo e dei um sorriso, falando só pra ele ver um ??Eu também te amo??.
- A conta fica pela casa. - o caixa do casa café falava prá nós.
- Valeu, tio - acenava e sorria. - Vamos, ?
- Claro. - disse me virando e pegando a minha bolsa.
- Eu levo. - falou tomando a bolsa da minha mão. NOSSA!
- Ok - sorri pegando na mão dele. E sendo arrastada por ele. - Aonde iremos? - falei já fora da casa café.
- Hum, queria uma praia agora. E você? - perguntou tirando a chave do carro do bolso e atravessando a rua comigo.
- Também queria... Mas Baltimore não tem praia - falei fazendo bico.
- Vamos pra mais próxima, então - sorriu abrindo o carro e abrindo a porta pra mim.
- Não posso, amanhã tenho aula... - olhei pra ele.
- Tinha me esquecido. Vamos pra outro lugar então. - falou me dando um selinho e dando a volta no carro e entrando nele.
- Aonde iremos? - sorri.
- Hum, deixa eu ver... Dirigir até encontrarmos um lugar calmo pra ficar só nós dois - sorriu me dando a bolsa.
- Hum, ótima ideia, sabia? - sorri pra ele. olhou pra frente e ligou o carro. Saímos em direção a um lugar totalmente calmo, fora da cidade, pra conversar, namorar. Não poderia ter sido melhor. Assim foi o meu domingo, melhor do que eu tinha imaginado. errou fazendo aquilo, mas vi que ele realmente tinha se arrependido, dei mais uma chance a ele, e espero que tudo dê certo no nosso namoro.

Capítulo 8

Os meses estavam passando rápido de mais, já tinha feito dois meses de namoro com o , minhas aulas estavam pra acabar, férias chegando, festa da Jennifer chegando também que, por sinal, o All Time Low iria tocar. Minhas melhores amigas estariam vindo do Brasil passar as férias comigo. E as músicas? Estavam fazendo um sucesso muito legalzinho, fazia alguns shows nos finais de semana em alguns pubs da cidade, bares. Estava muito legal mesmo... Mas ainda iria fazer faculdade, pelo menos eu achava!
- , tenho uma ótima noticia pra você! - falava animado soltando o telefone no sofá e sentando meu lado. Estávamos na casa dele e iríamos a uma festa de noite, dai resolvi me arrumar na casa dele. Mas não fazia a mínima ideia de quem era a tal festa.
- O que é? - sorri animada.
- No dia seguinte do aniversario da Jennifer, iremos fazer uma Turner pelo EUA!! E você irá comigo!
- Sério? Putz, que legal... Mas amor, não vou poder ir... A e a vão está aqui comigo - falei ficando um pouco triste.
- Sério, ? - fez bico - Mas quem sabe você e elas podem vim com a gente... O tá caído pela já, daria certo... E a pegaria o - riu de leve.
- Hum, quem sabe se os meus pais deixam? Vou falar com eles, ok? Aí te digo a reposta.
- Queria você comigo nessa turnê... Não sei se aguento passar tanto tempo longe - fez bico de novo.
- Claro que aguenta! - falei um pouco séria e ignorando ele, mas com vontade de rir.
- Claro que não. Sabe por que? - falou chegando perto de mim.
- Hum, não sei não - falei ainda sem olhar pra ele. E vendo que o mesmo começava a beijar meu pescoço - Pare de enrolar e diga - falei rindo e virando pra ele.
- Eu já to respondendo, agora falta você responder também. - falou me puxando pela cintura e me fazendo sentar no colo dele.
- Quer que eu responda também? Ok... - falei começando a beijar ele e passando as mãos no seu cabelo, enquanto o mesmo acariciava minhas costas e minhas pernas. Comecei a ficar um pouco excitada, tentei me controlar, mas estava meio que impossível, ele estava ficando cada vez mais animado também (N/A: entendem o animado?). Mas paramos ao ouvir um carro chegando.
- Droga - falava meio ofegante. Sai do colo dele e sentei do lado.
- E ai, gente! ? falava animado.
- Oi , vai pra festa hoje à noite? - perguntei pra ele.
- Claro que sim, não perco festas! - sorriu - E ai, o que estavam fazendo?
- Conversando... - falou .
- Isso, conversando - respondi sorrindo. - Bem, acho que vou tomar banho - me levantei e subi pro quarto do . Tomei meu banho e fiquei por lá mesmo, a festa só iria ser às dez horas, então teria tempo de dar uma dormida. Depois de um tempo o me acorda dizendo que já eram nove e meia.
- Você me acorda logo agora? Vamos acabar nos atrasando ! - me levantei rápido.
- Calma, a festa ta marcada pra dez horas, mas nunca começa às dez... Saímos dez e meia, você tem uma hora e meia pra se arrumar, consegue? - ele disse dando uma leve risada.
- Claro que sim, eu não demoro tanto, é que tenho que arrumar o cabelo, só isso.
- Aham, demora não? Eu que demoro então... - falou ironicamente dando um sorriso enorme na mesma hora. Dei língua pra ele e entrei no banheiro pra ir me arrumar...
- EITA FOME TO CARALHO! - gritava entrando no quarto do
- Também estou, tem alguma coisa pra comer ai não? - falei passando a chapinha na franja.
- Não, não fez a feira do mês, era a vez dele - riu - Me empresta a chapinha? (N/A: se for com o Rian, imagine ele passando a chapinha onde não tem cabelo?! tenso)
- Não... - continuei passando a chapinha, ao olhar pro espelho me deparo com uma cena não agradável - PORRA, O QUE ISSO?
- O QUE? UMA BARATA?! - perguntava assustado.
- Não idiota, um poodle na sua cabeça... Já, já eu te dou a chapinha - comecei a rir.
- Ótimo! Pensei que não iria me emprestar, sabe a minha queimou...
- Eu ia emprestar sim seu besta, estava brincando com você... só que quando vi esse poodle na sua cabeça eu me assustei...
- Ei, não me compare com o Caleb Turman, aquele poodle viado (N/A: imagem) - riu.
- Hum... viado ele não é...
- Como você sabe disso? Já ficou com ele? - olhava pra mim
- Que?! Claro que não... ele tem namorada besta, por isso ele não é viado... - me virei pro espelho e terminei de passar a chapinha.
- Sei... - me olhava sério.
- Aqui toma, mas passa no outro banheiro, vou me trocar agora... - sorri de leve.
- Tudo bem - desligou a chapinha e saiu do banheiro.
Fechei a porta do quarto, e fui fazer o que tinha dito... Me arrumar. já estava pronto há um tempo, só faltava colocar o tênis, e esperar a bicha do terminar de se arrumar.
- Estou pronta - falei chegando na sala...
- Ow, tá linda - sorria e me elogiava.
- Você também. - dei um beijinho nele. ?Vamos?
- Claro. , BICHA DESGRAMADA, VAMOS LOGO! - gritava da escada.
- Vão indo, vou com meu carro mesmo, o John ligou dizendo que queria carona - gritava do quarto dele.
- Ok, até la então - dizia - Vamos!
- Aham. - segui o mesmo até a porta, e indo em direção ao carro dele que estava estacionado bem em frente. Entramos no mesmo e seguimos para a tal festa.
A festa até que estava divertida, era festa de aniversário de uma amiga do colegial deles. Não gostava de saber que era do colegial, depois da ultima vez que as viu, rolou uma ficada básica. Mas disse que as meninas da festa não eram as mesmas da Turnê. Bem, acreditei nele. Depois de umas meia hora o chega com o John na festa.
- E aê, gente! - falou animado - Cadê Rain e ?
- Ali, conversando com umas meninas - dizia. - Fala ai John, beleza? - cumprimentou o mesmo.
- Tudo na boa. - falava colocando as mãos no bolso da calça preta. Enquanto eu só ficava olhando pros dois conversarem.
- Ah sim... John, essa é a minha namorada, ou ...
- Oi, tudo bom, ? - falou dando-me um beijo na bochecha.
- Tudo sim, e com você? - sorri e pensava pra mim mesa ??CARAMBA, ESTOU CONHECENDO O JOHN OHH!??
- Ótimo, bem... Vou pegar uma bebida e deixar os dois sozinhos, segurar vela é com o .
- Que isso, vamos nos pegar, machão. - puxava o mesmo pela cintura.
- Cala a boca, viado. Vamos pegar algo pra beber. - John se soltou do e saiu andando.
- Viados. - comentava me abraçando pela cintura.
- Super - ri levemente.
Curtimos a festa, que estava ótima. Conheci uns amigos e amigas dos meninos, conversei mais com o John. Tinha sido tudo muito ótimo. Quando foi umas quatro da manhã, me deixou em casa e voltou pra casa. Dia seguinte ele iria passar o dia na gravadora, resolvendo as ultimas coisas da turnê. E seria essa conversa que diria se eu e as minhas amigas iríamos viajar com eles, mas teria que saber dos meus pais também. Dia seguinte, fui conversar com meus pais sobre a tal viajem. Como era de se esperar, meus pais não deixaram. Tinha que avisar pro . Liguei liguei e nada, resolvi deixar uma mensagem no celular dizendo que eu não poderia ir. Depois de um tempo ele retornou. Conversei com ele por telefone e fui estudar um pouco para as provas finais.

POV'S

Depois de saber que a não iria poder viajar comigo nessa Turner, resolvi me concentrar nela e fazer com que terminasse logo. Pra pelo menos passar o resto das férias com ela.
- Cara, ontem peguei a chapinha da emprestado - dizia entrando no meu carro.
- Sério? Por isso seu cabelo ficou tão lindo - sorri alisando o cabelo dele.
- Deixa de ser viado. - falou empurrando minha mão e rindo.
- Assume que me ama, ! - falei fazendo biquinho e fingindo que ia beijá-lo.
- Aqui não, pode ter paparazzi por ai, depois.
- Tinha esquecido, desculpa. - ri
- Mas voltando... Ela me chamou de poodle, por conta do cabelo...
- E...?
- E que sabemos que o único poodle que existe é o Caleb. Ai chamei ele de viado, ai ela disse que ele não era viado.
- Foi?
- É, ai perguntei se ela já tinha ficado com ele, ela disse não, óbvio... Mas ela o defendeu.
- Está me dizendo isso pra ver se eu tenho ciúmes dela não é isso? - franzi a testa.
- Não, só estou contando por contar.
- Ok...
Continuei dirigindo, o dia seria longo. E não iria ver a esses dias... Triste, eu sei (what?), mas falaria com ela pelo telefone. Depois de algumas horas na gravadora, passei na Starbucks e voltei pra casa. Tomei um banho, comi o que comprei, a final não tinha comida em casa, o me culpa... Nem sei por quê... Enfim, resolvi ligar pra minha namorada pra ver se ela ainda estava viva.
- Tá viva, ? - falei ao ver que ela tinha atendido o telefone.
- É a mãe dela, .
- Opa, desculpa... Como vai, Sra. ? - falei ficando vermelho por dentro.
- Muito bem, obrigada - falou gentilmente.
- Erm, a tá ai? Queria falar com ela.
- Ela tá um pouco ocupada agora. - dizia a mesma. Ela sempre tava ocupada!
- Oh, está fazendo o que?
- Está fazendo uma limpeza de pele, está com o rosto todo verde - riu - E fazendo as unhas, por isso não pode atender o telefone agora.
??MÃE!? - ouvi a gritar.
- Hum, ok... Pede pra quando ela terminar ligar pra mim, por favor?
- Claro, claro. Vou ter que desligar agora...
- Tudo bem, boa noite Sra.
- Boa noite, - falou desligando o telefone.
PORRA, eu sou ciumento pra caralho. Vou ter que admitir que fiquei com o lance do Caleb na cabeça... Não tinha pra que o ter me dito aquilo, era um teste "se ele ficar ciumento, ele gosta dela". TOMAR NO CU, !
Fiquei com um pouco de ciúmes por ela ter defendido ele, ok... Não via besteiras nisso, só que eu tinha ficado com ciúmes... Eu não entendia. Depois de um tempo acabei pegando no sono, até ser acordado pelo meu telefone tocando, e vendo o nome dela na tela.
- Oi, pimpolho - falou toda animada.
- Oi - nada mais do que isso falei.
- Nossa, o que foi que houve que ta falando assim?
- Nada, só estava dormindo, estou com sono é isso...
- Quer que eu ligue amanhã? Aí você dorme - sugeriu ela.
- Não, tá de boa...
- Hum, como você tá amor?
- Bem, e você?
- Melhor agora...
- Que bom... - (N/A: panicofeelings UAHUH) fiquei em silêncio. Ficamos assim por uns dois minutos, acho... Até ela quebrar o silêncio de novo.
- Bem... O que você queria falar comigo?
- Eu queria? - perguntei com irônia, e ouvindo um ??aff?? dela.
- Sim, minha mãe falou que você queria falar comigo, ai pediu pra ligar de volta...
- Ah foi... Era besteira, deixa pra lá. - falei
- Erm, não agora conta...Por favor, sabe como sou curiosa!!
- Tá bom, ah tipo... me contou que você defendeu o Caleb dizendo que ele não era viado...
- Defendi foi?
- Ele disse que sim...
- Só fiz dizer que ele não era viado porque tinha namorada... Se ele tem namorada ele não é viado, certo? Do mesmo jeito com você... Não é viado porque namora comigo - senti ela rir de leve.
- Por que ta rindo? Tá me chamando de gay?
- Claro que não, só dei um exemplo. Caramba, como você tá chato hoje! - ela reclamava mudando o tom de voz e parando de rir.
- Se eu to chato, por que ainda tá falando comigo?
- Por que você pediu pra ligar!!
- Não ia ligar se eu não pedisse? Ótimo, isso mostra que você se importa! - aumentei o tom de voz.
- Tá dizendo que não me importo com você?! Muito obrigada, !
- Passou o dia todo sem dar sinal de vida pra mim, e ainda defende o Caleb! - falei me levantando e andando pelo meu quarto.
- Caralho, eu não defendi o Caleb! Não liguei pra você por que estava estudando e você estaria ocupado, literalmente não ia ter tempo pra conversar comigo!
- Ia sim, teria pelo menos dez minutos pra conversar com você! Já você... Nem isso tira do seu tempinho sagrado!
- Não tem como conversar com você hoje! Não mesmo, está chato, estressado e nem sei o motivo! - continuava a falar em um tom mais grave.
- Eu sou chato, ! Você como fã deveria saber disso.
- Não espera... Você me chamou de que? FÃ?! Certo... Sou sua fã agora... Não mais sua namorada, é isso? Muito OBRIGADA!
- Não foi isso que eu quis dizer...
- Foi sim, você deixou bem claro quando falou isso...
- Olha, se você acha que foi, então foda-se, que pense assim então! - falei totalmente ignorante com ela, a fazendo calar na mesma hora.
- Ok - ela disse desligando o telefone na mesma hora. Fiz merda de novo!
- Nossa cara, que foi isso? ? dizia entrando no meu quarto.
- Eu e a brigamos por telefone! O que você acha que foi?! - falei olhando pro celular e totalmente groso.
- Eu sei lá idiota, você não estava falando baixo. Mas... Mais uma vez você fez merda... Por que tu falou do Caleb? Era brincadeira! Meu você não entende nada, por isso teus relacionamentos não duram! - dizia fechando a porta do meu quarto.
tinha razão, era tudo brincadeira e eu, estressado, fiz merda mais uma vez!
Decidi ir na casa dela, mas ao olhar o relógio via que era muito tarde e amanhã ela teria aula. Caralho, comecei a pensar em como ela estaria agora, a ultima coisa que eu disse foi horrível. O que eu tava pensando ao dizer aquilo?
No dia seguinte a primeira coisa que eu fiz foi ligar pra ela, só que o celular dela só chamava, ou ela desligava a minha ligação...
Até que na ultima vez que eu liguei caiu na caixa postal...
??Oi, aqui é a ... Dependendo de quem seja eu atendo, se for o , ele que se foda! Deixe sua mensagem a pós o mugido.??
"Ótimo!" Falei pra mim mesmo.

Capítulo 9

POV'S

Dormi muito puta da vida, acordei em plena segunda-feira muito mais puta da vida do que na noite anterior.
- Bom dia! - falei séria sentando na mesa junto com os meus pais.
- Bom dia, querida! - meu pai falava.
- Ih Marcos, ela está de mal humor... - minha mãe falava olhando pro meu pai enquanto eu passava manteiga de amendoim e geléia na torrada.
- O que aconteceu? Menstruação? - perguntava meu pai.
- ECA, PAI! 'Tô comendo geléia, que nojento! - fiz cara feia - E não estou naqueles dias. Só estou estressada... Só isso...
- Deve ser as provas finais...
- É isso, as provas... Tudo culpa delas! - interrompi minha mãe. - Quem vai me levar hoje?
- Eu vou... - minha mãe falava se levantando da mesa - Vou só escovar o dentes.
- Ok, vou só pegar minhas coisas e espero você lá embaixo, na portaria, ok?
- Ok.
Terminei meu café da manhã, subi pro quarto e escovei meus dentes novamente. Ir pro colégio sem escovar os dentes depois de comer não dá né? Peguei minha bolsa e desci em direção à porta, entrei no elevador e desci pra esperar minha mãe na portaria. Sai do elevador e sentei na escadaria da frente do prédio enquanto ela não descia. Fiquei olhando o movimento, até vê o carro do estacionando na minha frente.
- Agora ele quer papo? - falei me levantando e entrando no prédio.
- , espera! - ele saia do carro dando uma leve corrida
- O que você quer ?! Me mandar eu ir me foder de novo?
- Claro que não... Quero conversar com você.
- Tenho aula se é que não percebeu. E carinhas de banda não ficam perdendo tempo conversando com fãs logo pela manhã. - falei saindo da frente dele e indo em direção ao carro da minha mãe, que tinha acabado de estacionar ao lado do dele. Entrei no carro com uma vontade de chorar enorme, mas me controlei, se chorasse iria chegar no colégio vermelha e com o rosto inchado; Iria parecer que tinha batido em mim!
- Não são  as provas que estão te deixando assim, não é ? - minha mãe perguntava dirigindo o carro.
- Não...
- Brigaram por quê?
- Mãe, sério, não quero falar disso, por favor. - falei olhando pra ela e soltando uma lágrima. Odiava brigar com ele. Não tinha coisa pior do que acordar e saber que estávamos brigados.
- Ok, quando quiser é só falar.
Não respondi, só me virei e fiquei olhando pro meu celular com uma foto nossa. Eu só podia ser uma idiota mesmo, e pensar que seria tudo ótimo, só porquê era o ! Cabeça de pinto a minha. Tirei a nossa foto do papel de parede e coloquei uma da Audrey Hepburn. Depois de um tempinho chegamos no meu colégio. Sai do carro e fui em direção à Jennifer e das outras meninas da minha sala.
- Oi, gente! - falei dando um sorriso de leve. - Jennifer, preciso falar com você...
- Claro, ... - sai com ela dali e sentei nas escadas... - O que você quer falar?
- Eu e o brigamos...
- A primeira briga... Hum... Tenso, qual o motivo? A sua cara diz que foi horrível.
- E foi... E o pior, briga de telefone. Ah tipo, lembra da festa que eu fui com ele no sábado?
- Lembro...
- Pronto, emprestei minha chapinha pro , e disse que ele tava parecendo um poodle, ai falamos do Caleb, ai o chamou o Caleb de gay e eu disse que não era por que tinha namorada.
- Desperdício ele namorar... - Jennifer falava, balançando a cabeça.
- Presta atenção, por favor - ri de leve - Aí o idiota do foi contar pro , que ficou com ciúmes... Então começamos a brigar...
- Nossa, que besteira...
- Eu sei, só que não foi só isso... Sabe do que ele me chamou?
- Ai, lá vem... De que?
- Me chamou de FÃ! DE FÃ! - falei um pouco alto.
- QUE? Ele é retardado?
- Sim, ele é... Mas não vem ao caso... Depois eu reclamei, ai ele falou coisa também, e disse que era pra ir me foder. PORRA, ISSO É COISA QUE SE FALE!? - aumentei o tom de voz de novo.
- Calma, ... Não acredito que ele falou isso! Putz, estou sem acreditar... e sem saber o que falar também. Você vai fazer o quê?
- Não sei, ele foi lá em casa hoje de manhã, mas dei as costas...
- Vocês são tão lindos juntos... Nunca imaginei, sabe...
- Pois é amiga, nem tudo é um mar de rosas...
- Pense direitinho e não faça burrada, ok? Conta comigo.
- Brigada, Jennifer - sorri e dei um abraço nela.
- Agora vamos, o sinal já vai tocar..
- Claro - me levantei e fui com a Jennifer pra sala de aula. Ficar no colégio até as três horas, e fazer as provas também, teria três hoje. E amanhã teria mais três, e o dia seguinte quatro e assim vai. tenso esse colégio.
Passou as horas, e já tinha dado a hora de ir embora, decidi ir pra casa da Jennifer pra estudar para as provas de amanhã.
- Mãe, leva umas roupas pra mim na casa da Jennifer, por favor? - disse ao telefone pra ela.
- Vai dormir ai? - perguntou ela.
- Não sei... Espera ai - falei pra ela, tirando o telefone de perto da boca - Jennifer, quer que eu durma aqui? - falei rindo.
- Ah dorme, vai ser divertido.
- Vou dormir sim, trás meu pijama, uma calça, uma regata, short e a minha blusa da Hurley preta com o nome azul, viu? E não esquece de calcinha e escova de dente, e sabonete... Da ultima vez você esqueceu de praticamente tudo. - ri de leve.
- Ok, já já eu chego aí. Tchau - ela dizia desligando a ligação.
- Já sei, vamos descansar um pouco do colégio, ver TV, usar o computador, comer... Ai depois que sua mãe chegar, a gente estuda, pode ser? - Jennifer falava deitando na cama dela.
- Tudo bem, melhor mesmo, estou afim de dar uma dormida básica antes de começar a estudar.
- Somos duas. - ela riu.
Me deitei no sofá onde estava, até o meu celular apitar dizendo que tinha chegado uma mensagem. Abro, quando li era uma mensagem dele.
??Por favor, vamos conversar?! Amo você??
- Mas que porra! - falei sozinha. Não retornei a mensagem. Tinha que ficar de cabeça fria pra poder estudar, seriam as provas de exatas e tinha que passar nelas! Depois de uns minutos ele liga pra mim, simplesmente deixei o telefone mugindo até eu colocar no vibra, um dia ele iria desistir de ligar pra mim.
Depois de uns minutos minha mãe chega com minha coisas.
- Você tá bem? - minha mãe perguntava entregando as coisas pra mim.
- Sim, estou bem melhor... Obrigada mãe...
- Qual quer coisa liga, vou indo. Agora vou no shopping - falava animada.
- Compra presentes pra mim! - ri.
- Vou pensar. Te amo, querida - deu um beijo na minha cabeça e saiu em direção do carro, entrando nele e já dando a partida. Fechei a porta, e subi de volta pro quarto da Jennifer. Tomei um banho e depois fui estudar com ela.
Ficamos estudando até umas oito horas... Passamos o resto da noite mexendo no Ipad que ela tinha ganhado do avô de presente de aniversário. Super divertido. Vimos uns filmes... Se não fosse a Jennifer eu estaria relembrando de tudo o que tinha rolado comigo e com o . Queria ficar um pouco mais calma pra poder conversar com ele. Pode parecer drama, mas teu namorado mandar você se foder, e principalmente te chamar de fã, é uma coisa muito desagradável (N/A: eu não iria gostar, RS).
Depois de um tempinho se ?divertindo? decidimos ir dormir pra poder acordar cedo, e fazer as provas normal.
- Cara, to muito cansada - falava pra Jennifer, que arrumava a sua cama
- Também estou... Mal vejo a hora disso acabar e começar as férias! E meu aniversário! - disse animada.
- Vamos esse final de semana organizar ele, ok? A prova de segunda-feira vai ser de literatura. Ai é de boa.
- Ótimo! Estou muito animada... Mas e você vai fazer alguma coisa no seu aniversário? É em agosto, não é?
- É sim... Ah, não estou muito afim de fazer nada não, acho que ir pra uma balada com você e as meninas basta!
- E o ?
- O que tem ele?
- Ele não vai pra balada com a gente? - enquanto ela me perguntava aquilo, eu tirava meu sorriso do rosto.
- Não sei... Jennifer, não vamos falar disso, ok?
- Ok, mas eu vi teu celular vibrar várias vezes, e vi que era ele ligando... Ah olha, tá vibrando de novo. Um dia você vai ter que falar com ele, .
- Tá bom, vou atender... Vou pra varanda, ok? - falei pegando meu casaco.
- Tudo bom, me conta depois.
- Claro que não! - ri. Peguei meu celular e fui pra varanda.
- Alô?
- Até que fim você atendeu...
- Estava ocupada, não podia atender..
- Hum... , temos que conversar foi um mal entendido...
- Eu sei - interrompi ele - Olha só, deixa minhas provas acabarem, que ai a gente conversa... As provas estão difíceis, e eu não estou me saindo bem... Pode ser?
- Você vai ser sair bem, relaxa... Quando termina?
- Segunda-feira.
- Posso te pegar no colégio, ai saímos pra conversa?
- Tenho que ver, pois to organizando os últimos detalhes do aniversario da Jennifer, sabe?
- Sei... Eu te ligo esses dias então.
- Ok... Olha só, tenho que ir dormir, tenho quatro provas amanhã...
- Ok, boa noite e boa sorte pra você...
- Obrigada - quando eu ia desligando, ele dá um gritinho.
- , ESPERA!
- O quê?
- Posso dizer uma coisa?
- Diga aí...
- Não esquece que eu te amo... - quando ele falou isso, respirei fundo e fiquei sem ter o que dizer.
- Olha só, vou ter que ir agora. Boa noite, .
Desliguei o telefone, respirei fundo de novo e voltei pro quarto da Jennifer. Conversei com ela mais uma vez e fui dormir depois. Eu estava realmente com raiva do . Muita raiva não, mas triste pela situação toda. Tinha que fazer aquilo passar. O lance agora era estudar a semana toda, resolver as coisas com a Jennifer, e conversar com na segunda.

Capítulo 10

A semana de provas já tinha acabado, estávamos na terça-feira, dia de entrega de quem passou ou não e depois só teria mais esses dias de aula pra então as lindas férias de verão! Mal podia esperar!
- AAAH, PASSEI! - Jennifer gritava no corredor do colégio.
- SÉRIO? QUE BOM! - gritei junto - To nervosa pra saber do meu agora!
- - a professora chamava meu nome pra poder pegar o resultado. Peguei o boletim tremendo ao ver minhas notas...
- E aí, passou?! - Jennifer perguntava nervosa.
- PASSEI!! - gritei olhando pra ela - Meu, tirei um B+ em física! E eu pensando que tinha tirado um C-.
- Agora é férias, e curtição!
- Claro! Vamos sair hoje a noite?
- Vamos sim... Pra onde? - perguntei colocando o boletim dentro da bolsa, e pegando meu celular. - Tipo, você vai vir pra esses dias de aula? - perguntei a Jennifer.
- Vou nada... A Any me chamou pra ir para a Streets of Gold hoje, a casa noturna...
- Ok. Vamos então, contanto que o não esteja lá.
- Não seja tão má , vai ter que falar com ele de qualquer jeito...
- Claro... - fui interrompida pelo meu celular mugindo. - Ah olha, é a ! Hey bitch! Saudades de você! - falei já no telefone.
- Também , meu quanto tempo... Como você está? ? falava.
- Estou bem... Quer dizer, mais ou menos. Eu e o brigamos sabe, ai estamos sem conversar... Tenso...
- Nunca pensei que isso um dia iria acontecer sabe, sempre falávamos na brincadeira - riu levemente - Mas o que foi que houve?
- Longa história, depois eu conto direito pra você... Estou no colégio sabe, ai fica tenso contar agora...
- Ok... Tenho novidades! - falou toda animada.
- O que?! Conta!
- Eu e a estamos chegando esse sábado!
- SÉRIO?! - gritei no meio da sala!
- SIM! Vai nos buscar no aeroporto não é?
- Claro que sim! Como eu estou feliz! Meu, vamos nos divertir pra caramba essas férias!
- Temos mais novidades, só que só contarei quando estiver ai.
- A VÁ SE FERRAR! Conta agora!
- Não, na hora certa você vai saber...
- Ta bem...
- , tenho que desligar, amanhã tenho prova, ai acaba tudo!
- As minhas acabaram ontem, e já recebi o resultado!
- E ai, como foi?
- Passei! - falei animada.
- Ah que ótimo, fico super feliz por você! Mas agora vou indo, te ligo amanhã ok?
- Ok, te amo!
- Também te amo ? falou já desligando a ligação.
- e chegam no sábado!
- Sério?! - Jennifer falou animada - To ansiosa pra conhecer a meninas! E vão chegar um dia antes do meu aniversário!
- Sim! Por falar nele, vamos organizar as ultimas coisas agora ok? Poderíamos ir em alguma lanchonete comer e depois iremos nas lojas comprar algumas coisas.
- Ótimo, estou com fome... - sorriu, tirou a chave do carro da bolsa, e saiu me puxando pra fora da sala.
Passamos pelo estacionamento, entramos no carro dela e partimos para a lanchonete, depois fomos comprar algumas coisas. Dia seguinte, iria conversar com o .

- Cara, o aniversário da Jennifer é esse sábado... Temos que ver direito ai pra poder fazer a playlist e tal... - dizia.
- Vão ser quantas músicas? - perguntava.
- Bem, é um aniversário... Então eu acho que umas seis pra sete músicas... Por que as pessoas não vão querer passar, o que, quase uma hora e meia vendo a gente cantar... - falava arrumando os cabelos, ou tentava né! (N/A: se for o , imagine ele arrumando o cabelo)
- É, acho digno... - falei mexendo no celular. - Temos que tocar Jersey Rae, Vegas...
- Lost In stereo, Too much? - falava lentamente.
- Poppin? Champagne, Dear Maria - dizia.
- Falta uma... ? - pedia pra falar a ultima música, enquanto eu jogava Monkey Donkey no celular.
- Erm... Sei lá... Walls?
- Ótimo, menos uma coisa pra resolver...
- Sim sim, cara vamos sair hoje? - perguntava deixando a guitarra no quanto da parede.
- Claro, pra onde? - perguntei um pouco animado.
- Vamos pra Streests of Gold?
- Ótimo - falou animado? Tenho que twittar isso. Haha - falou com um sorriso enorme.
- Não faz isso não, ficar dizendo esses locais muito públicos é foda... - disse tomando o celular dele.
- Tá tá, seu chato - falou me dando língua e pegando o celular de volta.
- Vou comprar café, quem quer? - perguntei me levantando e vendo que ninguém respondia - Ok, vou indo.
- Espera, vou com você - falava se levantando.
- Vamos logo... - saímos da sala, e fomos pra lanchonete da gravadora.
- E você e a , como tá?
- Brigados ainda... Vamos conversar amanhã sabe... Pensei que ela ia me ligar hoje, pois as provas dela terminaram ontem e hoje era só o resultado...
- Deve estar ocupada. - falava.
- Como sempre né...
- Você não pode reclamar, - me interrompia.
- Por que não?
- Você tem uma banda, viaja pra todo canto, vive compondo músicas em gravadoras, entrevistas de TV, viajando direto... Sua vida é louca! A nossa vida é louca!
- É VIDA ALOKA! - falei rindo.
- Idiota... Ou seja, converse com ela, e peça desculpas... Ok?
-Tá!
- Eu gosto da , ela é legal. Principalmente as amigas - riu.
- Tarado... Se controle, homem!
- OK, só converse com ela...
- Tá - compramos o café e voltamos pra sala onde o resto da banda estava.
Depois de um tempinho na gravadora, passamos no mercado e compramos umas cervejas, pra dar uma esquentada antes de ir pra Streets of Gold mais tarde. Ficamos em casa jogando Mario no Nintendo e bebendo. Até eu receber uma mensagem dela.
??Hey, to com saudades de você... me liga qualquer dia tá... Temos que conversar... Beijos, ??
- Cara, mensagem da ... Respondo?
- Responde não, deixa pra lá - falava meio irônico - Claro que é pra responder né, idiota!
- Ta... Bata em mim agora - ri de leve. Peguei o celular e respondi a mensagem.
??Também estou com saudades... Vamos sair amanhã? Hoje de noite vou sair com os caras... Noite de macho...hahaha. Beijos, ??
- Pronto, respondi... Sair com ela amanhã... - falei sendo interrompido pelo celular de novo.
- Nossa, é rápida em - ria.
- Cala a boca! - abri a mensagem, pra ver o que ela tinha respondido
??Ótimo, vou sair com as garotas também... Me liga ai a gente marca o local...s2 ??
Dei um sorriso e subi pro meu quarto com duas garrafas de cerveja na mão, me deitei na cama e comecei a viajar olhando pro teto enquanto eu terminava a cerveja, mas acabei dormindo.
- Ô BICHA, AGORDA! - batia na porta do meu quarto, quando olhei a hora no relógio de pulso via que ia dar dez e meia, me levantei e fui tomar um banho pra poder sair com os caras.
- Você tá lindo - dizia pro .
- Brigada sweetheart, você tá mais lindo ainda.
- Viados, não sei se aguento isso de novo... - dizia mexendo no cabelo em frente do micro ondas.
- Vamos logo... no carro do , to sem gasolina no meu.
- Tá. - pegou as chaves do carro que estavam penduradas perto da geladeira, e saímos em direção à casa noturna.

- Com que roupa você vai, ? - Jennifer perguntava ao telefone.
- Hum... Meia rendada, saia de cintura alta preta, regata branca, uns colares e uma bolsa preta só...
- Luto? - riu levemente.
- Não, só estou afim de ir de preto. De que horas você passa aqui?
- Umas dez e meia, ok?
- Ok, vou tomar banho...
- Tá...
- Espera! Vai passar na casa das meninas também?
- Sim, mas só vai a Any e a Roxy...
- Ok, por que a Tiffany não vai?
- Doente... Dor de barriga, pelo menos foi o que eu soube - Jennifer riu.
- Nossa, não ri dela meu... - ri junto.
- Olha você ai...
- Cala a boca, lesada... Vou indo, liga pra mim quando tiver saindo de casa.
- Ok, até daqui a pouco - Jennifer desligava a ligação.
Fui terminar de me arrumar e esperar a mesma chegar... Enquanto isso eu ficava no computador ouvindo músicas. Até que eu no twitter vejo um reply de uma pessoa totalmente inesperada, fiquei em SHOCK, levei um PETRIFICUS TOTALUS do Draco Malfoy. Aquele que ele dá no Harry dentro do expresso de Hogwarts, no Enigma do Príncipe.
??@ acabei de ouvir as músicas da @ e achei muito legal, estou te seguindo, me segue de volta pra conversar???
- O QUE?? MENTIRA NÉ? - gritei no meu quarto - Tenho que contar isso pra e pra . - peguei o celular e coloquei o número delas. - Porra, atente!!
- Alo? - falava normalmente
- !?
- Por que ligou confidencial?
- Não sei... Escuta!
- To ouvindo, pela voz é bom! - falou animada.
- Sim... O me mandou uma reply, dizendo que tinha escutado minhas músicas e disse que tava me seguindo, e pediu pra seguir de volta pra poder conversar... VÊ EU TO SURTANDO!!!!!
- O QUE?!?!?! SÉRIO, ?? TO PASMA!
- SÉRIO! VÊ, EU TO FELIZ... Vou mandar um reply pra ele agora, depois eu digo se ele respondeu...
- Ok. , não esquece de pegar eu e a no aeroporto viu?
- Claro que não vou esquecer, aah não esquece que o aniversário da Jennifer é no dia seguinte...
- Tinha me esquecido... Tenho que ver a roupa aqui com a , vou amanhã no shopping.
- Ok amor, vou ter que desligar, sair com a Jennifer.
- Ok, beijos te amo.
- Amo você também - desliguei o telefone e atendi a ligação da Jennifer.
- Tô quase perto da sua casa, desce logo.
- Ok. - desliguei o telefone e desci as escadas. - Vou indo, mãe. Manda um beijo pro pai.
- Ok, cuidado.
- Tá... - abri a porta de casa, entrei no elevador e desci pra esperar a Jennifer na entrada do prédio. Enquanto ela não chegava, entrei no twitter pelo celular e respondi o
??@ hey, que bom que gostou das minhas músicas... ah e eu já te sigo... :)??
Após responder o , a Jennifer chega com as meninas.
- Vamos logo, já vai dar onze horas.
- Oi gente! Vocês não sabem... o , do McFly, mandou um reply pra mim dizendo que tinha gostado das minhas musicas e que tava me seguindo, e também que quer conversar comigo!!!!
- Você nasceu com a bunda virada pro céu, só pode... Primeiro o , agora o , amiga passa o mel, ou sei la o que você tem! - Any falava rindo.
- Realmente, doa ai um pouco! - a Roxy falava me empurrando. Ficamos conversando até chegar a Streets of Gold.
- Hoje vai ser bom! E MUITO... Quero beber loucamente! - Jennifer falava estacionando o carro.
- Está dirigindo, vai matar todo mundo... - Any falava rindo.
- A dirige...
- Eu mesmo não, a Roxy dirige, to afim de beber hoje também... Quero chegar com ressaca amanhã quando encontrar o - ri fazendo as outras rirem também.
- Ok, eu dirigo... Ai durmo na sua casa ok, Jennifer? - Roxy dizia arrumando os cabelos no espelho do carro.
- Ok, vamos logo. - Any falava abrindo a porta do passageiro e saindo do carro. Descemos do mesmo e partimos em direção da porta da casa noturna... Era toda preta, e só tinha o segurança na frente e o nome em cor amarelo neon ??Streets of Gold??. Entramos e a música eletrônica rolava solto. Já comecei a me animar mais.
- Vamos ficar aonde? - perguntei pra Any, que já tinha vindo aqui.
- Ali perto daquelas poltronas, vamos logo pegar já que elas estão vazias...
- Ok - puxei as meninas e fomos até as poltronas.
- Quem vai comprar as bebidas? - perguntei sentando nas cadeiras...
- Eu vou! - Jennifer falou animada - Quem vai comigo?
- Eu! - Any se levantava e ia atrás dela.
- É amiga, vai ficar sem beber... - sorri.
- Tipo, hoje não to muito a fim de beber mesmo... Ai vou ficar como mãe de vocês! - riu.
- Ok mamãe... - sorri pra ela, e ficamos conversando algumas besteiras enquanto as outras não chegavam. Estava tocando a música do Pitbull, shut it down. Ela é realmente boa pra dançar. Depois de um tempinho as meninas chegaram com um coquetel azul neon.
- Que isso, mano? - perguntei pegando a taça da mão dela.
- É bom... Bebe ai!
- Olha só, vai me deixar doidona não né? Colocou drogas aqui?
- Não...
- Sabe né, fica melhor - falei rindo junto com as outras meninas.
- To ligada mano, mas nem tinha... Então vai normal ai.
- Ok, valeu - dei um gole na bebida, era doce só que bem forte - gosta disso! - sorri maleficamente.
- Quem tá afim de dançar? - Jennifer perguntou animada.
- Eu to... Vocês vão vim? - perguntei a Any e a Roxy.
- Não, tem uns carinhas ali que estão olhando pra gente, vamos ficar aqui pra ver se conseguimos desencalhar. - sorriu olhando pro lado.
- Ok. Vamos lá, Jennifer - descemos o pequeno degrau que tinha pra pista de dança, e fomos pro meio dela. Estava começando a tocar Don?t Dance do 3OH!3. Fomos pra pista e começamos a dançar loucamente, e bebendo cada vez mais. (se quiser coloque pra tocar)

- Cara, essa música é uma das melhores do 3oOH!3!!! Vamos dançar - eu implorava parecendo uma bicha pro .
- Tá cara, vamos... Vocês vão vir? - perguntava pro e pro .
- Não, estamos de olho naquelas meninas ali. - falou apontando para umas meninas que estavam ao nosso lado.
- Ok - Saímos de perto do bar e fomos pra pista de dança com um enorme copo de vodka. Ficamos perto do meio da pista. Começamos a pular junto com uns caras que estavam perto da gente. Parecíamos um bando de viados entrando no ciu, só que dançando, ou seja, estávamos fazendo a dança do acasalamento, mas tínhamos bebido o suficiente pra poder fazer uma coisa dessas.

- Minha bebida acabou, vamos pedir mais?! - falei pra Jennifer, e ela confirmou com a cabeça, passamos perto de uns caras pulando que nem uns drogados, quase que um me puxava e me beijava. MEDO. Chegando no bar, pedi um copo com vodka com um pouco de licor de morango pra amenizar. Enquanto a Jennifer ficava ainda na bebida neon. Voltamos pra pista mas não passamos pelo mesmo lugar. Continuamos a dançar loucamente, quando olho pro lado a Any e a Roxy se agarrando com os carinhas que elas estavam de olho. Dei uma virada básica no meu copo, onde fez eu ficar mais louca do que já estava. Vodka pega rápido, continuei dançando até ser empurrada por um carinha.

- Desculpe! - falei pra menina que tinha empurrado, ao olhar direito tinha visto que era a .
- Ai, meu Deus! !? - ela perguntava sem entender - Por que sempre nos encontramos em casas noturnas?
- Não faço a mínima idéia... O que você está fazendo aqui? - perguntei pra ela, que estava incrivelmente linda e bêbada.
- Noite das garotas... E você? - ela perguntava perto de mim.
- Noite dos machos. - falei no ouvido dela.
- Vocês? Machos? - ela dizia rindo ao meu ouvido.
- Claro que sim, temos pinto. - ri mais ainda. Ela ficou me encarando e eu encarando ela, não deu outra, puxei e dei um beijão nela. Mas na mesma hora acabei sendo interrompido pelo .
- Ele tem namorado, digo namorada...
- Oi, . - ela dizia dando um sorriso muito grande. Maior do que o da Demi Lovato, e olhe que pra ser maior do que o dela a pessoa tem que estar incrivelmente bêbada, e ela estava.
- Ah, é você... Mas o que você tá fazendo aqui? - perguntava pra ela.
- Noite das garotas. Ah, , a Jennifer ta aqui... - ela olhava enquanto Jennifer estava beijando um carinha do lado - Bem, depois você fala com ela.
- Agora vai embora arruma uma mulher pra você, já tenho a minha - eu dizia empurrando o .
- Ok - dizia correndo pra onde o e o estavam.
Fiquei o resto da noite inteira com a , não esperava encontrar com ela lá. Então passei o resto da noite naquela casa noturna com ela e as amigas.

Capítulo 11

Dia seguinte da tal baladinha de terça a noite das gurias/noite dos machos, fui conversar com o ... Só que na casa dele. Eu estava de ressaca, e ele disse que quando chegou em casa caiu e bateu o olho na quina da mesa, e que agora o olho dele estava totalmente roxo. Só que ele estava tão bêbado que nem sentiu a dor. Então seria na casa dele mesmo. Troquei de roupa, coloquei um short e uma blusa simples, um cardigã, uma botinha de camurça e claro um belo óculos escuro. Peguei um táxi e fui pra casa dele. Nossa, não via a hora do meu pai me dar um carro, não aguentava pegar carona com eles e ficar pagando táxi. Chegando na casa, toquei a campainha e fiquei olhando pros lados. Até que o abre a porta.
- Oi, - falei sorrindo levemente.
- Oi, - ele me cumprimentava - está na cozinha colocando gelo no olho. Tadinho dele, precisa de cuidados, só que eu estou ocupado ai nem vai dar direito... Cuida dele tá?
- Pode deixar... Tchau, - me despedi dele e entrei na casa. Deixei minha bolsa no chão da sala e fui pra cozinha. Só ouvia os gritos do pro ficar quieto e o mesmo reclamando da dor.
- Oi gente! - falei entrando na cozinha.
- Não me olha assim! - se abaixava pra baixo da bancada e batendo a cabeça nela - CACETE, MERDA, MINHA CABEÇA!!!!!
- Quer saber? Eu desisto! te vira ai, já tentou, também, mas ele só reclama... E agora mais um machucado. Cuida dele, que eu vou beber - falou dando um beijo na minha bochecha e deixando a bolsa de gelo na minha mão.
- Ok. - falei calma - , vem cá - fui até onde ele estava, agachado perto do balcão. Com a mão no olho e a outra massageando a cabeça.
- Você vai rir, tá muito feio... E agora eu to com a cabeça inchada... Nem sei como eu fiz isso no olho. Os caras disseram que eu cai, meti o olho na quina da mesa, só que eles estavam bêbados também, ai já sabe... Depois eles falaram que eu pedi bebida e você - ele falou ainda escondendo o rosto.
- Me chamando? Até parece, tava bêbado mesmo - falei rindo. - Qual é, ? Eu to com o cabelo todo sujo, cara inchada e to aqui... Vai deixar eu cuidar de você?
- Tá, eu deixo... - falou se levantando.
- Vai pra sala - disse pegando mais gelo na geladeira e seguindo ele. Sentei no sofá, e mandei ele deitar no meu colo.
- Enquanto eu ajeito seu olho e a cabeça, vamos conversando ok?
- Ok... Mas vai com cuidado tá? Tá doendo - falou fazendo bico.
- Nossa, tá feio o teu olho viu. Ok! Eu começo ou você começa? - dei uma sugestão.
- Começa você, pode ser? E pode meter bala em mim. - riu levemente.
- Ok. ... Não vou mentir que eu não gostei de você ter me chamado de fã... Ok, ainda amo as músicas da sua banda, amo todos vocês... Mas agora é diferente, entende?
- Entendo sim... Me desculpa, eu me alterei, não te considero uma fã, claro... Considero, mas de um jeito diferente... Me desculpa por isso? Prometo não acontecer mais...
- Claro que desculpo... E outra coisa... Sobre o lance do Caleb... Não estava defendendo ele e não tinha pra que ciúmes sabe?
- Sei sim, Desculpas por isso também... Sabe, .
- O quê?
- Temos que ser mais adultos e parar de brigar por besteiras... Concorda? - falava ainda com o olho fechado, e eu colocando o gelo no olho dele e na testa.
- Concordo com você... Nossa como você está maduro... - falei rindo - Vamos ser adultos e não brigar por besteiras ok?
- Ok! Agora me dá um beijinho vai... - ele pedia de olhos fechados. - Ah, antes do beijinho... Uma coisa sobre ontem.
- O que? - perguntei olhando pra ele e tirando a bolsa de gelo do seu olho.
- Você tava gostosa naquela saia viu - sorriu maleficamente fazendo gestos.
- QUE? Pervertido! - falei batendo nele.
- Não vou menti,r oras! Tava linda... Melhorou? - continuou com o mesmo sorriso.
- Sim...
- E gostosa - riu super alto - Agora beijinho. - parou na mesma hora.
- Safado! - sorri e dei o beijo que ele tanto pedia.
Depois de conversar muito e matar a saudades, a liga pra mim avisando que estaria saindo do Brasil às três da manhã de sábado e estaria chegando às duas horas da tarde do mesmo dia. São praticamente quase 22hrs de vôo, e lembrando pra não esquecer delas lá no aeroporto. Depois de um tempinho, o dorme no meu colo, então entrei no meu twitter, e via que o tinha retornado o meu reply... na mesma hora ele me responde, passei um bom tempo conversando com ele pelo twitter enquanto o dormia. Nunca esperava que um dia isso iria acontecer, eu e o conversando. Mas hein? Deu a hora de voltar pra casa, e o pediu pra o me levar, pois já era tarde e o olho dele continuava inchado. Tadinho dele. Chegando em casa, fui tomar um banho e dormir. Dia seguinte, quinta-feira iria ver roupas pra festa da Jennifer, e fazer algo pra receber a e a . E eu continuava a conversar com o via twitter, de vez em quando. Na sexta-feira fui pra uma entrevista em uma emissora de TV com o All Time Low. O dia passou rápido, e eu já estava indo pegar a e a no aeroporto com a Jennifer. Estava TÃO, mais TÃO feliz por elas estarem aqui comigo, e compartilhar tudo de perto! Mal podia esperar!
Chegando lá, eu e a Jennifer fomos até o portão de desembargue, esperar por elas. Estava na hora delas saírem, e nada delas.
- Que demora! - dizia pra Jennifer que tomava seu suco de morango e eu olhando pro relógio, até que o meu celular toca. - Oi, .
- Já chegaram? - perguntou o mesmo.
- Acho que sim, devem estar esperando pelas malas - disse.
- Ok, já estamos na sua casa - falou o mesmo.
- Ah ok, chegaram! - falei - Já estamos indo. Amo você, beijo - desliguei o telefone, e joguei na bolsa. Enquanto as duas vinham sorrindo, carregando o carrinho de bagagem. Como sempre enormes - CARAMBA, NÃO ACREDITO! - gritei.
- Nem eu! - falou .
- Cara, que saudades! - disse .
- Muitas! Abraço, abraço! ?falei dando um abraço nas duas e soltando pra poder apresentar elas à Jennifer - Bem gente, essa é a Jennifer, Jennifer essa é a e a - apresentei as meninas pra mesma e partimos pra minha casa - Mamãe e papai estão com saudades! - falei
- Também estamos. - falou .

Ao chegarmos no prédio com um bilhão de malas, entramos no elevador e subimos pro meu apartamento. Chegando la, só se ouvia os gritos do com o , ??NÃO FAZ ISSO CARA, VAI ESTRAGAR TUDO! OLHA SÓ, JÁ ESTA SUJANDO, IDIOTA!!?? e altas risadas do e do .
- Ta de brincadeira não é, ? - falou - Estou horrível! Espelho, espelho!
- Ta ali menina, e você não está horrível. - falei pra .
- Deus! O ta ai dentro? - perguntou com desespero.
- Se ele não tivesse vindo com o ele morria, ele tá doido pra te conhecer. - Jennifer falava rindo.
- Ta me deixando nervosa - falou - Espelho, espelho!
- Gente, vamos - falei rindo - Vocês estão lindas! - disse.
- Ok. Vamos, - disse . Enquanto eu e a Jennifer só fazíamos rir.
- Agora assim, fiquem normais, vamos entrar rindo ok? - falei
- Mas isso você já estão fazendo, vamos entrar como se estivéssemos conversando normal. - Jennifer continuava rindo.
- Certo! - falaram as duas. Abri a porta fingindo que estava conversando com elas.
- Eu não acredito que você fez isso - tentava disfarçar ao ver os meninos na sala.
- Pois é! - ria e parava na mesma hora vendo quem estava na frente dela. - Não acredito que eles estão aqui - riu -Vocês são doidos? - falou .
- Só um pouco - falou , olhando pra mesma.
- Então gente, , ... Esses são o , , e o , isso vocês já sabem... - fiz uma apresentação rápida entre eles - Agora se virem! - disse rindo.
- Minhas duas filhas chegaram! - falou mamãe descendo as escadas.
- Tia!! - falou animada indo falar com a mesma.
- Oi tia, saudades! - falou , indo junto com - Como está?
- Ótima, e vocês? Tiveram bom vôo? - perguntou minha mãe.
- Tivemos! - disse - E o Tio, cadê?
- Está no trabalho, daqui a pouco chega - falou - Conheceu os meninos e a Jennifer?
- Sim - disseram as duas.
- São uns amores, um pouco crianças, mas adoro eles! A fica impressionada, pois dizíamos que eles não prestavam - disse rindo - E a Jennifer, um amor de pessoa, a melhor amiga dela aqui, vão gostar! - sorriu.
- Ela é bem legal - sorriu .
- Bem, vou deixar vocês conversarem com eles - falou minha mãe indo pra cozinha.
- Ok tia. - falou indo pra sala com a .
- Bem, vamos fazer o que? - perguntei.
- Ah, sei lá. Qualquer coisa - disse Jennifer - Sair? - sugeriu.
- Está começando a chover agora, melhor não - falou .
- fez chapinha e não quer que a chuva estrague - falou rindo (N/A: só vale se for pro , ou , claro!)
- Cala a boca! - falou .
- Já sei! - disse olhando pro e vendo que ele a chamava pra sentar do seu lado - Como está chovendo, poderíamos afastar os sofás e a mesinha e jogar twist! - falou.
- Boa ideia! - disse .
- Quem tem twist? - perguntou .
- Eu trouxe! - disse levantando os braços.
- Não acredito, !!
- Tínhamos que jogar, - falou - Tradições.
- Vai pegar. - falou .
- Certo, cadê as malas? - perguntou .
- Devem estar no quarto - falei.
- Ok. - falou já subindo as escadas.
- Vou com você! - disse .
- HUUUUUUUM! - falamos em coro.
- Certo! - falou pro mesmo e dando uma risada por conta do ?hum? que fizemos. Enquanto e Jennifer se beijavam, de novo. Eu comecei a olhar em volta, e via que tudo estava perfeito. Fiquei ali conversando com o , enquanto a e o conversavam também.
- Nossa cara, até que fim você chegou! - falou rindo.
- Pois é, estava demorando não é? - falou dando umas risadas de leve.
- Muito. - completou .
- Se peguem logo - falou .
- É tudo um processo , claro isso se o me quiser. - disse corando.
- Isso ai! Mas pra sua informação, eu quero sim. - falou .
- Nossa, socorro... Alguém me tira daqui... ? - ri.
- Voltamos! - disse interrompendo a conversa muito produtiva.
- Quem vai girar? - perguntou
- Eu! - disse - Cortei meu pé esses dias e 'tá dolorido.
- Por isso você anda que nem um deficiente - falou - E você não fala nada, besta.
- Cala a boca! - disse .
- Ok, vamos lá, tirem os sapatos - falei.
- Vamos morrer aqui, tem chulé - riu.
- Não tenho nada, e você tem daltonismo - falou o . (N/A só vale se for com o .)
- Quer brigar, cara? - falou tentando ficar sério, mas já começando a rir.
- Vou te matar no twist, você vai ver! Vai se enrolar com as cores - disse rindo que nem uma hiena.
- Ôh duas mulherzinhas, vamos jogar ou não? E quem vai ganhar aqui sou eu, otários! - falou dando uma gargalhada falsa.
- Eu disse que eram lesos. - falei pra e - Jennifer, você vai? - perguntei
- Não, vou cuidar do - disse maliciosa, e acariciando o mesmo, o que nos fez rir.
- Espertinha - disse rindo.
- Sempre - riu.
Abri o tapete do twist e tirei a sapatilha.
- Quem começa? - perguntei.
- Eu posso! - falou .
- Ok, então vamos nessa sequência que está, pela direita do . - falou - Fica assim: , , , , e eu.
- Ótimo - disse.
- Vamos então - disse girando a setinha - Pé direito no vermelho, - enquanto o mesmo colocava o pé la. - Próximo. , mão esquerda no amarelo - falou.
- Ah, olha só, o conseguiu encontrar a cor certa! - falou rindo mais do que nunca.
- Cala a boca, idiota! Faço tratamento, estou melhorando - falou meio emburrado.
- Jennifer pega a câmera e tira foto, por favor? - perguntei.
- Claro! - respondeu.
- Voltando... , mão esquerda no azul - falou , e a mesma fez o que mandou - , pé direito no vermelho - girando a setinha de novo - mão esquerda no verde. - falou girando a setinha - , pé direito no amarelo - falou . E ficamos ali jogando pra ver quem ganhava, formando muito ninho de cobra ali. O ria de mais, toda vez que ficava em uma posição não muito agradável, ou quando o errava a cor. Comemos umas besteiras que minha mãe preparou, pizzas e outras coisas mais, parecíamos crianças. Estava tudo tão divertido, que nem vimos a hora passar. Já ia dar meia noite.
- Nossa, temos que ir, caras - falou pra , enquanto o mesmo estava conversando com a .
- Eita, é mesmo! - falou - Vamos então? - falou olhando pro e pro .
- Vamos sim... Jennifer, vai dormir aqui ou vai pra casa? - perguntou .
- Vou pra casa, preparar as últimas coisas pra amanhã.
- Então eu te levo, todo mundo vai dormir na casa do e do mesmo. vai com eles. - falou .
- Certo, vou me despedir das meninas! - disse Jennifer sorrindo.
- Ah, queria que ficasse. - falou .
- Pois é, iria ser divertido. - falou .
- Teremos as férias todas! - disse a mesma sorrindo.
- Isso mesmo! - sorriu me dando um abraço
? Obrigada, - disse indo se despedir das meninas.
- Então, vou indo - falou , me beijando - Te amo.
- Também te amo - disse sorrindo.
- Sempre - falou pra mim.
- Sempre e sempre - disse dando mais um beijo no mesmo.
- Deixem de ser melosos e vamos embora - disse .
- Deixe eles, menino! - falou rindo.
- Obrigado, - disse - Alguém com coração e sentimentos aqui.
- De nada. - falou a mesma.
Nos despedimos de todos, arrumamos a sala, e subimos pro meu quarto. Tomamos um banho e ficamos conversando por um tempinho, sobre tudo. As coisas no Brasil, as coisa aqui em Baltimore, sobre a noite de hoje, estava tudo perfeito, tudo mesmo.
- Meninas, querem que mande arrumar a cama pra cada uma? - perguntou minha mãe entrando no quarto.
- Não tia, vamos dormir todas juntas, como sempre! - falou sorrindo - E também a cama da cabe 10 pessoas... É enorme!
- Ok então, se divertiram hoje? - perguntou minha mãe.
- Muito! - disse sorrindo.
- Eles são umas crianças, são sempre assim não é ? - falou minha mãe.
- Direto, não viram nada ainda, chegam a ser piores que nos vídeos e do que hoje - disse rindo.
- Vou deixar vocês dormirem - falou minha mãe - E seu pai não chegou ainda por que deu um problema na empresa, teve que ficar lá, mas amanhã não vai trabalhar! - falou a mesma.
- Ah, ok. - falei.
- Mas ligue pra ele, por que ele quer falar com as meninas! - disse a mesma.
- Certo, vou ligar.
- Boa noite, meninas - disse a mesma.
- Boa noite - falamos em coro.
Ligamos pro meu pai, falamos com ele e depois fomos dormir. Seria um dia cheio amanhã. Festa da Jennifer e tudo mais, tínhamos que descansar.

Capítulo 12

- ACORDEM! - disse gritando e pulando na cama - Já é de manhã! Temos que fazer umas compras, nos arrumar e nos divertir mais tarde no aniversário da Jennifer! - disse animada - E ESTAMOS SOZINHAS EM CASA!
- Mas ainda são dez da manhã - disse com voz de sono.
- Cala a boca, sua lesada - disse .
- Ok, vou ligar pros meninos e sair com eles sozinha - disse provocando.
- MEU! - disse .
- Ta bom, a gente vai se levantar - disse - Se é pra ver o , vamos embora - disse a mesma animada.
- Nada que uma boa chantagem - disse com voz maléfica - Então tome banho e desçam pra tomar o café - falei - Estou na sala vendo MTV. - disse saindo do quarto.
- Ok - falaram as duas.
Desci pra sala e fui ver MTV como tinha dito, estava passando a reprise de um programa dos dez melhores clipes da semana, e em segundo lugar tinha ficado o All Time Low com Damned If I Do Ya, Damned If I Don't.
- Como assim em segundo?! - falei pra mim mesma. - Esse é um dos clipes mais engraçados e criativo deles! - pelo menos era o que eu achava. - Mas pelo menos ganhou a prata - disse rindo.
??E agora vamos pro ganhador da semana... fiquem com Hot Mess do Cobra Starship?? falou a apresentadora do programa.
- Aeee, Hot Mess! - falei aumentando o volume. Além do mais, estava sozinha com as meninas em casa, então poderíamos fazer o que ??quiséssemos??... Por enquanto. Abri o twitter pelo celular e mais uma vez o lá... Só que dessa vez por DM.
??@ me passa o número do seu celular... Melhor pra conversar não acha???
- Nada como um Cobra pra animar a manhã - falou dançando na escada e rindo da coreografia da mesma. Abaixei o volume da TV e fiquei parada em pé olhando pra cara das meninas.
- Vamos comer - disse - Temos que nos arrumar e sair.
- Os meninos vão? - perguntou .
- Não sei, acho que agente pode ir até a casa deles depois - falei - pediu o número do meu celular, gente.
- COMO É?! - e falaram em coro.
- É serio, vê isso - dei o meu celular pra elas.
- Nossa cara, o que será que ele quer? - disse boquiaberta - Me apresenta o Danny!
- Eu não sei... passo ou não passo? Tipo se o souber, será que ele vai ficar com ciúmes ou com raiva?
- Não sei, ... Pensa direitinho, o que vocês tem conversando via twitter? - perguntava - Vamos pra cozinha, to com fome.
- Ok! - falei e partimos pra cozinha. Peguei sucrilhos, leite e suco. Sentei na mesa e me servi. - Bem, temos conversado sobre músicas, ele me deu alguns conselhos pra poder seguir na carreira e tal... Essas coisas...
- Bem, se é isso, eu... MILENA não vejo nada de mais, eu daria o meu numero pra ele - sorriu tomando o suco.
- É tem razão... Vou dar o número e ver no que dá... Ouvir Poynter no meu telefone, só em sonho mesmo... - falei rindo levemente.
Comemos o nosso cereal, e subimos pro meu quarto, trocar de roupa e sai pra fazer algumas compras.

- , comprei pra você! - falei dando o pacote da loja onde encontrei o comprando roupas - E essa pra você, - disse entregando o pacote da mesma loja. - Espero que gostem! São modelos diferentes, claro - falei vendo as duas abrirem o presente. - E ai, gostaram? - perguntei.
- Não, horrível. - falou olhando a blusa - Não lesa, AMEI! Linda de mais - falou a mesma me abraçando - Brigada, vou usar agora - falou.
- Amei também, ! - falou - Obrigada, mas vou usar outro dia, quero usar minha blusa nova da Glamour Kills - disse com os olhos brilhando.
- Ok meninas, com que roupa eu vou? - perguntei olhando meu closet - Vocês vão como? - perguntei pras mesmas.
- Com esse short jeans, a blusa que você me deu, meu tênis da Nike e minha bolsa de lado. - falou .
- E eu com minha calça preta, a blusa da glamour, um colete, a minha sapatilha melissa e com a bolsa da Nike da - falou.
- Ah, estão ótimas! Já eu não sei com que roupa vou - falei desesperada - AIII, me ajudem! - disse.
- Calma, menina - falou .
- Ok, vamos ver o que tem aqui - falou - Sou ótima para as roupas, sabe disso - falou orgulhosa.
- Sempre - disse. - Vamos, me ajuda! - disse rindo e olhando meu closet.
- Vai com essa jardineira jeans que eu amo tanto, sua gladiadora, essa blusa branca com detalhes neon - falou apontando e me entregando as peças de roupa.
- ADOREI, mas acho que vou colocar meu chapeuzinho coco - falei pra mesma com um sorriso enorme no rosto. - Obrigada, amor. - falei saindo do closet e me arrumando, enquanto as outras faziam o mesmo. Colocamos a maquiagem, postei no twitter que iria sair com as meninas, depois respondi a DM do . Peguei minha bolsa e descemos pra poder pegar o táxi.
- Cara, vai ser tão divertido! - falou animada, saindo do elevador.
- Muito! Mal posso esperar - falou - Ok, a gente fazia compras direto no shopping, mas é diferente! Estamos em Baltimore, indo para as ruas, com as lojas lindas e perfeitas, fazer compras! - falou querendo gritar. Entramos no primeiro táxi que encontramos e seguimos em direção do shopping.
- Que tudo! Lembra que falávamos isso quando estávamos no Brasil? - perguntei.
- Claro que lembro! - falou a - Mas o próximo país vai ser a Inglaterra - falou a mesma.
- Claro! - fale rindo - Espera, meu celular - falei pegando-o dentro da bolsa - Ah, olha! É o - disse com um enorme sorriso no rosto.
- Lesa - falaram as duas, o que me fez dar língua.
- Oi, amor - falei pro - Estou saindo com as meninas agora. Podemos passar ai depois? - perguntei - Ok, tenho que desligar, estão ligando pra mim, deve ser meus pais, Te amo! - falei desligando o mesmo e atendendo a outra ligação. - Alô?
- Quem é? - perguntou curiosa.
- Não sei... Alô? - continuei falando sem escutar o que a outra pessoa falava.
- Alô, ? - uma voz masculina perguntava do outro lado, com um sotaque diferente.
- É ela... Quem é? - perguntei desconfiada.
- Quem é? - perguntou baixo de novo. Só respondi com um ?não sei? com a cabeça.
- É o ... Queria confirmar o teu número, vi que você tinha mandando quando eu pedi... - ele falava normalmente. Simplesmente tirei o telefone do ouvido e tapei com a minha mão querendo gritar.
- MERDA, É O ! - tentei não gritar. Coloquei o telefone de volta.
- Desculpa a demora, é tá certo - ri levemente - Não achei que ia ligar tão rápido - falei nervosa.
- É, tirei um tempinho, ai tava olhando o twitter, e vi a DM... Espero não estar incomodando.
- Ah, n-não, não está...
- Ótimo, o que está fazendo agora? - enquanto ele perguntava eu colocava no viva voz.
- Estou indo ao shopping, comprar umas coisas e de noite festa de uma amiga.
- Legal... Espero te conhecer pra podemos curti umas festas por ai - riu. Nossa, que risadinha mais linda.
- Ah, claro... A primeira oportunidade da gente se ver, saímos - ri levemente de novo. - Olha, tenho que desligar, acabei de chegar no shopping, me liga depois ok?
- Ok, beijos...
- Beijo... - desliguei o telefone e levei um PETRIFICUS TOTALUS AGAIN.
- , o que foi isso? - perguntava com uma cara de ??what the hell?!??
- Eu não sei... Só sei que eu preciso de um café.
- Ok, vamos logo! Eu pago o táxi dessa vez - dizia.
Saímos do carro e entramos no shopping. Procuramos algumas lojas pra comprar coisas pra usarmos de noite. E depois ficamos na praça de alimentação conversando.

- Sem comentários da ligação ok? Depois eu conto pro ... - falei tomando meu café.
- Ok... Mas o que o queria? - perguntava pra mim.
- Perguntou se não queríamos ir pro estúdio, estão gravando algumas coisinha e resolvendo outras. Os meninos pediram pra vocês irem, mas falei que iramos ao shopping agora e que passava lá depois. No caso agora... Vão ficar lá até umas cinco horas pra depois irem à festa da Jennifer. Vou só passar lá pra sabe de que horas eles vão pra festa.
- Então vamos não é? - falou animada - super meu!! - disse rindo.
- delicia, Jesus que braços, que corpo (N/A: se for o , OTIMO, se não...já sabe, magrelinhos) - falou a delirando. - Quero sentir de novo!
- Sentir de novo?? - perguntei.
- Claro... Ficar com ele de novo também! - falou toda animada.
- O QUE? VOCÊ FICOU COM ELE? - pergunta pasma.
- Sim, quando fui pegar o twist. Mas não importa gente, fiquei e ponto - riu.
- Não perca as esperanças - disse pra - o vai tomar pinta de macho e pedir pra ficar com você - ri. Terminamos de comer e recebi uma ligação do .
- Amor, você pode trazer café pra gente?
- Claro...
- Te dou o dinheiro quando chegar... Ok?
- Ok... - desliguei o telefone.
Saímos do shopping com algumas sacolas e cafés na mão, dessa vez ficou um pouco mais difícil de arrumar um táxi, mas depois de uns minutos conseguimos um. Entramos no mesmo e partimos pra gravadora. Não iríamos ficar muito tempo lá, pois teríamos que nos arrumar pra festa da Jennifer. Liguei pra mesma pra saber como estava indo os preparativos pra de noite.
- E aí Jennifer, como está indo?
- Até agora tudo bem... Estou fazendo as unhas e tal...
- Hum... Vou direto pra festa com as meninas ok?
- Mas seja uma das primeiras a chegar... Preciso de você lá... - falou Jennifer.
- Pode deixar... Vou indo, acabei de chegar na gravadora.
- Ok, tchau. - desliguei a ligação e desci do carro.
- Oi... Vocês são alguma coisa da banda? - falou um cara com uma câmera na mão.
- Somos amigas... Por quê? - ataque de paparazzi, pensei logo. Não tava afim de ser atacada de novo por eles.
- Pede pra eles falarem com a gente na saída. - falou o mesmo.
- Ok, vou falar... - entrei na gravadora e fui a procura dos meninos.
- Elas chegaram! - falou - Oi meninas, como estão? - falou o mesmo, nos cumprimentando.
- Ótimas - disse sorrindo.
- Os caras estão ali - falou - Hum... Comida - falou o mesmo olhando dentro das sacolas - Já, já eu como, vou só ao banheiro.
- Ok - disse rindo e entrando na sala onde o tinha nos dito. Chegando lá, estava o tentando imitar o Michael Jackson com o , enquanto o , estava deitado no sofá.
- Olha o ali, - falou - Vai lá - deu um empurrãozinho.
- Ai... Estou indo, calma! - falou a mesma sorrindo - Onde eu coloco isso?
- Aqui em cima mesmo - disse colocando as coisas em cima da mesinha que tinha ao lado.
- Ok, vou lá - falou a mesma, acenando pros meninos através do vidro - Oi, - falou se sentando com um enorme sorriso, enquanto o mesmo abria os olhos e se levantava, dando mais espaço pra mesma sentar.
- Oi, - disse o mesmo dando um beijo nela - Estou morrendo de dor de cabeça - disse.
- Então deita aqui, que eu faço uma massagem em você - disse ela.
Enquanto eu e a olhavámos as duas crianças dançando, que não tinham reparado que estávamos ali. Dei uma batidinha no vidro e acenei sorrindo, o parou de dançar e foi o primeiro a sair da sala vindo na nossa direção.
- Oi, garotas - falou me abraçando e em seguida abraçando a .
- Oi, - disse.
- Como estão? - perguntou o mesmo, com as mãos no ombro da .
- Ótimas e você? - perguntou ela.
- Ótimo. - disse o mesmo, indo por trás dela, abraçando-a pelas costas.
- Cadê o ? - perguntei.
- Foi ao banheiro - falou já dando um beijo no pescoço da . O que me fez sorrir e dar as costas.
- Vou esperar sentada ali então - disse.
- Ok. Vamos ali, - falou mesmo guiando-a pra fora da sala. Nossa, o demorava no banheiro viu, deveria estar com dor de barriga. Foi o que pensei. E fiquei ali vendo a conversar e fazer massagem no , enquanto o mesmo não chegava.
- Oi, pequena - disse o , me beijando de cabeça pra baixo.
- Oi, amor - disse sorrindo - Você nunca me chamou de pequena - disse sorrindo.
- Não gosta? - disse arregalando os olhos, o que me fez rir.
- Não seu bobo, pelo contrário, eu gosto! - disse sorrindo.
- A tá - falou sorrindo e sentando do meu lado.
- Trouxemos o que pediram, está ali. - falei apontando.
- Ótimo - falou - Estou morrendo de fome - se levantando e pegando algo pra ele - Já comeu?
- Sim, no shopping - sorri.
- Hum, o que vocês vão fazer esses dias? - perguntou.
- Até agora não programamos nada - falei - Mas acho que festinhas, sair... Essas coisas, vou ver se meu pais nos levam a New York sabe... Mudar um pouco.
- Lembra da turnê não é? - perguntou.
- Lembro sim - falei.
- Vamos partir direto pra Los Angeles e depois Las Vegas, Detroit, Texas, e outras que não lembro. Sei que agente ainda pega a Florida, onde passaremos mais tempo e sei também que vamos finalizar em New York. - falou o mesmo.
- Que perfeito!
- Se você for pra New York, podemos nos encontrar lá... O que acha?
- Seria ótimo! - disse animada.
- Vocês podem voltar com a gente também... E curtir o último show.
- Claro, voltaremos sim... Acho que meu pai deixa dessa vez - sorri.
- Que horas vocês vão pra festa? - perguntava enquanto tomava seu café.
- Não sei direito, eu ligo pra você. Tudo bem?
- Ok, iremos lá pelas nove horas.
- Hum, deve ser nessa faixa mesmo. Jennifer me quer lá cedo.
- Certo - sorria e me beijava em seguida.
- , está melhor? - falava entrando na sala.
- Um pouco - dizia o mesmo.
- Toma um pouco de café - disse .
- Boa ideia - falou o mesmo dando um beijo nela. - Temos que ir pra casa, dormir e descansar pra hoje de noite. - disse
- Claro - disse - Cadê a bicha do ?
- Saiu com a não sei pra onde - dizia pro .
- Já volto - falou .
- Ok. - me levantei e sentei ao lado da , ficamos conversando ali por um tempo, até a aparecer de novo.
- Nossa, onde estava? - perguntei.
- Ali - falou a mesma sentando ao meu lado.
- Conta logo como foi - disse se virando pra mesma.
- Ah, a gente saiu e fomos pra um lugar perto do banheiro, ai ele me empurrou na parede e me beijou. Nossa foi bom, muito bom - disse respirando fundo. Só que paramos logo, pois ouvimos o gritar por ele.
- Uh, estava quente então - falou rindo.
- Muito - disse a mesma rindo.
- Até que fim vocês se pegaram! Ele beija bem? - perguntei curiosa.
- E se beija minha filha, se o não chegasse ali, aconteceriam coisas - falou rindo - Brincadeira.
- QUE HORROR! - riu.
- Que nada, ai que é bom - falei rindo, o que fez as outras rirem também.
- Bem, temos que ir, - falou.
- É vamos... Vou falar com o e iremos.
- Ok. - falaram as duas.
Fui procurar o , me despedi e voltei pra sala pra chamar as meninas e voltar pra casa. Tínhamos que nos arrumar pra festa mais tarde e tinha muito o que se fazer ainda.

Capítulo 13

Escolher a roupa para o aniversário da Jennifer foi difícil, mas acabei optando por um vestido tomara que caia preto, colado ao corpo e de sapato uma unkle boot aberta nos dedos.
- Gente, temos que ir - falei pra e pra .
- É a que está demorando - dizia descendo as escadas.
- Calma, calma! Falta escolher o sapato... Me ajuda também! - dizia descendo as escadas rapidamente. - Esse ou esse? - mostrou os pares.
- Mão esquerda - falei.
- É fica melhor... Agora vamos logo. - falava abrindo a porta do apartamento.
Entramos no elevador, descemos pro estacionamento onde meu pai se encontrava dentro do carro ouvindo Mozart.
- Mozart? Sério, pai? - disse querendo rir.
- O lance é ouvir Ke$ha, tio - riu.
- Mozart tá nas paradas, vocês não entendem nada de música...
- Claro... Vou ficar calada - ri - Sério que vamos ouvindo isso? Tipo, estamos indo pra uma puta festa e iremos até ela ouvindo Mozart?
- Sim...
- Não...
- Sim!
- NÃO! - gritei.
Meu pai sorriu, colocou a mão no botão do volume, olhou pra mim, sorriu mais uma vez e aumentou o volume. Ok, Mozart não é uma coisa bem agradável de escutar sabe... O cara era um puta pianista, ou sei la o que ele fazia, só sei que ele era foda. Mas isso não quer dizer que tinha que ir ouvindo ele tocar nas alturas até uma puta festa de dezoito anos. Mas fazer o que né, era meu pai... Tinha que suportar certos tipos de música. Anyway, demorou um pouco pra chegar até o local da festa... Mas enfim chegamos!
- Nossa... Quanta gente! - falou .
- Queria o que? É uma festa, lesada - falava dando um tapinha na cabeça dela.
- Bem, não precisa vir nos buscar... disse que dava pra nos deixar em casa ok? - sorri pro meu pai.
- Ok, cuidado. Qualquer coisa liga.
- Certo. Amo você - dei um beijo no velho e desci do carro. Caminhei até a entrada da festa e encontrei a Jennifer lá, recebendo os convidados.
- Desculpa não ter vindo mais cedo - falei abraçando a mesma - Está linda amiga, linda mesmo! - sorri.
- Sem problemas, consegui ficar sem você aqui - riu - Olha o está la dentro, vai lá ficar com eles e tal, por enquanto tenho que ficar aqui. - fez bico.
- Ok. - sorri pra Jennifer, esperei que a e a falassem com a mesma e depois entramos no salão. Procuramos os meninos e os encontramos perto do palco. Já estavam com copos de bebidas na mão, conversando com umas meninas. Como era de se esperar né? Se não tivesse nenhuma menina com eles seria uma coisa histórica. Estava tocando standing in the way of control do Gossip.
- Vamos logo cuidar dos nossos machos - falei olhando pra e pra .
- Machos? - perguntou.
- Cala a boca e vamos logo - disse empurrando a gente.
- Hey! - falei abraçando o pela cintura.
- Oi, amor - sorriu me dando um beijo - Está linda... Como sempre.
O chegava a ser um pouco meloso às vezes, mas eu não resistia ele olhando pra mim quando dizias essas coisas. Ficava com cara de bebê perdido, só que feliz. Vai saber como é um bebê perdido e feliz ao mesmo tempo, porque geralmente bebês quando se perdem ficam tristes. Enfim, quando chegamos perto deles, as meninas que estavam conversando com eles ficaram nos olhando com cara de nojo. Até que uma delas disse uma coisa não muito agradável, que fez a mudar a expressão facial na mesma hora.
- Amei conversar com você, ... E não esquece, me liga... Ou me procura depois do show - a guria deu uma piscadinha e alisou a barriga dele. Pra que ela fez isso? Olhei pro que só fazia sorrir pra ela.
- Vou pegar uma bebida vamos , , e ? - falei rápido quando eu vi o olhar de pro .
- Claro! - falaram os quatro. Saímos pro bar e ficamos por lá vendo a e o conversarem.
- Mal se conhecem e já estão assim - falei bebendo meu champanhe.
- disse que um cara na gravadora olhou pra ela e ele não gostou... Ai meio que discutiram e se agarraram depois. Como estão fazendo agora.
- QUE?! - e eu falamos na mesma hora.
- Que tenso, por que ela não nos contou? - perguntou .
- Não sei, depois a gente coloca ela na parede. - falei rindo.
Depois de um tempinho olhando a e o conversarem de longe e em menos de dois minutos eles já estarem se beijando de novo. Curtimos o começinho da festa com os guys até dar a hora deles irem tocar. Ficamos na frente do palco no começo do show, tiramos umas fotos, cantamos loucamente. Estava indo tudo ótimo. A festa estava boa pra caramba. Já tinha bebido umas taças de champanhe no começo e depois parti pra vodka.
- Gente, bebi de mais... Vou no banheiro - falei pra e pra . Que acenaram com a cabeça e continuaram a curtir o pequeno show.
Entrei no banheiro, estava meia tonta já, uma quase bêbada digamos.
- Vou parar um pouco - falei pra mim mesma em frente ao espelho e dando um enorme sorriso, chegando meus dentes. Não sei porquê eu fiz isso, ok? Coloquei a bolsa em cima da pia, abri e tirei o pó pra retocar, o lápis de olho e o celular, que estava atrapalhando. Até que ele pisca com chamadas não atendidas. Resolvi não olhar, quem iria ligar pra mim naquela hora? Meus pais? Não. Meus amigos? Também não. Resolvi nem olhar. Até que.
??muuuuuuuh??
- Alo?! - falei um pouco alto - Quem tá falando? - falei um pouco enrolado.
- ?
- A própria, mano.
- É o . - ele falava dando umas risadas de leve.
- Eita, carai! - falei ainda com o telefone na orelha, mas me calando na mesma ora. Me olhei no espelho pra ver se estava tudo ok. Mas eu estava ao telefone, então ele não iria me ver. Realmente, tinha que dar uma parada na vodka já. Enquanto me olhava no espelho ouvia a voz dele bem baixinho.
??, tá ai???
- Sim, estou... Desculpa... É que apareceu uma barata aqui, ai eu fui matar - que? Barata?
- Desculpa atrapalhar... É que eu tava sem fazer nada, ai resolvi ligar. Tá fazendo o que? Tá um barulho.
- Ah, estou na festa de dezoito anos da minha melhor amiga, ai a banda do meu namorado tá tocando... o All Time Low. Conhece?
- Acho que já ouvi falar, não lembro... Mas espera, você tem namorado? - perguntava .
- Tenho...
- Ah, pensei que estivesse solteira... Deixa pra lá... Outra hora eu ligo ok?
- Tudo bem então...
- Ah, antes que eu me esqueça... Minha banda, a melhor de todas... - deu uma tosse - Vai fazer show ai esse mês!
- Sério?! - falei animada. - Me conta depois direito, ok?
- Ok, agora eu vou deixar você ai com seu namorado e com a festa, claro.
- Ok, boa noite.
- Pra você também... - desligou o telefone e eu fiquei em "shock".
De novo isso? Só pode ser um sonho. perdendo seu tempo comigo? Só pode ser brincadeira. Terminei de me arrumar e sai do banheiro. Chegando no salão, o All Time Low estava tocando Walls. Me juntei de volta com as meninas e contei pra elas.
- Demorou por quê?
- Por isso - abri a bolsa, tirei o celular e mostrei a ligação.
- De novo, ? - perguntou .
- Sim, e ele me contou uma... Vai contar por detalhes depois...
- O quê? - perguntou .
- McFly nos Estados Unidos esse mês!
- Só pode ser brincadeira! - deu um enorme sorriso.
- Serio, ? - apertava meus punhos.
- SÉRIO!!! - falei animada. Demos aqueles pulinhos de felicidades e voltamos a prestar atenção no show.
Depois de uns minutos o show terminou. Cantamos os parabéns da Jennifer. E ai sim, ela pode curtir o aniversário com a gente. A coitada não parava de andar, indo falar com não sei quem, depois foto. E assim ia. Sentamos em uma mesa e ficamos conversando. Já tinha parado de beber, estava só na água.
- O que você estava falando que a fez ficar animada na hora do show? E teve uma hora que você sumiu.
- Fui no banheiro. E estávamos falando que vai ter show do McFly esse mês aqui nos EUA.
- Ah é?
- Aham... - dei um sorriso. - Ai já que você vai estar em Turnê, vou ver se vou com as meninas.
- Tudo bem... Contando que você tome cuidado com aqueles britânicos de bochechas rosadas.
- Relaxe, eu vou tomar cuidado sim.
- É bom mesmo... Tenho medo de ter perder... - ficou vermelho.
- OWN, que lindo! - sorri e dei um beijo nele.
Conversa vai, conversa vem... me manda uma mensagem, e quem pega o celular é o .
??Falei com o produtor... Entradas pro camarim pra você e suas amigas... Você comentou que tava com elas... Depois te conto direito... Boa noite de novo. ??
- Quem é ? - pergunta olhando meu celular e entregando pra mim.
- É do McFLY amor. Por quê? - olhei pro .
- Ele mandou uma mensagem...
- Foi? Deixa eu ver... - peguei o celular e li o que ele tinha escrito.
- Você conhece ele é?
- Pessoalmente não, tenho falado com ele há pouco tempo...
- E você não me contou?
- Tá com ciúmes, é? - joguei o celular na bolsa.
- Não, só que... Deixa pra lá ok? Se não vamos brigar... - dizia meio murcho.
- Ok... Mas não tem nada de mais tá? Somos só amigos de internet. - sorri.
- Ok, acredito em você.
- Que bom... - dei um sorriso e ele me beijou.
Conversamos, dançamos, tiramos fotos, curtimos o aniversário de boa. Até dar a hora deles irem embora, e nós também... Já ia dar três da manhã.
- Temos que ir, Jennifer... - falei pra mesma que conversava com o .
- Ah... Eu te ligo esses dias, ok? - sorriu pra mim.
- Ok.
Nos despedimos da Jennifer. E o nos deixou em casa. De ônibus! Nunca tinha entrado em um ônibus de Turnê como a deles. O ônibus dos meus pais era diferente. Fiquei deitada com o em um box. Já que só iria vê-lo no finalzinho do mês quando eles fossem tocar em New York. Não demorou muito e já estávamos em frente ao meu prédio.
- Gente... vou sentir saudades de vocês! - abracei o , o e o ao mesmo tempo.
- Também vamos... Prometo te trazer presentes - disse - Agora me solta que eu quero falar com a . - riu o mesmo.
- Ok, boa viajem pra vocês!
- Valeu! - falaram os três. Me virei pro , que estava parado perto do portão do prédio.
- Me promete que vai mandar mensagens todos os dias? De manhã, de tarde e principalmente de noite?
- Claro que prometo... E me promete me ligar todos os dias também?
- Prometo... - sorrio - , cuidado com o dá bochecha rosa tá?
- Você tá falando do ?
- É dele mesmo.
- Somos só amigos... Calma... Eu te amo ok?
- Também te amo...
- Ah e tome cuidado com todas as garotas em cima de você. - falei batendo a bolsa no braço dele, que só fez sorrir.
Nos despedimos e subi pro meu quarto. Sem por perto por quase um mês. Não seria estranho... Mas seria mais divertido com ele por perto. Ainda bem que eu tinha minhas amigas do meu lado, onde iríamos nos divertir pra caramba. Era verão nos EUA, então tínhamos que ir pra praia ou qualquer canto que tivesse água e lugar pra torrar a pele.
Férias de verão, aqui vamos nós!

Capítulo 14

POV'S

- Cara, ontem a noite foi foda! - falou - E essa turnê vai ser mais foda ainda!
- Foi cara! Mas vou ficar sem a . É foda não é? - dizia ao que comia doritos sentado no sofá do ônibus, vendo ??Dora, a Aventureira??.
- Porra , vai ser gay na casa da sua mãe, tire isso... - falou .
- Não vejo problema em assistir Dora a Aventureira. E eu acho que ela também não - falava animado e concentrado. Enquanto na televisão passava a Dora indo tentar salvar algum bicho na montanha.
- Ela quem? - perguntava
- A Dora, caramba! Ela é foda! - disse sorrindo.
??O que deveremos pegar na mochila??? Dora perguntava para que a criança respondesse, ou seja, o .
- O MAPA! - grita.
??Isso! Muito bem amiguinho, você acertou, é o MAPA??
- Eu sou foda! Viram?! - falou colocando a língua pra fora cheio de doritos mastigados.
- Aham, claro! - falamos em coro. - Vou ligar pra .
Me levantei e fui pro meu bunk.
- Alo, ?
- Oi ! - falava animada.
- Como você está?
- Bem, mas morrendo de saudades... E faz só 2 dias que você foi embora...
- É, também estou e muito...
- Cadê os meninos?
- Assistindo TV...
- Quando é o primeiro show?
- Ia te contar isso, mudou TUDO, os locais, os dias e só avisaram agora... O Pat ligou agora com uma raiva! - falei rindo.
- Nossa, imagino... Quais são as primeiras cidades?
- Vai ser em Illinois. Já estamos chegando... Aí no dia seguinte iremos para o Colorado... É o que eu sei até agora.
- Mas vão finalizar em New York?
- Eu espero que sim... Te aviso. Acho que vão falar o resto das cidades hoje de noite, antes do show. Ai te mando uma mensagem avisando!
- Claro, avise mesmo.
- Fez o que com as meninas?
- Ah, esses dias teve festinha na casa da Any, por enquanto é isso.
- Sei, e o show lá dos meninos rosados? - perguntei e via que ela dava uma risada de leve.
- Não sei ainda os dias, mas deve ser semana que vem, não sei...
- Hum, me avisa ok?
- Claro que sim... Amor vou ter que desligar, vamos fazer limpeza de pele agora...
- Com aquelas máscaras e tudo?
- Sim...
- As mascaras verdes, ou marrons... Que vocês mulheres ficam parecendo um E.T? - fale rindo.
- HÁ-HÁ... Engraçadinho... É essa mesma!
- Tira foto? Quero te ver!
- Ok, vou tirar com as meninas...
- Ótimo! - dei uma gargalhada meio forcada.
- Agora vou indo... Te mando mensagens mais tarde.
- Ok, amo você, chuchu
- Que?! Ok, berinjela... - ela riu - Também te amo!
- Chuchu? Sério? - perguntava abrindo a cortina do meu bunk.
- Fique na sua... - me levantei e voltei pra sala.
- Acabou Dora? - perguntei pro que estava deitado no sofá.
- Sim, infelizmente... E já, já estamos chegando em Illinois.
- Certo... - me sentei do lado do e fiquei lendo a Rolling Stones.
Noite de show, iria ser foda! Essa Turner iria ser foda!
- Vamos, vamos gente! Colocar pra foder nesse show! - dizia todo animado! Partimos pro palco, e pelo visto a platéia estava lotada!
??Hora do show??. Mandei uma mensagem antes de subir no palco pra e fui fazer o que sabia de melhor. TOCAR!

- , o que vamos fazer hoje? - perguntava
- Não sei, ...
- Droga... Sei lá... Porra! - falava indignada por não ter nenhuma ideia.
- JÁ SEI! - grita no quarto.
- O que, então? Pelo grito a ideia foi boa... - falei olhando pra ela, enquanto a mesma dava um sorriso ENORME - ou pelo jeito, parece ser simplesmente uma coisa muito DOIDA.
- Vamos ligar para as meninas, a Any, a Jennifer, e...
- E O QUE? - eu e falamos em coro.
- Vamos invadir alguma casa que tenha piscina e tomar banho! - falou animada.
- Ideia legal... mas é foda, vai que alguém pegue a gente. - disse .
- Só a gente procurar uma que não tenha ninguém... E nem cachorro, claro! - falou .
- Nossa! Que fácil, ! Ajudou pra caramba! - falei rindo.
- Claro, é só ter calma... A Jennifer tem carro e tal...
- Não sei não... - falava desconfiada.
- Sei lá ... É arriscado - disse.
- Ah! Qual foi?! Olha só, está quente de mais! São 19 horas... E estamos mais mazeladas que tudo nessa vida... Não estou afim de assistir filme, nem seriados hoje... E ai? Vamos? POR FAVOR! - ela fazia cara de desespero.
- Pensando bem... Deve ser legal meu... Eu topo! - dizia mais animada.
- Só falta você, - dizia com os olhos tipo os do Gato de botas, do Shrek.
- Ah, tá bom! VAMOS! - quando disse isso, a e a gritaram juntas. - Mas tem um problema... Temos que ver se a Jennifer vai querer, e a Any também!
- Claro, vamos ligar pra elas! AGORA! - dizia pegando o telefone e me dando.
- OK. - peguei o mesmo, e liguei pra Jennifer. Expliquei pra ela o que tínhamos em mente. E esperei ela retornar, iria ligar pra Any e depois diria.
Depois de um tempo, ela liga. E para a felicidade de todas nós, as meninas aceitaram o pequeno convite. Colocamos uma sandália, pegamos umas toalhas, colocamos na bolsa e esperamos as meninas na entrada do prédio. Avisamos que iríamos tomar banho na casa da Any, por mais que seja estranho pros meus pais irmos tomar banho de piscina de noite na casa de uma amiga. Mas eu não poderia dizer ??Olha pai, mãe... Vamos invadir umas casas pra tomar banho de piscina, por que está quente?? Eu iria ficar trancada no apartamento pelo resto das férias!
Depois de um tempinho, a Jennifer chega.
- Vamos la invadir umas casas! - falou Any animada.
- Fala baixo, sua doida! - riu.
Entramos no carro e partimos atrás de algumas casas vazias. Foi um pouco difícil encontrar uma, por mais que seja férias de verão. Geralmente as pessoas viajam para praia. Mesmo assim foi um pouco difícil. Até que o liga de novo.
- Gente, antes de mais nada. Tenho que atender essa ligação. - falei parando as meninas.
- É o ? - perguntava.
- Não...
- Já sei...
- . - falava.
- É... Alô?
- Oi, ...
- Oi , tudo bom? - perguntava pro mesmo.
- Sim, e você?
- Ótima... - enquanto eu falava com ele ao telefone, as meninas riam de alguma coisa.
- E ai, será que dá pra gente conversar agora? - ele riu.
- Ai que droga, não...
- Ah, por que?
- Por que estou prestes a fazer uma loucura agora com minhas amigas - dei uma risada de leve.
- Ah claro... Posso saber? - riu de leve.
- Claro... Por que não? Você não é policial...
- Vão roubar uma loja? - perguntou meio espantado.
- Que?! Não! - dei uma boa risada.
- E o que é então?
- Ok, você vai pensar que eu sou louca, que faço isso direto, mas não sou louca, e é a primeira vez que eu faço isso...
- Fala logo , estou curioso.
- Bem, vou invadir uma casa agora, pelo quintal claro! Pra tomar banho de piscina... - me calei na mesma hora, esperando a reação dele.
- Sério?! Isso deve ser muito legal! Nunca fiz isso... Meus amigos são umas bichas. - disse animado. Pensei que ele iria me achar louca, e que a reação dele seria de ??não aprovo??, mas foi ao contrário.
- Nossa, não esperava isso... Mas se for bem legal mesmo, te aviso. Ai você faz isso com seus amigos.
- Claro... E com você também... Mas me avise! - quando ele disse isso, me fez corar. MEU DEUS!
- , vamos logo! - me chamava - Ah, manda ele mandar um beijo pro Danny.
- Estou indo... Calma - falei pra ela - Hey, tenho que ir, minha amiga tá mandando um beijo pro Danny.
- Ah ok, eu mando sim, e literalmente - riu- Mas faz um favor?
- O que? - ri.
- Me manda uma mensagem mais tarde, dizendo se eu posso ou não ligar pra você?
- Tudo bem, mando sim... Agora tenho que ir, tchau ...
- Tchau - desligamos o telefone na mesma hora.
Estávamos ao som de Plasticisnes, no Iphone na . (coloque pra tocar, deve ficar melhor. RS) Joguei ele dentro da bolsa, e fui até as meninas, que estavam perto do murinho de madeira. Pulamos o muro, não tinha nenhum cachorro, a casa estava totalmente vazia. Deixamos as coisas na cadeira. Tiramos a roupa, nenhuma de biquíni. Espertas... Só pode!
Pulamos na piscina e ficamos lá por um bom tempo... A Any pegou umas bebidas na casa dela, para poder animar as coisas. Bem antes de ir morar em Baltimore, eu não bebia tanto, cheguei aqui, minha vida virou de ponta cabeça. Em relação a tudo, principalmente nisso. Mas eu até que gostava. Uma boa quantidade de álcool animava as coisas. Se é que me entendem.
Passamos um bom tempo ali, quando fui olhar no relógio do celular, já ia dar duas horas da manhã. Sim, saímos de casa as oito horas, mas daqui pra que encontrássemos umas casa plenamente vazia demorava um pouco. Saímos da piscina, nos enxugamos e pulamos o muro de novo.
- Temos que fazer isso mais vezes! - falei para as meninas.
- Claro, e da próxima vez, temos que está com os meninos! - disse animada - Eu sou foda... Pode dizer! Se não fosse eu que tivesse a ideia estaríamos em casa assistindo Dr.Oz! (N/A isso realmente existe, e eu assisto. Haha).
- Claro! Você é foda! - ri.
- Vamos fazer um monumento pra você, ok? - Any ria.
Entramos no carro, e partimos pra casa. A Jennyfer, nos deixou no apartamento e marcamos de fazer algo no dia seguinte depois do almoço.
Chegando em casa, tomamos banho, colocamos os pijamas e deitamos pra tentar dormir. Mas estava sem sono. Fui ver se o estava acordado. Mas chamou, chamou e ele não atendeu. Mandei uma mensagem pelo menos.
??Fiz uma coisa tão legal hoje, temos que fazer de novo. Mas dessa vez você estará comigo. Te amo, berinjela. Boa noite. ps: juizo??
Depois que mandei a mensagem, fui tentar dormir, mas não conseguia. Acho que passei umas horas rolando na cama. Me levantei e fui até a cozinha comer alguma coisa. Só tinha biscoito. Fui para a sala de TV, e fiquei assistindo desenhos pra ver se dava sono. Até que eu comecei a olhas a caixa de mensagens, e via as do lá. Tinha me esquecido dele. Mandei uma mensagem avisando que poderia ligar. Conversar com alguém seria uma boa, já que eu estou forever alone na sala vendo Tom & Jerry.
- Que bom que consegui falar com você! - dizia animado.
- É mesmo, tinha me esquecido que você pediu pra ligar. Já ia dormir, mas estou sem sono e minhas amigas estão dormindo... Então lembrei da mensagem.. - ri levemente.
- Como foi la na invasão?
- Nossa, foi bem legal! Deveria fazer viu... - ri de leve.
- Vou falar com os caras, ai te aviso.
- Ok... E ai, fazendo o que?
- Assistindo TV... E você?
- Também... Assistindo Tom & Jerry.
- Sério? - ele riu
- Sério... - ri levemente.
Ficamos uma boa parte conversando no telefone, até a hora que me deu sono. Subi pro quarto e fui dormir. Tinha que acordar bem amanhã. Cara de panda? Não quero!
Depois do almoço com meus pais, eu e as meninas ligamos pra Jennifer pra ela passar no restaurante pra pegar a gente e sair para algum lugar. Quando a Jennifer chegou, partimos direto para um parque de diversão. Lá estava tendo uns shows de bandas novas, mas claro iríamos nos brinquedos. Nos encontramos com os meninos la do nosso colégio.
Mas antes de tudo, tinha que ligar pra minha berinjela, o . Ele fazia falta. E muita!
- Como foi o show ontem, amor? - perguntei pra ele.
- Ótimo, estava lotado!
- Que bom!
- Depois vai ser você! Fazendo shows e tal...
- Ah, que nada! ?ri
- Claro que vai. Tem potencial...
- Deus te ouça!
- Mas, e ai... O que foi que você fez com as meninas?
- Invadimos uma casa e tomamos banho de piscina. - ri.
- Sério que fizeram isso?
- Sério!
- Suas loucas. Com certeza iremos fazer isso! - falou animado - Está onde? Tá barulhento...
- Ah sim, estamos em um parque de diversão com o pessoal do meu colégio.
- Hum... E o show do McFLY, já sabe?
- Não sei... Quando eu souber te aviso.
- Sim, recebemos os locais dos shows...
- Ah, me conta!
- Estamos saindo agora de Illinois, e partiremos agora pro Colorado, depois Los Angeles, depois Phoenix , Texas, Louisiana, Florida, Atlanta, Carolina do Sul depois do Norte e pra finalizar, New York.
- Ah, que ótimo! Finalizar em New York... Vou avisar para os meus pais!
- Ok, avise mesmo... Amor, o quer falar com a . Passa pra ela?
- Sim, de noite você me liga?
- Claro. Beijo, chuchu. Amo você.
- Também te amo, berinjela. - ri - , quer falar com você!
- Ah! Sério?! - tomou o celular da minha mão e saiu correndo pra um lugar sem muito barulho.
Curtimos a tarde com os nossos amigos. Não via a hora de chegar o show do Mcfly, e do All time Low. Estava ficando chatinho já. Festinhas nas casas das meninas as vezes, sair para as boates de noite, compras. Tínhamos que mudar um pouco. E pra isso acontecer, meu pai teria que nos deixar ir para New York!

Capítulo 15

Já tinha se passado praticamente duas semanas, e já estávamos no final de julho, só falando com o pelo telefone. As vezes ligávamos a webcam, mas o dia deles tocarem em New York estava chegando! E adivinha quem me deixou ir pra New York SOZINHA com as amigas? Ficar em um hotel com vista para a Time Square?!
MEU PAI!
Simplesmente venerei ele a semana toda, quer dizer, até agora...
Mas eu vou uns dias antes com a e a . Pra poder aproveitar a cidade um pouco, fazer algumas compras, passa na Tiffany?s... Mas só passar mesmo, as jóias são mais caras que tudo nessa vida. Andar pelo Central Park. Várias coisas, New York deve ser a cidade onde se tem mais coisas pra se fazer em todo o mundo.
Estaríamos saindo de Baltimore no sábado. Show do All time low seria no último dia de julho, dia 31, na sexta-feira que vem... Ok, praticamente sozinha em New York por uma linda semana! Só poderia ser sonho.
- Me belisca! - falei pra que estava terminando de tomar seu enorme café na Starbucks.
- Com todo prazer - sorriu e me deu um enorme beliscão no braço, fazendo a rir e eu sentir a dor, claro!
- Ok, eu falei no sentido superficial, não literal. Lesa!
- Também te amo - soltou beijinho e terminou o café.
- E aí, vamos fazer o que agora de tarde? - perguntava .
- Não sei, passar o dia na pequena casa da Jennifer? - sorri.
- Pode ser. Amanhã arrumamos as malas...
- Ok. Vou pagar lá no caixa, vão chamando um táxi - falei pras mesmas.
Enquanto pagava o lanchinho, as meninas ficavam pulando e balançando os braços pra ver se algum táxi parava. Hoje estava mais quente que os outros dias. INFERNO!
Peguei o celular pra ligar pro , e via que o mandava uma mensagem.
"Datas dos shows... Vai ser daqui a duas semanas, em agosto, primeiro final de semana. Camarim está certo, te passo os detalhes depois."
Feito, só teria que saber se as meninas estariam aqui ainda. Alipás, as férias no Brasil é até julho, aqui nos EUA vai até setembro. Aí vem as aulas em outubro, novembro, e termino o terceiro ano em dezembro, com o famoso baile de formatura. Com casais e tudo! Enfim, queria soltar um Accio sexta-feira, pra que eu pudesse ir logo pra NY!

POV'S

Eu mal podia esperar pra viajar com a e as amigas dela. Ok, era só a volta de NY pra Baltimore. Elas eram totalmente diferente das meninas que eu e os caras já conhecemos. Resolvi tomar um banho e tentar dormir, turnê cansa um pouco.
- Cara, essa Turnê tá sendo umas faz melhores! - falava deitado no bunk do lado do meu.
- É cara, está sendo ótima! Agora sai e me deixar dormir. - falei fechando a cortina do bunk - Depois conversamos sobre isso, tenho umas ideias pra deixar a viagem mais divertida - disse já colocando a cabeça pra fora do bunk, e a enfiando de volta no travesseiro.
- Ótimo, o também disse que estava com varias ideias.
- Isso aê, agora apaga a luz e sai - falei com a cabeça no travesseiro.
- Falou! - disse o mesmo apagando a luz do corredor e voltando a se deitar no bunk.
- Ei, .. Não conta pro ...
- O que?! - perguntou o mesmo.
- Eu te amo viu?! Pra sempre! - falei rindo.
- Viado dos caralho! - ele falou com uma voz mais grossa, só que quando ele falou o ??caralho?? saiu fina. Foi engraçado - Mas eu também te amo, sua BICHA LOUCA.
- Boa noite, amorzão.
- Quem você está chamando de amorzão? - entrava no corredor acendendo a luz e abrindo meu bunk.
- Ninguém... - falei rindo, quando me virei o estava com uma câmera filmando tudo.
- Ele me chamou de amorzão ok? - falava abrindo a cortina do dele.
- OH MY GOOOOOOOOOOOOOOD! VOCÊ ESTÁ ME TRAINDO! NÃO ACREDITO, JACK! - gritava que nem uma mulher desesperada. Pior que o grito da , quando uma barata caiu no colo dela quando estávamos na minha casa vendo TV.
- CLARO QUE NÃO! - falei meio desesperado levantando do bunk - EU TE AMO, JOSEFINA!
- MEU NOME NÃO É JOSEFINA! É CLAUDIA! - ainda gritava que nem uma mulher.
- OK, OK... ME DESCULPA, VEM CÁ CLAUDIA! ME DÁ UM BEIJINHO! (n/a: AHAM CLAUDIA SENTA LÁ Q) - abri os braços e fui abraçar ele. parecia uma gazela rindo. falava alguma coisa em frente a câmera. E olhava pra trás apontando pra mim e pro .
- Amoré miu... Vou dormir ok?
- Está bem, sweet heart! - falou rindo. - Daqui a uns dez minutos eu deito do seu lado.
Voltei pro meu bunk, e fui tentar dormir. Eu com sono. Só podia ser brincadeira. Mesmo assim, amanhã de manhã iríamos fazer uma "manhã de autógrafos", tinha que pelo menos estar um pouco sã pra falar com as fãns. Já tinha bebido o dia inteiro, fiz o show até um pouco bêbado. Peguei no sono logo, ônibus em movimento, me fez dormir mais rápido.

Depois de duas horas, acordei todo suado, não sei porquê, mas deve ter sido pelo sonho que eu tive, que por sinal foi bem estranho. Me levantei, tomei mais um banho, coloquei uma bermuda e fui pra sala, ver TV. Coloquei na MTV, e estava passando uns clipes. Até que começou um.
- Que isso? - perguntei pra mim mesmo. Quando apareceu o nome do lado. "Lies - McFly". - Só pode ser brincadeira! - dei uma risada sarcástica. - Quero só ver qual é o rosadinho que está ligando pra ela.
Continuei vendo o clipe da banda e resolvi ligar pra . Tinha que ouvir a voz dela, pra ver se eu conseguia dormir de volta.
"Oi, você ligou pra , desculpa não atender. Deixe seu recado após o mugido"
- Hey chuchu, queria que atendesse... Enfim, só pra ouvir sua voz, saudade. Não vejo a hora de chegar sexta e eu já estar em NY. Me liga depois ok? Ah sim, tenho umas ideias pra volta de NY pra Baltimore, ficar mais animado as coisas. Amo você.
Liguei o notebook do , que estava na mesinha. Abri a pagina do Google chrome e digitei " McFly". Tinha que saber qual dos quatro rosados estava afim da minha namorada.
- Ah, é esse é? - fiquei olhando algumas fotos dele no Google. - Hum... Ele é bonito. Toma cuidado, ... Toma cuidado... - falei pra mim mesmo. Desliguei o computador e deitei no sofá. Acabei dormindo nele.
- acorda!! - falava desesperado - sumiu!!
- Sumiu nada, deve estar na sala! - falava o mesmo.
- É, ele está - gritava . - Amor, acorda!
- Que é?! Me deixa dormir!
- Não, temos que comer e ir pra manhã de autógrafos, e depois tem uma entrevista com a MTV.
- Ok, estou indo... Acordou o ?
- Vou agora.
- Beleza - me levantei, fui escovar os dentes, e tinha uma mensagem dela.
??Estou ocupada agora de manhã, e de noite você tem show, te ligo de madrugada, é melhor... Sem ninguém ouvindo. Haha te amo, berinjela??
Coloquei um chinelo e fui com os caras para a manhã de autógrafos.
- Olha só, aquela menina - apontava me mostrando.
- O que tem?
- Nossa, quem é você e o que fez com o ? Ok, ela é bonita.
- Sim, muito. - voltei a assinar o papel com a nossa foto pra uma menina baixinha e loira.
- Eu te amo, ! - falava a mesma
- Amo você também - dei um sorriso pra ela.
- Tira uma foto? - perguntava a menina.
- Claro, cadê a câmera?
- Aqui... - ela me deu a câmera, e eu tirei a foto com ela. Me despedi da fã e fui falar com as outras. Ficamos naquela mesa por umas duas horas. Depois voltamos pro ônibus, para a tal entrevista com a MTV.
- Ok, estamos aqui ao vivo com o All Time Low... Uma das banda mais esperadas de hoje.
O apresentador começou a fazer umas perguntas relacionada a banda. Até que chegou a uma pergunta de uma fã.
- A Carol quer saber qual da banda está namorando... - o apresentador deu uma risadinha de leve. - Podem responder?
- É, acho que sim... - dizia.
- Então, quem está namorando?
- Bem, tem três solteiros, e um namorando... O felizardo é o . - falou o mesmo.
- Ok, fãs, podem tirar o cavalinho da chuva... está namorando... Mas você está firme com essa menina?
- Ele está! - falou .
- É, estamos namorando há um tempo...
- Gostando dela?
- Sim... Estou muito feliz com ela...
- Pode nos dizer o nome?
- Hum... Melhor não... - ri de leve.
- Ok... E a próxima pergunta é...
Não sei se fiz o certo em falar aquilo. Mas acho que foi melhor. Se ela viu a entrevista verá que estou falando a verdade em rede nacional. Pra ser sincero, eu nunca tinha amado uma garota como ela.
Depois de um tempinho com a entrevista partimos pro show, tocamos e voltamos mais suados que tudo. Ficamos conversando um tempo. Sobre o que fazer na volta de NY pra Baltimore. Depois de um tempo tomados banho, fiquei vendo TV com o . Enquanto jogava no nootbook e dormia.
Mais tarde fui pro quarto onde tinha uma cama de casal. Era tipo, uma coisa EXTRA que decidimos ter no ônibus. Entendem, vai que alguém precise de privacidade. Me deitei lá, e fiquei falando com a no telefone, até sentir o sono, que não demorou. Ela iria viajar pra NY amanhã já. Tinha que descansar. Essa Turnê passou rápido. Já estávamos na Carolina do Sul, como o show seria no começo da tarde, iríamos partir direto pra Carolina do Norte no mesmo dia.

POV'S

- , você já sabe quando o McFly vem? - perguntou .
- Sei sim, mandou uma mensagem. Vão vim no primeiro final de semana de agosto - falei indo pro banheiro, pra pegar uma toalha de rosto. Tinha que viajar com uma na bolsa.
- Sério?! - disse .
- Sim... Vocês vão estar aqui ainda? Por que as aulas começam em agosto não é?
- Sim. - falou
- Assim, as nossas passagens de volta não foram compradas... Então poderíamos passar mais uma semana, ai no outro final de semana, depois do show, a gente volta. Que tal, ? - falou Milen.a
- Ótimo! Faremos isso... Perder McFly eu não vou!
- Isso mesmo!
- E claro, tenho que ver o , ! - fez bico.
- Awn...
- Mas, eu não posso gostar dele... Não posso! Eu nem moro aqui!
Quando a disse isso, a me olhou com aquele olhar de "ela gosta dele já, fodeu"?
- Relaxe! É so levar na curtição, ok?
- Ok, vou tentar... Agora vamos, se não perderemos o vôo.
Meu pai nos deixou no aeroporto, explicou onde era o hotel. E partimos pra NY.
Cidade que não dorme, aqui vamos nós!

Capítulo 16

POV'S

Já estávamos saindo da Carolina do Sul e indo direto para Carolina do Norte. Tínhamos que estar lá logo. O dia na Carolina do Sul foi um dos mais agitados praticamente... Dia de autógrafos com as fãs, entrevista pra MTV, a MTV praticamente colada em nós, e show a noite, depois do show pegar estrada pra fazer show na próxima cidade. Estava cansado pra cacete, mas impossível ficar parado enquanto está com os amigos na turnê. Os caras do Boys Like Girls foram no nosso ônibus até a Carolina do Norte. O que isso significa? CERVEJA A NOITE INTEIRA E SEM DORMIR!
- HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA - Paul dava uma gargalhada extrema fazendo todos nós mijar de rir, fazendo o soltar a cerveja toda pra fora da boca, o Martin cair no chão. E eu ficando sem ar já. Nunca vi ninguém rir daquele jeito como ele riu agora. Motivo? Brian e John encenando uma piada. Foi engraçada pra caramba, gravamos e tudo, mas o cara rir parecendo que ia morrer é foda.
- Ok, parei - do nada ele para de rir e nos olha sério.
- Ok, vamos tentar mais uma coisa... - falou Martin.
- O que? - Pergunta Brian.
- Hm... Sei lá... - Martin riu.
A viagem inteira foi assim, rindo, bebendo, até chegar na Carolina do Norte. Quando descemos, tinha umas garotas lá esperando, em torno de umas 10. Muito lindas. Elas sorriram e continuaram lá paradas, só falando umas com as outras.
- Tivemos sorte - disse Brian.
- O que? - perguntei meio fora de mim - A claro, sim tivemos - olhei pra ele que dava um sorriso pra mim.
- Vamos esperar elas chegarem ou a gente vai? - perguntou Paul (N/A: odiei escrever isso, porra sou Digoivanni)
- A gente vai né... Por que não? Quase não temos fãs um pouco maiores que 14 anos. - falou Brian.
- Beleza, vamos! - disse .
Chegamos nas garotas, conversamos um pouco, umas pediram fotos, autógrafos nos CDs, e nas blusas. Eram bem legais, mas não estava afim de ficar com ninguém, como os outros caras estavam. Se fosse outros tempos, eu ficaria de boa, mas agora não mais. Olhei pro e via que ele fazia uma cara de "me tira daqui". Tem certeza que o estava fazendo aquilo?
- E ai , vi a entrevista com a MTV, tá namorando mesmo é? - perguntava uma garota ruiva, que ficava sempre do meu lado, e me abraçando direto e passando a mão vai saber Deus onde. Só que eu já tinha esquecido o nome dela.
- Como é seu nome mesmo? Desculpa, bebi de mais ontem, ai fudeu com minha mente.
- É Cintia - falou como se não tivesse gostado disso - Acho que tenho uma maneira de fazer você não esquecer mais - ela sorria com uma cara de safada da porra.
- Ah é? Beleza... Mas... Eu tenho namorada. Desculpa aí.(N/A: SOLTA O CAVALINHO PORRA hahahahaha q)
- Não ligo...
- Sei... Guys vou ter que ir, lembrei que tenho que fazer umas coisas antes do show. - senti meu celular vibrando no bolso. Peguei, quando vi a ligando.
- , você vem? - perguntei - Legal conhecer vocês... Mas tenho que ir, nos vemos depois.
Puxei o pelo braço e sai andando rápido.
- Valeu cara, mas eu realmente me senti mal ali, as garotas querendo ficar comigo... Lembrei da - simplesmente olhei com uma cara de espanto.
- Peguei o errado - ri - Porra a tava ligando, já já eu retorno pra ela.
- Vou ligar pra . - falou pegando o celular dele e ligando pra mesma. Comprei uns cachorros quentes e comi, e depois falei com a , que já estava em New York. Encontrei com o conversando com o Sean Foreman e com o Nathaniel Motte na grama. Fui até eles, bati um lero com os caras. Depois de um tempo, o liga desesperado atrás da gente.
- PORRA, CADÊ VOCÊS?! - gritou no telefone.
- Estamos conversando com o Sean e com o Nate... Calma - falei na maior calma
- Porra nenhuma! Corre pro palco, vai começar daqui a uns cinco minutos o show.
- Ok, estamos indo. - desliguei o telefone, puxei o pelo braço de novo e corri pro palco.
Subimos e começamos o show com uma música sem ser nossa. Mudar um pouco, deixar mais divertido. Começamos com uma do Lil Wayne. (N/A: vejam qual é. Seria um cover legal, e engraçado q) Final do show, continuaríamos por lá, resolvendo umas coisas, só estaríamos saindo da Carolina do Norte na madrugada da quarta pra quinta.

POV'S

Chegando em NY, nos perdemos na verdade pra encontrar o hotel... Mas depois de que, acho que umas duas horas rodando no téxi, encontramos o hotel. O que me deu muita raiva, e que faziam as meninas rirem. Passamos por ele quase umas cinco vezes e nada. Até que tomamos vergonha na cara e perguntamos a um ser no meio da rua, onde ficava. E advinha? ESTAVAMOS EM FRENTE DELE! Sem comentários. Contei pro e ele começou a rir. Meu isso não se faz! Como chegamos na sexta-feira de tarde, resolvemos dar uma saída de noite pela cidade. Nada de mais. Tirar umas fotos enquanto estamos sóbrias. Entendem? Então. só chegava daqui a uma semana. Queria saber o que ele iria fazer tanto tempo na Carolina do Norte, que só iria sair de lá na terça feira, o show tendo sido hoje. Anyway, o importante é... VOU VER MEU BERINJELA SEXTA! Isso basta.

A semana tinha se passado muito rápido e a conta do meu cartão deve estar mais alta do que nunca. E adivinha quem vai ser uma menina morta? EU! Nunca gastei tanto na minha vida como nessa semana. Enfim, eu escolhia as coisas que estavam... Digamos que acessível. Mas sempre tinha uns mais caros. Mas eu não tenho culpa se NY me oferece coisas pra comprar! É tudo culpa da cidade, não minha.
- Estou nervosa! - dizia .
- Com o que? - pergunta amarrando o cabelo em um rabo de cavalo alto.
- Amanhã... Vamos encontrar com os meninos - ela falava meio tremula.
- Sim, não vejo a hora de ver meu berinjela! - disse animada.
- Berinjela? - pergunta com uma cara de assustada.
- Nossos tratamentos carinhosos, falou? - falei fechando os olhos.
- Claro, se chamar de vegetal... - e riam juntas.
- Ok, parou! Enfim, vamos para o caso !
- Claro - falou
- Conte-me sua história, irmã! - sorri.
- Lembra do que eu falei, que não poderia gostar do ?
- Sim - eu e falamos juntas.
- Então... Eu tenho que ir embora pro Brasil... Tipo assim, rápido! - estralou os dedos
era do tipo de garota que se apaixona rápido, difícil de tirar o garoto da cabeça e acaba se ferrando no final. Já tentamos de tudo pra que ela mudasse um pouco, por que se um dia ela se casar e se separar, e o pedido de divórcio for do marido, ela vai sofrer. E MUITO. E era isso que estava acontecendo. Ela tinha se apaixonado pelo . E agora ela já sabe o que vai acontecer.
- Estou ferrada - dizia fazendo um bico como se fosse chorar.
- Ow amiga, não fica assim! Sério... Tenta fazer o que eu e a dissemos. Leve só na curtição ok?
- Estou tentando, mas eu não consigo ser assim como você, ...
- Ok, não entre em desespero agora? Vamos curtir a ultima noite em NY como merecemos! Ok?
- Ok, já estou melhor! Ah , o seu celular, tá vibrando... - dizia .
Peguei o celular e via o nome "" nele.
- Alo? - dei um sorrisinho.
- Oi, ... Como vai minha cantora favorita? - ele deu um enorme pausa. - Isso foi tenso, mas eu gosto das suas músicas, então...
- Estou bem - interrompi ele dando uma leve risada. - Mas como você está?
- Bem melhor agora! Estou doido pra que tenha logo o show em NY. Quero te conhecer... Sabe? - ele falava como se tivesse fazendo um enorme esforço.
- Também estou ansiosa pra te conhecer.
- Cala a boca! - ele grita me interrompendo.
- Desculpa? - falei sem entender.
- , não foi com você, é o aqui, tá tirando onda da minha cara.
- é uma bichinha... - escutei de leve o gritar.
Comecei a rir.
- ... é o ! - ele falou alto. - Enfim, ele tá todo nervosinho, por que ele ta afim de você! Então é isso, até NY, beijo!
- Ignore o que o falou ok? - ele dizia pra mim.
- OK. Vou confessar que estou confusa com vocês dois falando ao mesmo tempo... Mas enfim... O dia está chegando. E ah, minhas amigas vão estar pro show! Tinha esquecido de falar isso.
- Eu ia te perguntar agora... Quer dizer não exatamente agora... Digo, na ligação, o motivo pra eu ter ter ligado.
- MENTIRA! - gritava de novo.
- É você e mais duas amigas, não é?
- Isso mesmo...
- Me passa o nome delas e tal... Pra mandar fazer o crachá de V.I.P
- Não sabia que podia tanto! Sou uma fã normal do McFly.
- Que isso, mais que fã! - ele se calou de novo, me fazendo ficar calada também. Passei tudo pra ele, e fui sair com minhas amigas. Madrugada toda na rua. Oh vidinha ruim!
Deu cinco da manhã e estávamos saindo de uma casa noturna. Enfim, estou um pouco alterada. No meio da Time Square. Com a minha meia arrastão floral rasgada, meu short está sujo de bebida, meu cabelo está normal, eu acho. E minha blusa do The Doors está inteira. Mas minha meia não, parece que levei uma enorme queda e rasquei ela todinha. Paramos em um McDonalds pra comer algo, tomar um bom café. Até encontrarmos ela, já tinha dado seis horas. Depois da uma da manhã as horas passam que você nem sente. Sentamos em uma das mesas, fizemos o pedido. me liga.
- Bom dia, pequena!
- Oi amor! - falei animadinha.
- Você bebeu não foi? - perguntou o mesmo.
- Sim... Acabei de sair de uma casa noturna com as meninas. E agora estamos no McDonalds tomando café, depois pegaremos um táxi e vamos pro hotel, dormir um pouco.
- O meu show vai ser de noite ok? Queria você aqui de tarde... Tem como?
- Claro que tem, amor! Onde você está agora?
- Acabamos de estacionar o ônibus. Café da manhã agora, e depois dormir em um hotel. Dessa vez vai ser melhor! viajamos horas!
- Que bom amor, me manda uma mensagem dizendo onde é o hotel, ai chego ai com as garotas de tarde. Depois do almoço.
- Claro... Agora eu vou indo. Te amo, chuchu.
- Também de amo, berinjela! - desliguei o telefone e fui tomar o café da manhã com as meninas.

Saindo de lá,partiríamos direto pro nosso hotel, que não era longe, mas também não era perto. Pelo menos não de onde estávamos. Mas seria melhor, chegaríamos mais rápido, tomaríamos banho mais rápido e dormiríamos mais rápido também!
Coloquei o celular pra despertar de meio dia. Pra podermos tomar outro banho, sim era necessário. Trocar de roupa, almoçar e ir no hotel encontrar com os meninos.
Bem, não estávamos com uma cara ótima, também não dormimos muito, mas também não estávamos horríveis! Se estivéssemos os carinhas não olhavam pra gente dando sorrisinho e aceninhos. Charme brasileiro meu bem! Ou eles simplesmente estavam rindo de nós, e a não tinha charme brasileiro nenhum ali, apenas "horror brasileiro"!
Uma coisa tensa, que me deixa pensando até agora. Mas enfim, encontramos o hotel rápido. Esperamos na portaria, até o descer e nos levar pro quarto. Ficamos lá com os meninos até dá a hora do show começar. Mas só iríamos voltar pra Baltimore no dia seguinte. Fechei a conta do hotel onde estava. E ficaria com o no dele.

Feito o show... Onde foi bem melhor do que o primeiro que eu fui quando cheguei aqui nos EUA. Foi simplesmente incrível! Voltamos pro hotel e a ?festinha? continuou. Ficamos no quarto com todos do All Time Low. Digo não só os integrantes. Todos que fazem parte do All Time Low Entendem?
Mas depois de um tempinho, eu e o decidimos ficar um pouco a sós! Já que estávamos praticamente um mês sem se ver! Como eu estava com saudades dele.
- Sabe qual é a minha vontade? - perguntou .
Estávamos deitados na cama dele. Um do lado do outro olhando pro teto, abraçados.
- Qual? - levantei a cabeça e olhei pra ele sorrindo.
- Ficar o dia todo assim com você, deitado na cama, não te largar nunca. E ver você sorrindo desse jeito.
Eu simplesmente fiquei sem acreditar no que ele tinha me dito. Simplesmente dei um enorme sorriso, e ele me retribuiu. Como eu gostava dele. Muito! Mas eu só consegui dizer uma coisa. Me levantei, fiquei apoiada pelo meu cotovelo. Olhei pra ele e disse
- Eu te amo, ! Nada mais importa! Quer casar comigo? - dei uma risadinha.
- Quero! - sorriu.
Me aproximei dele, deitei por cima do seu corpo e o beijei. Quando dei por mim, ele já estava por cima de mim. Passando a mão pela minhas pernas. Paro de beijar ele, dou um sorriso e tiro sua blusa. Continuamos ali, naquele amasso, até ele tirar meu short e minha blusa, minha lingerie era um salmão bem clarinho cheia de cerejas. Bem pin-up, cheio de babadinhos. Foi uma coisa bem rápida que só fiz desabotoar a sua calça e jogá-la no chão. Ele começou a beijar meu pescoço. Até que ele para e olha pra mim, dando aquele mesmo sorriso.
- , tenho que contar uma coisa...
- O que?
- Eu ainda sou virgem...
- Eu imaginei... Mas você tem certeza que quer continuar? Podemos parar se quiser... Não me importo, sabe disso.
estava sendo o garoto mais fofo do mundo comigo. E claro eu estava disposta a fazer isso. Principalmente se fosse com ele.
- Claro que tenho... Absoluta... - sorri o beijei de volta
- Qualquer coisa, se sentir dor, avisa. E eu paro, ok?
- Ok...
Ele saiu de cima de mim, pegou uma camisinha na sua carteira, que estava em cima do criado mudo. Se virou e colocou. Pegou um edredom e nos cobriu. Voltamos a nos beijar mais intensamente. Até que ele para mais uma vez.
- Seu sutiã e sua calçinha são lindos... Mas... Tenho que tirá-los - fez uma cara de safado, o que me fez rir. Voltamos a nos beijar. Ele tirou meu sutiã e partindo para a minha calcinha.
- Tá pronta? - falou baixo.
Só fiz acenar a cabeça dizendo que sim. Ele voltou a me beijar intensamente, e a me penetrar. Não senti nenhuma dor. Deve ter sido por que eu estava extremamente excitada, ou deve ser por que estava fazendo com uma pessoa que eu realmente amo! Que seja. Continuamos a fazer sexo por quase a noite toda. Até dormimos.
Acordei deitada no peito do por conta do barulho da televisão. Abri os olhos, e via que ele assistia o National Geographic. Estava falando como Moisés abriu o Mar Vermelho.
- Você abriu meu mar vermelho. - fiz um comentário.
- Ow, acordou pequena. E sim, abri seu mar vermelho, me tornei Moises!
- Seu cajado é poderoso viu - dei uma risada meia alta, fazendo ele rir também.
Me levantei e fiquei na altura dele, pelo menos um pouco. Ele me deu um beijo e sorriu
- Dormiu bem?
- Muito - continuei olhando pra ele. Ele me beijou em seguida. Fui me abaixando, até que eu ficasse completamente deitada, ele ficou por cima de mim, e até que abriu meu mar vermelho de novo.
Depois disso tudo, levantamos da cama e tomamos um banho, trocamos de roupa e descemos pra tomar café com os outros. Iríamos partir de noite. Mas passamos o dia dando uma volta por NY. A noite, a manhã, o dia simplesmente incrível! De tarde, passei o dia com o debaixo de uma árvore, no Central Park, enquanto os outros saíram se divertir de qualquer outra forma.
- Bem, ... - dizia .
- O que, ?
- Você me pediu em casamento, e eu aceitei...
- Sim...
- Mas temos que ter um anel certo?
- Certo... Irei comprar ok? - disse rindo levemente.
- Não, deixe que eu compro... Por enquanto que não é um anel de brilhantes, nem coisa do tipo...
- Anel de brilhante não é legal pra quem tem menos de quarenta anos... - ri de leve.
- Mas, pra oficializar, ou simplesmente pra você lembrar desse dia... - ele falava olhando pra mim. - Se levanta.
Me levantei, e fiquei sentada com as pernas cruzada.
- Aqui, veio dois anéis dentro daqueles pacotinhos de biscoito que compramos... então... , quer casar comigo? - ele riu mostrando o anel.
- Meu Deus , que lindo! Claro! - estendi minha mão e ele pôs o anel nele. Dei um sorriso e o beijei.
- Te amo!
- Também!
- Mas vamos? O pessoal deve estar esperando pela gente lá no Hard Rock. - falou.
- Claro! - ele se levantou, estendeu a mão pra eu levantar. E partimos pro Hard Rock Café. O melhor dia da minha vida está sendo esse! Nunca me senti tão feliz no mundo!
Chegando lá, sentamos com o pessoal e anunciamos que tínhamos nos casados. O pessoal começou a rir, mas minhas amigas deram gritinhos. Achando que era passado no papel. Enfim... Amo minhas amigas!
Tomamos uma cerveja até que o pede pra eu tirar o anel do dedo pra ele ver uma coisa. Ele se levanta e diz que vai ao banheiro. Só que ele demora. Já tinha dado a hora de ir pro ônibus e voltar pra Baltimore e nada dele.
- Estou tentando ligar pra ele e nada. - dizia .
- foi deixada no primeiro dia de casamento - brincava.
- HAHA! - ri sarcástica. Mas nem liguei, ele estava brincando mesmo, e também era o né?!
Estávamos em frente ao ônibus e nada. Até que ele vem correndo.
- Nossa cara, onde você estava? - perguntou .
- Fui a um lugar aí...
- Onde? - perguntou .
- Resolver umas coisas... Vamos?
- Claro - falei. Subi no ônibus com as garotas e sentamos no sofá. Eu estava realmente cansada. Não dormi direito e o tinha tirado minhas energias.
O ônibus deu partida e ficamos lá na sala ainda, conversando uns com os outros.
- Essa viagem vai ser ótima! - dizia pra .
- Claro! - ela falava animada, mas eu via nos olhos dela que ela não queria mais estar ali.
me chama pro quarto que tinha no final do corredor.
- Oi...
- Olha, pra você não ficar pensando coisa... Eu fui até a Tiffany?s e mandei gravar o meu nome no seu e o seu no meu, com a data de hoje... - deu um sorriso de leve, o que me fez sorrir também. Ele tirou a caixinha do bolso e mostrou os anéis dentro.
- , você tem sido tão fofo ultimamente... Nem sei o que falar...
- Não fala nada, só aceite o anel de volta. Para não esquecermos desse dia ok? O melhor da minha vida, e espero que tenha sido o seu também.
- Pode ter certeza de que foi! - sorri e o beijei. Voltamos pra sala, e conversamos o que iríamos fazer nessa volta de New York até Baltimore. Resolvemos dar umas paradas, pra nos divertir!
Essa volta pra Baltimore promete!

Capítulo 17

Conversa vai, conversa vem. Decidimos o que fazer durante essa volta pra Baltimore. Algumas brincadeiras com castigo depois, invasão de casas, de novo, strip poker. Essas coisas!
- Bem, estamos chegando na próxima cidade... E o castigo vai ser da com o ...
- Ok, qual vai ser? - pergunta pro .
- Virar esses dois copos cheios de vodka, e tentar carona só de cueca e de calcinha e sutiã.
- Que isso, rapaz! Vai ver minha mulher de roupas íntimas não! - falou sério
- Tem que cumprir! A tá de sutiã há horas aqui. Faça como eu, coloque a mão assim - falou colocando a mão nos meus peitos.
- Que isso menino, tire as mão daí! - bati nele rindo - Enfim, essa história de tirar a roupa não dá certo.
- Mas é poker ... STRIP POKER! - Disse .
- Ele tem razão, . - falou .
- Realmente, deixe de coisinha e vão logo!
- Ok! , tirando as calças, enquanto eu tiro meu short. - falou . - Manda o motorista parar.
Enquanto eles continuavam lá, tirando suas roupas e bebendo depois os copos de vodka, abrimos a janela do ônibus e colocamos a cabeça para fora pra ver o movimento. Até que o grita.
- Esta vindo um... Corram!
e correram, desceram e ficaram pulando e acenando pra ver se o carro parava. O Carro simplesmente passou direto, com um cara mostrando a bunda pela janela. Foi constrangedor, mas foi muito engraçado. Ver a e o ficarem forever alone ali! O mandou o cara do ônibus dar a partida. Colocando a cabeça pra fora de novo, só víamos os dois correndo pela estrada. Já começava a escurecer. Então o teve dó no coração e mandou o motorista parar. Eles subiram, morrendo de frio.
- , se levante vá buscar um cobertor pra mim. AGORA! - mandou .
- Sim senhora! - me levantei e peguei o mesmo.
- Bem gente, vamos dar uma parada no poker e fazer outra coisa, próxima parada é invadir uma casa... Quando saímos da pista e pegarmos a rota da cidade.
- Ok. Mas, vamos ali no quarto, ? - disse.
- UH... VAI LA, GARANHÃO - zoou.
- Eu posso! Ninguém tem uma mulher dessas como a minha, falou? - falou o mesmo, me abraçando por trás. Deitamos na cama de casal do quarto extra e simplesmente dormimos. Precisávamos daquilo! O ônibus continuou no seu barulho. e defendendo o quanto Dora a aventureira era simplesmente bom, eles se combinam tanto! Depois de um tempinho, o me acorda dizendo que estávamos já na área das casas. Saímos do ônibus a procura de umas vazias. Estacionamos longe da tal casa. Era enorme, estava totalmente apagada. Eram mais de onze horas, não saberia ao certo. Pulamos a cerca de madeira, tiramos as nossas roupas e pulamos na piscina. Gritaria, bebidas, o bob esponja do tocando com o mp4 dele. Estava incrivelmente divertido.
- Gente, a luz da casa... - falou .
- Onde? - perguntou . Abaixei o volume do bob esponja e olhamos pra casa. Parecia uma cena de filme de terror. Maior clima divertido, e se torna tenso.
- Ali, a luz do quarto acendeu!
- IH, fudeu. A luz da sala agora, vamos vazar! - falou . Saímos da piscina pegamos nossas coisas, viramos pro portão, um homem começa a gritar.
- SEUS ANARQUISTAS INVASORES DE CASA! CORRE, ALEX, PEGA ELES! - o dono da casa soltou o seu cachorro de dez metros na gente. Jogamos as coisas pra fora, e os meninos ajudaram a gente a subir. Eu cai com tudo no chão, a ralou o joelho, e a saiu normal. Pode? Pegamos as coisas, e saímos correndo sendo acompanhadas dos meninos. O cachorro simplesmente pulou o portão de madeira e correu atrás da gente. Foi uma cena hilária, até paramos em uma casa, onde estava cheia de gente na frente, copos espalhados pelo gramado. Ou seja, a famosa festinha dada em casa de um americano, estava tocando All The Small Thing. É, correndo pela casa, eu e as meninas de calcinha e sutiã segurando as roupas, e molhadas, e os meninos de samba canção, com as roupas grudadas no pescoço, e molhados. Acho que chamamos um pouco de atenção. A música parou, todo mundo parou, vendo a gente subir as escadas e se trancar em um quarto, enquanto o cachorro ficava latindo do outro lado.
- FUDEU! - falou se cagando de medo.
- Ah, agora você tá com medo!? - falou .
- De um dinossauro desses, quem é que não tem medo? - disse .
- Veste a roupa, . - mandou .
- Ok. - coloquei meus short e minha blusa.
- Tá esperando o que, ? - falou .
- Hã? A ta. - pôs a roupa, enquanto fazia o mesmo. Sentamos na cama. E esperamos o som voltar. Até que batem na porta. abre com todo o cuidado, vendo que não tinha cachorro nenhum ali e só o dono da casa.
- Bem, colocamos o cachorro pra fora. É do nosso vizinho. - falou um menino com cara de atleta. - Meu nome é Kevin... Stifler.
- Olha só, a família Stifler existe! - disse - Mas vocês são como em American Pie?
O garoto olha estranho pra ele, e responde normalmente.
- Bem, Stifler é um sobrenome comum, mas digamos que sim... - ele fez uma cara de poder pra . viu, e partiu direto pra perto dela.
- Então - falou Kevin - Você são o All Time Low, que não sou besta, e essas são groupies...
- Groupie um caralho, seu filho da puta - alterou a voz.
- Calma, desculpa. Geralmente banda como vocês andam com groupies.
- É verdade, mas dessa vez não. Desculpa ai também cara - estendeu a mão. - Essa é , minha namorada e as amigas dela.
- é minha namorada, ok? - falou .
- Prazer Kevin. Então, desculpa estragar a sua festa, mas você viu né... O cachorro...
- O que vocês exatamente fizeram?
- Invadimos a casa do seu vizinho, tomamos banho de piscina, e foi isso. Estamos voltando pra Baltimore, mas não conseguimos correr pro ônibus, era a direção que o cachorro corria... Ou seja, atrás de nós...
- Mas já estamos de saída certo? - disse .
- Claro! Não vamos mais perturbar. - falei
- Não, fiquem, aproveitem... Depois vocês vão. All Time Low na minha festa? Vou ficar mais popular do que já sou! - falou animado. Nos olhamos e demos um simples sorriso. Como essas pessoas americanas se preocupam com isso.
- Ok, poderíamos ficar um pouco, beber umas cervejas e ligar pro motorista vir nos buscar. Capaz do dono da casa estar la fora. Ai ferrar tudo! - falou .
- Ok, ficaremos mas não vamos demorar. - falou .
- Meu pai deve ter ligado já, até agora nada da gente, quando estivermos no ônibus, eu ligo. - falei pra que acenou com a cabeça.
Descemos, e todos olhando pra gente de novo, dessa vez quem deu uma de ciumenta foi eu. Garotinhas olhando pro . Não porra, ele é meu e tire o olho!
Ficamos na parte do quintal, sentados em umas cadeiras de sol. Tomando cerveja naqueles copos azuis e vermelhos. Conversa vai, conversa vem, ligamos pro motorista e partimos de volta pra Baltimore. Ia dar quatro da manhã já. Troquei de roupa, coloquei uma calça de moletom e uma camiseta. Ligações do meu celular, só tinha meu pai. Acho que ele estava realmente puto comigo. Mas já sei a desculpa de dar a ele.
- Alô, pai? - falei calma.
- Minha filha, onde você está? Já era pra estar aqui faz tempo!
- Saímos tarde de NY e o ônibus quebrou na estrada, mas já está tudo resolvido. Já, já chegaremos.
- OK, venha direto pra casa. Depois você vê seu namorado. Tudo bem?
- Claro! Agora vou dormir, pai. Beijos! - desliguei o telefone e deitei na cama. Dormi de conchinha com o . Bem que falam que dormir assim é muito bom!
Acordamos já em Baltimore. E já estava em frente ao meu prédio. Precisava de um banho de meia hora e minha cama. Dormir até amanhã agora, estava realmente muito cansada. Mal dormi no último dia em NY, passei a noite acordada com os meninos e as meninas. Só dormi dez minutos no ônibus. É, parecia que EU quem estava em uma Turnê de um show atrás do outro. Teria que conversar com meu pai, sobre ir mais uma vez pra New York com as meninas no próximo final de semana. Show do McFly. Tinha tudo garantido já, ingressos, entrada pra camarim. Ele teria que deixar!
- Por favor! DEIXA! Prometo não gastar muito quando for da próxima vez!
- Não sei...
- Pai, eu conheci o baixista da banda, ganhei entrada pro camarim, TUDO!!
- Ele dá as passagens e paga o hotel também?
- Qual foi, pai... Por favor... Pensa direitinho ok? Minhas férias estão acabando... As meninas vão embora já... Será uma despedida... PLEASE!
- sabe disso? - falava olhando pra mim.
- Sim, sabe...
- E ele aprova?
Não sabia que ele tinha que aprovar eu ir pra um show e conhecer a banda que eu curto.
- Sim, não tem problema. Já conversei com ele.
- Ok, irei conversar com sua mãe... Depois eu lhe digo ok?
- OK... Vou deixar o senhor trabalhando...
Sai da empresa do meu pai e fui me encontrar com o ... Sair sozinha com ele. Passar um tempinho a sós, aliás não passamos tanto tempo juntos. Pegar um cineminha, jantar, dar uma volta de carro, cantar loucamente músicas no carro. Fazer coisinhas na casa dele. Entendem? Passar um tempinho a sós com ele. Sempre é bom.
Estávamos deitados na cama dele, até que meu celular toca. E quem atende é o .
- Alô? - ele fala ao telefone.
- É o celular da ? - uma voz masculina fala do outro lado.
- É sim... Quem deseja? - me olhava.
- Quem é? - perguntei.
- É o , ela está por ai? - fecha a cara pra mim.
- Está sim... Quem tá falando é o namorado dela...
- Opa cara, ela me falou de você... Mas tem como passar pra ela? Preciso resolver umas coisas...
- Hum, ok. - passa o telefone pra mim com uma péssima cara. Atendo o celular, e o vejo tirar o lençol de cima do seu corpo, se levanta e sai do quarto.
- Alo?
- , é o ... Seu namorado quem atendeu, é o da banda né? - falava.
- Sim... É ele mesmo...
- All Time Low certo?
- Sim...
- Baixei o cd deles... Muito boa... Sério mesmo... Quem sabe uma parceria não rola? - ele riu.
- Seria incrível... Mas e aí, como está?
- Bem, liguei pra saber mesmo se está tudo ok pro próximo final de semana. Estou meio ocupado agora...
- Então, falei com meu pai e ele vai dar a resposta hoje de noite. Te ligo pra falar ok?
- Ok, espero mesmo que ele deixe!
- Também espero... - fiquei calada. - Tenho que desligar agora..
- Eu também... Depois a gente se fala então.
- Ok, beijos. - desliguei o telefone.
Peguei a blusa do que estava no chão. Uma blusa preta do blink182 que ele tinha usado nessa noite. Me levantei da cama e desci procurando ele. Até encontrá-lo na cozinha sentando na mesa.
- Hey... - sentei ao seu lado. Estava tomando água.
- Terminou de falar com ele? Pensei que iria demorar mais...
- Nossa ... Ele só ligou pra saber do lance do camarim. Já falei isso com você... Não tem motivo pro ciúmes...
- Não é ciúmes.
- E é o que, então? - perguntei olhando pra ele. Que me ignorava totalmente. Estava simplesmente concentrado no seu incrível copo transparente com água.
Ele não falou nada.
- Vai ficar assim é? E mais uma vez a gente briga... Muito obrigada, ! - falei já saindo da cozinha e indo pro quarto dele. Troquei de roupa, peguei minha bolsa e desci as escadas. Passei pela porta da cozinha direto, indo em direção a porta principal.
- Já vai é? - ele fala do nada.
Tiro a mão do trinco, e volto até a cozinha
- Vou. Meu namorado está sendo infantil de mais e não quer conversar. - falei.
- Olha só, desculpa ok? - depois de um tempo ele resolve olhar pra mim - Eu estou com ciúmes sim. Aliás, tem um cara de banda dando em cima da minha namorada. Onde vivem se falando direto pelo telefone, é uma coisa totalmente desagradável sabia? Principalmente se for de um cara que ela nem conhece pessoalmente, é praticamente um estranho! E tem mais, o cara é bonito... Por que eu não estaria preocupado?
- Espera... Você não confia em mim, ! É isso... Só pode ser isso! - falei.
- Confio sim...
- Se confiasse não estaria assim! Caramba, ... Eu te amo, você sabe disso! TODO mundo sabe disso. Eu não te trairia com ninguém nessa vida! Sou e sempre fui fiel a você! E sempre serei.
- OK, desculpas! Eu sei que você é... Mas eu tenho medo de te perder ok? Pela primeira vez eu cheguei em rede nacional e disse que estava namorando e que estava feliz ao lado da minha namorada! Só não falei seu nome pra nenhuma psicopata vir atrás de você! Eu nunca amei uma pessoa como você ok? Não sei o que acontece comigo se eu te perder. Eu juro!

POV'S

Ao dizer aquilo ela simplesmente começou a chorar. Não aguentava vê-la chorando. Me sentia péssimo por isso.
- Me desculpa mais uma vez - falei pra ela.
- Tenho que ir pra casa, só isso...
- Então vai fugir mais uma vez. Ao invés de ficar e de resolvermos isso. - me levantei e fui até ela.
- Não, é só que...
Cheguei mais perto dela, colocando a mão na sua cintura e a fazendo colar com o meu corpo.
- Só que o que? Vai fugir pra sua casa, ficar com suas amigas, chorar no ombro delas, enquanto eu fico aqui com o pensamento pesado por não termos resolvido essa besteira.
- Eu sei...
- Então, lembra prometemos não brigar por besteira?
- Sim.
- Então é isso, foi besteira minha. Me desculpa mesmo assim.
- Vem comigo? - ela olhava pra mim sem lágrimas no rosto.
- Pra onde?
- Pra New York no próximo final de semana. Vem?
- Está falando serio? - ao ouvir ela dizer isso, eu queria sorrir, mas mantive minha boca do mesmo jeito, sem nenhum sinal de sorriso.
- Estou. É melhor também... Nossa primeira viagem juntos... Praticamente - ela sorria levemente.
Agora sim, poderia soltar o sorriso pra ela.
- Ok, irei com você!
- Estamos bem agora?
- Por mim está... E por você? - envolvi meus braços em volta do pescoço dela.
- Claro! - ela sorriu pra mim, retribui o sorrio e nos beijamos.
Tinha que controlar esses meus ciúmes. Muito!
- Tenho que ir pra casa do mesmo jeito, está ficando tarde.
- Não vai nada... Dorme aqui? - fiz bico.
- Queria muito, amor. Mas nem rola. Desculpa... Você me leva?
- Claro! Vou sou buscar as chaves. - dei um selinho nela e subi as escadas atrás das chaves do carro. Iria ficar a noite toda sozinho.
- Amor, dorme lá em casa...
- Nem falei com seus pais, melhor não.
- Deixe de frescura... Você fica no quarto de hospedes e eu posso te fazer uma visitinha de madrugada - ela sorriu mordendo os lábios.
Não resisti aquele sorriso.
- Tá bem... Vou só pegar umas coisas pra levar - subi novamente as escadas, peguei umas coisas e desci de volta. Partimos direto pra casa dela. Comemos umas besteiras e ficamos jogando super Mario bross no Nintendo. Uma relíquia aquilo, mas ela ainda tinha.
- , o que iremos fazer pro seu aniversário? - perguntou.
- Realmente... Temos que planejar algo - falei.
- Não sei... Vai ser no final de semana do show do McFly, poderíamos comemorar lá...
- Boa ideia... - disse .
- Tem uma ótima casa noturna lá, acho que não foram. Poderíamos ir, chamamos os amigos e curtíamos lá.
- Ótima ideia. - disse .
- Tenho que saber com meu pai agora! Ele deve me falar ainda hoje... Ele está no escritório conversando com a mãe.
Na mesma hora que ela fala isso, o pai dela aparece no seu quarto.
- , venha aqui por favor.
Ela se levanta, vira o rosto pra gente e cruza os dedos.
Depois de uns minutos, ela volta mais feliz que tudo.
- ELE DEIXOU! - disse alto pulando na cama.
- GRAÇAS A DEUS! - aliviou .
- Agora vamos planejar tudo! Ligarei pro Gabe e pro resto das pessoas pra aparecer lá. Vai ser foda! - falei pra ela.
Onde só fiz deixá-la mais empolgada.
? Mas e , vocês já tem dezoito?
- A sim, eu vou fazer no final do ano - disse .
- Legal... Se estiver aqui de novo, faremos uma pra você também.
- Isso é injusto comigo! - riu.
Conversa vai e vem com as meninas, resolvemos ir dormir. Fui pro meu quarto e a ficou no dela com as amigas. Mas de madrugada ela me fez a tal visitinha. Que foi bem produtiva. Ela acordou mais cedo pra poder acordar do lado das amigas.
Mesmo dia voltaria pra minha casa, estaria com o de volta. e não decidiram se vão morar de volta comigo e com o . Falei pro caras a ideia da festa. Decidimos como seria.
New York, estamos voltando!

Capítulo 18

Semana passando mais rápido do que nunca, já era amanhã do meu aniversário e estávamos no aeroporto pra pegar o avião e ir pra New York. Estava muito animada pra hoje a noite. Tudo pronto, marcado com os amigos. Quer dizer, mais amigos do e dos meninos do que nossos, o único que conheci foi o John e mesmo assim não me tornei amiga dele. Mas passaria a conhecê-los. Só poderia ser um sonho. Esse ano está sendo um dos melhores pra mim. Mas a única coisa em que eu parei totalmente foi com as minhas músicas. Parei de compor, de fazer vídeos e de gravar pro MySpace. Mas tudo sem o seu tempo, certo?
Chegando em NY, mandei uma mensagem pro dizendo que já estava lá. E quando ele chegasse ligasse pra mim, pra ver como faria pra pegar as entradas e tudo mais. Avisei que o estaria indo pro show comigo. Tudo certo e confirmado com o . Agora era ir pro hotel, tomar um banho e esperar a hora de ir pra minha festinha.
Fiquei no mesmo quarto que o , a e a juntas, o , o e o em um quarto triplo.
- Meninas, tenho que contar uma coisa pra vocês... Que já era pra ter contado...
- O que? - pergunta com os olhos abertos e com cara de assustada.
- Tá grávida? Tá doente? - fica do mesmo jeito que .
- Que?! NÃO! Que isso gente, é outra coisa! - dei uma leve risada.
- E o que é então? - falaram as duas.
Estávamos no meu quarto e do , mas ele tinha dado uma saída com os meninos, ai só ficaram nós três. Mas já estava quase escurecendo, então tínhamos que decidir que acessórios iríamos usar, qual sapato... Roupa já tínhamos, mas deixamos os acessórios por último. Foi quase uma mala inteira só com isso, as outras roupas seriam pro final de semana. Pro sábado e pro domingo, segunda voltaríamos pra Baltimore e na quarta a e a estariam voltando pro Brasil. Meu Deus, estaria sem elas mais uma vez! Mas estava passando bem rápido. E logo mais estaria virando o ano com elas de novo, ou aqui nos EUA ou no Brasil. Quem sabe né.
Estava sentada no meio da minha cama, enquanto as duas tiravam as coisas que iriam usar da mala.
- Então... Eu e o ... A gente, teve a nossa primeira vez... Claro como casal. Mas fiz sexo! - falei rindo e com o rosto quente. Teria ficado com vergonha. Primeira vez falando isso e vendo a reação da e da de "OH MEU DEUS, VOCÊ É UMA MENINA DO MUNDO AGORA", ou seja boquiaberta. Elas começaram a rir e correndo animadinhas pra me abraçar.
- Meu Deus! Não acredito! Conta como foi! - disse .
- Bem, eu sou a única forever virgem aqui - fez bico.
- Deixe de drama, terá a sua vez. Não tenha presa - disse - Então, foi a coisa mais linda e fofa do mundo!
- Quando foi, primeiramente, e onde! - perguntou ansiosa pela resposta.
- Então... Foi lá no hotel... Quando iríamos voltar com eles pra Baltimore... Depois da festinha no quarto. A gente saiu e foi pro quarto dele, ficamos só deitados conversando, até ele me disse umas coisas muito lindas, muito mesmo. Ai eu beijei ele e começou tudo. Foi lindo. Mas foi nessa parte fofa que eu que pedi ele em casamento. - ri.
- OWWWWWN! - e com enormes sorrisos no rosto falaram juntas - Conta mais, vai!!!
- Ok! - disse rindo.
Contei o resto dos detalhes pra elas. Contei também, que nesses dias já tínhamos praticado bem mais. Contei exatamente tudo mesmo! Depois nos concentramos nas nossas roupas e decidimos o que usar.
Já era quase dez horas e nada dos meninos. Tínhamos que estar na casa noturna às onze. E nada deles.
- Estou tentando o celular de todos, e só chama. - falava pra que estava passando a maquiagem. - Quer saber?
- O que? - falou a mesma.
- Vou terminar de me arrumar, já já eu ligo ou ele liga de volta. Coloquei uma mine saia azul bic de cintura alta, uma blusa da glamour kills branca, com o nome "great love" nela e um salto alto preto. Tinha que ficar sempre um pouco mais alta que o . Uns colares prata, meu chapéu coco. Cabelo meio bagunçado. E estava pronta.
As meninas não demoram pra terminar de se arrumar.
- Vamos esperar eles lá embaixo, na entrada do hotel. - disse .
- Vamos! - falei pra elas.
Descemos e ficamos no sofá esperando as quatro pestinhas voltarem de não sei aonde. Depois de uns dez minutos eles chegam.
- Estamos tentando falar com vocês a mais de duas horas, ! - falei meio irritada. - Meu, você sai com os meninos, e nem diz pra onde vai e se vai demorar! Tínhamos hora marcada lembra?
- Eu sei... Só vamos ok? - disse calmamente.
- Tá bom... - falei totalmente normal. Bem, eu estava preocupada ok?
Ele colocou o braço em volta dos meus ombros e me levou pra fora do hotel.
- Ah, você cada vez me surpreende. - disse.
- Hã? - eu sem entender.
- Está linda, ...
- Brigada, berinjela!
- De nada chuchu... Mas agora fecha os olhos - falou já colocando as mãos no meu, antes mesmo que eu falasse ?tá? e fechasse os mesmos. Andamos, quase caio em um degrau. Até que - Pronto.
- Oh , isso tudo? - disse sorrindo e sentindo meus olhos brilharem.
- Por isso sai sem avisar, sem nada... Tinha que correr pra ir atrás de uma!
- Mas é muito! Uma limusine dessas não tinha pra que!
- Claro... Como é que vai caber todo mundo dentro? - ele sorriu pra mim e abriu a porta pra entrar.
Estava toda iluminada com cores neon, muito linda dentro. Com taças de champanhe. Entramos e colocamos na maior altura a música An Honest Mistake do The Bravery. Partimos direto pra casa noturna. Tomando champanhe e ao som do The Bravery. Não tinha como começar melhor né?
Chegando na casa noturna, notamos que ela estava lotada, claro! Muita gente que não conheço, mas um grupo bem grandinho do outro lado, como se fosse uma "area VIP". Bem até agora eram o The Maine inteiro, do Cobra Starship estavam o Gabe, a Vicky, o Novarro; Do Boys Like Girls estavam o Martin, o Paul e o Bryan. Do Hey Monday só quem tinha vindo era a Cassadee e do Versaemerge a Sierra e o Blake. E claro, outros amigos sem ser de bandinhas que moravam na cidade. Mas enfim, estava simplesmente perfeito! Não consegui chamar nenhum dos meus amigos. Estava em New York, quem iria pra cá só pra ir em uma festinha? É meio difícil. Mas estava com a e a , e isso bastava! Era meio estranho já que a mal estava ficando com o . Eles davam uns amassos, depois passavam uns dias sem se tocar. Enfim.
nos apresentou pra eles, eu tinha simplesmente ficado super nervosa. Ok, o falou que iria chamar uns amigos, mas não achei que fossem eles! Conversei com todos, fotos, tinha como está perfeito esse aniversário? E tudo isso eu devo pro . Meu lindo peludo, !
Aproveitei meu aniversário do jeito que eu imaginava e muito mais do que isso. Esses últimos dias serão os que não irei esquecer de jeito nenhum.
Peguei o meu celular pra dar uma "tuitadas", hoje eu estava terrivelmente sóbria. Estava bebendo, mas não afim de ficar loucamente. Mas antes de abrir a pagina da internet. Tinha uma mensagem do .

"Parabéns , tudo de bom pra você, e que você vire uma cantora famosa, mas continue linda como sempre foi, e muito legal... É isso, parabéns! . ps: um dia pra te ver! *-*"
sempre fofo comigo. Retornei a mensagem e entrei no twitter pra postar algumas coisas.
Saímos da casa noturna todos juntos, ia dar três da manhã. Encaixar um bocado de gente naquela limusine, mas deu todo mundo. Foi muito hilário. Todos foram super legais comigo, a Sierra pediu o número do meu telefone, pra podemos nos encontrar depois. Quem imaginaria isso? EU mesma não! Eu devo estar sonhado desde sempre.
Depois de um tempinho voltamos pro hotel. Me despedi de todos, peguei meus presentes, minhas coisas e subi pro quarto. Chegando lá, tirei os sapatos, não estava mais aguentando eles, tirei os colares, prendi meu cabelo em um rabo de cavalo alto e deitei com tudo na cama. tinha ido ao banheiro e diz que tem uma pequena surpresinha pra mim. Já bastava a limusine, o enorme urso que tinha o nome de Charles, uma cesta cheia de chocolates e filmes da Audrey que eu tinha.
- Se senta...
- Tá bom... - sorri pra ele.
- Então meu chuchu tá ficando mais velha, e tá criando rugas...
- QUE?! - falei rindo.
- Mas continua linda, com ou sem rugas. Comprei uma coisinha pra você, e não quero que tire por nada! OK?
- Ok, o que é? Estou curiosa!
- Então, espero que goste... - falou pegando uma caixa de veludo preta. Quando ele abre tinha um colar prata com um pingente de envelope de carta, onde ele abria e dentro tinha gravado "PS: I LOVE YOU. - "
- , isso é tão... Tão lindo! Obrigada mesmo! Eu te amo mais que tudo, você sabe não é? - sorria pra ele.
- Você merece! Só isso... - ele sorriu pra mim e me beijou.
- Coloca pra mim? - falei me levantando e ficando de costas pra ele. Ele colocou o colar e lhe dei um abraço.
- Vamos fazer assim... Vamos ligar o rádio e a música que tocar iremos dançar, e será a nossa musica ok?
- Claro! - sorri.
Fiquei em pé, esperando ele ligar o som que tinha no quarto. Até que começou a tocar With Me do Sum 41. (N/A: coloque pra tocar)
- Não poderia ser melhor. - falei sorrindo.
- Dança comigo? - ele estendia a mão sorrindo.
- Claro! - dei a mão a ele.
Ele me puxou devagar até meu corpo colar com o dele, envolvi meus braços no seu pescoço e ele na minha cintura. Começamos a dançar lentamente, fiquei ouvindo cada letra da música, sentindo o coração dele batendo acelerado no meu ouvido, a sua respiração, seu cheiro. Meu Deus, como eu amava estar assim com ele! Como eu amava ter ele ao meu lado. Ele segurava na minha mão e me fazia dar giros.

A cada giro que eu dava nela, parecia que era em câmera lenta, parecia que aquilo estava em câmera lenta, via seus cabelos balançarem e voltar a bater em seus ombros. A cada vez que eu a parava na minha frente, via aquele sorriso lindo e doce que ela passava pra mim. Eu tinha a toda pra mim, era um cara muito sortudo.
Puxei ela devolta pro meu corpo, e continuei dançando lentamente.
Quando a música acabou, eu citei uma parte dela em seu ouvido.
- I?ll wait here forever Just to, to see you smile. Cause it?s true, I am nothing without you? (Eu esperaria aqui pra sempre, só pra ver você sorrir. Porque é verdade, eu sou nada sem você)
- Nunca se esqueça que eu realmente te amo ok? - olhei pra ela.
- Também te amo, . - ela sorriu pra mim. - Sempre!
- Nunca fui tão gay na minha vida como estou sendo agora - eu ri.
- Estamos sendo gays! Mas enfim... - ela me solta e fica na minha frente - Vou no banheiro tomar um banho...
- Ok, te espero aqui - falei me deitando na cama.
Ela demorou um pouco, até que sai do banheiro de pijama.
- Está cansada? - perguntei.
- Não.
- Então... - sorri.
- Então... - ela retribui pra mim vindo em minha direção.
Ai começamos com o rosque-rosque de novo.
Dia seguinte era o show do McFly onde eu iria só pra acompanhar a com as amigas. Iríamos todos, ficaríamos no camarote. Presentinho do rosado la pra ela.
Ela disse que estava vindo com a gente ai ele quis fazer esse agrado. Vamos só vê no que vai dar né.

Dormimos rápido na noite anterior e acabei acordando cedo de mais por conta do celular apitando com uma mensagem da Jennifer.
- Resolveu dar sinal de vida - falei sozinha
"AMIGA! Saudades de você... me avisa quando voltar de NY. Liguei pra sua casa e me falaram que você tinha voltado pra cidade que não dorme. Voltei da Califórnia ontem... Desculpa por não avisar e nem dar notícias. Te amo. - J"
Enquanto dormia abraçado com um travesseiro, me levantei e abri o notbook. Senti falta de usar o computador. Entrei no MSN, falei com alguns amigos do Brasil, entrei no twitter. Meus seguidores aumentaram de um nível muito grande. Até que... No twitter
"New York vamos detonar hoje!" Ótimo!
Logo em seguida, com menos de meia hora.
"Estou nervoso pra hoje! Como é que uma garota pode me fazer ficar assim?"
Usei o twitter normalmente, comentei do show do MCFLY de hoje. Postei muitas coisas do meu aniversário. Foi o melhor que eu já tive em toda a minha vida! E ainda comentei lá, por que tinha umas meninas falando merda de mim por conta da minha noite anterior e de hoje.
"Nunca fui famosa as custas dos meus pais, se você achar alguma coisa minha na impressa Brasileira chamando atenção me manda ai, ok?" E outro: "Se eu quisesse ser famosa entraria logo como atriz de malhação, se for por conta dos meus pais. Prefiro fazer as coisas do meio jeito." Continuando: "Sou humana como qualquer um. Tudo isso poderia ser com outras pessoas. A questão é: acredite em você mesma. Você vai longe!" Pra finalizar, com essas coisinhas "Não obrigo ninguém a gostar de mim. Se vocês gostam, ótimo! Se não, ótimo também...! I don?t care baby!" E agora, pra dar mais raiva a certas pessoas "Indo pro show do McFly hoje de noite, e CAMARIM! Xoxo"
Olhei a hora e eram só seis e meia. Desliguei o not e fiquei deitada olhando pro , até cair no sono de novo.
Fui acordada pelo , dizendo que já era perto da hora do almoço.
- Bom dia, pequena - dizia me dando beijinhos no pescoço.
- Bom dia, grandão - sorri apertando os olhos.
- Bem, vamos sair pra almoçar e ficar direto na rua e depois ir pro show, ou voltamos pro hotel?
- Não sei, você que sabe... Se quiser dormir mais, eu to com muita preguiça, queria dormir até a hora do show. - falei ainda com os olhos fechados - Acordei de seis e meia, usei o computador e tinha umas meninas falando merda de mim, por conta do meu aniversário. Devem ser alguma fã sua que me odeia - ri de leve.
- Deixe pra lá... - ele falou - Mas também estou com muita preguiça. Acho que vou em um restaurante chinês que tem aqui. Comeríamos no quarto mesmo, assistiríamos Oprah e de noite vamos pro show - falou rindo.
- Que nostalgia viu... Oprah? - ri
- Qual foi? A mulher é foda. - ele riu.
- Ok, ok... Assistiremos Oprah! - sorri. - Agora sai, vou no banheiro. - falei.
- Tá bem.
Quando me levantei alguém bateu na minha porta.
- Abre ai - falei fechando a porta do banheiro. Escovei meus dentes, lavei meu rosto e sai do mesmo. Encontrei a e o lá no quarto.
- E ai, vai com a gente almoçar? - perguntava.
- Não, vamos ficar por aqui mesmo... - falei.
- Estamos com preguiça... Vou sair agora pra comprar comida no chinês aqui do lado, e ficaremos aqui até a hora do show.
- Que mazela! - disse .
- Cadê a ? - perguntei.
- Lá embaixo com o e o ...
- Eles ainda estão juntos?
- Na verdade não... Ela chegou pra ele dizendo que não dava mais pra ficar com ele, e ele concordou. São amigos e fim.
- Motivo?
- Nenhum... Simplesmente ficaram sem vontade de ficarem... Ela disse que eles ficaram a última vez lá na casa do tal do Stifler, depois dessa noite, no outro dia eles conversaram e "terminaram".
- Que tenso... Ok então... - sorri.
- É... Vamos, ?
- Claro.
- Amor, vou descer com eles. Já volto - me deu um beijo e saiu com eles.
Fiquei na deitada na cama, enrolada com o edredom e o ar condicionado ligado, cortina fechada... Tinha como eu sair do quarto desse jeito. O quarto estava nem tão claro, nem tão escuro. Aquele clima, de que dá preguiça e que te faz dormir. Sabe? Não é a toa que decidimos ficar por aqui mesmo. Mas tinha que decidir com que roupa iria pro show.
Tomei vergonha na cara e me levantei. Abri as cortinas e abri a mala em cima da cama. Uma coisa eu tinha certeza: iria com a minha bota ugg. Mas de short ou de calça? E a blusa, uma regata com o nome "forever alone" e um cardigã por cima, ou uma blusa com um "fuck yeah" nela. Ok, eu amei essas blusas, encontrei em uma loja em New York. Não deu outra, vou pedir ajuda ao .
Depois de um tempinho, volta com duas sacolas uma era as caixinhas com a comida, e a outra refrigerante.
- Deu vontade de tomar uma coca bem gelada - disse ele. - Tá muito quente lá fora.
- Só pelo sol de agora dá pra imaginar... - sorri - Me ajuda aqui. Vou com qual? Regata, cardigã... Ou blusa, cardigã... E de calça ou de short?
- Burca! - falou colocando as coisas em cima da mesa. - Brincadeira.
Só fiz rir.
- E ai... Qual dos?
- Calça é melhor... Vai com a regata e a calça... - falou.
- Brigada, amor!
- Você me fez me sentir muito gay agora! Se eu virar gay vai ser culpa sua. Ai se eu virar gay, vou terminar com você e ir atrás de algum gay pra mim.
- GOD! Ok, não quero que vire gay. - ri - Que sem noção você agora, ... Sol afetou sua cabeça! (N/A: afetou desde de que eles nasceram kkk parei)
Almoçamos, assistimos ao programa da Oprah, dormi bem no comecinho dela. Coloquei meu celular pra despertar às cinco horas. Pra poder me arrumar e partiu show.
- , seu celular tá tocando - falou colocando o tênis.
- Alo?
- , é o ... Quero saber se você vai querer entrar antes ou depois do show no camarim, esqueci de perguntar isso.
- Depois do show é melhor...
- Ok então... Quando você for, vai nas entradas e mostra sua identidade e das suas amigas e a mulher vai entregar o cartão de passe. Ai, é só perguntar onde fica e pronto!
- Tudo bem... Já, já estarei indo...
- Ótimo, até lá então.
- Até.
- Quem era? - pergunta .
- ... Avisando como seria pra pegar as entradas pro camarim.
- Ok. Está pronta?
- Sim.
Peguei minha bolsa e fomos atrás do , da , da , do e do . Encontramos eles em frente ao hotel, pegamos um táxi e partimos pro hard rock.

Capítulo 19

Chegando no hard rock, estava lotado. Uma fila enorme, foi horrível passar até chegar a tal mulher que o tinha me falado. E várias meninas piraram quando descobriram que o All Time Low estava lá. Elas tipo, surtaram mesmo!
- Vai pegar o cartão e as entradas enquanto a gente distrai esse povo aqui - riu.
- Ok! disse.
Fui com as meninas até a mulher, pegamos as entradas e o cartão V.I.P pra entrar no camarim.
Acenei pro dizendo que já estávamos com as entradas, esperamos eles na porta e entramos dentro do hard rock. Compramos algumas coisas pra comer e subimos direto pro camarote que ficava bem do lado do palco, ou seja, a melhor visão nós tínhamos. Praticamente a mesma que as pessoas que estavam na pista e encostada na grade tinham. Éramos os primeiros a entrar. Mas depois de uma meia hora as pessoas começam a entrar, altas gurias correndo pra pegar a grade. Altas pessoas acenando pros meninos e tirando foto. Era uma cena e tanto.
Eu e as meninas rindo demais, daqui a pouco teríamos uma overdose de risos. Ficamos conversando, depois o DJ começa a tocar músicas pra distrair o público. e começaram a dançar junto com a . Peguei a câmera escondida do meu pai. Ok, sou má. NÃO! Mas ele tinha um ciúmes dela. Disse que pagou uma nota por ela, e agora ela estava aqui comigo. Então gravei tudo. Iria pra minha conta no youtube.
Depois de praticamente uma hora - sim, uma hora - o produtor do hard rock café chega pra delírios de todas. Sim, depois que ele sair daquele palco quem entrará será o McFly. Nisso eu comecei a ficar nervosa também.
??BOA NOITE, NEW YORK!??
O carinha fala primeiro e meninas gritam mais do que tudo.
??Bem, antes de chamar o McFly...?? e mais gritos ?? ...tenho que falar uma coisinha: estamos com a parceria da MTV...?? e mais gritos ??... onde irá passar o show do McFly ao vivo e eu irei anunciar o próximo reality show da MTV... Será um programa de novos talentos, novos cantores, novas bandas e que a seleção começará próximo mês! Então ao terminar o show, você que tem talento ou que conhece alguma banda, algum cantor, avise! A MTV começará anunciar o programa na TV hoje a noite! Fiquem atentos, ok!??
Enquanto o cara continuava a falar lá e as pessoas gritavam que nem doidas. e olhavam pra mim com o maior sorriso.
- , é a sua chance! Você tem que participar desse programa! - falou .
- Não... Você tá doida? Nem pensar! - falei revirando os olhos.
- Você estará sendo a pessoa mais burra do mundo se não participar disso...
- Gente, isso vai ser tipo "ÍDOLOS" e eu odeio esse programa...
- Mas é MTV! ACORDA PRA VIDA, CAMILLA! - falou .
- Elas tem razão, - disse pra mim. Ele me abraçou e ficou assim. - Terá todo o meu apoio, o apoio da sua família e das suas amigas. Isso é uma grande, grande chance!
- Vou pensar, ok? - falei.
- Pense durante o show e, quando acabar, se você decidir que sim, iremos fazer logo sua inscrição quando sairmos daqui... Ok?
- Ok, . - virei meu rosto e o beijei.
Altos flashes estavam vindo pro nosso camarote. Só pode ser brincadeira! O cara anunciava agora que o McFly já estava pronto pra entrar. Ele sai do palco, e todas as luzes apagam. Continuam tudo escuro, até que...
??HERE?S ANOTHER SONG FOR THE RADIOOOOOOOO...??
O começa o show com One For The Radio, me arrepiei toda e levei um puta susto também, do nada ele começa a gritar. As luzes acendem e eu enfim vejo eles tocando. vira o rosto pro que estava do meu nosso lado, e fala alguma coisa que não entendi. Não liguei, simplesmente curti o show.
A e a começam a cantar e a gritar junto comigo. me solta e fica do meu lado. Acho que ele não aguentou ficar atrás de mim naquela hora. Dei um beijo nele, pra não se sentir alone, por eu estar dando mais atenção ao show. O McFly deu sequência ao show com Do Ya e a terceira música foi Corrupted.
Via que os meninos estavam curtindo também. O comentou que eles tocavam bem. falou que as músicas eram legais, mas que não curtia o rosado . O que me fazia rir. Quando eles terminaram com Corrupted, eles deram uma pausa pra falar com as fãs. Até que o me vê, dá um sorriso e acena. Fiz o mesmo. Acenei e sorri de volta. Sinto olhando pra mim e pra ele. Aliás, depois disso, não parou de me olhar. Depois do ter dito uma coisa engraçada eles partiram pra I?ll Be Okay.
O show foi incrivelmente foda, muito bom! Quando eles cantaram Falling in Love, voltou a ficar atrás de mim.
- Eles cantam bem... As músicas são bem legais e essa agora é muito bonita. - falou ao meu ouvido.
Ok, ele foi legal com o Mcfly agora. Sorri pra ele e o beijei. Foram quase três horas de show, finalizando com Five Colours In Her Hair. Quando terminou esperamos esvaziar um pouco, esperamos umas fãs falarem com os meninos e partimos pro camarim.
Tinha umas meninas na porta já, esperando pra entrar. Umas entraram e saiam chorando.
- Nossa, é assim que elas saem depois que falam com os ídolos? - pergunta .
- Claro né! - riu.
Esperamos um pouco, até que o segurança nos chamou.
- Ei, vocês com cartão V.I.P por aqui!
- Hum... Vamos então - sorri animada.
Seguimos o segurança até uma outra porta totalmente vazia.
- Ele abriu a porta e mandou a gente entrar.
- Só as meninas! - barrou o All Time Low. SACANAGEM!
Quando entramos ficamos as três paradas perto da porta. Olhando o comendo uma banana, o arrumando o cabelo no espelho, o e o tentando escalar as paredes. É, realmente eles não eram normais!
- Ok, o que a gente faz? - falou baixo no meu ouvido.
- Não sei. - respondi. Continuamos paradas e no silêncio, claro por uns instantes, até que a derruba um abajur enorme do lado dela, onde faz um puta barulho. Só que ela tenta segura-lo e cai junto.
- Meu Deus, ! - gritei em português.
e levaram uma puta queda da parede, o virou assustado e o se engasgou com a banana.
Ajudei a a se levantar, enquanto a me cutucava.
- ... ... ...
- Que é? Dá dando uma de Sheldon Cooper agora é? - falei segurando o braço da e a puxando.
- Opa... - falou .
Simplesmente fiquei muito vermelha ao ver os quatros parados olhando pra gente. Quer dizer o no chão com o e o e o olhando pra gente com cara de ??quem são as doidas???. Mas começa a rir do nada.
- Oi... - sorri totalmente envergonhada - Meu Deus, , me desculpa por chegar fazendo essa bagunça. Fui até ele e o ajudei a levantar.
- Que maneira legal de se dizer ??cheguei?? - riu segurando a minha mão.
- Desculpa, mas a minha amiga ficou meia nervosa.
- Fiquei nada, ninguém manda deixar um abajur do lado da porta... - defendeu-se .
- Enfim, até que enfim eu te conheci né, - me abraçou e eu o abracei de volta.
- Então essa é a famosa , que o tanto falava? - perguntou .
- Famosa? Não... Mas o que o falava de mim? - perguntei dando uma leve risada.
- ELE... - o interrompeu.
- Nada... Então, apresente suas amigas
- Desculpa. Essa que derrubou o abajur é a ... E essa é a - apresentei elas para os meninos.
Falei com todos, conversamos a mil.
- E ai, vai participar do lance da MTV? - pergunta .
- Não sei... - falei meio assim.
Estávamos todos sentados no sofá do camarim.
- Eu disse a ela pra participar, o disse, todos disseram. Mas ela fica com frescura. ? disse .
- , seu namorado é? - pergunta .
- IHH! - falou .
- Cala a boca. - disse o mesmo.
- É.
- Ele está ai fora?
- Sim...
- Meu, chama ai então.
- Ok. Vou lá. - me levantei, abri a porta e sai.
- Vamos? - falou .
- Não...
- Ok, te encontro no hotel.
- Não seu leso, eles estão chamando vocês...
- Sério? - falou .
- Sim...
- Sei não... - disse desconfiado.
- Qual é? Só querem conversar.
- Conhecer os caras, vai ser legal. E eu fico de olho na , vamos. - disse
- É, vamos! - disse
- Tá. - falou um super criança.
- Ah, obrigada! - falei animada.
Abri a porta e entrei com os quatro. Meus Deus, All Time Low e McFly juntos. Só podia ser sonho!
- Então. McFly , All Time Low. All Time Low, McFLY - apresentei as bandas.
- Então? Sou ? , e .
- É, esse eu sei quem são. - falou dando uma leve risada e estendendo a mão pro . - Prazer, cara.
- Prazer - apertou a mão do .
- Então. Eu sou , , e ...
Ficamos conversando um bom tempo, eles se deram bem até então.
- E ai, vamos pra uma festa agora do Hard Rock, comemorando não sei o que... Estão a fim de ir com a gente? - pergunta .
- Pode ser - fala olhando pro e ele retribuindo com um sorriso.
- E aí, vamos? - pergunta pra gente.
- É, pode ser - respondemos.
- Vão de que? - pergunta .
- Táxi - respondeu .
- Se quiserem ir na van com a gente, sem problemas - falou .
- Melhor ainda - disse sendo simpático.
- Ótimo! Esperamos lá fora então - falei.
Saímos do camarim e ficamos no corredor esperando os outros meninos saírem de lá. Não demorou muito, mas o não estava.
- Cade o idiota do ? - pergunta .
- Não sei, vamos esperar ele lá no estacionamento.
- Beleza. Vamos! - falou pra gente.
Partimos pro estacionamento e ficamos esperando o lá. Comecei a gravar tudo. Os meninos do McFly começaram a brincar de Star Wars com os meninos do All Time Low. QUE CENA LINDA!
O começa a imitar a voz de Darth Vader e os outros começaram a lutar como se estivessem com uma Sabre de Luz.
- A minha sabre de Luz é a rosa - disse .
- A minha é a rosa! - falou .
- A minha é AZUL! - gritou .
- A minha é a bandeira gay, e eu to matando todos vocês! - gritava e corria fazendo barulhinhos com a boca.
Eu estava morrendo de rir. Sério, acho que teria uma overdose de risos depois disso. Até que o chega gritando e esbarrando em uma lata de lixo, só que vazia.
- Nem esperam, não é? - falou.
Dessa vez, TODOS de uma vez começaram a gritar e a imitar o barulhinho das espadas de luz.
Até que cansam e todos suados. Sim, suados!
- Vem cá me dá um beijinho, vai - falou vindo pra cima de mim.
- ECA JACK, SAI PRA LÁ! - sai correndo.
- Vamos, gente? - disse o motorista da van.
- Partiu! Gatinhas da night, aqui vamos nós! - disse .
- Ui, garanhão. - disse rindo.
Gays se atraem. Como eles podem ser tão gays assim?
- E aí , vai participar do lance da MTV? - pergunta , já sentado na minha frente e eu estava sentada no colo do , pois lugar não havia mais.
- Não sei... - falei já sendo interrompida pela .
- Deixe de sua frescura, todos aqui sabem que você tem potencial pra participar disso. E participe logo dessa merda, ou você será uma menina morta por mim! - falou ofegante - Cansou, viu.
- Nossa, depois de uma dessas eu participava - riu - Que menina do mal você!
- São seus olhos - disse a mesma.
- Seu prazo pra pensar era até depois do show. Diga agora. - disse .
- Ok, eu participo... - falei.
- Ótimo! - falou me dando beijos no ombro, enquanto não parava de nos encarar.
- Amanhã iremos até a MTV e faremos a inscrição antes de ir ok? O vôo é só de noite.
- Tudo bem, agora eu fiquei animada! - dei um leve gritinho.
- Vamos comemorar ok? - disse .
- O que? - perguntei.
- A sua decisão horas, vá por mim, temos que começar de agora! - riu.
- e suas previsões - disse . - Estava eu e o no carro, voltando pra casa, ai ele disse que o esquilo ia morrer, só que não tinha esquilo nenhum por perto.
- E o que aconteceu? - perguntou .
- Apareceu um esquilo bem na minha frente...
- E?
- Ele atropelou o esquilo - disse - Assassino!
- Você nem me disse como, nem que ia ser eu! Eu matei o esquilo atropelado. Do nada ele se teles transporta pra frente do carro! Foi tenso, por que o saiu do carro gritando comigo. - disse rindo.
O que fez todos nós rirem!
- Então, que sua previsão seja certa sobre a , meu caro - riu .
- Também espero!
- , PAI Diná! - disse .
Quando chegamos na festa, estava lotada, cheias de fotógrafos. Que param tudo e viraram pra nossa van.
- É hoje que eu saio em mais uma notícia. - falei pro .
- Vamos passar direto. - falou o mesmo.
- Não, faz assim: eu e as meninas saímos primeiro e nos encontramos lá dentro, ok? - falei - Todos vocês! Mas não demorem!
- Ok! - falaram os oitos garotos.
- Ótimo. Vamos, girls! - abriram a porta da van e vários flashes viram na nossa cara. Simplesmente abaixamos o rosto e passamos direto. Entramos e o lugar estava animado. Tocando Right Round, do Flo Rida.
- Vamos ficar ali, fácil deles nos verem - apontei pra uma mesinha com algumas cadeiras em volta. A mesa era com luzes neon. Brilhava, muito linda. Sentamos lá e esperamos os meninos voltarem, o que não deu um minuto.
- Demorei? - perguntou.
- Muito. - mordi os lábios.
- Vamos! - me puxou pra pista de dança e dançamos a música do Flo Rida. Nunca vi ninguém pra gostar tanto de dançar quando o . Tirando eu, claro!
- Por que você gosta tanto de dançar? - perguntei ao ouvido dele.
- Por que é uma das partes na festa que eu fico assim com você, totalmente colado. - ele riu.
- Pervertido! - sorri, ele me puxou mais pra perto dele e me beijou. Soltei e voltei a dançar. Olho pro lado e dava-me um aceno com a mão. Só sorri. E voltei a dançar. olha pra trás e me puxa mais uma vez pra perto dele.
- Amor, pega uma bebida pra mim? - falei pra ele.
- Claro, o que você quer? Vodka? - ele sorriu.
- Adora quando bebo vodka, não é? - sorri.
- Quem disse isso? - fez malicia no rosto.
- Não, vodka agora não. Um Martine rose. - sorri.
- Uh, ok. Vá pra mesa! - disse .
Voltei pra mesa e sentei. Minha roupa mais linda que tudo, eu de botas ugg na festa do Hard Rock Café. TENSO! Mas foda-se!
- Dança be.m - disse .
- Que? - perguntei sem entender.
- Você dança bem. - sorriu.
- Oh... Obrigada - fiquei vermelha. Estaria me espionando?
- Olha, sabe de uma coisa? - perguntou o mesmo.
- O que?
- Você vai ganhar esse programa.
- Mais uma previsão sua... - ri levemente.
- Não, eu só tenho certeza que você tem uma enorme capacidade. Sério, acredito em você.
- Oh, fofo... Obrigada, serio! Isso ajuda bastante, saber que tem pessoas do seu lado... Quer dizer, você esta não é? - ri.
- Claro né!
- Ótimo! - sorri.
- Estamos com sorte! - disse junto com o .
- Por quê? - perguntei.
- Realmente, por quê?
- Pegamos até agora três! E acabamos de chegar! - disse .
- Falam como se isso fosse uma coisa que nunca fazem - disse .
- É, realmente somos fodas, lindos e gostosos. Hi5, ! - disse
- HI5! - riu . Saíram em direção da pista de dança, passando pelo que estava com a minha taça de Martine e seu copo de cerveja.
- Aqui, um rose e cerveja pro meu bucho - riu.
- Obrigada - sorri.
se encostou no meio das minhas pernas e ficou por lá mesmo. Curtimos toda a festa com os meninos do McFly e do All time low. Voltamos pro hotel era quase cinco da manhã, arrumamos nossas coisas logo quando chegamos, comemos algumo e deitamos era quase sete da manhã.
Pegaríamos o avião só de noite pra voltar pra Baltimore.

Capítulo 20

Chegamos em Baltimore, fui resolver a volta das meninas e já tinha um recado dizendo que elas estavam quase esgotando o prazo de estar nos EUA.
- Não acredito que vão embora amanhã já! - falei.
- Passou tão rápido as nossas férias aqui!
- Não quero ir embora! - chorou .
- OWN! - nos abraçamos!
- Mas gente, talvez eu vá pro Brasil no final do ano! Isso se eu não ganhar o programa, e se eu passar também - ri de leve!
- Você vai ganhar! - disse
- Sim, claro que vai! - engoliu o choro.
- Gente, peguei o ! - falou e tapou a boca com a mão.
- COMO É? E VOCÊ SÓ NOS CONTA AGORA?! - gritei com ela, que fez rir.
- Foi na festa do hard rock. Ele foi fofo demais. Gente, estou apaixonada! SÉRIO! - arregalou o olho.
- Nossa - disse - E eu e o , vai ser tenso amanhã. Me ferrei bonito por ter ficado com ele. Sério! QUE MERDA, ! - falou alto - Vou chorar de novo - falou já pegando um lenço de papel.
- Calma, amiga... Assim, sem drama... Ok? Agora é bola pra frente! - falei pra mesma.
- É, você tem ração... Sem drama, vou seguir em frente - sorriu.
- Então, vamos passar o restinho do dia juntas e aproveitar! - disse .
Nos encontramos com a Any e a Jennifer. Saudades delas duas! E fomos pro shopping, comemos besteiras, fizemos tudo que estava ao nosso alcance.
- Pra fazer a despedida delas... Vamos invadir uma casa de novo? - falou Any.
- CLARO! - concordei.
Procuramos casas pra invadir e encontramos uma. Tomamos o nosso banho de piscina, estávamos virando marginais já. Terceira casa que eu invado. Só faltava fazer piche.
Ficamos até às cinco horas da tarde, meu pai ligava pra mim dizendo que era pra ir pro restaurante, jantar com eles. Ok, eu iria pra lá, TODA molhada. Qual desculpa eu iria dar?
"PAI, CAI NA FONTE!"
- Fudeu! - disse pra e pra quando estávamos em frente do restaurante. Paradas olhando pra porta, enquanto o segurança nos olhava com uma cara estranha.
- Qual foi? - pergunta - Caímos na fonte, ok?
- Para, doida! - ri - Oi, vim me encontrar com meus pais...
- É, pode entrar, vou mandar pegarem uma toalha pra vocês. - disse o segurança rindo da nossa cara.
- Esse cara tá de miséria comigo! - falou .
- Qual foi? Virou mano do gueto agora, foi? - riu.
- Sempre fui de lá, você que nunca percebeu - riu .
- Aqui, podem entrar. - o segurança nos entregou a toalhas e abriu a porta pra gente.
- Caralho, que frio! - falei alto. Todo mundo parou de comer e olhou pra gente.
- E aí! - falava - Cai na fonte.
- Para! - ri. Procurei a mesa dos meus pais e fui sentar com eles.
- Mas o que é isso? - pergunta minha mãe.
- É que... - quando a ia terminar a frase com "caímos na fonte", meu pai a interrompeu.
- Prefiro não saber - riu da gente.
Sentamos enroladas na toalha, mortas de frio por conta do ar condicionado do restaurante. Jantamos e comemos mais besteiras. Aproveitamos tudo, a comida de lá era ótima, fazer o que né?
Voltamos pra casa, tomamos um bom banho quente e ficamos assistindo TV. Dia seguinte iria levar as meninas pro aeroporto, então eu iria continuar as minhas férias sozinha e depois começar com as aulas de novo. Não via a hora de voltar a pisar no Brasil de novo! Mas iria demorar muito!
Dia seguinte, o vôo das meninas eram de manhã, acordamos cedo, pra deixar as mesmas no aeroporto.

- Meu, vou sentir muita saudades de vocês! Me liguem sempre, ok?
- Ligaremos sim! - falou .
Demos um abraço e ela foi falar com o . Nos despedimos e ficamos na sala que dava pra ver a pista com os aviões.
- Cara, o que vai ser de mim sem a ? - falava pra mim, mas olhando ainda pra janela.
- , você realmente gostou da ou foi só lance de agora? - perguntei olhando pra ele.
- Eu juro pelo , por tudo! Eu acho que me apaixonei por ela...
- Acha?
- É. Tipo, é diferente, estranho. To sentindo uma dor aqui, vendo ela ir embora. Queria ela aqui, sabe?
- É, pelo que eu já senti... - dei uma leve risada - Você tá mesmo gostando dela. Ou como você me disse: apaixonado.
Quando terminei de falar isso, o meu celular muge com uma mensagem da .
"A tá chorando litros aqui..." Retornei pra ela "E o disse que tinha se apaixonado por ela, tá todo sentido... Cuida da ai ok? Qualquer coisa, call me. Xoxo"
Esperamos por uns minutinho a mais e o avião levantou voo.
- É, agora o lance é esperar pra vê-la de novo. - falou saindo da frente da janela, com as mão no bolso - Vamos logo.
- E sabe quem vai aguentar isso tudo agora?
- Quem? - perguntei pro .
- Eu! A ultima vez que ele se apaixonou de verdade, foi no colegial. E sofreu pra caramba. Até chorou! Meu chorou! - riu de leve.
- A chorou ontem e está chorando agora. Olha a mensagem da . - mostrei o celular pro com a mensagem.
- É, eles vão casar! - disse o mesmo.
- Nossa, será? - ri.
- Não duvido nada. - falou colocando a mão no meus ombros.
Depois do aeroporto fui pra casa do , vê se animávamos o . Mas ele tava na bad mesmo.
- Não vai adiantar. Da última vez ele ficou assim por quase cinco meses, sem ficar com ninguém, nada. - disse - Estava achando que ele estava virando gay.
- Ele é gay! - disse - E eu não aguento mais ouvir Hey There Delilah! Sério!
- É, disso não temos duvidas.
- Vocês são gays e fim de papo! - falei rindo.
- Ela tem razão, estamos fodidos. - riu .
- Eu não, você que está! - falou .
- Por que eu estou e você não? - cruza os braços.
- Por que eu sou eu, e sou melhor que você. - fechou os olhos.
- Por quê?
- Por que eu sou eu. Então fim.
- Claro que não! Sou lindo e RYCO, com "Y" - falou (N/A: especial pra minha amiga @earthtolary. Sim, ela é RYCA, q )
- NÃO! EU SOU RYCO COM ?Y?, SENSUAL E ENVOLVENTE! E FIQUEM CALADOS - gritou .
- NÃO, SOU EU! - falaram e juntos.
- CALEM A BOCA! - gritei - Nossa... Ninguém é RYCO com ?Y?, ok? Eu que sou e fim de papo! - comecei a rir. Até que o aparece na cozinha.
- Oi cara, como você tá? - pergunta .
- Ótimo! - ironizou - Como você acha que eu estou? Perdi a mulher da minha vida porque eu moro aqui e ela lá. - falou já dando as costas e indo pro quarto.
- Vou conversar com ele - disse .
- Não, deixa que eu vou... - dei um leve sorriso.
Subi as escadas e fui até o quarto dele. Ele estava pondo pra repetir Hey There Delilah pela milionésima vez.
- Posse entrar? - dei uma leve batida na porta.
- Claro, , entra ai...
- Então...
- Então que eu to aqui e ela vai me esquecer. Ela nem me amava, eu acho.
- Acho que amava sim, . Conheço minha amiga...
- Amava? Sério? Ela nunca me disse... Quando tivemos a nossa primeira vez, eu falei que a amava. Sério... Não minto pra isso, ok?
- Vocês tiveram a primeira vez? - perguntei sem acreditar. - Ela não me disse, por isso ela ficou totalmente desesperada!
- Ela não contou? Pois é, tivemos e eu a falei que a amava naquele dia. Disse depois, disse sempre que estava com ela, mesmo ela só dando leves sorrisos pra mim. - ele andava pro lado e pro outro nervoso.
- Olha, ela te amava sim! Quer dizer, ama. A me mandou uma mensagem dizendo que ela tava chorando muito quando entrou pro embarque e ontem ela chorou muito também. Falando que estava ferrada por ter se apaixonado por você. Acho que ela não disse "eu te amo" também, achando que assim não se apaixonaria por você. Mas não adiantou.
- Sabe essa música?
- Sei sim...
- Pronto, quando nós terminamos, você sabe... Escutamos ela no mp4 dela. Ai eu disse que seria a nossa musica. Só que com o nome dela no lugar de Delilah. Sabe o que ela fez?
- O que?
- Ela deu um sorriso e caiu uma lágrima do olho dela. Fiquei sem entender, mas...
- Olha, eu conheço a mas do que tudo. E ela se apega as pessoas muito rápido, não teve um relacionamento que ela não tenha chorado. Nem sofrido o bastante.
- Sério? - ele perguntou com os olhos arregalados e parava de andar pros lado, sentando no chão.
- Sério! Eu acho assim... Não fique desse jeito, ela só ficou assim por que vai sentir saudades. Mas se você quiser algo realmente sério com ela, ligue amanhã e diga, ok? Ela vai esperar por você e vise e versa.
- Tem razão... Vou fazer isso.
- Ótimo! E olhe, estou aqui pra tudo tá? Não sou só a namorada do . E claro você tem todos os seus amigos junto de você. Tá bem?
- Brigadão, ! - ele deu um leve sorriso. - Vou tomar um banho e vou dar uma dormida, acordei cedo.
- Ok! Você sabe meu número, qualquer coisa: call me! - sorri. Sai do quarto e repetia Hey There Delilah mais uma vez.
- E ai? - pergunta .
- E ai que ele vai levar pra frente.
- O que? A ? - pergunta .
- É, acho que sim...
- Nossa, quem é esse ? - ri.
- Para, gente! - dei uma risada leve.
Passei o dia na casa do com os meninos. Vai que o precisasse de algum ombro amigo feminino, mas do gênero mesmo?

Dia seguinte recebi uma ligação da produção da MTV, dizendo que tinha sido selecionada pra próxima fase. Gostaram das minhas músicas que tinha no MySpace e viram alguns vídeos meus. Seria em Baltimore mesmo. Tive sorte. Liguei pro avisando, ele disse que tínhamos que comemorar e que estaria vindo pra minha casa.
- Amor, tenho que ir até Los Angeles esses dias! - falou pra mim.
- Sério? - me levantei e sentei do lado dele na cama, me cobrindo com o lençol. ? Nem vai estar aqui pra audição do New Idols MTV? - perguntei. Sim, o nome era tenso... E tosco. Mas fazer o que né? Ele te dava um contrato com a universal. E ainda mais, ficaria famosa rápido. Gente, é a MTV!
- Desculpa, chuchu. - fez bico.
- Sem problemas, vou com a Jennifer ou com a Any! - sorri.
- Ok, você me liga não é? Quando terminar?
- Claro e eu acho que o resultado sai no mesmo dia.
- Ok.
- Vou tomar um banho! - dei um beijo nele e me levantei enrolada com lençol verde kiwi.

A semana passou rápido, já estava indo pra Los Angeles com os meninos e eu iria ter a minha audição da MTV. Eu tinha que passar!
- E aí, , está animada? - perguntou no telefone.
- Sim... E nervosa também... É amanhã já!
- Eu sei... Antes que eu esqueça. A revista CAPRICHO descobriu tudo sobre você e o Jack... E a gente. No caso eu e a .
- E...
- E que querem fazer uma matéria com a gente, claro. Você era um pouco conhecida já aqui no Brasil. Por conta dos pais e agora depois disso. Já sabe!
- Não quero matéria minha na capricho! Não sou famosa pra sair por aí em revistas... Sabe?
- É, eu sei, então vou esperar eles retornarem pra e avisar.
- Está bem, amiga. Agora vou desligar. Descansar e sair bem cedo, te ligo amanhã depois da audição ok?
- Ok, te amo! - disse já desligando o telefone.
Dormir, era o que eu precisava. Estar ótima amanhã!

- Acorda, ! - falava a empregada. A Jennifer está ai já. E chegou isso pra você. - a empregada me acordava e deixava dois envelopes no criado mudo.
- Acorda, vadia! - Jennifer entrava no quarto.
- Olhe os modos... - eu ri.
- Nossa, é o resultado da Brown e da Universidade de NYU!
Me levantei mais rápido ainda e peguei os envelopes. Abri primeiro o da Brown, li tudo e via que não tinha entrado nela.
- Não entrei pra Brown! - disse pra Jennifer.
- Veja a da NYU agora... - dizia ela.
Abri o envelope da NYU e tinha dizendo que tinha sido aceita.
- ENTREI! - gritei pulando da cama. Como tinha entrado pra NYU, eu já estava aprovada no terceiro ano! Estados Unidos, como eu te amo! Se fosse no Brasil, teria ainda que estudar pra caramba pra poder passar no terceiro ano... Uma coisa já tinha garantido, poderia participar do programa de boa. Tomei banho, troquei de roupa e fui pra audição com a Jennifer.
Chegando lá, tinha uma enorme fila, fiquei sentada no chão esperando. Até que eu vejo uma pessoa de xadrez, bem branquinho e de calça justa. Sim, era o . Mas o que ele estaria fazendo aqui nos EUA, principalmente em Baltimore?
Me levantei, mandei a Jennifer esperar na fila pra não perder a vaga e fui até ele.
- Hey! - falei tocando em seu braço e dando um sorriso.
- Oi, ! - falou com um sorriso enorme em seu rosto.

Capítulo 21

- O que você está fazendo aqui? - perguntei ao .
- Vai nem me dar um abraço e dizer: ??estava morrendo de saudades de você, , vem cá e me dá um abração?? e dar um enorme sorriso. Por que olha, eu faria isso - ele ri.
- É, mas não faz nem uma semana eu acho... Não sei quando a gente se viu - ri de leve.
- Pois é, mas eu estou com saudades. - ele dava aquele sorriso dele, que me deixava vidrada.
- Tá. Também estava... Mas...
- Mas, antes de perguntas, me dá um abraço aqui - ele abriu os braços.
- Tá bem! - sorri para ele e o abracei.
- Isso é bom - ele riu. - Então, agora pode começar as perguntas.
- Tá, mas, o que você está fazendo aqui em Baltimore?
- Então... A comissão da MTV me chamou pra ser um dos jurados nessas seleções... Ai vim! - falava.
- Ah, que bom então! Acho que vou ficar com vergonha de cantar na sua frente. - torci a boca.
- Que nada, vai se sair bem!
- Então, te vejo lá dentro? - perguntei.
- Claro... Quando isso tudo terminar quer sair comigo? Claro se não tiver problemas com o .
- Claro, ele tá em Los Angeles. Mas mesmo assim não terá problemas - falei. - Agora vou indo, a fila tá andando e deixei minha amiga lá me esperando.
- Ok, te vejo lá dentro - sorriu, deu-me um beijo na bochecha e saiu andando.
Ok, na comissão de jurados da MTV, só podia ser brincadeira. Eu ainda estava meio que sem acreditar. Mas enfim, teria que cantar não só pros outros jurados, mas como também pra ele.
O lance das musicas era, se você tiver uma própria, cantá-la e outra de algum artista. Escolhi cantar Where Is My Head, do Hey Monday. A seleção estaria sendo gravada, para passar na TV depois. E sim iria assistir e iria ver o lá sentado. Não sei, mas morria de ciúmes dele, de nenhum outro cara, mas do ele se matava de tanto ciúmes! Chegava a ser uma coisa tensa!
- E ai, o que ele estava fazendo aqui? - pergunta Jennifer.
- Vai ser jurado durante as seleções de candidatos.
- Nossa. Acho que ele está afim de você.
- QUE?! Tá doida? Nunca. Ele sabe que tenho namorado e nunca daria em cima de mim. Somos amigos - disse. - É estranho dizer que do McFly é meu amigo.
Quando falei isso, a menina que estava na minha frente olhou para mim.
- Qual é ! Depois do que você me contou sobre o que aconteceu lá em New York, tá na cara.
- Para Jennifer, ele não está e ponto.
- Tá bem. Depois não diga que eu não avisei - dizia, fechando os olhos.
- Lesa! - ri.
- Te amo! - deu língua.
Passamos quase três horas sentadas no chão, esperando que a minha vez chegasse. Estava morta de fome, cansada e me sentia mais suja do que tudo!
Mas não demorou muito e a minha vez chegou. Recebi um número lá, para por no pescoço. Sim, igual a Ídolos. Oh coisinha triste!
- Nervosa? - perguntava a mulher que pegava meus dados.
- Um pouco...
- Pode esperar ali naquela cadeira, quando a outra pessoa sair, você entra.
- Certo - sorri.
Esperei aonde a mulher tinha mandando. Depois de uns dez minutos a pessoa saiu, que era a menina que estava do meu lado. Ela saia na maior felicidade do mundo.
- PASSEI! - gritava ela.
Aquilo me deixava mais nervosa ainda.
- , pode entrar! - dizia o segurança que ficava por dentro da sala de audição.
Entrei e parei em frente dos jurados.
- Bem ... Quantos anos você tem? - perguntava uma mulher chamada Lisa.
- Tenho dezoito anos - disse.
- Bem, pelo que vi, você já tinha uma musicas gravadas no seu MySpace não é? E uns vídeos também... - falava um Charlie.
- É, gravei tudo quando morava no Brasil, as outras gravações foi tudo improviso.
- Gravou onde lá?
- Meus pais são cantores no Brasil. Ai aproveitava e ia gravar umas minhas, mas tudo por diversão.
- Sei... E quais as músicas que você vai cantar? - dessa vez perguntava.
- Hum... Vou cantar uma de minha autoria, que é a Go To Hell, que na gravação ela é tipo um rock junto com um eletrônico - dei um sorriso. - E uma do Hey Monday, Where Is My Head.
dava um sorriso e dizia pra prosseguir. Sentei-me em uma cadeira que a produção tinha me dado, peguei o violão e toquei primeiro a minha musica, na versão ??acústica??. Terminei e esperei eles falarem alguma coisa.
- Bem, você tem uma ótima voz e a musica é bem interessante - falava Lisa.
- Boa compositora também! Poderia ganhar a vida assim - brincou Charlie.
- É, eu sei - falou .
- Sabe? - pergunta Charlie.
- É... Eu ouvi umas musicas dela no MySpace esse dias - ele mentiu e me deu um sorrisinho.
- Obrigada gente!
- Então, cante a próxima música.
Arrumei o violão e comecei a cantar. Enquanto cantava a música do Hey Monday, eles anotavam alguma coisa lá. Isso me deixava nervosa, mas dei o meu melhor. Esperava que eles gostassem. Definitivamente queria seguir essa carreira, pelo menos depois de hoje, de agora!
Terminado a música, levantei-me e entreguei o violão para a produção do programa.
- Então... - falava Lisa. - Você tem uma ótima voz, compôs muito bem... Só precisa fazer alguns ajustes em alguns tons, mas quanto a isso, pega com o tempo.
Minha mão suava mais do que tudo.
- Então, é SIM, você tem a minha aprovação - falava Lisa. - Charlie?
- Concordo com a Lisa, canta bem e tem potencial para a próxima fase, mas precisa ajustar algumas coisas. Mas pra isso, precisa de três "sim"! - falava o Charlie.
Ok, eu te amo, me passe!
- Então, eu te dou um SIM! - dizia dando um sorriso.
- Bem dona , não tenho o que falar. Os dois já falaram tudo, agora é você arrebentar na próxima fase! - dizia . - Vai lá fora e grite que passou - deu-me um sorriso enorme.
Minha felicidade aumentou mais do que tudo.
- GENTE, MUITO OBRIGADA! - falei querendo gritar.
Saí da sala pulando e gritando, parecia uma doida.
- JENNIFER! PASSEI! - dei um pulo, abraçando ela.
- OH MY GOD! SERIO ?! - gritava junto comigo. - Parabéns amiga! Você merece mais do que TUDO!
- Obrigada!!! - soltei ela e fui tocada por alguém
- Então, vou deixar vocês a sós - disse Jennifer.
Quando me virei estava na minha frente.
- Demos uma parada na gravação, tomar uma água e tal - disse.
- Me diz que você me passou, por que eu tinha potencial mesmo!? - perguntei a ele.
- Claro que foi! Mas meus Parabéns, você impressionou os jurados. Eles comentaram muito sobre você.
- SÉRIO?! O que eles falaram? - perguntei animada.
- Isso eu não posso contar... Mas então, quando acabar aqui, quer dar uma volta?
- Quero, para onde você vai me levar? - perguntei.
- Não sei, aonde você quiser ir! Te pego na sua casa ok? Aqui vai demorar um pouco, ai de noite eu passo lá.
- Tudo bem, a gente decide na hora - sorri.
- Te pego as oito, pode ser?
- Está ótimo! Vou indo pra casa então.
- Ok. - ele me abraçou e deu meia volta.
- Então, meus parabéns! - falava a mulher que tinha me dado o número. - A produção vai ligar para você, dizendo como vão ser as coisas. Onde vai ocorrer o programa e tudo mais. OK?
- Tudo bem. - disse.
- Assine aqui e pode ir já.
Assinei em um papel e fui pra casa. Chegando lá, contei para o meu pai e liguei primeiro para , em que ele tinha dado um grito enorme. Parecia uma mulher, o que me fez rir. Depois liguei pra e pra .
Fui ver logo uma roupa pra usar à noite, para não ter que ficar mudando direto antes de sair. Escolhi uma calça preta rasgada nas pernas, um mad rats todo preto, uma blusa branca meia folgada nas mangas, mas estaria com uma regata preta por baixo. Ela tinha uma estampa do símbolo da Chanel com o nome FAKE embaixo, que eu mesma pintei, uns colares pratas por cima e estava pronta.
Fiquei assistindo a maratona do The Big Bang Theory na TV até dar a hora de ir tomar banho, ajeitar o cabelo, que parecia uma vassoura de palha. Não fiz muito nele, ajeitei a franja, passei um pente fino de leve e o prendi num rabo de cavalo. Ficou bem legalzinho, vi isso na revista ELLE e realmente deu certo. De maquiagem não fiz nada de mais, só o básico, lápis, rimel, um pouco de pó e uma sombra cinza bem, mas bem leve mesmo.
Olhei no relógio e marcava oito e quinze.
- Levei um bolo do - dizia pra mim mesma.
Deu oito e meia e nada. Passava-se os minutos e já era dez pras nove.
- É levei um bolo. - falei. Quando ia tirando a blusa, a empregada chega avisando que tinha um rapaz me esperando. Coloquei ela de volta e fui até o corredor. E lá estava ele de bermuda, tênis de skatista, sua blusa da Hurley e um casaco da mesma marca. Sim, um garoto propaganda.
- Peraí que já desço - disse. Voltei correndo pro quarto, ver se meu cabelo estava normal. Peguei minha bolsa e, quando ia descendo, minha mãe aparece no corredor.
- Não me diz que esse é o da outra banda? - pergunta.
- Sim, é... Somos amigos agora - sorri.
- Ele é lindo - disse dando um sorriso maroto.
- Para mãe! - ri. - Vou indo, não me espere ok?
- Ok. Cuidado.
Desci as escadas e fui logo dando um abraço nele.
- Desculpa a demora, teve uma leve reunião quando acabou as coisas lá
- Sem pro... Mas na verdade eu pensei que você tinha me dado um puta bolo - fiz bico.
- Não iria fazer isso com você. - dizia ele. - Mas vamos?
- Sim.
Enquanto pegávamos o elevador, ele me perguntou:
- Aquela era a sua mãe?
- Sim.
- Caramba! Com todo o respeito, mas sua mãe é muito LINDA! Eu casava com ela - riu.
- Obrigada, ! - sorri.
Saímos do elevador e partimos para o carro dele.
- Aonde iremos?
- Hum... Eu estou com fome, pensei em irmos jantar, depois fazer qualquer coisa que der na mente.
- Ótima sugestão - disse.
- Tá afim de comer o que? - perguntou.
- Na verdade, um bom hambúrguer, com fritas e milk shake - disse.
- Leu minha mente. E pizzas também! - riu.
- Melhorou e muito!
- Então, qual lugar você me indicaria a te levar?
- Tem uma lanchonete perto da saída da cidade que é ótima, sempre vou lá com minhas amigas.
- Ótimo, então iremos lá. Mas, temos que ligar o som e ir ouvindo alguma coisa animada.
- Tá, eu ligo então. Rádio? - ri de leve.
- Sim, rádios sempre tocam musicas engraçadas e deixam as coisas mais divertidas.
Liguei o rádio e na primeira que tocou, estava começando a tocar uma música antiga da Madonna, Like A Virgin.
- OW! - ele falou alto, o que me fez rir. - Deixa, essa música é a minha!
Eu rindo que nem uma hiena agora.
Ele olhava pra mim e começava a cantar.
- Vamos , canta comigo agora o refrão.
- Tá bem - continuei a rir, mas incorporei a Madonna junto com ele, fazendo caras e bocas.

"Like a virgin
Touched for the very first time
Like a virgin
When your heart beats
Next to mine..."

Chegando na lanchonete, perto da estrada, entramos rindo e as pessoas nos olhavam com cara de ??what the fuck???
- Vamos sentar ali - dizia
Sentamos um na frente do outro.
- , definitivamente você é a melhor Madonna que já vi na vida - ri.
- Obrigado! Então, vai comer o que?
- O que vier! Estou morta de fome.
- Ótimo, então vamos parecer um boi aqui - ele riu.
Peguei o cardápio e comecei a olhar.
- Então, o que vamos pedir?
- Pizzas, fritas, hambúrgueres, refrigerante, milk shake... - foi falando.
- Nossa, mais alguma coisa? - ri. - Pra mim está ótimo!
- Então, tá! Vamos pedir. - ele levanta a mão e chama a garçonete.
Fizemos o pedido e ficamos conversando. Os hambúrgueres chegaram primeiro com as fritas.
- Nossa, isso tá bom - falou de boca cheia, querendo rir. - Desculpe por isso.
- Sem problemas. Não ligo. - ri junto da situação da boca dele. - Sabe... Eu nunca ri tanto quanto hoje, sério!
- Tá me chamando de palhaço? - fez cara de mal.
- Sim, estou! E ai vai encarar? - soltei o hambúrguer no prato e o encarei.
- Agora não, deixa eu terminar de comer que eu te pego lá fora.
- Nossa, me tremi toda agora, você é uma pessoa má!
- Sou do mal! - ele deu mais umas mordidas no hambúrguer, terminando logo, e tomou o milk shake. - Se eu te falar que ainda tenho fome, o que você me diz?
Termino de comer o meu hambúrguer e olho pra ele.
- Digo que também estou com fome. - dei um sorrisão. - Estou me sentindo uma vaca comendo assim.
Ele riu.
- Vai ser minha vaquinha agora. - ele disse. - Estou te imaginando vestida de vaca agora. Ow, você ia ficar muito fofa!
- ! - dei um tapinha nele.
- Sabe, é uma boa ideia, para um clipe. Você andando assim no meio da rua, vestida de vaquinha, cantando a música...
Dei uma gargalhada alta agora.
- Você tem uma imaginação muito fértil viu... - falei rindo.
- Mas que seria um clipe interessante, seria. Só falta fazer o resto dele e saber qual é a musica, pra ver se vai ter sentido.
- É vendo por esse lado, dá certo mesmo. Quem sabe, se eu ganhar o programa. E o meu primeiro clipe pode ser assim.
- Isso... Ah, olha as pizzas - ele falou com os olhos brilhando, a mulher coloca a pizza tamanho grande na mesa e sai. - Então... - ele me servia a pizza - Ai, quando aparecer o nome da musica, sa cantora e tal, os dados da música, vai ter lá: ??ideias para o clipe: - McFly??
- Claro, irei dar os créditos a você!
- Isso, se não te processo e tomo tudo de você!
- Não teria coragem de fazer isso...
- Teria e tenho, sabe por quê?
- Por quê?
- Por que sou mal! MUAHAHA - fez o ??muahaha?? de boca cheia.
- Morri de medo agora - ri.
Comemos a pizza, comemos tudo o que nos deu vontade. Até dar basta.
- Agora eu estou parecendo um boi - disse, levantando a blusa.
- E eu uma vaca.
- Casal perfeito viu? - ele parou de rir e olhou fixamente nos meus olhos.
- Claro - virei logo meu copo de coca-cola e sorri.
- Vamos? - disse ele, colocando o dinheiro da conta dentro de uma pastazinha preta que a mulher tinha deixado com a gente.
Saímos da lanchonete.
- E aí, vamos ver quem consegue arrotar mais alto? - perguntou .
- Tenho vergonha - entortei minha boca.
- Cara, não ligo para isso. Vamos é divertido. Eu começo.
- Tá bom! - disse.
Ele puxou o ar e soltou um enorme arroto.
- NOSSA! - eu comecei a rir. - Com certeza você ganha de mim.
- Quem perder vai ter que fazer o que o outro quiser ok?
- Ok!
- Vamos, sua vez.
- Ok, lá vai... Que coisa nojenta. - puxei o máximo de ar que consegui e arrotei. - NOSSA, QUE VERGONHA - falei alto.
- É... Pelo visto eu ganhei, o seu foi fraquinho...
- Ah meu, sou mulher e você homem, tem mais experiência pra isso.
- É tem razão...
- Vamos para o carro, tá começando a fazer frio. - falei.
Entramos no carro e eu liguei o som de novo
- Então, terá que fazer o que eu quiser agora...
- Droga, é mesmo... Vai pode mandar o mico...
- Ah... Tá bom... - ele olhou meio sério para mim e eu continuando a olhar pra ele com um leve sorriso no rosto. - Vou querer um... Beijo.
- Ah, tudo bem. - Fui até ele e dei um beijo na bochecha dele.
- Não era aí... - ele falou me puxando e colando minha boca na dele.
Ficamos ali por menos de um minuto e o soltei.
- ...
- Olha, desculpa ok? Não vou mais fazer isso, foi impulso. - ele deu partida no carro. - Vou te deixar em casa.
- Olha, não teria problemas se eu não estivesse namorando, sabe. Você é LINDO, mas eu amo meu namorado e estou fixa com ele... Desculpa.
- Sem problemas, eu deveria ter colocado isso na minha cabeça. - disse.
O clima ficou tenso depois disso. Nossa o que deu na cabeça dele fazer isso, eu me senti culpada por dois lados, primeiro pelo fato de eu estar com o e o segundo por ter gostado de ter beijado ele. Ele me deixou em casa e eu fui ligar imediatamente pra Jennifer.
- SOU UMA VAGABUNDA! - me xinguei pra ela.
- Calma, ! Olha não adianta ficar falando isso de você mesma. Foi ele que te beijou...
- Eu sei disso, mas eu gostei Jennifer, me sinto péssima por isso! Não vou aguentar olhar para o ! Não mesmo!
- Ele chega quando? - perguntou Jennifer.
- Depois de amanhã!
- Sei...
- Conto ou não conto pra ele... Se eu contar ele vai terminar comigo e não vai querer nem olhar na minha cara.
- , lembra que ele que fez isso com você primeiro?
- Sim, lembro, mas isso não dá o direito para eu colocar chifres nele. Não mesmo! Sou uma puta e pronto.
- Calma, você não é e deixe de drama. Olha só, eu conversaria com ele se eu fosse você, é melhor a verdade do que a mentira...
- É você tem razão, por mais que ele tenha escondido por uns dias, ele me contou depois.
- Isso, converse com ele e relaxe, vai dar tudo certo!
- DEUS te ouça amiga! DEUS te ouça! - disse pra ela. - Olha, vou dormir agora, tentar relaxar e tentar ver como vou falar isso pra ele.
- Ok, qualquer coisa, call me. Certo?
- Certo. Obrigada Jennifer - disse. Desliguei o telefone e fui tentar dormir.
Fiz a maior merda da minha vida hoje. Torcia pra que desse tudo certo. Não poderia perder o , não mesmo!

Capítulo 22

Dois dias tinham se passado, e o estaria chegando hoje de noite. Mandou uma mensagem dizendo que iria passar aqui em casa. Estava com saudades. Mas até agora eu não saberia como dizer o que tinha acontecido entre eu e o naquela noite.
Mas uma coisa era certa: ele iria terminar comigo, não iria querer olhar na minha cara e iria voltar pra Los Angeles, atrás de alguma famosa pra se agarrar e me esquecer. Tipo, PRA SEMPRE!
- De que horas o vem? - perguntava meu pai na mesa, enquanto jantávamos.
- Acho que daqui a uma hora pai - falei terminando de comer meu macarrão com queijo.
Me levantei e fui pra sala, assistir o noticiário enquanto o não chegava.
Mas, como eu tinha dito ao meu pai, o chegou em torno de uma hora mesmo.
- Boa noite Alicia - abraçava sorrindo a minha mãe
- Senti saudades de você aqui! - ela falava gentilmente.
- Boa noite Marcos - falou apertando a mão do meu pai.
- Boa noite moleque - ele falou sério.
- Oi meu amor - falou todo todo pro meu lado.
- Oi bebê - dei um sorriso de leve.
A cena minha e do pairava na minha mente. Ora, mas que DIABOS!
- Vamos pro meu quarto viu mãe? - falei pra ela
- Tudo bem. Juizo!
Subi as escadas, e ficamos no meu quarto. Aquele silêncio terrível. Ele sentado na minha poltrona e eu em pé, encostada na parede perto do closet. Só olhando pra ele.
- O que você tem? - ele perguntava. - Alguma coisa aconteceu, ou foi alguma coisa que eu fiz?
- Não, você não fez nada...
- E então o que é? Está toda estranha, calada. Não fez nenhum manifesto quando eu cheguei. Você sempre faz. Eu só não pulei em você ali na sala por conta de seus pais. - deu uma leve risada.
- Não é isso... olha não sei como te contar isso.
- Você tá grávida?! - ele arregalou os olhos, mas com um sorriso em sua boca.
- NÃO , NÃO ESTOU GRÁVIDA! - falei meio alterada, e já querendo chorar. Ele tira o sorriso do rosto e fica sério olhando pra mim.
- Então o que é?
- Eu só quero que você me desculpe, por tudo! Mas...
- Mas... - ele continuava sentado olhando pra mim
- Quando você viajou, teve a audição da MTV e um dos jurados foi o ...
Ele fechava a cara.
- Foi o ... sim e?
- E que quando terminou todas as audições, ele me chamou pra sair de noite e eu fui...
- Certo...
- Só que quando estávamos saindo da lanchonete, ele me beijou...
- Vocês ficaram? - ele abaixa a cabeça.
- Bem, sim... - apertei a minha mão esperando qual seria a reação dele. - Mas , foi só um beijo, e foi ele que fez isso, não eu! Me desculpa!
Mas a única coisa que ele fez foi se levantar, chegar perto de mim, colocar a boca em meu ouvido e dizer.
- Agente... acabou! - e saiu do meu quarto batendo a porta.
A única coisa que eu fiz foi, sentar no chão e cair no choro. Peguei o celular e disquei o numero de Jennifer.
- Vem pra cá, AGORA! - falei
- , o que houve? Está chorando? - perguntava ela.
- Só vem pra cá, tá bom? - desliguei o telefone.
Que merda eu tinha feito, eu sabia que isso iria acontecer. Que ele tinha ciúmes enormes pelo . Mas eu estava parecendo uma barata tonta, não sabia o que fazer.
- ? - Jennifer abria a porta do meu quarto, e vinha até a mim, que continuava perto do closet. - Não fica assim! Tudo vai se resolver
- Não, não vai. Sabe por que? - disse olhando pra ela. - Contei o que tinha acontecido entre mim e o , e ele simplesmente não falou nada, só chegou pra mim no meu ouvido e da maneira mais fria do mundo, disse que tínhamos acabado. E saiu na maior fúria, batendo a porta do meu quarto.
- Ele não disse nada?
- Não... ele tá muito puto comigo!
- , se você ama realmente o , vá atrás dele. Não deixe ele escapar.
- Meu pai não vai deixar eu sair essa hora sozinha.
- Amanhã, deixa pra ir amanhã... eu te deixo na casa dele. Certo?
- Dorme aqui hoje?
- Claro! Agora vem, vai tomar um banho, trocar de roupa e tentar dormir. - dizia Jennifer
- Certo, brigada amiga - sorri levemente e a abracei.
Levantei-me e fui pro banheiro, levando o celular comigo. Sentei na tampa da privada e mandei uma mensagem pra ele.
??Me desculpa ... por favor, temos que conversar. ??
Entrei no chuveiro, tomei meu banho, coloquei o pijama e voltei pro quarto.
- Tá melhor? - perguntava Jennifer.
- Não muito amiga... não sei como minha mãe não chegou aqui até agora perguntando o que houve.
- ? - minha mãe batendo na porta.
- Porra, virei vidente agora foi? - falei - Entra mãe!
- Por que o saiu daquele jeito agora a pouco?
- Advinha...
- Terminaram de novo? - perguntava ela.
- É mãe, mas quem fez a merda dessa vez foi eu.
- Meu conselho... se você se arrependeu, e o ama como diz, vá atrás dele. Não o deixe escapar. Eu sei que o ama, e o que você tiver feito, sei que não fez por querer - ela sorria levemente.
Acenei com a cabeça. E ela veio me dar um abraço.
- Brigada mãe...
Ela deu um sorriso e saiu.
Fiquei conversando umas besteiras com a Jennifer, pra ver se eu me distraia. Como o programa da MTV, que não tinham ligado até agora.
Acordei bem cedinho, tomei meu café da manhã. E logo recebi a ligação da MTV, dizendo que o programa começaria mês que vez e que seria em New York. Eles irão mandar como carta, o endereço. Onde eu vou ficar e tudo mais.
Tinha outro problema: o colégio. Eu tinha que concluir o terceiro ano. Como eu iria conciliar o programa e o colégio ao mesmo tempo? Isso se desse né!
Bem, iria conversar isso com meus pais depois, agora eu iria me arrumar e ir à casa do pra conversar.
Coloquei uma calça, uma blusa azul simples e uma sandália. Depois a Jennifer me levou pra casa dele.
- Vai querer eu espere?
- Não amiga, pode ir. Qual quer coisa eu pego um taxi de volta.
- Tudo bem, me ligue quando sair daí ok?
- Ok, brigadão - abracei-a e sai do carro.
Caminhei até a entrada da casa, e fiquei parada lá, olhando pra porta branca. Olhei pra trás, e a Jennifer tirava o carro de cima da entrada da garagem dele.
Bati na porta e quem abriu foi o .
- E ai ...
- Oi , o tá ai?
- Ele tá, mas... não quer falar com você.
- Fala pra ele que temos que conversar, por favor?
-Está bem. - fechava a porta.
Não culpava o está totalmente chato comigo. Nem o nem os outros claro.
Depois de um tempinho a porta se abre com o nela.
- Ele disse que não , sinto muito...
- Beleza então... tchau ! - dei meia volta e sai caminhando, abri minha bolsa e peguei meu mp3 pra ir ouvindo. Resolvi voltar pra casa caminhando. Respirar um pouco talvez ajuda-se.
Na metade do caminho para com o carro do meu lado, dirigindo devagar.
- , entra no carro... - falava o mesmo
- Tem certeza? - continuei andando e olhando pra frente.
- Claro que tenho... vai entrar ou não?
Parei e fiquei olhando pra ele.
- Entra por favor. - repetiu ele
Dei meia volta no carro, e entrei. Ele deu partida e saiu caminhando.
- Pra onde está me levando?
- Pra sua casa...
- Pensei que iríamos conversar.
- Hum... pensou?
- É! Para o carro! - falei
- Por quê? - perguntou sem olhar pra mim
- Para a merda do carro ! - falei alto, o fazendo frear com força e parar. Sai de dentro dele, e continuei andando.
Ele saiu do carro e gritou
- , ESPERA!
Parei, me virei ao ouvir a voz dele.
- Olha só... - comecei a falar alto pra ele ouvir - Eu sei que fiz merda ok? Mas não foi por que eu quis! Vim aqui pra te perdi desculpas mais uma vez.
Enquanto ele fica parado só olhando eu falar.
- Te entendo como se sente ok!? Do mesmo jeito que você me fez sentir a seis meses atrás. Eu te perdoei e continuamos, mas se você não quiser mais continuar comigo, termina agora e cada um vai pro seu lado! - comecei a chorar. Como estava chorona.
- Mas quero que saiba... - ele caminhava até mim. - Eu te amo ok?! Sempre te amei, e isso tá sendo mais forte que eu, todo mundo sabe disso... VOCÊ sabe disso! - falou .
Ele chegava na minha frente e segurava a minha mão e já me abraçava forte.
- Eu também te amo ok?! Muito. Me senti mal por ter dito que tínhamos terminado ontem, e de ter mandado o falar que eu não queria te ver agora. ? me soltava e olhava pra mim. - Olha , eu nunca fui tão gay na minha vida desde que te conheci - ele ria, me fazendo dar um riso de leve. - Mas, você me deu uma chance quando eu fiz merda, e você merece ter essa chance também...
- Olha,eu juro a você, eu não quis aquilo... me desculpa?
- Claro que sim chuchu - ele dava um sorriso e me beijava.
Acho que eu nunca estive tão feliz, quanto hoje. Tá tive outros, mas só em saber que eu teria mais uma chance com o eu já ganhava o dia!
- Agora vamos né... vai ficar com gripe. - ele ria - Está esfriando.
- Não ligo, estou com você de novo. - sorri
Voltamos pro carro dele. Eu o olhava sorrindo que nem uma criança que tinha ganhado aquele tão sonhado ovo de páscoa de chocolate, e que vinha com brindes.
- Pra onde iremos? - perguntei
- Minha casa não... vamos... pra sua... na verdade eu não sei. - ele riu e vinha me beijar.
- Tá bem... paramos em um lugar deserto e nos aquecemos - mordi meus lábios.
- Hum... gosta! - falou colocando a mão na minha coxa.
SAFADO!

Capítulo 23

- Vocês não são normais! - dizia Jennifer no telefone.
- Por que não?
- Por que não e pronto! - Jennifer finalizava a nossa conversa sobre meu relacionamento com o .
- Ok, amiga. - ri
Desliguei o telefone e fui dormir. Amanhã eu iria pro campus onde todos os selecionados do programa da MTV estariam. Seria tudo em New York.
Meu relacionamento com o estava por um triz. Qualquer coisa que acontecesse agora terminaríamos. Da minha parte isso não vai mais acontecer, e espero que a do também.
Dia seguinte, acordei bem cedo para pegar o avião e chegar em NY a tempo. A gravação do programa começaria as três horas, chegaria lá em menos de duas horas. Ou seja, dava tempo. Minha mãe iria comigo, pois meu pai estaria ocupado com a empresa.
- Nervosa? - pergunta minha mãe na cadeira ao meu lado no avião.
- Um pouco! - disse sorrindo.
- Vai dar tudo certo!
- Espero, mãe!
- Se você não ganhar esse programa, poderá fazer a faculdade.
- Sim, será a minha segunda opção mãe! - olhei pra janela do avião - Fazer engenharia civil.
Não deu muito e a aeromoça anunciava que estaríamos decolando já.
Depois de duas horas, chegamos em NY. A cidade está começando a ficar fria. Outono já estava ai, e o inverno por vir!
Pegamos um táxi e partimos direto pro campus. Chegando lá, estava cheio de trailers e de pessoas andando por todo lado.
- Onde é que ficam os selecionados pro programa? - perguntei pra um segurança.
- Siga em frente, e entre naquele galpão ali preto.
- Ok! Obrigada.
Segui as instruções dele e fui pro tal galpão. Falei com a mulher que estava na frente dele.
- Oi, fui selecionada pra essa fase... É aqui mesmo?
- Sim, é. E você é...?
- Ah, .
Ela olhava pro papel na frente dela procurando meu nome.
- Aqui está, seu número, e pode entrar. Lá dentro terá três corredores, procure uma porta com seu nome. Será seu quarto nessa fase. Se organize que daqui a pouco todos vocês serão chamados pra começar a primeira fase.
- Ok... E ela será como?
- Terá um envelope em cima da cama dizendo o que terá que fazer.
- Ok... Minha mãe pode entrar comigo?
- Sim. - ela abriu a porta e entramos.
Procuramos no primeiro corredor o meu quarto, e nada. Fui no segundo, e nada também. Até que no terceiro encontro a minha porta, com uma placa verde e meu nome em letra maiúscula.
- Bem... É esse - disse.
Entrei com minha mãe, joguei minhas coisas no chão e fui até o envelope que a mulher tinha me dito. Abri e tinha um texto dizendo boas vindas, e dando os parabéns por ter sido selecionada. Peguei o outro papel, e lá tinha as instruções.
- O que diz? - pergunta minha mãe.
- Só falando que é pra cantar uma música de uma cantora, que eles mesmos escolheram. E o programa será ao vivo. Estou ferrada, nunca fiz nada ao vivo. Virá uma van para nos buscar e levar até o central park. Não sabia que seria lá! ? falei meia desesperada.
- Bem... E quem é que eles mandaram você cantar?
- Bem, a música eu conheço, só não sei se vou conseguir fazer o tom dela.
- E qual é?
- Tem dizendo que é pra cantar uma música da Miley Cyrus, party in the USA, não gostei! - falei soltando o papel em cima da cama - Agora vou ver qual será a minha roupa e tomar um banho. - disse pra minha mãe.
- Imagina você sendo amiga da Miley Cyrus. - dizia minha mãe rindo
- Mãe, a senhora tá parecendo minhas amigas. - falei no banheiro. - Parou ok? - ri
- Ok. - ela ria.
- Mãe! - gritei - ligou?
- Não... nada dele...
- Tá.
Terminei o banho, peguei a letra da música da Miley, e fui decorar ela ouvindo a música no som que tinha lá. Demonstrei pra minha mãe como estava. Então, não estava do jeito bom, mas esperava que os jurados curtissem.
Depois de um tempo um homem bate na porta dizendo que era pra ir pra van. Sai e encontrei a menina que estava na minha frente na fila da audição. Ela olhou torto pra mim, levantou a cabeça e saiu na minha frente.
- Qual foi dessa menina? - perguntei
- Quem? - pergunta minha mãe.
- A que passou do meu lado, é de Baltimore também. Desde do dia da audição ela olha desse jeito pra mim. Estranho.
- Deixa pra lá.
- Claro.
Entrei na van com a minha mãe e com o resto do pessoal que foi selecionado. Depois de umas meia hora, chegamos lá. Estava lotado o central park. Tinha um enorme palco no meio da grama, e varias pessoas em frente dele sentados esperando o programa começar. No palco tinha os instrumentos e a bancada dos jurados e um telão enorme do lado.
- Filha, vou ficar ali do lado. Essa parte eu não posso mais entrar.
- Tá bem mãe! Me deseje sorte!
- Vai dar tudo certo... E eu te amo!
- Também te amo. - entrei na porta que dava direto a uma sala, e nela tinha uma porta que dava pro palco já.
Eu estava totalmente nervosa, não tinha me ligado nem nada. Estranho. Ele sabia que hoje seria o programa e nem pra dar boa sorte ele me ligou. O apresentador do programa subiu no palco e anunciou que daqui a pouco iria começar.

POV'S

- Oi! Desculpa a demora! - falei pra mãe da . - O voo atrasou, cheguei agora. Só fiz deixar as coisas na casa do Gabe.
- Sem problemas, o programa vai começar daqui a pouco.
- Como ela está?
- Muito nervosa... Ficou perguntando se você tinha ligado.
- Ela sabe que eu ia vim?
- Não, não sabe...
- Ótimo!
Sentei do lado da mãe da esperando o programa começar. Ela estava em uma área mais vip. Onde ficavam todos os parentes ou amigos que estavam acompanhando os participantes.
- Ela vai cantar que música?
- Party in the USA, da Miley Cyrus.
- Nossa, nada a haver com ela. Mas essa música dá vontade de sair dançando sabe? - fiz uns movimentos com os braços animados. A mãe dela me olhou estranho, e riu.
- Desculpe - fiquei vermelho - Vou pegar alguma coisa pra comer, vai querer?
- Sim, me trás um cachorro quente?
- Pode deixar sogrinha.
Me levantei e fui buscar a comida. Não demorou muito e o apresentador voltava pro palco. Anunciando que estava sendo ao vivo.
Ele apresentou os jurados, e nenhum deles era o Dougie, ou algum do McFly. Acho que seria só naquela audição mesmo. Isso já me aliviava, sem nenhum rosadinho perto dela.
Os primeiros a se apresentar foi uma banda, que estava tocando uma música do The Kooks. Depois um casal, a terceira foi uma garota, que era de Baltimore também, estava cantando uma música da Hilary Duff.
Ela terminou, agradeceu a todos e saiu do palco.
??- E agora mais uma selecionada, também de Baltimore... ??
- É AGORA! - falei animado pra mãe da . O apresentador continuava a falar.
??- Se chama , tem dezoito anos e tem um novo detalhe, é BRASILEIRA!?? O apresentador falou todo animado na hora do ??brasileira?? mania de americanos gostarem de brasileiras. Não posso falar nada né!
??Pode entrar !??
Ela andava sorrindo e segurando um microfone preto. O apresentador fazia umas perguntas pra ela. Ela estava linda, mas dava pra ver a insegurança dela no palco.
- Pra finalizar as perguntas, você vai cantar que música? - perguntou o apresentador pra ela.
- Party in the USA, da Miley Cyrus.
- Muito bem? fique a vontade. - ele deu espaço pra ela, e a banda começou a tocar atrás o começinho da música. Ela na mesma hora começou a fazer uma dancinha. Ela perdeu a vergonha e começou a cantar a música.
Parecia que ela fazia aquilo sempre. Tinha jeito pra coisa, e ela definitivamente iria ganhar aquele programa. Se não ganhasse, algum produtor iria atrás dela. terminou a música, agradeceu e saiu do palco. Fiquei ainda sentando com a mãe dela. Não podíamos entrar pra falar com os participantes, só quando anunciassem que tinha terminado toda a seleção.
Depois de quase uma hora vendo todos tocarem, o apresentador chamou todos os participantes no palco. Foi quando ela me viu. Acenou e deu um enorme sorriso.
??- Bem... Vamos anunciar agora quem foi selecionado pra próxima fase, onde irá para o apartamento dos finalistas. Serão selecionados vinte participantes, e hoje iremos selecionar dez, amanhã serão selecionados mais dez. Não percam, amanhã, ao vivo do central park.??
- Ela vai passar! - dizia a mãe dela pra mim, segurei a mão dela e fiquei em pé esperando o apresentador anunciar quem irá pra final. Ele pegou um papel com os jurados.
??- Hoje vimos vinte apresentações, irei chamar os nomes de alguns de vocês. Quem eu chamar dêem um passo pra frente.??
O apresentador chamou nome de dez integrantes, e a não estava nele.
??- Quem eu chamei e deu um passo pra frente. Sinto lhes informar, mas... Vocês não foram selecionados??
Todos que estava atrás inclusive a comemoram. E claro eu e a Alicia também. O apresentador falou algumas coisas pros participantes, e mandou todos sair do palco. Finalizou o programa falando do horário, e como seria ele.
Fui até a parte de trás onde dava acesso a sala onde ela estaria.
Entrei e a encontrei do lado do bebedouro. Quando ela nos viu, saiu correndo e gritando de felicidade.
- PASSEI! - ela abraçava a mãe forte, depois vinha até a mim. Me beijou e me abraçou. Na mesma hora uma mulher com um microfone chega pra nos entrevistar, que dizer entrevistar a ela.
- Bem... Estamos aqui com mais uma finalista, . E ai como você está se sentindo?
- Nossa não sei nem explicar... só que muito feliz, e vou dar o meu máximo pra ganhar esse programa.
- Ótimo, e olhe quem temos aqui, . Do All time Low. Veio prestigiar o programa? - ela me perguntou.
- Ah... Também, mas vim pra outra coisa.
- E qual seria? - perguntou a mulher com um sorriso.
- Ver minha namorada claro!
- A é sua namorada?
- Sim. - sorri
- Então ela teve todo o seu apoio?
- Sempre teve! Sempre a incentivei pra que ela seguisse essa carreira.
- Então , nos vemos outros dias... E boa sorte!
A repórter da MTV saia em busca de outro finalista.
- Agora todos vão achar que eu entrei por que namoro você. Duvida quanto?
- Não ligue pro que falarem. Você sabe que entrou por que você tem potencial - dizia Alicia pra ela.
- Claro que sim. - falei
- É isso mesmo... E eu vou ganhar esse programa! - dizia animada.
- Temos que comemorar! Vamos sair pra jantar?
- , eu não sei se vou poder, por que falaram que daqui iríamos pro apartamento dos finalistas. Ficarei confinada até novembro. Vou sentir tantas saudades de vocês! - ela fazia bico.
- Mas em todos os programas estaremos aqui com você!
- Farei de tudo pra vim ver o programa tá amor? - disse pra ela, que me deu um sorriso de me beijava.
- FINALISTAS, A VAN ESTÁ DO LADO DE FORA, ESPERANDO VOCÊS, PRA LEVAR ATÉ O APARTAMENTO. AS COISAS DE VOCÊS JÁ ESTÃO LÁ. SE DESPEÇAM DE SEUS PARENTES, E VAMOS - falou uma mulher toda animada.
- Eu disse... Direto pro apartamento.
- Sem problemas, vou ficar aqui o programa todo.
- Em hotel mãe?
- Não, na casa de uma amiga minha...
- Ah sim... - ela sorria
- Te amo mãe! E obrigada por me apoiar. - abraça forte a mãe.
- !! - ela dizia numa vozinha de choro. Mas sem chorar claro. Abracei com força.
- Não esqueça nunca que eu te amo ok? - ela dizia pra mim - E muito, mais muito obrigada por me apoiar, e acreditar em mim. Isso é muito importante.
- Sempre irei te apoiar ok? Vá lá, e ganhe esse programa. - disse olhando pra ela. Segurei seu rosto com minha mãos - E eu te amo muito, não duvide disso! - a beijei e deixei ela ir junto com os outros finalistas.
Ficar sem vê-la por meses, só vendo no palco do programa ou pela televisão vai ser horrível, mas pelo menos eu tenho a certeza que ela vai se dar muito bem nele.
Deixei a mãe da na casa da amiga dela. E fui pra casa do Gabe. Iria ficar pelo menos uma semana aqui. Até o primeiro programa, que seria no estúdio, então iria com a mãe dela.

Ter passado pra terceira fase do programa foi ótimo, até de mais! Quem passou junto comigo foi a outra menina de Baltimore. Iria ficar até o final de novembro sem ver meus familiares de perto, isso se eu passasse em todas as fases e fosse pra final. Confinada durante um tempo, mas estava me sentindo confiante, nunca me senti assim. Iria dar todo o meu potencial pra ganhar esse programa.
Chegando no apartamento, a mulher que tinha me entrevistado mais cedo deu as instruções.
- Então pessoal, aqui tem dois quartos, com dez camas neles, um baú na ponta de cada uma, pra guardar seus pertences e um mural de fotos. O quarto de vocês é o numero dois. O programa será o seguinte, a partir daqui vocês poderão escolher as músicas que quiserem. A opção é de vocês, mas escolham a música certa pra não vacilar depois. Ok? Aos poucos iremos dar as outras instruções. Microfone sempre com vocês, a produção vai entregar a todos. Câmeras por toda a casa, menos no banheiro. Ou seja, cuidado ao trocar de roupa! - deu uma leve risada. - Então, fiquem a vontade e boa sorte.
Procuramos o quarto, ele era branco com tons de verde. Minhas coisas já estava em cima de uma cama. Deitei nela, e fiquei imaginando que isso só poderia ser um sonho, e daqueles bem longos, que na melhor parte alguém virá me acordar. Depois de um tempo a produção chega, pra dar os microfones. Quando eles saíram, tudo começou a normal. Só teríamos câmeras em movimento quando tiver alguma coisa por fora, o resto seria as câmeras instaladas no apartamento. Eu já não curtia realites shows, e estavam me sentindo no Big Brother. Fiquei na sala com os outros participantes, conhecendo cada um. Todos legais. Pelo menos até agora. Depois de varias conversas conhecendo cada um, fui pro quarto e arrumei minhas coisas. Amanhã os outros dez participantes chegaria na casa.
- E ai, é do Brasil mesmo? - perguntou a Laura, outra participante de Baltimore.
- Sim. - sorri
- Legal... - ela deu um meio sorriso. - Mora nos USA a muito tempo?
- Pior que não - me sentei na cama. - Cheguei esse ano, e tudo aconteceu muito rápido. Me mudei pra cá, por que meu pai é sócio do meu padrinho, uma empresa.
- É? Empresa de que?
- É de moveis.
- Legal... Tem quantos anos?
- Fiz dezoito agora... E você?
- Dezoito também...
- Nunca te vi por Baltimore...
- É, Baltimore é grande. - ri levemente. ?Terminei o colegial esse ano, entrei pra faculdade, ai já estava aprovada no colégio.
- Eu também! - Laura disse animada. - Qual você entrou?
- Entrei na NYU. - disse - E você?
- Entrei em Yale.
- Nossa parabéns! - sorri.
- Então ... Você namora o ... Do All Time Low.
- É... - sorri
- Ele te pois aqui dentro?
- QUE? Claro que não né... Ele é meu namorado e tem uma banda famosa. Mas ele não é o dono da MTV. - falei fechando a cara.
- Desculpa pela pergunta. Mas sabe como são as pessoas né... Vão comentar de qual quer jeito.
- Sim, eu sei disso. Mas eu não ligo pro que vão falar de mim.
- Por que?
- Por que eu sei o que se passa na minha vida, então não preciso ficar ligando pro que vão comentar. Imagina a Lady Gaga ligando pro que os outros falam dela. Não seria Lady Gaga certo?
- É você tem razão. Você canta bem... Eu não achei que você entrou por conta dele.
- Brigada mesmo - sorri.
- De nada.
- Você também canta bem... Então, que ganhe a melhor certo? Sorte pras duas - sorri
- Isso mesmo! - sorriu. - Gostei de você, pensei que fosse chata.
- E eu pensei isso de você. - ri - Mas você é legal.
- Brigada. - sorriu
Fiquei conversando com ela quase a noite toda. Ela era bem legal, só tinha me passado uma impressão estranha dela de primeira. Amanhã os novos participantes chegariam, ai sim o apartamento ficaria cheio!

Capítulo 24

Dia foi bem agitado no apartamento, até agora só diversão. Enquanto os outros não chegavam, ficamos jogando rock band e uns outros jogos que a MTV deixou pra nós. Passou-se as horas e quando foi umas cinco horas da tarde, os outros participantes chegaram. Mas nos deixaram trancados no quarto. Falaram as mesmas coisas pra gente pra eles.
Depois de uns minutos, saímos do quarto e fomos conhecer os outros participantes. Agora sim o programa tinha começado. De noite, nos reunimos na sala. Era realmente como se fosse um Big Brother, tínhamos contatos com o apresentador do programa pela televisão. Isso quando era ao vivo, quando era gravado eles vinham até nós, com as câmeras em movimento.
- Então meus caros participantes do New Idols MTV, quero lhes informar que terão esses dias pra se prepararem pra primeira apresentação. Escolham as músicas, vocês terão acesso ao estúdio do apartamento. Ok? Agora, quero anunciar mais uma coisa... Quer dizer, algumas coisas. Serão avaliados na hora, ou seja. Todo final de semana teremos eliminados. Se preparem muito bem pra esse que vem agora ? falou meio cansativo, respirou fundo, nos fazendo rir - A segunda noticia é... Lembram que um dos jurados da primeira seleção foi um dos integrantes do McFly?
- Sim - respondemos.
- Então... Quem ganhar o programa, não só terá um contrato assinado com a Universal, como também, irá de primeira fazer a abertura da nova turnê do McFly pela Inglaterra, que será ano que vem, em março. Ou seja, gravação do seu primeiro cd em janeiro já! Se preparem! - dizia o apresentador, cujo nome era Mark. - E a ultima noticia é, teremos sempre um jurado do ramo musical pra avaliar.
- Tipo o Brandon Flowers? - perguntou um carinha.
- Isso mesmo - respondeu Mark. - Bem, nos vemos esses dias! YO YO pra vocês! - fez um movimento engraçado e saiu.
Ficamos conversando, e já comecei a pensar na música que iria cantar. Não podia vacilar, não mesmo. Como já era de noite, e a MTV deixou relógio na cozinha. Pelo menos isso. Ter uma noção do tempo.
No estúdio tinha CDs de todos os cantores, de todas as bandas possíveis. Das mais antigas tipo Led Zeppelin as novas tipo We The Kings. E de cantores, era de Madonna a Lady Gaga. Bem legal. Isso ajudava ainda mais pra decidir as músicas.
Tinha passado uma semana já, e o programa iria começar hoje. E já estávamos no estúdio.
- Nervosa? - perguntou Laura.
- Não... Pensei que ficaria, mas estou tranqüila. - disse - E você?
- Um pouco... Escolheu qual música? - perguntou Laura.
- Vou cantar uma da Lily Allen . Começar com algo mais calmo sabe, e também fiquei com medo de começar pegando de alguma banda, se eu passar nessa vou treinar pra pegar de alguma banda, prefiro mais.
-Também penso assim, vou cantar uma da Madonna. - ela riu
- Madonna é legal... ??like a virgin?? - dei um leve risada
- ?? Touched for the very first time...?? - Laura cantou a segunda parte da música, e deu uma risadinha. - Mas não será essa que irei cantar.
- Boa sorte, já já nos chama. Vou no banheiro - disse saindo do camarim.
Fui ao banheiro, me olhei no espelho e sai do mesmo. Voltei pro camarim onde se encontravam Laura e mais uns outros participantes.
Depois de um tempinho no chamaram dizendo que é pra ficar perto do estúdio já. Que já o programa já tinha começado.
- BOA NOITE NEW YORK, E ESTADOS UNIDOS! - Mark falou animado. - Bem vamos ver o que andou acontecendo pelo apartamento dos participantes do New Idols MTV. - ele olhava pra tela enorme que tinha atrás dele. Ficamos vendo tudo em uma pequena TV que tinha perto da porta do estúdio. Estava mostrando como foi a nossa primeira semana. Passou a gente jogando rock band, passou a Laura pulando de alegria por que ganhou do Matheus no rock band. Depois passou eu e a Laura cantando Lady Gaga no banheiro de cabelos molhados e com xampu no cabelo.
??Don?t call my name, don?t call my name ALEJANDRO... ALE ALE ALEJANDROOOO?? - eu gritei.
- Que horror Laura. - disse rindo pra ela.
- Somos lindas amiga! - ela riu.
Depois de um tempinho passando as cenas da primeira semana no apartamento, ele anunciou que iria nos chamar.
- Bem, temos que apresentar antes de tudo, os nossos jurados. Aqui estão a Lisa e o Charlie - as pessoas os aplaudiam - E olha, tem um lugar sobrando ali do lado deles. Quem será Lisa? - perguntou Mark
- Na verdade, eu não sei. - dizia rindo.
- Ah sabe sim, claro que sabe! - Mark riu
- É, realmente não sabemos. - disse Charlie - A MTV está muito rigorosa.
- É realmente, meu salário caiu muito. MTV aumento já! - riu - Brincadeira. Então nosso jurado é nada mais nada menos que Billie Joe, do Green Day! - anunciou Mark
- PUTA MERDA! - falei
- Billie Joe?! - disse Jared boquiaberto.
Billie Joe iria me julgar. Meu DEUS, se eu for eliminada uma coisa eu vou poder me gabar. ??FUI ELIMINADA PELO BILLIE JOE E VOCÊ NÃO.?? Billie Joe meu! Coroa dos meus sonhos.
Billie Joe entrava por outro lado do estúdio acenando pro publico, e sentando na bancada de jurados.
- Bem, como estamos completos agora, vamos chamar os participantes, e começar o programa.- Dizia Mark - Só que, depois dos comerciais.

POV'S

- vai ser julgada pelo Billie Joe! Eu quero ser julgado pelo Billie Joe também... - falava meio indignado ainda olhando pro palco.
- Garoto, você não é normal... Não sei como eu aprovo seu namoro com minha filha ? Alicia ria.
- Você gosta de mim sogrinha... Eu sei que gosta - dei um sorrisão pra ela.
- Para - ela falava seria, mas deu uma leve risada depois.
Ficamos sentados esperando o programa voltar, que demorou um pouco. Bad romance da Lady Gaga começou a toca de fundo no estúdio, e o apresentador começou a falar e fazer umas dancinhas toscas. Tipico da MTV. Apresentadores tentando ser engraçado. Engraçado sou eu! Me põe pra apresentar isso ai! ??Aposto que ficaria bem melhor, engraçado e bonito claro?? Pensei comigo mesmo, e viajei nesse pensamento, até ser acordado pela mãe da .
- Aposto que esse programa seria melhor comigo. Não acha? - dizia olhando pra ela
- Você se acha não é? Já basta ser peludo. - Alicia ria.
- QUE CALUNIA SOGRINHA! - ri. Ok, eu tinha uma sogra que gostava de gastar com a minha cara. - Olha ele vai chamar o primeiro participante.
O apresentador chamava o primeiro participante, de nome Jared, de Boston. Ele cantou uma música do David Archuleta.
- Gay. - falei baixo
- O que?
- Nada. - segurei o riso.
Depois de varias apresentações, a ficou pra depois do segundo comercial. Ela entrava acenando pra platéia, e dava um enorme sorriso pro Billie Joe. Queria sorrir pro Billie Joe. É, to com inveja da , ela sorri pro Billie Joe e eu não.
- Vai cantar que música hoje? - perguntava Mark
- Bem... Vou cantar Back to the Start, da Lily Allen.
- Hum... Boa música! - falava Mark - Então, boa sorte!
Ele saia do palco, dando espaço pra ela cantar. A banda do programa começava a tocar a música, e ela começava a se empolgar. Chegando no refrão ela cantou muito bem, chegou no ponto certo da música da Lily.
Terminou a música, agradeceu mais uma fez, e saiu do palco.
Continuei a ver o programa na platéia com a mãe dela. Faltava só mais alguns, e ai todos seriam julgados, e veríamos quem seria o eliminado.

- Ok, daqui a instantes Billie Joe vai me julgar - falava Jared
- Calma! - falei pra ele - É só o Billie Joe. - ri levemente.
- Esse é o problema - dizia outra participante.
- É eu sei... Passei minha vida ouvindo o Green Day, pra chegar hoje. Ele vai dizer quem vai ou não sair. É tenso. É agora vocês conseguiram me deixar nervosa ? ria
Depois, de um tempo, o primeiro grupo foi chamado. Os vinte no palco.
- Bem... Vamos agora a resposta dos jurados. Vão dizer quem passou e quem ficou. ? falava Mark.
Eu começava a suar frio. Muito frio mesmo.
- Bem, vamos passar a palavra para o Charlie.
- Bem, tivemos apresentações ótimas, mas também, tivemos algumas que realmente não foi apropriada, que não deu certo. Então... Hoje, teremos não só um, assim como dois eliminados. - falou Charlie
Aquilo me fez cagar de medo, e os outros participantes olharem uns pro outro. Ele começou falando um por um, até agora ninguém tinha sido eliminado. Cinco pessoas tinham passado, incluindo a Laura.
- Bem, - falou Lisa
Olhei pro lado, e via ela, Charlie e o Billie Joe me olhando.
- Bem, vamos deixar que o Billie Joe fale, ele até agora não falou nada - riu levemente.
- Brigada Lisa, você é um amor - ele ria. - Bem, .
- Eu. - disse sem querer, que fez ele parar olhar pro papel e olhar de volta sorrindo.
- Cantou uma música da Lily Allen, cantou muito bem, sua voz é ótima.
- Brigada...
- Escolheu uma boa música pra começo - falou Charlie
- Brigada - falei de novo, minhas mãos começavam a pingar.
- É serio! - falou Billie - E... Eu, e os outros jurados, conseguimos enxergar você na próxima fase.
- Parabéns! Você passou - disse Lisa.
Minha felicidade foi a mil, eu só poderia está sonhando ainda! E que até agora ninguém tinha me acordado. Voltei pro camarim, e comemorei com os outros participantes que tinha passado.
Fiquei vendo o resto do programa no camarim com os outros. E como os jurados tinham dito, dois iriam ser eliminados, e foram.

- PASSOU! - a mãe da falava animada.
- SIM! - me animei com ela.
O programa terminou, e eu fui jantar com a sogra, depois a deixei na casa da amiga dela.
- Bem ... Você viu o programa passado?
- Não... Esqueci o horário, dormir.
- Então, o apresentador falou como seriam as coisas.
- E vai ser como? - estávamos em frente da casa da tal amiga da Alicia.
- Quem ganhar, vai ter um contrato assinado com a Universal, e irá abrir o show de uma banda em março.
- Nossa, isso realmente é muito bom!
- Sim, muito! Então, queria deixar você preparado. Por que se a , ganhar ela irá fazer isso.
- É eu sei disso, e ela terá todo o meu apoio.
- Eu sei que terá. Mas como também, sei dos últimos acontecimentos do relacionamento de vocês.
- Certo... Mas estamos bem agora, muito bem - sorria
- Sabe qual banda vai ser?
- Hum... Não?
- McFly, e será na Inglaterra.
- Hum... McFly? - falei
- Isso... Espero que seja adulto o suficiente, pra deixar os ciúmes de lado ok? Eu só quero o melhor pro relacionamento de vocês dois.
- Eu sei disso Alicia, agradeço a preocupação... Sério mesmo. E brigada por avisar. - disse com as mãos no bolso do casaco - Mas, se ela for fazer essa turnê, tenho certeza que isso não irá atrapalhar a nossa relação, aliais, será só um mês. É pouco, quer dizer. Um mês é muito, mas em turnê passa rápido. Vai dar tudo certo.
- Espero que dê! Espero mesmo ok?
- Ok, bem vou voltar pra casa do Gabe. Tenho que voltar pra Baltimore amanhã. Estarei indo pra Los Angeles esses dias. Gravação de cd novo, sabe como é. Vamos fazer tudo lá.
- Ótimo! Estou curiosa pra ver como vai ficar esse novo cd. Já tem nome?
- Ainda não, vamos ver as músicas, e depois iremos decidir qual será. - falei.
- Ok, qual quer coisa, eu te ligo pra falar alguma coisa dela. - falou Alicia.
- Me mantenha informado. Vou fazer de tudo pra ver o programa.
- Certo, boa noite então - ela entrou, e eu voltei pro meu carro. Dirigi até a casa do Gabe. Acordei cedo, pra poder pegar o avião e ir pra Baltimore.

Estar nesse programa estava sendo um sonho, fazíamos varias coisas legais, tínhamos ajuda de várias pessoas, e visitas também. Escolhi bem a música que iria cantar no próximo programa. Time to leave, das Plastiscines.
Semana passou rápido, e já estávamos no segundo final de semana do programa. E mais um programa de eliminação.
Entrei no palco, dei o meu melhor. Dessa vez, só um foi eliminado. E eu não era uma delas. Mais uma fase eu tinha passado.
- Anda escolhendo muito bem as músicas - falou Laura.
- Que nada... Eu só escolho as que gosto - disse. Tecnicamente era isso, mas eu tinha uma tática pra ver qual seria a música certa pra cantar, e claro eu não iria contar a ela. Minha concorrente, ajuda eu não iria dar. Aqui é um por si.
A semana foi se passando rápido, o mês também, só restava agora duas semanas pra acabar o programa, e eu era uma das finalistas. Mais um programa. E só tinha eu e mais três finalistas. A Laura, o David e o Jared.
- Boa sorte. - falei pra Laura, que ia entrando no palco. O jurado especial de hoje era o Brandon Boyd, vocalista do Incubus. Dessa vez, eu fui a ultima a me apresentar.
- Pode fica no palco - falava Mark - Podem entrar os outros três participantes. - Mark chamava eles. Ficamos um do lado do outro. Os jurados começaram a avaliar pelo David. E ele tinha passado. Depois, foi pro Jared, passou também. Só restava agora, eu ou a Laura.
- Bem , você escolheu a música errada pra hoje...
- E Laura, você escolheu uma boa música, mas também. Não foi a certa pra hoje.
É vai ser eu.
- Bem, mas olhando todo o histórico de vocês no programa, das duas. Decidimos... Vou deixar o Brandon dar a eliminação.
- Ok... Hum... Odeio essa parte - ele ria levemente - Mas, quem sai hoje é a... ? ele deu uma pausa e retornou a falar - A Laura.
Laura caia no choro, e enquanto eu, estava gritando por dentro. Mas me contive, afinal a Laura tinha se tornado uma boa colega, ou amiga de programa. Ela me abraçou me deu parabéns, e saímos do palco.
- Sinto muito Laura - falei.
-Que isso ... É a vida... Mas fico feliz que você tenha passado, mesmo... Boa sorte na final! Eu sei que vai se dar bem no próximo programa.
- Brigada! - sorri.
Voltei pro apartamento com o Jared e o David. Só nós três, estranho. Só eu de mulher.
- É isso, agora somos só nós três pra pegar a final...
- Pois é - disse deitada na minha cama.
A única coisa que tinha que escolher bem, era a música. Eu vacilei, fui cantar uma do VersaEmerge, a música era ótima, mas não agradou os jurados. Decidi cantar nesse programa uma do Incubus, I miss you. Preparei-me bastante pra ela, e me sentia confiante. Pela primeira vez em todo o programa.

- O programa está chegando na reta final. E vamos para a ultima eliminação, onde dirá quem vai concorrer ao premio. Que é assinar um contrato com a Universal e sair em turnê com o McFly pela Inglaterra. - falou Mark. Estávamos sentados dessa vez em um pequeno sofá no palco mesmo. Mark chamou o comercial, que demorou uns cinco minutos.
- Vamos pra mais uma eliminação.
Ficamos um do lado do outro. Olhando pros jurados.
- Bem, vamos dizer logo quem saiu. - falou Charlie. - E o eliminado de hoje, é o Jared...
??EU, ESTOU NA FINAL!??
- Meu Deus! - foi a única coisa que eu consegui dizer na hora. Olhei pra platéia e vi a minha mãe lá, toda animada, e e chorando. Fiz um coração com as mãos pra ela e sai do palco.
Demos umas entrevistas pra MTV e voltamos pro apartamento.
Para música final, escolhi uma cantora. Pixie Lott, He we go again. Pra usar no ultimo programa, escolhi um vestido curto, com mangas até o cotovelo rendada todo preto.
Dessa vez não ficamos no apartamento, a MTV providenciou tudo e nos colocou em um hotel. Eu estava mais nervosa que tudo, não me sentia confiante, nem nada.
- ? - uma das produtoras bateu no meu quarto.
- Sim?
- Visita - falava abrindo a porta, e via minha mãe parada nela.
- OH MY GOD! MÃE! - Gritei! - Que saudades!
- Também estou, e muitas? Você tem sido ótima no programa, e hoje você vai levar esse premio! - minha mãe sorria pra mim.
- Deus te ouça!
- Bem, tem mais uma pessoa aqui querendo te vê.
- Papai?
- Não, seu pai está no estúdio já. Só podia entrar duas pessoas pra ver você.
- Nossa. Então, é o ?! - sorri. Olhei pra porta e lá estava ele, com um buquê de flores. Corri e dei um enorme beijo nele. - Que saudades berinjela.
- Saudades de você também chuchu! - ele me abraçava forte.
- Você assistiu ao programa?
- Claro, eu e os caras. Não perdemos um. Torcemos por você. E sim, gravou um vídeo pra você no meu celular, e pediu pra te mostrar. Dar boa sorte.
- muito fofo (N/A: fofo um caramba kk), cadê?
, tirava o celular e me entregava.
??-! - deu um grito - Olha, pra provar que estamos torcendo por você, escrevi seu nome no meu bucho - ele levantava a blusa e mostrava um ??GO ?? nele.
- Você já viu isso? - perguntei pro .
- Eu filmei isso. - ele ria
??-Bem, toda sorte do mundo pra você! E vai que é sua esse programa. Estou em Los Angeles com os caras, e mandaram boas vibrações... É isso! Boa sorte! ??
- Bem, mesmo se eu não ganhar esse programa, eu não posso reclamar. Eu já tenho tudo perfeito na minha vida. Uma ótima família, boas amigas, e ótimos amigos também! Então... Deixo tudo nas mãos de Deus. - falava. - Seja o que DEUS quiser!
- Que bom que pensa assim minha filha - falava minha mãe.
- Mas, tem um detalhe... - dizia
- O que?
- Que você vai levar esse programa, isso DEUS já deixou claro. - ria.
- Bem, vamos? - falou a produtora.
- Claro... Vejo vocês lá. Amo vocês! - sai com a produtora em direção ao estúdio da MTV.

Eu não estava preocupado com a turnê da Inglaterra, nem com o rosadinho lá, eu só pensava na apresentação dela. Sentia que ela realmente iria ganhar ele. Sentamos na primeira fileira da platéia. Eu, a mãe dela e o pai. Ela estava lá, sentada no sofá junto com todos os outros participantes. Esperando o programa começar.
- BOA NOITE NEW YORK! - o apresentador falou animado - Final de programa, está TENSO hoje! Quem será que vai levar o grande premio de assinar com a Universal, gravar um cd e sair em turnê com o McFly?! Que por sinal, se encontra aqui hoje! ? a platéia ia a loucura.
- Pode entrar McFly! - falava o apresentador.
- Foi essa banda ai que ela foi com as amigas pro show? - perguntou o pai dela.
- Foi - disse Alicia
- Hum.
- Bem, antes de mais nada! Quem vai escolher quem vai ganhar esse premio, é você! Votem através do site, ou por mensagem de texto. E JÁ COMEÇOU A VOTAÇÃO!
Mark, fez umas perguntas pra eles, conversaram. Depois eles passaram toda as cenas das semanas dos participantes no apartamento. Relembrando tudo. Desde o comecinho.
- Bem, vamos para as nossas ultimas apresentações né?! David meu filho cante pra nós!
O finalista se levantava e começava a cantar uma música do Brandon Flowers, Crossfire.
- Bom, brigada David. Agora vamos pros comerciais e já já a nossa próxima finalista virá cantar. E Quem vai ganhar o premio do New Idols MTV. Dessa vez é com vocês! Votem através do site, ou mensagens de texto. O numero está na tela.
- É agora que minha conta vem alta, vou votar nela - falei. Peguei meu celular e comecei a mandar mensagens de texto.
Depois de uns dez minutos, o programa volta ao ar.
- Estão votando muito?! Não? Então votem, quem você quer que seja o seu novo ídolo. - falava Mark. - Mas, vamos , venha pro palco cantar sua ultima música de apresentação - falava Mark pra .
Ela se levantou, pegou o microfone e foi pro meio do palco. A banda começou a toca, e ela a cantar.
Fez sua ultima apresentação muito bem. Animou a platéia.Terminando de cantar, ela voltou pro lugar e o apresentador voltou pro palco
- Difícil, eu estou na duvida entre eles dois. Então, tirem minhas duvidas e votem! - Esse apresentador só falava isso é? Muito sem graça ele, não curti.
- Quando voltarmos desse comercial, as votações estarão encerradas. Aproveitem, e votem no seu favorito. - ele chamou o comercial, e eu comecei a votar que nem um louco. Depois de dez minutos, o programa volta, e as votações estavam encerradas.
- Vamos a ultima eliminação e quem será a ganhadora do New Idols MTV. - ele dava uma pausa - Está nesse envelope. Por favor. David e , venham pro meio do palco.
Eles se levantaram e ficaram um do lado do outro esperando o resultado. Mark abriu o envelope, e olhou pra eles.
- Bem...antes de mais nada, os dois foram muito bem! Cantaram muito bem em todo o programa. Mas só um de vocês sairá como vencedor do programa. - ele deu uma pausa - Vamos deixar de enrolar e vamos ao resultado.
E o ganhador do novo programa da MTV, é... - deu mais uma pausa - É a !
- PORRA EU SABIA! - gritei animado.
Sai pro meio do palco com a mãe e o pai dela. Abracei e a beijei. Soltei para que ela fosse falar com os pais.
- Sabia que ia ganhar filha! - falou Marcos.
- Brigada por acreditar em mim pai - falava ela.
- Bem, como está se sentindo ? - falava Mark
- Não sei explicar, mas só agradecer em quem votou em mim, muito obrigada mesmo! ? o sorriso dela estava batendo o da Demi Lovato (N/A: mandíbula quebrada q)
O programa tinha acabado já. E estávamos no hotel. Tinha vários repórteres em frente, querendo entrevistar a mais nova cantora. Minha namorada né!
- Só pode ser um sonho! Sério! - ela falava andando pro lado e pro outro no quarto de hotel. - Vou gravar um cd, vou sair em turnê com o McFly! - ela dava um gritinho - Mãe, já pode me acordar falô? - ria
- A partir de agora sua vida mudou, . Vai enfrentar várias coisas você sabe né? - falou Marcos.
- Sim, eu sei...
- é uma prova disso - falou Alicia
- É, eu sou... - fechei os olhos - Estarei do seu lado pra te apoiar. Sabe disso.
- Sim, eu sei amor. Brigada pai, mãe, . - sorriu - É muito importante. Mesmo.
- Amor, eu vou ter que voltar amanhã pra Los Angeles, pra terminar a gravação do meu novo cd. Semana que vem eu volto.
- Certo, sem problemas. Eu só vou viajar em março.
- Ok. Temos que comemorar agora! - falou o pai dela.
- A MTV vai dar uma festa pai, iremos pra lá!
- Ah é! Tinha me esquecido.
Quando saímos do hotel, vários repórteres em cima dela, querendo entrevistas, foi difícil passar por toda aquela gente. E pela primeira vez, ninguém se lembrou de mim naquela hora. Mentira, eles me entrevistaram também. Perguntinhas bestas. Entramos na van e partimos pro local onde a MTV estava dando a festa.

Capítulo 25

Festa bem animada a da MTV. Dia seguinte eu acordei com a ligação da e da . Gritando feito loucas.
- CARALHO, SOU AMIGA DE UMA FAMOSA. E UMA FAMOSA AMERICANA. OK, NOVENTA POR CENTO BRASILEIRA, DEZ POR CENTO AMERICANA! - dizia animada.
- Gente, eu ainda não acordei, estou sonhando até agora!!!
- O que você vai fazer agora?
- Na verdade, acho que vou me mudar pra New York. Afinal, tudo está aqui.
- E seus pais?
- Não sei. Vou resolver tudo hoje com eles e minha empresária.
- Ai amiga, que lindo, você tem empresária! - falou .
- Gente, calma. Eu vou acabar gritando aqui. tá dormindo, não posso acordá-lo.
- Hum, noite foi boa né? - perguntou com malicia.
- Na verdade, foi perfeita. Festa a noite toda, e depois festinha particular com o namorado. Sabe como é né? - ri.
- Na verdade não sabemos. Não temos namorados - fez uma voz de choro.
- Bem, vamos deixar isso de namorado pra depois - disse . - O McFly estava lá . Como foi?
- Bem. Eles falaram comigo normal. não desgrudou de mim um minuto claro. E falou normal, depois daquele dia, eu não falei mais com ele.
- E agora você junto com eles na turnê, como vai ser?
- Bem, eu ainda não conversei com o sobre isso... Mas claro, ele está me apoiando em tudo.
- Ah! Que bom então amiga!
- Você nem vem no ano novo pro Brasil né?
- Não... Queria muito ir.
- É, mas quero que fique aí. - disse .
- Nossa, por quê? - perguntei rindo.
- Sabe como é né amiga. Quero seu cd logo e tal...
- É, realmente. Fique aí - completou - TUDO por uma boa causa.
- SIM!
- Mas e aí, vai fazer o que hoje?
- Bem, tem uns programas pra dar entrevista, essas coisas. Acho que o vai voltar pra Los Angeles esses dias, pra terminar o cd novo.
- É, me contou - se animou.
- Mas, me conte como vocês estão, ! - disse.
- Bem, estamos bem... - fez uma vozinha de manha.
- Na verdade , eles estão melosos demais!
- É, ele sofreu muito quando você foi embora. Chorou também! - ri - Mas eu conversei com ele. Ele gosta pra caramba de você!
- Ele não me disse isso...
- E ele ia dizer muito, ele tem que dar uma de machão, mesmo ele não sendo... Sabe como é né? - disse .
- Cala a boca - disse . - Mas ele disse o que?
- Que nunca tinha gostado de ninguém como você.
- Vou chorar, já volto. - falava, mas depois dava uns gritinhos.
- Meninas, eu quero que vocês me mantenham informadas pro que vocês vão fazer de faculdade, essas coisas.
- É, nós mudamos. Não vou fazer mais medicina. Vou fazer design - falava .
- E você, ?
- Vou continuar com a moda. Só que é Negócios da moda. Sabe né? - dizia a .
- Eu vou querer a parte de design pra estilismo. - falou .
- Se jogar no mundo de estilistas, amiga?
- Isso! Medicina não combina comigo, e mesmo assim é difícil demais de se entrar em uma federal. Vou passar minha vida tentando. Quero não.
- Então tá bem! Se passarem, me liguem. OK?
- Tá bom. Avisaremos.
- Bem, vou ter que ir agora amores!
- Ok amigas. Te amamos muito viu? Nunca se esqueça disso.
- Claro que não vou esquecer. E eu amo muito mais vocês! - falei - Saudades. Beijos.
Desliguei o telefone, e acordei o .
- Bom dia amor. - falei beijando as costas dele.
- Bom dia chuchu. - ele se virava e sorria ainda de olhos fechados.
- Não queria te acordar, mas sabe como é né?
- Sei sim. Bem vinda ao meu mundo! - ele sentava na cama.
- Nem acredito nisso ainda...
- Comece a acreditar. Não tem coisa melhor que esse mundo da música. Turnês, gravação de cd, propagandas de roupas, festas. Quer dizer. A vida é uma festa. Não tem coisa melhor! - ele falava sincero pra mim.
- Acho que ao poucos vai caindo a ficha - sorri ainda sentada na cama.
- Acho que tem alguém na porta... Ouvi um barulho - disse .
Levantei-me e fui até a porta. Abri e era a Adriana, a minha empresária.
- Bom dia - ela me dava um abraço e entrava no meu quarto toda animada - Bem, temos que ver o que irá fazer hoje... Oh desculpa! - ela parou ao ver na cama. - Vou esperar lá fora, depois eu volto.
- Não, estava de saída já. - disse . Ele se levanta, vai até o banheiro e sai com o sapato na mão. - Me liga quando terminar, ok?
- Ok! - sorri e dei um beijo no mesmo. Ele saía do quarto e fechava a porta. - Isso foi meio... err, constrangedor. Me desculpa!
- Sem problemas... Mas então, já tomou café da manhã?
- Não, acabei de acordar.
- Ótimo, mandei trazerem o seu café pro quarto.
- Nossa, obrigada... Mas preferiria tomar café no restaurante do hotel mesmo.
- Ah não, está cheio de fotógrafos em frente e dentro do hotel.
Eu fiquei meio espantada, não poderia fazer mais nada normal sem que tivessem repórteres ou paparazzi na minha cola? Dei meia volta pra Adriana e fui até a janela do quarto. Realmente estava cheio de repórteres em frente. Fiquei olhando por um tempinho e via o saindo do hotel e alguns repórteres em cima dele.
- Ok então... Eu vou tomar um banho enquanto o meu café não chega. Pode ser? - perguntei pra Adriana ainda olhando pra fora do quarto.
- Sim, mas rápido. Enquanto isso vou arrumando sua agenda.
- Agenda?
- Sim, rever o que terá que fazer hoje, os horários...
- Ok! - saí andando pro banheiro.
Tranquei a porta, tirei meu pijama e entrei no Box. Comecei a pensar que por esse ser o meu primeiro dia de ?pessoa famosa? era pra eu estar super animada. Mas não, eu estava ficando assustada, muita coisa acontecendo do nada. Mas isso era só questão de costume!
Terminado o banho, me enrolei na toalha, e saí do banheiro. Adriana estava arrumando a mesa do meu café.
- Vamos, tome café primeiro e depois você troca de roupa. - ela me entregava um roupão.
Sentei-me à mesa e comi as torradas com geléia e o suco de laranja.
- Bem, agora de manhã... Aqui no hotel mesmo, terá uma pequena coletiva de imprensa com algumas emissoras de TV e revistas. Depois irá almoçar em um restaurante, e de tarde irá aparecer no programa da MTV.
Enquanto ela falava todas as coisas que eu iria fazer eu ficava enfiando mais comida na minha boca, e concordando com tudo.
- E pra finalizar... - enquanto ela me dizia eu já ia trocando de roupa. - Iremos ao estúdio às oito horas, pra começar a marcar os dias de gravação do cd.
- Tipo uma reunião pra saber quantas faixas vão ser, e quais são as musicas?
- Isso...
- E terminará que horas?
- Não tem hora pra acabar. Terminando lá voltaremos pro hotel aí você poderá dormir! - ela dava um sorriso de satisfeita.
- Uau... Bem... E meus pais? Eles ainda estão aqui no hotel, certo? E tenho que falar com o também, ele vai voltar pra Los Angeles, tenho que vê-lo antes de ir...
- Hoje não dá, a não ser que venha depois do estúdio pro hotel. E seus pais, ainda estão aqui. Sua mãe vai lhe acompanhar hoje. Já falei com ela.
- Pelo menos isso eu vou poder ficar... Minha mãe! - falei.
- Te garanto que é só o primeiro dia que será assim...
- Vai piorar depois? - ri de leve.
- Bem, um pouco... Ou não! - ela fechava agenda preta e sorria. - Bem, está pronta?
- Sim, estou... Mas me ajuda em uma coisa. A roupa está boa?
- Ótima! - Dizia Adriana abrindo a porta. Peguei minha bolsa, que foi na mesma hora roubada pela Adriana. Só ficando com o meu celular. Entramos no elevador, tirei meu celular do bolso e mandei uma mensagem pro .
"Dia vai ser tenso hoje, não sei de que horas vou poder te ver. Quando você volta pra L.A? Me retorna. Indo pra uma coletiva agora de manhã, e altas coisas a mais ainda hoje. Estou um pouco assustada, queria você aqui... Te amo."
Coloquei o celular no vibra e coloquei de volta no bolso da calça. O dia estava meio frio. O inverno estava chegando, e já começara a nevar um pouco! Saindo do elevador, fui guiada pela Adriana e por alguns seguranças.
- Adriana, precisa disso tudo?
- Claro, sua segurança...
- Não sou o John Lennon, ninguém vai chegar do nada e me matar. Foi um exagero.
- Querida, vamos logo com isso, ok?
Ok, eu não curti ser chamada de querida, é muito irônico isso. Ela me levou até uma mesa onde tinham duas cadeiras, uma pra mim claro e outra pra ela. Ela sentou do meu lado e disse:
- Só responda as perguntas, e mais nada. Pra não tomar seu tempo, e o nosso tempo com conversinhas bestas. Ok? - ela dava um sorriso.
- Ok! - me virei pra frente e arrumei meu cabelo.
Um cara ia pra frente e avisava que já poderiam começar a fazer as perguntas. Altas câmeras viradas pra mim, e altos flashes piscando no meu rosto.
Uma cara se levanta ao ver que a Adriana aprontou pra ele.
- Bem, ... Primeiramente, parabéns pelo programa... - falava o carinha.
- Obrigada - sorri
- Bem, queria saber como foi participar do novo reality show da MTV?
- Foi uma experiência bem diferente pra mim... Nunca tinha feito uma coisas dessas, e não sou muito de reality shows, mas resolvi me arriscar. No começo não estava tão animada, mas meus amigos e familiares acabaram me convencendo. Mas foi simplesmente inesquecível, eu adorei. - respondi e dei um sorriso simpático. Até agora isso estava sendo fácil de fazer, e divertido.
- Obrigada - falou o carinha.
- Próxima pergunta... Você! - Adriana apontava pra uma mulher. A mulher se levantava.
- Bem, sou do canal E! E tenho duas perguntas... Pode ser? - falava a mulher, e Adriana acenava com um sim - Sabemos que você é brasileira. E a primeira brasileira a ganhar um reality show americano. Como você está se sentindo a ser a primeira BRASILEIRA a ter ganhado isso? Afinal o sonho americano é ser famoso.
- Como eu disse na outra pergunta, eu me arrisquei... Mas pelo fato de ser brasileira acho que isso não implica muito por eu ter ganhado. Acho que as pessoas gostaram de mim. E nem sei o porque. - os repórteres deram uma risada.
- Eu gostei muito da sua voz! - dizia a repórter. - Bem, a outra pergunta é mais íntima.
- Manda - disse.
- Bem, descobrimos que seu namorado é nada mais do que o , do All Time Low... Ele influenciou em alguma coisa? Ele te ajudou?
Ela falou no nome dele e eu dei um enorme sorriso, fazendo com que a reporte sorrisse também.
- Bem, ele me apoiou desde o começo... Mas não me influenciou, ele só disse que estaria do meu lado pra qual fosse a minha decisão, na verdade eu queria ser engenheira. Música era meu segundo plano. - ri levemente.
- Entendi, obrigada - sorria a mesma.
- Próxima! Você - Adriana apontava pra outro repórter.
- Vogue Teen. Bem, qual será o estilo do seu cd? Pelo que vimos no decorrer do programa, você tem um bom gosto pra música.
- Bem, ele vai ser tipo um pop rock, indie,eletrônico. Vai ser um pouco de tudo. E espero que vocês realmente gostem!
- Mais uma pergunta, pode ser?
- Claro - respondi.
- Quais são as bandas ou cantores que te influenciam?
- Bem, eu curto muito McFly e All time Low claro, mas bandas como VersaEmerge, Hey Monday, Cobra Starship, Incubus, Blink 182, The Killers e claro Green Day, por aí vai. São bandas que eu realmente curto e que me dão uma inspiração muito boa!
- Obrigada. - dizia a mulher da Vogue Teen. Outra mulher, agora da MTV se levantava.
- Bem, você disse ótimas bandas, que estão em alta também... Mas uma pergunta que varias pessoas vão querer saber é sobre a febre americana, Justin Bieber - dei uma pequena risada. Ela tinha mesmo que fazer essa pergunta? - Então, você gosta do Justin Bieber e das musicas dele?
- Bem, não vou mentir. Na verdade não gosto das musicas dele, nem dele... nothing personal. Espero que ninguém me odeie a partir de agora. Mas sabe como é né? - dei uma risada de leve, fazendo com que os repórteres rissem também. - Mas assim, ele faz o trabalho dele, e eu o meu. Totalmente diferente. Entendem? Já pra não falarem por aí que eu tenho rixa com o garoto - sorri. Os repórteres riam de novo. Qual foi? Contei piada?
Passando o tempo, eu já ia pra ultima pergunta.
- Como é namorar ? - falou uma mulher.
- Nossa! Vocês falam do do All Time Low, certo? Então, namorar o cara da banda é bem divertido. Mas como eu sempre digo pra ele, e vou dizer aqui. Eu não namoro o cara da banda, e sim a pessoa que eu conheci fora do All Time Low, a pessoa que ele realmente é, e muita pouca gente sabe. Ele é um amor de pessoa, uma pessoa maravilhosa. - sorri.
Terminado a coletiva de imprensa até as dez horas da manhã. Uma hora de coletiva, e a Adriana disse que era pequena, queria só ver se um dia ela chegar "será uma coletiva grande" vai ser o que? Um dia inteiro? Depois de lá, fui levada diretamente pro tal restaurante, pra almoçar. Foi a única hora em que eu liguei pro e mandei ele ir me encontrar lá. Ele tinha mandado uma mensagem dizendo que estaria indo pra L.A agora de noite. A Adriana abriu uma exceção pra ele. Agora eu teria exceções com meu namorado? Espero que não, amiga, tenho necessidades! Depois do almoço, fui direto pro estúdio da MTV. Aparecer no programa ao vivo lá. Dia cheio, porém divertido.

Capítulo 26

Já estávamos no início de dezembro, Natal chegando, ano novo também e minha vida a maior correria. Estava no estúdio gravando o cd. Já tinha gravado uma musica. Que uma pessoa tinha escrito e vendeu pra gravadora. O que foi decidido no meu primeiro CD é que não iríamos fazê-lo com minhas musicas. Concordei né, mas o que eu não pude aceitar foi que estavam querendo que eu tivesse o mesmo estilo de musica que a Miley Cyrus. Ok, não são ruins, mas é muito discoteca, baladinha. Aí pedi pra ter uma banda. Ser um pop rock alternativo. Só estávamos esperando acabar o mês de dezembro, e em janeiro gravar o vídeo clipe para lançá-lo no mesmo mês. Enquanto isso, só gravando e fazendo alguns programas.
- Saudades de você, ! - dizia pra ele no celular. Eu estava no camarim de um talkshow.
- Também estou, não vejo a hora de você voltar pra Baltimore e eu também. Achei que iria ser bem divertido você estar famosa. Claro que é, e muito. Mas você tá foda, tem sempre que ter horário pra fazer as coisas.
- Eu sei, tá sendo difícil pra mim também, ok? Não é minha culpa... Mas é só o começo. Adriana disse...
- Adriana disse, Adriana disse... Essa mulher quer afastar a gente, toda vez que você fala que vai sair comigo ou que eu vou te ver, ou se falar no telefone, ela te arruma alguma coisa pra fazer!
- , para! Também não é assim...
- É sim . Mas tipo, eu não posso reclamar, mas pede pra ela uma folga de pelo menos dez minutos pra mim. Ou pros seus pais. Suas amigas! Qual foi a ultima vez que você os viu?
- No segundo dia do programa.
- Naquele dia que Adriana me encontrou na sua cama, não foi?
- Sim, meu pai eu só o vi no dia do programa. Minha mãe passou o primeiro dia comigo.
- Está vendo... Peça pra Adriana te dar uma folga pra você ir até em Baltimore ver seus amigos e primeiramente seus PAIS! E a e , ligaram pro pra saber se tinha noticias de você. Por que a única coisa que elas sabem é o que saem nos sites e em programas. Liga pra elas na hora que você for ao banheiro pelo menos.
- Está sendo rude demais .
- Desculpa se eu estou sendo rude, . Mas eu não quero que você se afaste das pessoas que te amam, por mais que isso tudo esteja corrido de mais. OK? Não mude você mesma por um mundo que te dá tudo. Essa vida é maravilhosa, sim é. Mas o melhor momento é quando estamos tentando ter uma vida normal, por isso é bom! Espero que você tenha entendido o que eu te falei agora.
- É, eu entendi - falei com uma vontade de chorar. Ele estava totalmente certo!
- Me desculpa se fui muito grosso ou rude de mais. Eu te amo, e você sabe que eu não falaria uma coisa dessas se não tivesse motivos.
- É, eu sei, você tem razão. Isso é um fato por eu te amar tanto. Você me apoia, e está abrindo meus olhos. Vou conversar com Adriana sobre isso, ok?
- Ok, e eu não gosto dessa mulher, muito autoritária. E ela também não gosta de mim.
- Bem, isso é verdade. Ela não gosta de você. Disse que você é chato, leso e muito criança. E que vive implicando com ela.
- Sou feliz, tá? - ele ria. - E implico mesmo, aquela velha! - fez um ?rum? com a boca.
- Mas amor, agora vou MESMO ter que ir, o programa vai começar.
- É, eu to assistindo - ele riu. - Faça um sinal pra mim quando entrar no palco.
- Qual? - perguntei
- Sei lá. Faz a inicial do meu nome com a mão.
- Tá doido, não sei fazer isso.
- Então meche na cabeço e sorri pra câmera. Quando você sorrir, eu vou pegar esse sorriso e guardar pra mim.
- Que gay! Mas muito lindo, .
- Ok, agora vá lá. Já já vão te chamar. Amo você!
- Também te amo.
Desliguei o telefone, guardei na bolsa, me olhei no espelho mais uma vez e segui Adriana. Ela me levava pro estúdio.
- Adriana, precisamos conversar depois, tá?
- Tudo bem - sorriu - Agora, quando o apresentador te chamar, você entra, sorri, acena e senta nas cadeiras.
- Ok! - sorri pra ela, olhei pra frente, e tinha umas meninas com uns cartazes com meu nome. Deveriam ter uns doze, trezes anos... Eu fiquei impressionada, mais já?
- ENTÃO! - apresentador, meio loiro, que vestia um terno preto falava em pé no meio do palco - Estamos aqui com a ganhadora do novo reality show da Mtv, ! - gritinhos - Ela é brasileira, namora um integrante da banda de pop punk All time low. E está aqui hoje, pra conversar com a gente... Enquanto ela não vem! Vamos ao comercial! - falava com um sorriso enorme! E a musica de abertura do programa tocava.
Fiquei em pé, bebendo minha água na garrafinha, esperando o programa voltar no ar. Depois de uns cinco minutos ele voltou.
- OLÁ DE NOVO! - falou animado - Então, vamos parar de enrolar e chamar a mais nova princesinha do pop, ! ? aplausos - QUERIDA! ENTRE! - Ele sorria.
Espera, ele me chamou de princesinha? - pensei comigo mesma enquanto eu entrava, e acenava, mexia no cabelo e sorria, pro ver. - Oi! - sorri pro apresentador, que vinha me cumprimentar.
- Prazer em tê-la aqui. Sente-se! - apontou pro sofá preto perto da mesa dele. Ele deu a volta e sentou na cadeira dele. Umas meninas que estavam na platéia acenavam pra mim, e eu acenava de volta.
- Então... Como todo mundo quer saber, conte sua história. Como você chegou aqui nos EUA? - ele se inclinava na mesa.
- Bem... Como todos sabem, eu morava no Brasil, e meu pais eram cantores lá...
- Ah, então você já vem de berço? - perguntava.
- Mais ou mesmo - ri - Eles eram cantores sertanejos, não é muito meu estilo, eles são famosos lá. Mas se aposentaram... sabe?
- Sei...
- Então, meu pai tinha uma parceria com meu padrinho em uma fabrica aqui nos EUA, ai ele decidiu vir pra cá, no lugar dele... Tive que vir junto. - disse - No começo, odiei essa idéia, depois me acostumei rápido, BEM rápido!
- Legal, mas sempre foi seu sonho ser cantora?
- Na verdade não... Queria ser engenheira civil - ri.
- Nossa, serio? - ele ria também.
- Pois é, eu cantava assim mais por hobbies sabe? Tinha umas musicas no myspace. Mas desde pequena meus pais me ensinaram e me colocavam em aulas de piano, guitarra e violão. Até que surgiu esse programa, e minhas amigas me incentivaram, e eu topei, mas nem levei muita fé... Quando vi, já tava no final do programa!
- Tá gostando de ter uma vida rodeada de fãs?
- Sinceramente, eu comecei bem agora, não sabia que tinha tipo, fãs, até chegar ao seu programa e ver essas meninas com esses cartazes, eu fiquei impressionada, e emocionada ao mesmo tempo. - sorria - Meninas..! - apontei pra platéia - Brigada mesmo! Vou levar vocês sempre comigo (N/A: UH PELANZA n)... Serio... Minhas primeiras fãs! - dei um leve gritinho, e ri. Fazendo o pessoal rir também.
- Quando sai seu primeiro cd?
- Bem, estamos em estúdio gravando... E tá previsto pra sair antes do final de fevereiro.
- Legal, e como ele vai ser?
- Uma mistura de pop rock, bem alternativo... Sabe?
- Quando sair quero que venha aqui, e me traga um!
- Pode deixa! ?sorria.
- Vamos ver uns vídeos dela no New Idols Mtv agora! - ele falava, e alguns vídeos rolavam no telão enorme atrás dele. E começava a passar um vídeo meu e de uma participante do programa, cantando Lady Gaga no chuveiro.
- Meu DEUS! Que MICO! - ri de mim mesma.
- Eu acompanhei o programa, e você canta muito bem mesmo. Adorei quando você cantou uma musica do Incubus. Foi, foi perfeita. Serio!
- Nossa, obrigada! - sorri meia sem jeito.
- Então... Vamos lá, como você conheceu o ? Sabe que varias meninas surtaram quando soube que a ganhadora do programa da MTV era a namorada dele...
- Não... Surtaram foi? - arregalei meus olhos, e dei um sorrisinho.
- Foi. Mas então... Como você o conheceu?
- Bem, foi bem engraçado... Era meu primeiro dia em Baltimore, tinha realmente acabado de chegar, daí meus pais decidem sair pra jantar. Chegando no tal restaurante, eu me deparo com o All Time Low em uma mesa. Aí eu fico nervosa, e desmaio.
- Que?! Desmaiou?
- Pois é, eu sou louca por All Time Low - ri - Quando eu acordei, eu estava em uma sala fechada, com minha mãe me olhando, e eu deitada no colo do Jack. Eu acordei e caí no chão. Fiquei sem acreditar. - ri.
- Deveria ter sido uma cena e tanto.
- E foi, você desmaia na frente do seu ídolo, e ainda se assusta ao vê-lo e leva uma queda? Foi engraçado. Depois disso, ficamos amigos, e um tempo depois ele me pediu em namoro... E estamos até agora!
- Que fofo! Sabemos então, que pelo menos um integrante do All Time Low não é gay! - ele riu, me fazendo rir - Brincadeira ATL, to zoando.
- Não, eles são... - ri - Desculpa , e ... e claro . Vocês sabem que eu amo vocês! - fiz coraçãozinho pra câmera.
- Será que eles estão vendo? - perguntou o apresentador.
- Todos eu não sei, mas o está, acabei de falar com ele.
- ÓTIMO! Então, por favor! Diga ao que eu amei aquela noite que passamos juntos. - falou rindo - Eles estiveram aqui uma vez, daí eu me apaixonei pelo Rian. - ele falava e eu começava a rir muito. - Rian EU TE AMO! - fez um coração com a mão. - Voltando. Você vai abrir o show do McFly na Inglaterra! Como você está se sentido?
- Bem, vai ser uma experiência e tanto, McFly é uma das minhas bandas favoritas também. E fazer a abertura de todos os shows da turnê deles, é simplesmente um SONHO!
- Primeira vez em um show grande? Como cantora.
- Sim, será a minha primeira vez tocando pra MILHARES de pessoas, em um país que eu nunca fui também! Vou levar essa experiência pro resto da vida!
A entrevista no talkshow foi bem divertida. Depois dali, fui atender a minhas fãs que estavam na platéia, serio, era tipo... Estranho ter fãs. Elas falaram que já conheciam algumas musicas minhas, do myspace. E que quando soube que eu estava participando do programa, enlouqueceram. Foi engraçado, mas ainda não tinha me acostumado com isso.
Voltei pro hotel com a Adriana, e resolvi fazer o que pediu. Conversar com ela.
- Adriana, precisamos conversar - disse sentando na cama e tirando meus sapatos.
- Sim, o que você queria falar comigo mesmo? - sorria.
- Então... Você sabe né, eu tenho uma vida...
- Hum...
- E, assim. Por mais que esteja tudo muito corrido e tal. Eu tenho família, amigos e namorado... Vou deixar de enrolar. Preciso de uma folguinha. Preciso ligar pros meus pais, pras minhas amigas no Brasil, preciso de um tempo pra fazer varias coisas. E toda vez que eu tento fazer alguma coisa, você sempre vem com coisas pra eu fazer. Não estou reclamando, mas só queria uma folguinha, se é que me entende.
- Sim, entendo. Olha... Era só você falar comigo. Eu achei que estivesse tudo bem com você.
- Desculpa também.
- Então, a partir de agora... Me fale tudo o que quiser. Somos amigas, . Pode me contar tudo!
- Brigada mesmo Adriana - sorria
- Então... Vou checar sua agenda e amanhã eu te falo, certo? Vou separar o que é importante de se fazer.
- Ótimo!
- Agora durma. Te acordo as dez e meia. Pode ser?
- Claro!
- Boa noite! - saiu do meu quarto e fechou a porta. Liguei a televisão e deixei na mtv que estava passando Jackass e fui tomar banho. Coloquei meu pijama e fui ligar pra a e a Nycole. Telefone da Nycole, desligado. Tentei o da .
- ?
- Sim, quem é?
- Sou eu .
- Olha, lembrou que tem amigas.
- Para por favor, já basta o .
- Desculpa...
- Tudo bem... Mas me desculpa por não ligar nem ter falado com você e a ... Esta tudo tão corrido, que você não tem noção. Conversei com a Adriana, pra me dar uma folga. Vou saber a resposta amanhã!
- Que bom. Mas como anda a gravação do cd?
- Ótima, ta indo tudo bem. E os meninos da minha banda. São lindos, vocês iriam gostar - ri.
- Me apresente depois amiga! Estou solteira. Quer dizer, não oficialmente, por que eu ainda não falei com o .
- Mentira! Serio?
- Sim, desde aquele dia, a gente se fala. E ele disse que só não me pede em casamento, por que moro no Brasil. E ele não iria agüentar a saudades. É um fofo, não é? - dizia toda melosa.
- Sim, muito. Mas ainda estou sem acreditar. - ri - E a . Como está em relação ao ?
- Nossa, mais apaixonada do que tudo. Tenho medo disso, por que ele pode dizer uma coisa, e ser mentira. Do mesmo jeito do . Eu acho muito fofo, mas sempre fico com um pé meio atrás, sabe?
- Tem razão, tem que ficar mesmo. Mas como eu não tenho contato com o , não sei te dizer. Já o . me contou que ele está fazendo de tudo pra ir ao Brasil vê-la. MAS NÃO CONTA PRA ELA, POR FAVOR!
- OH MY GOD! - gritou - Sério?
- Sério. É que eles estão terminando de gravar o cd e tal. Aí tá meio difícil, mas ele queria ir no Ano Novo.
- Aí você vem?
- Não sei se vou - disse.
- Droga, .
- É, eu sei, queria muito ir ver vocês, minha família. Praia! Aqui não para de nevar. MUITO FRIO!
- Imagino, enquanto aqui no Brasil, muito muito quente.
- Queria um pouco desse calor. - ri levemente.
- Iria abusar no mesmo dia. - dizia.
Fiquei conversando horas com a , e depois fui dormir. O que não demorou muito. Acordar cedo, e esperar que a Adriana me libere pra uma folguinha.
As dez e meia, Adriana já batia na minha porta, acordando.
- Bom dia!
- Bom dia Adriana - disse cambaleando.
- Bem, iremos tomar o café la no restaurante do hotel - dava um sorriso pra mim.
- ÓTIMO! - me animei. Tomei meu banho. Coloquei uma calça jeans, uma blusa de manga comprida, um tênis, lenços e joguei um casaco por cima. Desci e tomei meu café com a Adriana e com o pessoal da minha banda.
- Bem, vi sua agenda, e amanhã você poderá ir pra Baltimore. Pode ser?
- Se pode ser? Está mais que perfeito. Brigadão mesmo.
- Os meninos da banda já sabem. Só teremos gravação de cd mesmo. Nenhuma entrevista. Tinha uma sessão de fotos, mas não era tão importante. Remarquei pra quando você voltar.
Terminei de tomar meu café da manhã. E a primeira coisa que eu fiz foi ligar pros meus pais, pra irem me buscar no aeroporto. Depois liguei pro . Ele se animou todo. Disse que estava chegando no dia seguinte lá.
Fui pra gravadora, gravei duas musicas só hoje. Foi bem trabalhosa, mas modesta parte. Elas eram bem legais, estava totalmente animada pra esse meu cd. Saindo da gravadora, jantei no Mcdonald's e voltei pro hotel. Arrumei minha mala e fiquei assistindo televisão. Adriana passou no meu quarto pra deixar as passagens e voltou pro dela.
Não via a hora de ir pra Baltimore, ver meus pais e .

Capítulo 27

Os dias se passaram muito rápidos enquanto estive em Baltimore, e eu já estava arrumando minhas malas pra voltar pra New York de novo. Mas dessa vez a Jennifer, Any e a minha mãe iriam comigo pra ajudar a escolher um apartamento. Sim, não poderia viver pra sempre em um quarto de hotel.
- Que horas vai passar aqui?
- Vou só tomar banho - falou .
- Tudo bem... Te vejo daqui a pouco. - desliguei o telefone e fui terminar de arrumar minhas malas e me arrumar. passaria aqui pra me levar pro aeroporto. Deu vinte minutos e chegou.
- Oi amor! - falei animada abraçando ele.
- Esse final de semana passou tão rápido. Não queria que fosse.
- Também não... Mas sabe como é né! Tenho que trabalhar... Topei o programa, ganhei, agora tenho que fazer jus dele.
- Tá fazendo de mais.
- Vai começar?
- Desculpa...
- Não, , serio... Desde que eu virei ??famosa?? - disse abrindo aspas com os dedos - você só tem reclamado, que eu não tenho tempo pra nada e bla bla bla. Você antes me apoiava tanto, agora só sabe reclamar. O que eu estou fazendo de tão errado, me diz? O primeiro a me apoiar e a me fazer querer participar desse programa foi você! E agora está assim? - comecei a me esquentar.
- Desculpa se eu quero um pouco da minha namorada comigo! Se é que você me entende! - falou.
- , eu reclamo quando você sai de turnê? Ou quando vai pra Los Angeles? Reclamo?
- Não... Mas eu sinto muito sua falta, pra você que não sabe.
- Eu também sinto, caramba, e muito. Mas é seu trabalho e eu respeito, queria que você respeitasse o meu também, pô estou levando isso realmente a sério!
- É pedir de mais que você tenha um tempo pra mim? Você vai sair em turnê pela Inglaterra com o McFly, e eu vou ficar aqui... Vai saber o que você vai fazer lá!
- Peraí... Como é? - fiquei em choque. - Se é assim, vai saber o que você vai fazer aqui também né!
- Não fui eu que fiz coisas erradas enquanto estive fora! - falou alto.
- Vai jogar na minha cara agora?
- Vou!
- Sabe... Não precisa, vai embora , por favor!
- Quer que eu vá? - ele se levantou do sofá.
- Se for pra ficar assim, eu quero mesmo! - me alterei. Ele se levantou, olhou na minha cara. Olhou pro lados e disse.
- Se quiser um namorado de novo, me liga. Eu não vou mais atrás.
- Certo! - falei irritada.
- Certo. Boa viagem! - saiu e bateu a porta com força.
A gente começou a discutir, mas era o que eu e ele fazíamos mais ultimamente. Por qualquer besteiras tínhamos uma DR básica. Já não estava agüentando isso, mas eu o amava. Não tinha coragem de terminar com ele a cada vez que tínhamos uma briga.
- Mãe!! - gritei - Vamos logo!
- Estou indo. - gritou descendo as escadas. - Uê, cadê o .
- Foi embora.
- Ele não ia nos levar?
- Sim, mas brigamos e eu o mandei embora.
- Por que...
- Mãe... Por favor. Só vamos, ok?
- Tudo bem, e as meninas?
- Já estão no aeroporto nos esperando. Mandaram uma mensagem. - pegamos nossas malas e partimos pro aeroporto. Nevava muito, a rua estava toda branquinha. A única coisa que dava cor eram os prédios. Chegamos no aeroporto e encontramos com a Jennifer e com a Any já no portão de embarque.
- Pensei que não viria mais! - falou a Jennifer.
- Tive uma briga com o ...
- Outra? - disse Any.
- Infelizmente... Gente, não sei o que eu faço mais. Mas não quero conversar agora.
- Deixa pra quando estivermos no hotel. - sorriu Jennifer. - Agora vamos!
Passamos pelo portão de embargue e umas meninas vieram tirar fotos comigo.
- Isso é tão estranho - falei para as meninas. Já estávamos dentro do avião. - Do nada vem pessoas tirar fotos, falar comigo na rua. Nossa. Estranho.
- Terá que se acostumar. - falava minha mãe.
- É o que todos falam. - sorria. - Bem, mãe, você viu alguns apartamentos nos classificados?
- Sim, uns ótimos, e não muito caros. Com dois quartos. Um deles é suíte, banheiro de visitas, cozinha, sala, área de serviço...
- É, parece bom... Vai ser o meu primeiro.
- Sim, mas temos que ver direito a localidade.
- Sim... Mas tendo no máximo dois, ou três quartos. Está ótimo! - disse. Enquanto o piloto do avião avisava que estaríamos decolando já. O vôo foi tranqüilo. Pensei que receberia alguma mensagem do , ou que ele se arrependeria e viria atrás de mim. Mas nada dele. Bem, essas coisas só acontecem em filme, certo? Quando o carinha que te ama, vai atrás de você e te dá um puta beijão. É, essas coisas só acontecem em filmes. Wake up !
Acabei dormindo o vôo todo. Chegando lá, minha mãe me sacudia acordando.
- Chegamos! Acorda!
- Hum... Já?
- Sim... E todos já foram. Estou tentando te acordar há um tempo já! - falou minha mãe.
Levantei-me, peguei minha bolsa, coloquei o óculos escuros, e saí. Estava nevando e já estava anoitecendo. Mas eu estava com uma cara de sono que só DEUS salvava.
- Uh, paparazzis! - ria Any.
- Pelo menos são só fotos, pior se fosse gravando ou algum programa de TV. Odeio muito.
- Imagino. - falou Jennifer.
Saímos empurrando o carrinho com as malas, enquanto uns paparazzi tiravam fotos. Pode ser exagero. Mas o que se há de fazer, certo? Chegando lá, Adriana tinha mandado um carro pra ir nos buscar. Entramos no mesmo e partimos direto pro hotel.
- Ficam comigo um pouco? - perguntei pra Jennifer e pra Any.
- Claro amiga! - sorriu Any.
- Já que vão ficar com ela... Vou dormir, estou morrendo de sono - falou minha mãe. - Amanhã eu acordo vocês. - dizia a mesma.
- Ta bem! - sorri.
Subimos pro meu quarto, e eu fui tomar direto um banho e colocar o pijama. Esperei as meninas tomarem banho e ficamos assistindo TV e comendo umas besteiras que pedimos no hotel.
- Nada do , ? - perguntou Any.
- Nada... Pensei que ele ligaria, mas ele realmente falou a verdade.
- Ok, me explica qual foi o motivo dessa vez. - disse Jennifer.
- Bem, estávamos conversando normal... Ele tinha acabado de chegar lá em casa. Aí eu falei que tinha que fazer jus ao meu novo emprego... Sabe né... Falei tipo, brincando, normal. Aí ele começou a falar que eu estava fazendo demais, e tal. E começamos a nos alterar, até que ele tocou na turnê com o McFly e meio que começou a falar de confiança e tal... Foi quando eu me irritei, ele também... E eu mandei ele embora.
- Pô, . É o seguinte - dizia Jennifer - Os dois estão errados. Mas não era pra ter o mandando embora, tipo ele deve tá puto com isso, sabe?
- Sei... Não era pra eu ter feito isso. Sou uma idiota e mereço engordar!
- Tudo menos isso. Peraí, você merece... errr... Sei lá... Participar dos jogos mortais, mas engordar não peça isso. Eu queria engodar, engordei. E me arrependi, quase cheguei aos setenta quilos. E foi horrível de perder! - dizia Jennifer.
- Tá, desculpa. Mas jogos mortais amiga? Pô, me odeia tanto assim?
- Eu não... Mas o que vale é o quanto você se odeia agora - ria Jennifer.
- Tem razão... Vou ligar pra ele amanhã... Ia ligar agora, mas vou deixar pra amanhã. Ele deve tá muito, muito puto.
- É, faça isso... - dizia Jennifer.
- Sabe... Uma coisa eu sei!
- O que? - perguntei.
- Que você vai ficar bem mais famosa, e vai se casar com o . Vocês foram feitos tipo, um pro outro. Mesma mentalidade, mesmo jeito.
- Bem, tem um pequeno detalhe... - dizia.
- Qual? Não vejo nenhum...
- A tem! Está vendo minhas pernas?
- Sim, o que tem elas?
- Está vendo pêlos? Eu sou peluda?
- Não...
- Então, essa é a diferença, eu não tenho pêlos. Ele tem... E muito! - ri. (N/A: all time lowbisomens k parei)
- Ergh! Serio? - Any ria.
- Sim... Mas nem ligo. Sabe né, aquelas pernas bem torneadas e peludas - ri mais ainda - Tá, torneada não, mas peludas sim.
Fiquei conversando com as meninas até cairmos no sono. Minha mãe nos acordou bem cedo. Arrumamo-nos e descemos pra tomar café da manhã. O dia não estava nevando, mas estava cinzento.
- Falou com o ? - perguntou minha mãe.
- Não, vou ligar agora - disse me levantando da mesa. - Estou lá na recepção.
- Tudo bem. - falou a mesma.
Tirei o celular da bolsa e disquei o número dele. Chamou, chamou e nada. Continuei tentando. Devo ter ligado umas vinte vezes. A vigésima primeira decidi deixar uma mensagem na caixa postal.
??Hey ... Sou eu, temos que conversar... Sobre ontem... Mesmo assim, me desculpa. Me retorna por favor. Ok, é isso. Beijo. Ah, desculpa a quantidade de ligações, eu só não quero ficar mal com você... Bem, me liga.??
- E aí, conversaram? - perguntou Any.
- Não. Só chamou. Acabei ligando de mais. Parecendo uma desesperada. Ah olha, eu estou! - sorri irônica - Mas deixei uma mensagem na caixa postal dele. Espero que ele retorne...
- Também, não gosto de ver vocês assim. - dizia Jennifer.
- Bem, vamos? - minha mãe chegava nos chamando - O carro está esperando.
Saímos do hotel, e fomos atrás ver uns apartamentos. Chegamos no primeiro. Ele era perto da Time Square, muito lindo, e grande. Mas o preço era meio carinho. Partimos pra outro, um pouco longe. Era bom também. Mas eu não tinha carro, aí ficaria ruim pra pegar metrô e taxi sempre. Procuramos apartamentos até dar a hora do almoço, pra ir ver mais uns quatro. Vimos em torno de dez apartamentos. Estava muito cansada. Paramos pra almoçar em um restaurante na 5º Avenida.
- ... Telefone tá mugindo.
- Ah, nem percebi. - peguei, tirei ele da bolsa e via que o me ligava. - É o .
- Atende caramba! - falou Any.
- Ok... Vou lá fora. - me levantei da mesa e fui pra fora do restaurante. - Oi ...
- Oi meu amor - ele falava todo carinhoso. O que eu achei totalmente estranho - Onde você está?
- Em um restaurante com a minha mãe, Jennifer e a Any... Por quê?
- Onde fica?
- Na 5º Avenida. É o único. Por quê?
- Bem... Vou ter que desligar.
- ! - quando eu falei o nome dele, ele desligou na minha cara. Essa sou eu totalmente confusa e com frio. Caramba, nem tinha me tocado que tinha começado a nevar. Entrei de volta e sentei à mesa.
- E aí?
- E aí que ele falou ??oi meu amor?? totalmente carinhoso, só perguntou onde eu estava e desligou o telefone.
- Que estranho... - disse Jennifer.
- Ele está aqui então. - falou Any.
- Impossível, chegamos ontem. Não tinha como. - falou minha mãe. As vezes minha mãe falava como uma adolescente. Era engraçado, mas ela sabia como éramos. Minha mãe tinha sido totalmente diferente de mim quando tinha minha idade. Podemos dizer que eu sou uma santa, ao que minha mãe era.
- Bem, e se ele tiver pego o avião ontem de noite? - disse Any.
- Bem, tem essa possibilidade - falou mamãe.
- Alou!? Estou aqui... Ele não esta aqui gente, só isso. - terminei o meu almoço e esperei a sobremesa chegar. Enquanto isso fiquei conversando com elas. Depois de um tempinho, olho pra fora do restaurante e via saindo do taxi e vindo em direção do restaurante. - Já volto...
Levantei e fui até ele. Que sorriu e me abraçou forte.
- , o que você está...
- Olha, não vou falar nada, só passa a noite comigo? - sorria.
- Sim, eu passo... Só que agora não dá pra gente conversar, tenho que ver mais quatro apartamentos.
- Vai escolher um hoje?
- Vou sim... Aí dentre esses, vou passar pra Adriana e ela vai fazer o resto. Só a decoração que eu disse a ela que eu iria fazer com minha mãe! - sorri levemente.
- Ok, olha, vou ter que ir agora. Tenho umas coisas pra resolver, te pego no hotel às sete, pode ser? - sorria.
- Claro, aonde iremos?
- Surpresa - disse - Vou indo, o taxi tá esperando - ele me deu um beijo e saiu do restaurante. Voltei pra mesa, ainda sem entender.
- Eu disse que ele estava aqui - falou Any com uma cara de SOU FODA.
- Bem, o que ele queria? Que foi rápido e nem veio falar comigo? - perguntou minha mãe.
- Bem, ele só perguntou se eu passaria a noite com ele, e que vai me pegar as sete no hotel. E disse que ia ter que resolver umas coisas. Mas falou como se nada tivesse acontecido. Foi bem estranho, enquanto eu estou totalmente arrasada, achando que iríamos terminar tipo pra sempre!
- O único jeito é você ir hoje, e vai descobri como vão ficar. - disse minha mãe - Então, vamos comer logo essas sobremesas, ver esses apartamentos, escolher um e você vai se trocar e sair com o .
- OKAY! - disse.
Terminamos a sobremesa, e partimos direto pra ver o apartamento. Desses quatro que vimos agora, e dos outros mais cedo. Escolhemos um ótimo, quatro quartos, duas suítes, um banheiro, cozinha, duas salas, área de serviço. O apartamento era ótimo, grande, e não era caro. E o melhor, perto da Time Square. Tinha coisa melhor? NÃO!
Voltamos pro hotel, conversamos com a Adriana e depois fui tomar banho. iria me pegar, iríamos sair. Pra onde? Não sei. Estava feito, Adriana iria falar com o corretor do apartamento, pra fechar o contrato. Por enquanto eu iria alugar ele. Depois quem sabe, eu não compro. Minha primeira compra com o salário como cantora. Que supimpa.
Bem, tomei um banho, troquei de roupa e fiquei esperando pelo no quarto do hotel. A recepção ligou avisando que ele havia chegado. Parecia que estava saindo com ele pela primeira vez. Eu estava nervosa. Qual foi , você já fez tantas coisas com seu namorado, pra que o nervosismo?
Peguei o elevador e desci. Sai do mesmo e ele me esperava sentado no sofá, de costas pra porta do elevador.
- Hey - toquei no ombro dele.
- Oi - sorria. Se levantou e me deu um selinho. - Vamos?
- Claro... Mas pra onde você vai me levar?
- Surpresa.
- O que? Você vai me seqüestrar e me matar? - ri, fazendo ele rir também.
- Bem, não tinha pensado nisso... Mas é um boa ideia. - ele riu. Abriu a porta do taxi pra eu entrar e entrou logo em seguida. - Restaurante 21 Club por favor. Valeu - disse pro taxista ( N/A: frente: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/00/21Club.JPG )
Durante todo o caminho, fomos em silêncio. Demoramos pelo menos uns dez minutos no carro, por conta do trânsito. Chegamos ao tal restaurante 21 Club. Que por sinal era bem legal. Descemos e o deu nossos nomes pra mulher que estava na entrada.
- Mesa pra dois, em nome de . - falou pra mulher. Que procurava o nome na lista.
- Por aqui - sorria abrindo a porta pra gente. Entramos e ela nos levou até a mesa. - O garçom que irá atender vocês é esse aqui, qualquer coisa, só chamar ele. Bom jantar. - sorria.
- Bem... Vai querer beber o que? - olhava o cardápio.
- Não sei, o que você beber eu bebo.
- Um vinho tinto, pode ser? - perguntou.
- Pode... - respondi. pedindo vinho tinto. Ok, não era o , ele estava totalmente estranho, parecendo um robô. Ele chamou o garçom e pedia o vinho, enquanto eu olhava vidrada pra ele.
- Traz uma garrafa desse vinho aqui. - pedia. - Obrigado - olhou de volta pra mim, e sorriu. Nada mais do que isso.
- Bem, ... Você não me trouxe pra ficar olhando pra minha cara, certo? - falei meio irônica.
- Não, eu não trouxe...
- Então... Essa é a surpresa?
- Bem, é... - ele sorriu - Mas te trouxe aqui pra gente conversar.
- Ok, estamos aqui. Ai, vou parar de ser chata - sorri levemente.
- Então ...
- Não, eu começo... Por favor - olhei pra ele. - , me desculpa por te mandar embora naquele dia lá em Baltimore. Eu me irritei com o que você disse e eu também não deveria ter dito algumas coisas... Me desculpa?
- Bem, ... - quando ele disse isso, a única coisa em que eu pensei foi que ele vai terminar comigo agora, nesse exato momento. - Foi pra isso que eu te chamei aqui, te pedir desculpas... E eu fiquei muito puta... quer dizer puto quando você me mandou embora. Mas besteira, quero me desculpar também... E claro, te desculpo - sorriu.
- Obrigada. - sorri pra ele. Ele se inclinou e me beijou - Mas, . Outra coisa. Você claro deve ter percebido que...
O garçom atrapalha, servindo o vinho. Pego a minha taça e bebo um pouco.
- Espera, vamos pedir logo o jantar, estou morto de fome.
- Também estou. - ri, ele riu junto. Escolhemos o prato e fizemos o pedido, enquanto isso, bebíamos o vinho. Que por sinal estava ótimo!
- Voltando... - sorri - Bem... Você deve ter percebido que, estamos brigando muito dos últimos tempos pra cá, não acha?
- Acho, e temos que parar com isso... Sabe por que?
- Por quê?
- Porque temos que nos casar oficialmente. E pra isso, temos que chegar lá inteiros.
- Mas, podemos nos casar sim. Não importa a quantidade de brigas , haja o que houver, eu sempre vou te amar! - dei um sorriso, e ele me retribuiu com outro. Segurou a minha mão. Olhou pra ela, retornou o olhar pra mim, ainda com o mesmo sorriso.
- Eu te amo . Meu Deus, o que você tem em você? Cocaína? - ele deu uma risada de leve. Fazendo-me rir também.
- Seu modo de demonstrar que me ama, é engraçado. Mas é lindo, é sincero. Meu, eu vou chorar. Ok? - disse chorando já. Ele ria e enxugava minhas lágrimas, que não eram muitas. Jantamos, e terminando o nosso jantar rápido. Ele me levou pro hotel onde ele estava. De primeira, ficamos só deitados, conversando e se esquentando. O frio era enorme. Depois sabe né... Temos necessidades. Eu como sempre, termino dormindo, ele fica sempre do meu lado me olhando. Acordei com a mesma sensação de sempre, de alguém me olhando, ele me olhando né!
- Por que você me deixa dormir toda vez? - perguntei, meia sonolenta.
- Porque eu gosto de te ver dormindo. - sorria.
- Own, seu fofo - sorri.
- Eu me esqueci de um pequeno detalhe lá da nossa conversa no restaurante.
- O que?
- Sabe qual foi o motivo, que me fez pegar o ultimo vôo de Baltimore até NY atrás de você?
- Não... Qual?
- Quando eu saí da sua casa, passei em um pub. Bebi cerveja até sentir frio.
- Realmente, você bebe cerveja em pleno inverno! - ri.
- Então, deixa esse detalhe de lado. Aí, voltei pra casa, troquei de roupa, e fui ver TV. Estava passando Bonequinha de Luxo. Me fez lembrar você e de tudo que a gente passou. E me senti um otário por isso tudo, aí arrumei a mala de qualquer jeito, e fui direto pro aeroporto. E estou aqui. - sorria.
- Own. Seu peludo. Te amo! - ri.
- Peludo, é assim que você me trata?
- Ursinho? Berinjela? - fiz bico - Pedobear? - dei um sorriso colgate.
- Hum... Gostei do PedoBear.
- Safado! - ri.
Passei a noite inteira com , liguei claro pra minha mãe e para as meninas avisando que ficaria com ele. E que me encontrasse no estúdio, iria direto. Bem, eu e o , com brigas e vai e volta. Meu Deus, eu só quero saber onde isso tudo ainda vai dar. Mas espero que seja perto dele!

Capítulo 28

Os dias se passaram bem rápido desde o quase termino com o . Ele tinha voltado pra Baltimore, e eu continuei aqui em NY. Amanhã já era ano novo. O ano passou tão rápido, que parece que foi ontem que eu estava saindo do Brasil e vindo pra cá. Mais o estranho é, que no ano novo do ano passado, eu estava com meus amigos na praia, curtindo o puta calor com minhas amigas. E agora, eu estou em NY, no puta frio e sou famosa. Acabei decidindo passar o ano novo lá em Baltimore, já que no Natal, eu passei aqui gravando e com minha família. Jack? Eu o tinha visto na véspera do Natal. Ganhei um urso enorme com uma coleira escrito PedoBear, e ganhei dele também uma bolsa muito linda. Ele tem bom gosto. Ou chamou alguma amiga minha pra comprar. Anyway. Eu dei de presente uma jaqueta de couro e um tênis da Nike, e claro, o último cd do Green Day. Não fui besta e comprei um pra mim. Era o único que faltava.stay there until 2012, seriously - Onde está? - meu pai dizia no telefone.
- Bem, estou esperando no embarque, pai. O vôo atrasou.
- Quando chegar, me liga! Vou te buscar.
- Tá bem! Estou morrendo de saudades de você! - falei animada.
- Também estou filha - falou o mesmo. - Olha, vou desligando, tenho que comprar umas coisas pra levar pra casa da família do .
- Tudo bem! Te amo pai! Beijos - desliguei o telefone, e fui comprar um café na Starbucks. Vê se passava o frio. Fiquei sentada em uma mesinha, comendo pão de queijo e tomando o café. Via que não ia sair daqui nem tão cedo. Entrei no twitter, e postei meu incrível drama.
??@ presa no aeroporto. Nossa, te amo neve??. Postei em inglês. Seguido de um em português ??@ não vejo a hora de chegar em Baltimore, e ver meus pais! Saudades enorme deles?? ??@ PORRA QUE FRIO! ME CONGELARAM E EU NÃO VI...?
Saí do twitter e fui comer mais. Até que a e a ligam pra mim.
- !!! - gritaram as duas.
- Calma! Não posso gritar, se não vão achar que sou doida... Enfim, porra, que saudades!
- Também! Como está o frio aí? - perguntou .
- Ótimo! Muito bom, pra falar ao contrário. Quando se está em casa é ótimo, mas ao sair e ficar presa no aeroporto é horrível.
- Você não sabe da ultima... - falou .
- O que? - perguntei super curiosa.
- O VEM PRA CÁ ME VER! - gritava no telefone.
- Mentira, sério?! Quando?
- Dia três de janeiro. Mas não vai poder demorar muito... Eu estou sem acreditar. ... O vem me ver!
- Ela não para de gritar e de citar isso há uns dias - falava - Já o , me mandou um presentinho de natal. E mandei outro pra ele.
- Meu Deus! Isso é estranho... Muito estranho!
- O que? - pergunta sem entender.
- Meninas, amanhã é ano novo. Lembram onde a gente estava ano passado?
- Sim...
- Na casa de praia, ouvindo mcfly, all time low e bandinhas gays que amamos.
- Pois é... Estávamos pulando que nem umas gazelas na praia... Enfim, olha onde estamos agora. Trocando presentes com o do McFly, tendo visitas do do all time low, indo passar o ano novo com a família do do all time low também! Isso do nada apareceu nas nossas vidas, que nem sentimos.
- E tem um detalhe, você é famosa. Esta gravando um cd, e vai abrir pro McFly.
- Vou abrir pra ninguém não! Olhe o respeito - ri - Enfim...
- Pois é, . Agora se DEUS quiser, faculdade ano que vem.
- Saiu o resultado?
- Ainda não, só em fevereiro. - falou .
- Sim, voltando. - dizia - As menininhas vem falar com a gente, sobre você... E tal... E teve umas que tiraram foto com a gente também... Por sermos suas amigas, e que tínhamos conhecido o all time low e o mcfly. ! Onde estou? - riu.
- Se é estranho pra vocês, imagina pra eu aqui. Paparazzi atrás de mim. Entrevistas em talkshows. Fotos no meio da rua. Eu saio com o pra jantar, e no outro dia várias fotos nossas no restaurante. Foi estranho. Mas eu meio que me acostumei já, sabe?
- Sei sim... Mas não se esqueça da gente. Nunca, por que nunca nos esquecemos de você. - falou .
- Sim, você é mais que uma amiga. Nossa irmã. Uma parte de nosso coração. - completava. E eu começava a chorar.
- Tá chorando? - perguntou .
- Sim suas porrinhas. Eu amo tanto vocês, que vocês não tem noção. Cada lembrança nossa, me faz querer chorar, e ir correndo pro Brasil só pra ver vocês. A cada dia da minha vida, eu queria que vocês estivessem aqui comigo, aproveitando e estando do meu lado. Por que sério, parece tudo fácil mas não é. Vocês estão longe, e tudo se torna difícil não tendo vocês comigo. ? soluçava - Sabe, tenho minha mãe comigo e meu pai. Mas o jeito deles é diferente. É paterno. O jeito irmã de vocês eu não tenho. Sabe? Eu tenho medo de perder vocês!
- Quer uma água? - a mulher da Starbucks me oferecia.
- Sim, por favor. - sorri totalmente amarelo e com a cara inchada de tanto chorar.
- , calma... Pare de chorar. - me acalmava - Você não vai nos perder, temos uma as outras pra sempre, três pilastes, se uma cai. Todas caem!
- Isso mesmo! Haja o que houver, estaremos sempre juntas! Te amamos muito. Você sabe disso.
- Sim, eu sei...
- Não se gabe - ria, me fazendo rir também. A mulher deixava a minha água em cima da mesa, e eu dava um enorme gole.
- Eu amo vocês também! Meu presente de natal chegou?
- Ainda não.
- Deve chegar esses dias... - falei - Moça, a conta. - falei pra garçonete. Enquanto a garçonete trazia a conta, a mulher do aeroporto avisava que o vôo de NY para Baltimore estava confirmado, e mandava os passageiros irem para fila - Foi ótimo falar com vocês, sério. Fez-me tão bem! Mas vou ter que ir, amanhã na hora da virada eu ligo pra vocês, ok? FIQUEM COM O CELULAR - falei. - Mas tenho que ir, o avião chegou.
- Ok, boa viagem, amiga. Te amamos - falou .
- Também amo vocês! - disse. Desliguei o telefone e fui até o portão de embarque, eu e minha cara de ??acabei de chorar muito??. Entrei no avião, e liguei pro meu pai. Avisando que já estava indo.
Enquanto o avião não pegava vôo, entrei no twitter e postei o seguinte: ??@ até que enfim, Baltimore, estou indo *-*?? seguido de ??@ Chorei muito agora no aeroporto falando com as amigas. Como sinto falta delas. Qual o botão que aperta pra ter elas aqui???
Desliguei o telefone, e me encostei na cadeira, já estava anoitecendo, e depois de chorar muito acabei dormindo. Passei o vôo todo dormindo. Mas acordei com o balanço do avião pousando. Cheguei lá, meu pai me esperava com um enorme sorriso, e eu com outro. Larguei tudo e saí correndo pra abraçá-lo.
- CARAMBA! QUE SAUDADES - falei pro mesmo.
- Também estava meu bebê.
- Tempo que não me chamava assim - sorri soltando ele. - Me chame sempre tá?
- Pode deixar. - sorria - Pega suas coisas de volta né. - riu.
- Claro!
Pegamos minhas coisas e partimos direto pra casa. Abraçar a minha mãe, e dormir um pouco. Só veria o no outro dia. Era o combinado. Tomei meu lindo banho quente. Entrei na internet, pelo computador dessa vez. Conversei com alguns amigos do Brasil. Marquei de visitar uns que iriam pra NY agora em Janeiro. Usei pra caramba o twitter. Números de seguidores? Quadriplicou, deu uma virada que eu nunca imaginei que teria. Não demorei muito e fui dormir. Acordei com o pulando na minha cama.
- ACORDA, ACORDA, ACORDA, ACORA A CASA DA PEGANDO FOGO! - ele gritava desesperado!
- O QUE! - acordei gritando e me levantando rápido.
- BRINCADEIRA - ele ria ainda pulando e caindo por cima de mim.
- AIIIIIIIIII MEU BRAÇO!!! - gritei.
- AMOR, DESCULPA! MACHUCOU?! - ele falou pegando no meu braço todo preocupado.
- Brincadeira!
- PORRA ! - ele riu (N/A: a @cah_coca falando comigo, desse mesmo jeito ??PORRA?? q ) - Me assustou meu.
- Desculpa Pedobear! - eu falei rindo.
- Ta desculpada. Levanta-se. Sua mãe falou que temos que preparar a sobremesa!
- Ela tem certeza? - sentei na cama e prendi meu cabelo que estava uma bagunça só.
- Sim... Pior que tem - ele me empurrou e deitou em cima de mim.
- Temos coisas pra fazer, vai sai de cima. - ri.
- Ah, peraí. Só tem a empregada aqui, sua mãe foi comprar as coisas pra sobremesa e seu pai esta na minha casa preparando as ultimas coisas. - ele olhava com a maior cara de safado o possível e vinha perto do meu rosto me beijar.
- Não, para! - disse tentando me controlar e rindo.
- Não...
- , serio... Agora não! - eu continuava rindo. Consegui tirar ele de cima de mim, e levantei.
- Não acredito que você tá fazendo isso comigo - fez bico.
- Isso o que? - ri.
- Me deixando na maior vontade aqui, ... Eu vou enlouquecer a noite toda! - ele falava.
- Não vai não.
- Vou sim! Porra, se você vai ser má desse jeito, vai tirar logo esse baby doll vai, vai! - falou.
- Hum... Tá! - falei fingindo medo. Fui pro banheiro, tomei banho, e me troquei. Estava frio demais hoje! O bom era que a casa toda tinha aquecedor né!
Fui tomar meu café da manhã e esperei minha mãe voltar com as coisas pra fazer a sobremesa. Que por sinal eram três. Três típicas sobremesas brasileiras. Pavê de chocolate e biscoito, brigadeirão e bolo pudim.
- Eu não sei cozinhar, principalmente comidas brasileiras.
- É fácil, estamos com a receita. Faça o que eu mandar!
- Tudo bem. - falou deitado no meu colo. Depois de uns minutos minha mãe chega com as coisas.
- As coisas estão na cozinha, se virem!
- Brigada pela ajuda sogrinha - gritou e riu.
- De nada! - minha mãe fala subindo as escadas.
- Vamos logo, temos que terminar antes da meia noite - falei rindo.
Tiramos as coisas da sacola, separamos tudo e eu fui ler a receita.
- É, vamos começar com o bolo pudim, depois o pavê e por final o brigadeirão. Que é o mais fácil.
- Então né, nem sei por onde começar. - falou lendo a embalagem do leite moça. Dei um avental pro e coloquei outro em mim.
- Pra que isso? - perguntou.
- Pra você comer, amorzinho! - falei irônica - Pra você tentar não se sujar.
- Ah... Bom... - ele sorriu. Começamos a fazer as sobremesas. Não deu outra, e começamos a jogar farinha e tudo que estava a nosso alcance um no outro. Fizemos uma bagunça e tanto. Mas pelo menos o bolo tinha dado certo.
- Não acredito, minha cozinha, e ! - minha mãe gritou entrando na cozinha, se ela não falasse na hora um ovo enorme iria diretamente no rosto do . - Vou desmaiar! - minha mãe fez drama. - Arrumem tudo antes da meia noite, se não os dois estão de castigo e não vão pra festa.
- Tudo bem - riu. Tiramos fotos nossas daquele jeito, e fomos continuar com as outras sobremessas. só fazia experimentar as coisas. Fazia tudo sentado na bancada da cozinha.
- Você tá linda com todo esse avental, e esse cabelo preso, e toda sujinha de chocolate e massa de bolo. Dá até vontade de...
- Para! - falei rindo.
- Ok, vou me controlar - disse descendo da bancada e beijando meu pescoço, seguido pela dedada no brigadeirão (N/A: masoque? k) - Sabe, esse tal de brigadeiro. É gostoso. - colocou o dedo na boca.
- Percebi, perdi as contas de quantas dedadas você deu. - derramei o brigadeiro na travessa de vidro e coloquei na geladeira. - Bem, terminamos, agora vou tomar um banho e ver que roupa vou usar hoje a noite.
- Eu tomo com você!
- Toma nada!
- Você tá chata hoje... Muito chata! - fez bico
- OWH Pedobear! Vem cá vem - abri os braços, ele veio todo encolhidinho e me abraçou. - Tá melhor?
- Aham...
- Ótimo, vou tomar banho.
- Porra ! - gritou. Só fiz rir. Subi pro meu quarto, e fui direto pro banho. Ao sair do banheiro estava todo esparramado na cama.
- Tava esperando você sair pra me despedir. Vou indo... Passo aqui mais tarde.
- Ah meu, fica. Toma banho aqui, e mais tarde você vai.
- Não, tenho que ver como estão as coisas lá em casa. E já vai dar seis horas.
- Hum, tudo bem... - fui até ele e dei um beijinho. O safado me puxou e me jogou na cama.
- Não vou fazer nada... Relaxe. - ele riu.
- Tá muito safado hoje viu... Se controle homem - bati no rosto dele devagar.
- CARALHO! FAZ ISSO NÃO! - falou - É só um aviso... De hoje você não escapa! - Me beijou intensamente, e eu estava cedendo já, e gostando até. Até que ele para do nada. - Tchau.
- PERAÍ! Vai não!! - gritei.
- Ah vou sim! - soltou um beijinho e saiu do meu quarto. Filho da mãe! Passei o resto do dia compondo e depois já era a hora de ir trocar de roupa e ir pra casa do . Virada de ano com a família dele e a minha. Minha roupa? Escolhi um vestido floral tubinho, uma meia-calça de bolinhas e coloquei um salto preto. Mas coloquei um sobretudo por cima até chegar na casa do . O frio era grande!
- Oi amor! - dizia .
- Oi... - sorria e o abraçava - Você me matou hoje a tarde viu - falei ao seu ouvido.
- Matei? Que bom, eu estou morto desde manhã... - respondeu baixo no meu ouvido.
- Para! - ri - Vamos logo.
Entramos no carro, e partimos direto pra casa dele. Chegando lá, a família toda dele estava. Já os conhecia, claro. Vai fazer um ano já que estou com o ... Isso era... Isso era LINDO!
- Me dá o casado, - falou .
- Claro. - tirei e o entreguei.
- Vai tirar esse vestido já, já - falou no meu ouvido de novo. Me fazendo só sorrir. O que temos hoje? Acordamos com o que, pelo amor de Deus? A festa na casa do estava ótima. As horas passaram bem rápidas. Eu e o dávamos umas fugidinhas do pessoal pra se pegar. Sim, e voltávamos. Olhamos no relógio, e já era dez pra meia noite. Todo mundo na expectativa pra virada. Peguei meu celular e deixei logo os números da Nycole e da Milena prontos pra fazer a ligação. Passou os minutos, e já era onze e cinquenta e nove. Faltava agora segundos pra meia noite.
Todo mundo começou a gritar a contagem.
- Dez, nove,oito, sete, seis, cinco, quatro, três, dois, UM! AE! - todo mundo da casa gritou.
- Feliz ano novo Pedobear! - falei pro abraçando ele e o beijando.
- Feliz ano novo Chuchu! - me abraçou forte.
- Te amo mesmo, .
- Te amo mesmo, - sorri. - Vou ligar para as meninas - disse - Já volto.
- Vou ligar pros meus machos também. Já volto.
Fui até o banheiro e liguei pra e pra . Depois liguei pra Jennifer e pra Any. Saí do banheiro e fui procurar meus pais, e falar com os pais do também. Saí a procura do . E não o encontrei. Fui até o quarto dele que estava escuro. Acendi a luz e entrei. Do nada a luz apaga e a porta fecha. Escutei o barulho da chave fechando ela. Tomei o maior susto.
- Porra... Quem tá aí?
- Bicho papão - riu.
- Idiota, quase me matou do coração.
- Foi mal... - continuou rindo, e veio em minha direção. Envolveu os braços na minha cintura e foi subindo a mão até o final do vestido.
- Porra, cadê o zíper?
- É do lado, não atrás - falei rindo.
- Sacanagem, morgou a parada.
- Morgou foi? - mordi seus lábios.
- NÃO! - riu de novo.
Passei a noite de ano novo ali, nem vimos as horas passarem. Ninguém veio atrás da gente também. Isso que é se preocupar com a vida alheia.
Passei os dois primeiros dias de janeiro em Baltimore, mas tive que voltar logo. A pintura do meu apartamento já estava pronta, tudo estava pronto. Só falta comprar alguns moveis e mobiliar. Tive que voltar mesmo pra fazer a gravação do meu primeiro clipe. Estava muito animada. Muito mesmo. Já o cd só faltava tirar as fotos, e gravar mais duas músicas, faríamos isso em dois ou no máximo três dias.
- , seu celular tá tocando... - falou Kevin, o baixista da minha banda.
- Veleu - sorri - Alô?
- ?
- A própria, quem fala?
- .
- Oi! Quanto tempo meu... E por que ligou em número desconhecido? - perguntei.
- É o número do . Sabe né, meu celular foi bloqueado de novo. - riu.
- Menino, pague a conta - ri junto.
- Bem, e aí? Soube que está gravando o cd.
- Sim, falta só algumas músicas, e fazer as fotos. Estou tão animada pra ver ele pronto.
- E eu ansioso pra ver como ele está!
- Ow, obrigada.
- E aí, esta animada pra turnê?
- Muito, e meia nervosa também...
- Não vejo a hora de você chegar aqui, e começarmos com isso. Vai ser divertido.
- Muito! - falei.
- Ainda namorando com o ?
- Sim, estamos firmes, vamos fazer um ano de namoro já.
- Nossa... Hum... Que bom, né?
- Sim... Bem legal! - falei - Vou ter que desligar, to terminando de gravar o clipe aqui.
- Tudo bem, te ligo depois?
- Claro!
- Ok! Beijos.
- Beijos.
- AH! Estou com saudades...
- Erm... Também estou - fiquei sem jeito.
- Bem, vá lá.
- Ok, tchau. - desliguei o telefone e fui terminar de gravar o clipe. Que seria editado, e que seria lançado daqui a três dias.
- ! - falou Adriana.
- Oi.
- Quer continuar a gravação agora, ou deixar pra amanhã?
- Amanhã. Estou cansada.
- Certo. Temos que ver quais os moveis que vai colocar no apartamento ainda.
- Vemos isso depois também.
- Certo. Vou chamar o carro pra te levar pro hotel.
- Não precisa. Vou de taxi. Tenho que passar em um lugar, e estou afim de ir de taxi. - sorri.
- Certo, cuidado. Boa noite.
- Até amanhã. Boa noite. Tchau lesados - falei pra minha banda.
O lugar que tinha que passar era a Mcdonald's, queria comer um bom hambúrguer e depois ir de volta pro hotel, queria passear um pouco pela cidade. Voltei pro hotel a pé. Não nevava, e estava um frio legal pra se andar. Cheguei no hotel, capotei de vez na cama. Acordar cedo pra ir terminar de gravar o cd.

Capítulo 29

POV?S

Fevereiro estamos aí né? E eu tive que voltar pra L.A pra ver os últimos detalhes da nossa nova turnê, com o lançamento do novo cd também, o Dirty Work. Que por sinal iria ser FODA demais!
- Quando volta? - perguntava .
- Não sei, vai demorar um pouco, sabe... Mas espero que logo. Você não pode dar um pulinho aqui não?
- Uhul, quem sabe... Vou ver aqui. To muito corrida com o lance das fotos pro CD e os últimos ajustes também. Mas acaba logo. - disse ela.
- Ótimo... Me liga quando terminar? - perguntei - , TRÁS UM DESSES PRA MIM! - gritei pro .
- Venha pegar, vadia! - falou o mesmo.
- tá um saco, nem faz mais sanduba pra mim - falei pra .
- A meu, você tem que aprender a cozinhar... Quem é que vai fazer comidinhas pra mim quando eu estiver cansada?
- O ! - ri.
- vai virar nossa empregada? - ela riu.
- Sim, vamos dizer a ele que pagamos um ótimo salário, aí ele aceita. - ri - Sabe como é né, bitches aceitam por qualquer preço.
- Tadinho... - ela falava e ria muito.
- Qual foi, , para de rir. Anda rindo demais! - falei - Você vai me fazer ter uma overdose! - ri.
- Por quê? Nem falei nada. - continuou rindo.
- Sua risada tá engraçada... Tipo uma hiena. - continuei rindo, e ela parou na mesma hora.
- HIENA?! PORRA , HIENA? MERMÃO, TANTO BICHO, E LOGO UMA HIENA? - ela falava alto, mas prendendo a risada.
- Minha hieninha linda!!
- VAI PEDOBEAR! - gritou.
- TÁ, CHEGA. - ri.
- , precisamos de você agora - disse .
- Ok, to indo. - disse pro - Amor, vou desligar, depois te ligo.
- Tá bom, te amo.
- Também te amo, hiena. - falei.
- A VA...
- TE AMO, TCHAU! - desliguei antes que ela me mandasse tomar em certos cantos que eu não quero. Ela vai me ligar puta depois. Toda vez é ??Seu viado que dá pro , por que desligou??? aí eu começo a rir. Então né, fui até os caras pra ver o que era.
- Cheguei pra alegria de todos.
- Cala a boca porra - disse .
- Blah, vai cagar - falei - Então o que é?
- Bem, vamos lançar o cd logo, e vamos ter que ver o lance da turnê... - falou Matt. - E aí que estamos vendo uma época pra ir pro Brasil esse ano.
- Brasil? Isso é ótimo - disse animado.
- Esperto! - falou - Quem é você meu? Tá menos viado. Ou mais, estou confuso, me ajudem!
- Cala a boca! - disse .
- Então, continuando... Mas essa turnê no Brasil vai ser em Junho, não agora. A de agora vai ser pela Europa.
- Europa? - perguntei e dei um sorriso.
- Sim, lá mesmo.
- Ótimo!
- Vai começar! A melação dele e da quando se encontrarem. - disse .
- Cala a boca! - falei. - Então... E as datas, como vão ser?
- Vamos com Yellowcard, vocês vão abrir pra eles.
- Hum, adoro. Abrir pro Yellowcard - falou e suspirou.
- MEU DEUS! - disse - isso vai ser tipo, FODA DEMAIS!
- Muito! - disse.
Continuamos falando sobre a turnê, e eu mal via a hora de dizer pra . Fiquei pensando no que o disse sobre eu e a . Somos melosos demais? Por isso estamos brigando tanto? E por besteira ainda por cima. Mas deve ser besteira minha, brigamos porque somos um casal normal. E não somos melosos. Tá, só um pouco, e eu ajudo mais ainda. Chego a ser mais do que ela. Sou um viado e pronto.

POV?S

- , vai querer comprar roupas pra levar pra turnê, alguma coisa? Temos que ver tudo antes do mês que vem. - falou Adriana.
- Veremos tudo sim, calma... As roupas deixa pra depois. Quero saber do meu apartamento. Os móveis, já chegaram? - perguntei.
- Móveis? Você só pediu pra mobiliar a cozinha e o quarto de seus pais, . - Adriana riu.
- Bem, foi... Quero comprar o resto das coisas quando eu tiver meu dinheiro, sabe?
- Sei sim, e claro, chegou tudo. Mas você só pediu o quarto do seus pais e a cozinha. E o seu quarto?
- Bem... Uma cama, um abajur grande do lado e uma mesinha pequena. Nada mais do que isso. Já vem com closet mesmo.
- Hum... Sala de TV, sala de jantar.
- Sim, na sala de jantar, uma mesa com seis cadeiras. SIMPLES POR FAVOR!
- Toda de madeira, comprada em um carpinteiro barato? - ironizou.
- Está ótimo, sério mesmo! E na sala de TV. Uma televisão normal, não muito grande, e coloca um tapete e uns puffs.
- Quadros?
- Não.
- Plantas?
- Não
- Minha filha...
- Meu apartamento vai ser lindo. E Adriana, só quem vai morar ali sou eu. SOZINHA ainda por cima. Minhas amigas dormem junto comigo, ou em colchões, sabe? dorme comigo. E meus pais, minha prioridade tem o quarto deles. Então meu apartamento está ótimo pra quem vai receber visitas de vez em quando só.
- Entendo...
- Obrigada - sorri.
- Bem, as três horas venho aqui pra poder te levar pro estúdio de fotos.
- E os meninos?
- Vamos passar lá também, iremos de van!
- VAN! Adoro andar de van, fica todo mundo tão junto - ri, e Adriana riu também.
- Bem, vou te deixar ver TV um pouco, ou fazer qualquer outra coisa. Às três te ligo e você desce.
- Tudo bem, falou Adriana.
- Falou, ! - riu, e fechou a porta do quarto.
Fiquei assistindo televisão. Depois fui ver umas roupas, escolher uma pra ir pra sessão de fotos mais tarde. Comi pra caramba também.
??MUUUUUUH?? meu celular toca.
- Novidade! - dizia animado.
- O que?!
- Vamos fazer turnê pela Europa também, na mesma época que você, acho...
- Sério!? Isso é ótimos! Podemos nos ver quando estiver em Londres!
- Claro que sim. Por isso me animei também. E aliás, outra novidade. Quer dizer, duas.
- Ai, diz logo!
- Então... Nessa turnê pela Europa, vamos abrir pro Yellowcard! - falou em tom alto.
- MEUS RINS! SÉRIO? - falei quase dando um grito.
- Sim! Mas não iremos divulgar o cd logo nele. É, foi o que decidimos. Vamos deixar pra depois dessa turnê.
- Entendo, e qual é a outra?
- Brasil em Junho!
- MEUS PULMÕES AGORA! - gritei - Bem, se eu estiver livre... Iremos juntos! Que tal?
- Seria ótimo, aí conheceria sua família de lá.
- Que fofo você, . Você vai adorar meus avôs! - disse.
- Tenho que conhecer a família da mulher dos meus filhos, né caramba!
- Oh, que lindo. Tem como não querer ter apertar agora? Porra, você tá longe. - ri.
- Depois você aperta.
- Está bem... Posso contar para as meninas?
- Não sei ainda, deixa até tudo se confirmar.
- Tudo bem. Amor, vou ter que desligar, me arrumar e fazer a sessão de fotos do cd.
- Certo. Vai sair quando, sabe?
- Daqui à duas semanas.
- Porra, o cd mais rápido que já vi.
- Pois é né... Só espero que ele esteja bom. Mas estou animada de qualquer jeito.
- Vai dar tudo certo - me aconselhou.
- Se DEUS quiser. Agora vou indo.
- Tá, te amo! - falou o mesmo.
- Também te amo! Beijos - desliguei o telefone e fui me arrumar, já eram duas e meia. E Adriana era pontual até demais! Senhor! A mulher não atrasava nem um minuto.
Arrumei e fui pra tal sessão de fotos pro cd com os meninos da banda. Sim, eu quis incluir eles no CD. Afinal são eles que fazem a melodia das minhas músicas. Tinha que colocá-los. Acho ridículo aquele povão que faz música, tem uma banda própria e não dá uns créditos pra eles. Quem sabe eu não formo uma banda completa com eles. Sem ser uma coisa totalmente solo. Seria mais divertido. Mas vamos ver no que vai dar nisso tudo aí!
A sessão de fotos foi bem legal, divertida pra caramba. Tiramos todas em um estúdio, nada de natureza, nem sol, nem neve, nem nada. Só um estúdio fechado e cinza.
Depois de horas e mais horas ali. Tivemos que parar, e escolher as fotos que iriam pro encarte do cd, pra capa do cd, pra parte de trás do cd. E depois os designs iriam fazer algumas montagens, fotoshops, mandaria pra gráfica, e o cd estaria pronto. Em poucas horas, poucos dias.
Passei o dia todo lá, voltei pra casa ia dar meia-noite já. Casa não né, quarto de hotel. Tomei banho e fui dormir. Essa era eu mais morta do que estudar pra uma prova de física. Dia seguinte ligar pros meus pais.
Acordei pela primeira vez sem a Adriana me ligando ou batendo na porta do quarto. Abri meus olhos, e vi no relógio que ia marcar onze horas da manhã.
- Que horário lindo de se ver - falei comigo mesma. Levantei-me, troquei de roupa, escovei meus dentes e desci pra tomar café. Ou pedir qualquer coisa pra comer, já que o horário do café da manhã tinha passado há muito tempo. O inverno estava acabando já, mas ainda fazia um pouco de frio. Então calça de moletom e casacos!
- Bom dia, George! - falei pro camareiro no elevador.
- Bom dia, Srta Lima. - falou o mesmo. Saí do elevador e fui direto pro restaurante. Comi e voltei pro meu quarto. Ficar vegetando enquanto Adriana não ligava pra mim avisando o que temos que fazer hoje. Liguei a TV, deitei na cama e dormi.
Acordei com meu celular tocando, e adivinha? Adriana.
- Dormindo até agora?
- Não, acordei, tomei café, e dormi de novo - ri.
- Bem, vamos ter uma vídeo conferência com os meninos do McFly e com o Fletch.
- Ok, que horas?
- Às duas horas. Tem como você vir pro estúdio de gravação?
- Claro, estarei aí sim.
- OK! Vou avisar os outros agora. Até mais tarde.
- Até - desliguei e dormi de novo.
Era uma e meia e essa era eu tentando pegar um taxi no meio de NY e tentar chegar na hora. O que não deu muito certo.
- Desculpa o atraso - abri a porta toda destrambelhada.
- Certo, vamos, sente-se e vamos resolver como será a abertura e quantas músicas serão... - disse Adriana.
- Ok - me sentei na cadeira do lado da dela. - Oi gente! - acenei pros meninos.
- OI ! - disse animado.
- Como você tá? - perguntou .
- Bem, bem! - sorri - ?
- Beleza?
- Supimpa.
- Fala com a menina, - disse .
- Tudo bom, ? - ele sorriu e acenou.
- Tudo ótimo... E com você?
- Tubo beleza.
- Então, vamos logo ao que interessa - disse Fletch.
- Isso - completou Adriana.
- Bem, . Você vai chegar aqui dois dias antes de começar a turnê.
- Certo...
- Então. Quando você chegar, quero que prepare logo tudo que vai levar com a banda, que partiremos direto pra primeira cidade no outro dia. Londres será a ultima.
- Nossa... Era pra ser ao contrario, começar em Londres. - disse .
- Não sua anta, quando terminarmos a turnê, voltaremos pra Londres. Aí fecharemos aqui. Besta! - disse .
- Hum, faz sentido - disse , e eu só fiz rir.
- Teremos pausas entres os shows, digo. Quando estivermos viajando?
- Sim, pararemos em algumas cidades pra tomarem banho, ter uma alimentação normal. Mas não será em todas, para não atrasar.
- Aham. - falei.
- Estamos preparando um ônibus pra você e pra banda.
- Legal! - falei empolgada.
Continuamos ali por mais algumas horas e depois, eu estava livre. SIM LIVRE! Por pelo menos alguns dias, até o cd chegar e eu fazer o lançamento dele aqui nos EUA.
Apenas isso.

Capítulo 30

- Até que enfim isso acabou... Estou muito cansada. - falei pra Adriana.
- Cansada?
- Sim, tipo, desde que lançamos o cd, a única coisa que eu fiz foi viajar pra L.A e voltar no mesmo dia, ir pra outras entrevistas, programas, talkshows. Isso cansa. - falei e fiz um sinal pra ela não falar e continuei - MAS! É divertido pra caramba! To adorando. - ri.
- Que bom! E eu estou animada pra esse turnê com o McFly! - Adriana deu um gritinho.
- MEU DEUS! CALMA! Era pra mim estar assim! - ri, mas no final acabei dando gritinhos. O que? Minha primeira turnê, e será com o McFly, e na Inglaterra? Sem comentários.
- Bem, tem algum sinal que alguém comprou meu cd? - ri mais ainda.
- Ele saiu pra venda há duas semanas. Vou receber o resultado amanhã! - falou a mesma.
- Ok, vamos ver como isso ficou né. Então. Vou indo logo pro aeroporto, antes que eu perca o vôo pra Baltimore.
- Esteja aqui na sexta. Dia seguinte, partiremos pra Londres!
- Pode deixar, mulher! - sorri. Peguei minhas malas e entreguei pro taxista colocar no carro. - Tchau Adriana. - me despedi dela e entrei no carro.
- Aeroporto, por favor. - falei pro motorista, que logo deu a partida no carro e seguiu em direção ao aeroporto.
- Você não é a menina que ganhou aquele programa da MTV?
- Sim. - olhei pra ele. E pensei, ELE ME CONHCE? UM TAXISTA? - Você viu o programa?
- Só alguns, trabalhando não tive como.
- Legal... - dei uma risada de leve.
- Torci por você!
- Serio?! Nossa, muito obrigada. - sorri mais ainda.
- Ah! Sua música não para de tocar nas rádios. Está fazendo um grande sucesso.
- Não acredito!
- Não escuta rádios?
- Geralmente não... Estive meio sem tempo ultimamente.
Fiquei conversando com o simpático motorista, que disse que tinha gostado de mim. Na verdade, achei que fosse um tarado. Mas não era, só estava apenas sendo legal.
Ele saiu do carro, tirou minhas coisas do porta-malas, colocou em um carrinho e abriu a porta pra eu sair.
- Muito obrigada - sorri.
- De nada... E boa sorte com a carreira. - sorriu o mesmo.
Saí empurrando o carrinho e fui direto pra despachar as coisas. Até ser parada por umas meninas e uns meninos.
- Somos seus fãs, pode tirar uma foto com a gente? - sorriu uma menina que deveria ter uns doze anos.
- Claro - sorri. Soltei minhas coisas, e fui tirar fotos com eles.
- Quando vai começar a sua turnê pelos EUA? - perguntou o menino.
- Bem, ainda não sei... Estou indo pra Inglaterra esses dias, mas acho que quando voltar. Fiquem de olho. - sorri.
- Está bem!
- Agora vou ter que ir, ou perco o vôo.
- Certo, obrigada ! - sorriu a menina.
- Que isso. Tchau gente! - voltei a empurrar o carrinho e despachar as malas. A mulher anunciava chamando os últimos passageiros. Andei o mais rápido possível, e cheguei a tempo. Dormi o vôo todo. Nunca dormi tanto na minha vida quanto ultimamente. Principalmente em vôos que não eram tão grandes.
- Cadê você? - perguntei pro no telefone.
- Estou chegando, calma. Atrasei fazendo umas coisas.
- Hum, tá bem. Estou em frente da entrada principal.
- Certo - Ele desligou o telefone. Sentei-me em uma das malas e esperei ele chegar. Fiquei esperando por horas ali. Tinha chegado às dez da manhã, liguei pra ele às dez e meia, e já ia dar meio dia e nada dele.
- Vou dar um hadouken nele. - falei meio irritada. Deu meio dia e meia e ele chega. Sai do carro todo apresado.
- Desculpa a demora?
- Demora, ? Dava tempo de ir e voltar cinco vezes a pé - me irritei. Ele pegou minhas coisas e colocou na mala. Olhou pra minha cara e entrou no carro. Nem falou comigo. Fiquei parada olhando pra ele. Ele abaixa o vidro do caro e se inclina.
- Vai entrar? Ou prefere ir a pé? - falou.
Bufei e entrei no carro dele.
- Oi pra você também - disse o mesmo.
- Oi.
Caminho inteiro? Em silêncio.
Chegando em casa, ele desce, tira minhas coisas, dá pro porteiro levar e sobe comigo.
- Até que enfim chegou! - falou minha mãe - Como foi a viajem?
- Ótima. Cadê o pai?
- No banho, já volta. O Almoço vai sair daqui a pouco. Mas por que você demorou? - perguntou minha mãe. olha pra minha cara e senta no sofá.
- O vôo atrasou.
- De novo?
- Sim. - sorri amarelo.
- Tudo bem. Quando o almoço sair, eu chamo vocês.
Minha mãe saiu e nos deixou na sala. Sentei do lado do , e ficamos em silêncio. Até ele quebrar.
- Seu clipe tá entre um dos melhores da semana na MTV.
- É, eu soube...
- Legal.
Silêncio again! Dessa vez quebrado pelo meu pai.
- Oi pequena! - sorriu.
- Oi pai!
- Como está!?
- Ótima!
- Animada pra turnê?
- MUITO! O senhor não tem noção. E quero te agradecer por uma coisa.
- O quê?
- Lembra que o senhor me prometeu que esse ano... Quer dizer, o ano passado, iria ser o melhor de todos?
- Sim, lembro. Você toda desesperada por que vinha pra cá. E eu tentei de tudo.
- Tentou e conseguiu. Foi o melhor de todos da minha vida! - sorri.
- Fico feliz que você esteja feliz. - me abraçou forte.
Tudo que eu tive na minha vida, desde do começo do ano passado até agora, eu devo isso tudo ao meu pai. Se não fosse ele me obrigando a vim pra cá, eu não teria namorado o , não teria ido ao show do McFly e nem teria participado do programa da MTV.
- Almoço pronto. - chamou minha mãe. Almoçamos e eu e o ainda sem se falar direito. Mas que droga, o que anda acontecendo entre a gente? Brigas direto, estamos sem sexo há uns meses. SIM! Mas quando eu quero, ele não quer. E quando ele quer, eu não quero.
- Vão fazer o que hoje? - perguntou meu pai.
- Não sei - abriu a boca pela primeira vez desde que chegou aqui.
- Acho que vamos ficar por aqui mesmo... Depois resolvemos, né ?
- Aham - disse tomando todo o seu copo de suco. Terminamos o almoço e subimos pro meu quarto. Ele sentou no sofá, e não deitou na cama, como sempre fazia.
- Onde estava?
- Onde estava o quê?
- Onde você estava quando era pra ir me buscar lá no aeroporto.
- Vai me controlar agora, é? - falou grosso.
- Não né - disse totalmente calma - Só que você me fez esperar quase duas horas lá sentada.
- Viu que demorei e ficou lá, por que não pegou um taxi?
- Porque MEU namorado disse que ia me buscar, e eu acreditei nele. - fiquei meio nervosa.
- Você está aqui, não está? Então não reclama.
- Puta merda , só te fiz uma pergunta. E você vem com todas as pedras do mundo pra cima de mim. Caramba, só queria saber o motivo da demora.
- Você sabendo ou não, ia reclamar. Então deixa pra lá.
- É, realmente, deixa pra lá. Você tá um saco.
- O saco aqui vai indo embora então - ele se levantou e foi embora.
É, meu namoro está acabado de uma vez. Pelo jeito que anda, não terá futuro de jeito nenhum. Mas eu amo o , e não quero terminar com ele. Vou tentar mais uma vez conversar com ele, mas não agora. Vou ligar mais tarde, e vejo se ele vem aqui ou eu vou lá na casa dele.
- Jennifer? - falei com ela no telefone.
- O que foi amiga?
- Preciso conversar com você. Encontra-me no café às três horas?
- Claro.
- Leva a Any também. - falei.
- Any viajou, amiga, foi resolver as coisas da faculdade dela lá na Califórnia. Nem sei quando volta.
- Nossa, nem sabia que ela tinha entrado pra faculdade de lá. Depois eu ligo pra ela. Olha, então três horas lá no café, tá?
- Tá bem.
- Vou desligar. Tenho que ver umas coisas pra levar pra viajem, e o que vou levar pro meu apartamento.
- Tudo bem amor, até mais tarde!
Fiz o que tinha dito pra Jennifer. Peguei uma caixa de papelão e juntei alguns objetos que tinha que levar pro meu apartamento. Coisas pequenas, mas que utilizaria lá. Meu quadro da Audrey claro. Todos os meus livros, cd e DVDs de músicas e filmes. Bolsas, e roupas que tinha deixado aqui. Coloquei tudo em caixas, pra minha mãe mandar depois pra lá. Olhei no relógio e já ia dar três horas. Tomei um banho rápido e fui me encontrar com a Jennifer no café. Chegando lá, encontro ela em frente da entrada do café de braços cruzados.
- HEY! - sorri estendendo os braços e ela vinha me abraçar.
- Saudades de você, amiga. Depois que ficou famosa, esqueceu de mim - ela ria.
- Que isso, nunca vou me esquecer de você! - sorri - Vamos entrar, quero comer aquela torta de limão que tem aqui.
- Também estou! - Jennifer se animou. Entramos, escolhemos uma mesa pra sentar e fizemos logo o nosso pedido.
- Bem, me conte quando foi que a Any foi aceita la na faculdade da Califórnia. E qual o curso?
- Ela recebeu o resultado esses dias, vai começar em agosto.
- Legal, estou feliz por ela. Era o curso que queria?
- Sim, estética.
- Nossa, quando eu ficar gorda, vou nela - ri. E Jennifer ria junto. Um enorme pedaço de torta era colocado na nossa mesa, costumávamos comer o mesmo pedaço, tomar um bom cappuccino. Separado, claro!
- Bem, , pela sua voz no telefone, acho que não viemos aqui pra falar da Any, certo?
- Certo.
- E o que aconteceu?
- ... Esse é o problema.
- De novo?
- Sim. Tipo, estamos sem sexo há alguns meses já, amiga! - falei baixo.
- Esse é o problema? não levanta mais? Dá o azulzinho pra ele. Resolve totalmente. - falou Jennifer.
- NÃO! - ri levemente - Antes fosse o problema. Esse lance do sexo é o de menos, mas que influencia na relação influencia. Tipo, quando ele quer, eu não quero...
- E quando você quer, ele não quer... É foda isso.
- Sim, mas tipo... Isso deve tá acontecendo por conta das brigas, certo?
- Talvez. Brigaram de novo?
- Sim, mais ou mesmo. Não sei. Foi hoje. - falei.
- Motivo?
- Bem, ele ia me buscar no aeroporto dez horas. Deu dez e meia, eu liguei pra ele. Disse que estava indo. Ele chegou lá meio dia, Jennifer!
- Que? Por que a demora?
- Não sei. Ai durante o caminho eu e ele não falamos nada. Chegando em casa, minha mãe pergunta o motivo da demora, ele olha com uma cara pra mim de ??não fale??.
- E você disse?
- Disse que o vôo tinha atrasado.
- Qual foi, ?
- Deixa. Depois do almoço, fui pro meu quarto com ele e perguntei o motivo dele ter atrasado. Ai ele começou a falar que eu queria controlar ele...
- Que?!
- E que mesmo se eu soubesse eu iria ficar reclamando do mesmo jeito. Aí eu disse pra deixar pra lá e que ele estava um saco. Ele disse ??e o saco aqui está indo embora?? simplesmente se levantou e foi embora. Não me ligou, nem mandou mensagem nem nada.
- , ele deve está assim por conta da turnê com o McFly.
- Será?
- Só pode. Ele tem ciúmes do , então... Só pode está inseguro, sei lá.
- Não tem motivos pra estar inseguro.
- É, mas ele é o , e você sabe como ele é. Vai fazer o quê? - perguntou.
- Vou ligar pra ele pra conversar né.
- Hoje ainda?
- Não sei... Eu vou embora depois de amanhã, e hoje tenho que fechar as caixas das coisas, e ficar com meus pais. Vou ligar pra ele e marcar pra conversar amanhã.
- Faça isso, mas dessa vez fale tudo, . Não deixe nada pra trás.
- Pode deixar, vou falar sim. - sorri - O que seria de mim sem você aqui, Jennifer?
- Te amo amiga - falou a mesma.
- Também te amo. - sorri.
- Me trás um McGuy de presente? - ela riu.
- Quem?
- O ! - mordeu os lábios.
- Tá. - ri.
Fiquei o restinho da tarde conversando com a Jennifer e comendo muito. Academia venha com tudo depois dessa turnê. Se bem que quando for fazer os shows eu vou perder umas graminhas ainda. A Jennifer me deixou em casa depois e voltou pra dela. Mas era certo, eu voltando pra NY ela iria passar uns dias comigo lá.
- Cheguei, mãe! - gritei da sala.
- Certo! Quer comer alguma coisa? - gritou da cozinha.
- Não. Estou no quarto - disse subindo as escadas. Peguei o telefone fixo, e liguei pra casa do . Já que o celular só chamava.
- Alô? - disse .
- , é , está?
- Tá, peraí. - falou - OH PUTO, NO TELEFONE! ATENDE AÍ EM CIMA! - gritou - Aguarda aí .
- Valeu. - disse.
- Alô? - falou .
- Ei...
- Ei... - repetiu a mesma coisa que eu.
- Bem, . Temos que conversar.
- Certo, converse.
- Não por telefone né... Pessoalmente.
- Não da pra ir agora aí, .
- Certo, tem como vim amanhã?
- Tem sim, que horas?
- De tarde, pode ser?
- Claro.
- Ok... E como você tá? - perguntei. Parecia que eu estava falando com uma pessoa totalmente estranha, estava nervosa, com medo do que ele poderia falar pra mim.
- Bem.
- Que bom...
- Tenho que desligar.
- Ok.
- Tchau.
- Tchau. - disse. Quando eu ia falar um ??eu te amo?? ele desliga na minha cara. Única palavra pra isso tudo: FUDEU.
Minha mãe me acordou super cedo pra ir à cidade comprar umas coisas pra casa. Ela e sua mania. Depois fomos encontrar meu pai no restaurante pra almoçar. Voltamos pra casa e liguei pro vim. Esperei alguns minutos e ele chegou super rápido. Ele bateu na porta do quarto e entrou.
- Oi - sorri levemente.
- Oi. - ele sorriu e me deu um beijinho bem de leve.
- Como você tá?
- Bem bem...
- Hum... , vamos ao que interessa. - Sentei do lado dele, e me virei olhando pra ele.
- Hum... - ele se virou e olhou pra mim.
- , o que anda acontecendo com a gente? Tipo, estamos brigando demais. Não fazemos sexo há um tempo. Você todo grosso comigo... O que eu tenho feito de errado?
- Não sei, ... Depois que sua vida mudou você me esqueceu, esqueceu-se de tudo.
- Peraí, a gente já falou disso e eu já mudei em relação a tudo isso . Não venha dizer que esse é o fator principal por estarmos assim!
- E então o que é?
- É isso que eu quero saber, caramba! Você anda todo arrogante comigo, como se eu tivesse feito alguma coisa de errado. Se eu fiz, me diz caramba. Por que eu não lembro!
- Ando é? Não lembro também.
- OLHA AÍ! TA VENDO! - me levantei. Quando eu fico nervosa eu não consigo ficar parada. - Vive me dando foras, anda grosso demais. Meu, isso dói sabia? Ouvir essas coisa do homem que você ama.
- Ama mesmo, ? - olhou pra mim e se levantou também.
- Claro que amo caramba!
- E o que é aquilo tudo que o vive postando no twitter? Sobre a turnê de vocês?
- O que ele posta? Eu não entro no twitter há um bom tempo, quer dizer, eu mal uso a internet!
- Vive dizendo que a turnê com você vai ser boa. Que anda com saudades de você... Essas coisas!
- Caramba! A última vez que eu falei com ele foi no vídeo conferência...
- VIDEO CONFERÊNCIA?!
- Sim, fizemos um vídeo conferência com toda a banda e os empresários, pra ver os detalhes da turnê. Só isso! E mal falei com ele, só disse um ?oi?.
- Duvido.
- Porra ! Tá assim por conta do ? Não acredito!
- É, eu estou com ciúmes dele. Vai passar não sei quantos dias com ele lá. Duvido que você não fique com ele.
- Ficar com ele? Caramba! Eu vou estar com você. Quer dizer, eu acho que vou estar né! - falei.
- Acha? Quem acha sou eu.
- Você? Acha que eu também não fico com medo dessa turnê sua com o Yellowcard não? Por toda a Europa também... Vai saber o que você vai fazer durante ela. Pode se esperar de tudo!
- Eu não dou motivos pra te trair, nem nada!
- , não se precisa de motivos, faz por que quer. E você já fez isso!
- Você também, e com o . Com quem vai passar noites e dias e tardes e minutos junto!
- Você fala como se não fosse estar rodeado de mulheres lá. Porra, você sabe que eu não sou dessas. Aquilo que aconteceu foi um erro, e eu nem queria. Ele que me beijou! Você sabe que eu não teria coragem.
- É, você sabe que eu também não!
- Então pra que porra você tá assim comigo? Quem é você e o que fez com o que eu conheci?
- Você mudou!
- EU MUDEI? MUDEI EM QUE CARAMBA? Continuo do mesmo jeito de sempre, só que a única diferença é que você estava namorando há um ano! E até isso você se esqueceu... Do nosso namoro de um ano.
- Eu deixei de sair com meus amigos, deixei de fazer muitas coisas, por conta de você! - apontou o dedo pra minha cara. - E do aniversário de um ano, eu NÃO esqueci nada! Você que deve ter esquecido, e lembrado agora. Por que tocamos no assunto! Vai cair bem quando você não vai estar aqui. E nem isso você pensou!
- É, eu não tinha me tocado nisso, me desculpa.
- É né... ??acontece?? - ironizou e abriu aspas com os dedos.
- , você só reclama da minha carreira, da minha vida... E a sua, eu já reclamei? Nunca... Então para de ficar infernizando a minha por nenhum motivo!
- Eu te infernizo? É isso? Estamos juntos há um ano, e eu te infernizo?! Pensaria antes de aceitar a merda do pedido de namoro. Acho que eu não deveria nem ter pedido!
- Se arrependeu? Termina logo essa merda! Você nunca deve ter gostado de mim quanto eu gostei de você!
- Eu te amei, ok? VOCÊ! - ele apontou pro meu rosto de novo - Que deve ter aceito meu pedido só pra subir status seus aqui, pra ficar mais famosa. E principalmente ser a brasileira fodinha que namora um cara de banda. Puro interesse.
- PALMAS PRA VOCÊ! - comecei a bater minhas mãos - Por você ser o cara mais idiota e estúpido da face da terra. Por ter esse pensamento pequeno das pessoas.
- E eu estou errado? Caramba, eu namorei uma fã! Eu deveria saber já!
- PERAÍ! Você não tem o direito de falar assim de mim. Sabe muito bem que eu namoraria você mesmo se não fosse famoso. E ainda por cima, COMO você fala isso de suas fãs? Milhares no mundo queriam namorar você. E sim, a maioria te vê como uma pessoa normal, e não só como um carinha de banda. Mas vejo que você é o cara de banda maias IDIOTA, ARROGANTE E BURRO que existe! Se tivesse um prêmio de maior otário, você ganharia fácil fácil!
- E você ganharia de interesseira!
- VÁ SE FERRAR, ! - me irritei e gritei. - VÁ VOCÊ! NUNCA DEVERIA TER TE PEDIDO EM NAMORO. A MAIOR MERDA QUE EU JÁ FIZ NA MINHA VIDA! - gritou.
- ENTÃO TERMINA LOGO ESSA MERDA! CORRIGE SEU ERRO! - Gritei, e lágrimas rolavam a mil pelo meu rosto.
- VOCÊ É ESPERTA, ACERTOU O QUE VOU FAZER...
- NÃO, ESPERA! DEIXA QUE EU FAÇO SEU TRABALHO DIFÍCIL. - falei - SOME DA MINHA VIDA! NÃO OLHA MAIS NA MINHA CARA, ENTENDEU OU QUER QUE EU REPITA? - falei.
- Entendi, não sou estúpido.
- Ah, você é! - falei com firmeza.
- Vou embora, já decidimos mesmo.
- VAI! Tá esperando o que? abrir a porta? - apontei pra porta. Ele olhou serio pra mim, e foi em direção da porta.
- Aproveita lá com o , vocês se merecem!
- VAI EMBORA, ! - gritei muito alto mesmo, que minha mãe veio até o meu quarto. Enquanto o batia a porta e ia embora.
- Foi de vez? - minha mãe vinha até mim.
- Sim, não quero ver ele nunca mais na minha vida! - falei - QUE ODIO DELE MÃE! - gritei.
- Calma... Agora o que você tem a fazer é levar a carreira pra frente, e esquecê-lo. Tudo o que ele disse pra você não tem que levar pra sempre, passe uma borracha em tudo de ruim que vocês passaram. Sei que o amava e muito. E ele sabe disso também!
- Ele me disse coisas horríveis mãe! Não tem como esquecer. - choraminguei.
- Claro que tem... Tudo nessa vida passa, e só torna lembranças. Mas são lembranças boas e ruins, e é isso que nos faz amadurecer.
- A senhora tem razão... - enxuguei as lágrimas.
- Adriana ligou, perguntando onde você estava.
- Caramba! Tenho que pegar o vôo hoje a noite!
- Sim! Já fechou as coisas?
- Não, mas estão tudo nas caixas, você fecha e manda pra mim?
- Sim... Vá se arrumar pra acabar não perdendo o vôo.
- Ok.
Entrei no banheiro, abri a torneira toda do chuveiro pra ficar forte e minha mãe não me escutar chorando. Sentei-me no box e chorei tudo que eu podia naquela hora. Tomei uma decisão, esquecer o definitivamente. Amanhã eu estaria indo pra Londres, fazer minha primeira turnê, tinha que me focar nisso agora, já que eu não tinha namorado pra me preocupar. Terminei meu banho e liguei pra Adriana. Ela me deu uma bronca.
- Era pra estar aqui hoje!!!!
- Você disse que era amanhã.
- Mandei uma mensagem, te liguei e nada!
- Desculpa. Minha mãe veio falar comigo agora. Estive ocupada a tarde inteira.
- Esteja aqui amanhã de manhã! Tá me ouvindo?
- Não, prepare um carro pra ir me buscar. Minha mãe comprou passagens pra agora de noite. Certo?
- Ótimo! Te pego lá então. Sua voz tá estranha. O que houve?
- Depois conversamos, vou me arrumar o vôo é daqui à uma hora.
- Tudo bem. Me liga.
- Ok. - desliguei o telefone.
Me arrumei, peguei minhas coisas e meu pais me levaram pro aeroporto.
- , seu rosto está inchado e está toda vermelha.
- Merda de maquiagem que não serve pra nada.
- Coloca um óculos escuros pra disfarçar o olho.
- Vou parecer uma ceguinha, mãe. Tá de noite.
- Ou ceguinha ou tablóides que o bateu em você.
- Primeira opção. - disse. Procurei meus óculos na bolsa e coloquei. Meus pais me levaram até o portão de embarque.
- Filha... Não deixe que te machuque e te deixe pra baixo. Ok?
- Ok pai! - sorri - Obrigada viu. Por tudo mesmo. Eu te amo muito! Amo vocês dois - disse dando um abraço duplo neles.
- Agora vá, e arrase na Inglaterra! - disse minha mãe.
- E claro, me ligue todos os dias! - falou meu pai.
- Pode deixar chefe! - ri. - Tchau, amo vocês!
- Também te amamos! - sorriu minha mãe.
Voltei pra NY, e tinha alguns paparazzi em frente do aeroporto já.
- É verdade que terminou com o ? - perguntou um cara. Não respondi nada. Eu terminei hoje com ele e essas pessoas já sabem? Como? Procurei Adriana e quando a encontrei ela me puxou de vez e me pôs no carro.
- Ela não vai falar nada da vida pessoal dela. Agora, por favor, com licença. - Adriana entrou no carro. - Por isso você estava estranha. colocou isso no twitter agora de tarde. - ela passou o celular dela com a página do aberta.
??@ Quem precisa de namorada se eu tenho mulheres me querendo? I?m a person free bitch. Agora eu quero só festa!??
Comecei a chorar de novo ao ver que ele tinha escrito aquilo tudo no twitter. Ele deveria ter uma consciência e pelo menos não ter colocado tão ignorante. Mas era o né?
- Ele é um otário, Adriana. Só isso. Quero ir logo pra Inglaterra e esquecer de tudo isso. - disse.
- Sim, iremos amanhã de manhã... Calma, e qual quer coisa estou aqui - falou.
- Obrigada - sorri.
Voltei pro meu hotel, arrumei minhas malas e liguei para as minhas amigas.
- É UM OTÁRIO, COMO EU QUERO MATÁ-LO! - gritou .
- perdeu meu respeito, ... E pra ter de volta ele vai precisar fazer uma coisa muito grande pra isso! - disse revoltada. É bom ter amigas que sentem a sua dor também quando algum homem te machuca. Isso te deixa com mais poder, mais força. Como se tudo fosse se resolver e que iríamos até o idiota e iríamos soltar um avada kedavra nele ou um hadouken. Depois de conversar com elas, fui dormir. Acordar cedo e ir pra Inglaterra. E eu estava muito animada! Mas muito triste ainda.
- ! - gritou Adriana na minha porta e já entrando no quarto e abrindo as cortinas - Acorda! Temos que pegar o vôo daqui a uma hora. Vá tomar seu banho, RÁPIDO! Que seu café está subindo já.
- Pediu tortinha de morango?
- Sim... Agora vai! - me puxou da cama e me empurrou até o banheiro. - Ah! Está melhor?
- É, acho que sim... - disse - Agora sai, vou tomar banho.

POV?S

-

Você é um otário - repetia mais uma vez, quer dizer, ele repetiu isso desde que voltei da casa da e contei que tínhamos terminados. Mas como sempre eu me arrependi de tudo que disse pra ela e estava dentro de um avião já, quase chegando em NY. Sim, gastei dinheiro mais uma vez pra pedir desculpas e pensar na possibilidade de voltarmos. O que eu acho bem difícil depois de ontem. Mas não custa tentar.
- Você só faz merda, . Porra, como tu fica assim com ela? Mermão, você e seus ciúmes idiotas que só te fazem fazer merda. - continuava .
- TÁ BOM CARAMBA! - falei meio irritado. - Já sei disso tudo, meu para de falar isso, ou você quer que eu abra aquela porta do avião e me jogue de lá e mate todo mundo? - falei meio alto e a senhora que estava do meu lado olhou com uma cara de muito medo pra mim.
- Desculpa senhora - falei - Eu só estou nervoso, porque eu fiz uma merda ontem... Falei coisas que não devia pra minha namorada ontem, e terminamos... E agora eu estou arrependido porque eu a amo e ela vai viajar hoje de manhã pra Londres pra fazer uma turnê. E tem um cara lá na Inglaterra que é afim dela, e eu tenho ciúmes dele e não quero perdê-la pra um britânico qualquer. Então, me desculpa pelo que disse aqui.
- Só precisava pedir desculpas... E calma meu filho - a senhora de aproximadamente uns setenta anos falou pra mim - Sua namorada é famosa?
- Sim... E eu também sou sabe - me gabei um pouco - Tenho uma banda... All time low. E minha namorada, no caso ex, ganhou o programa da MTV... Acho que a senhora não sabe. Nada pessoal.
- Sem problemas. Mas eu assisto MTV.
- Assiste?
- Sim, minhas netas assistem, e eu acabei viciando e acostumando. - ela deu uma risada de leve.
- Legal. - falei.
- Sabe filho, se você se arrependeu mesmo, diga isso a ela... Agora não cometa o mesmo erro duas vezes.
- Bem, essa deve ser a terceira... Não sei - falei meio sem jeito.
- Que otário você viu! - falou a senhora.
??Senhores passageiros, quero lhes avisar que acabamos de chegar em NY, por favor coloque os cintos de segurança. Obrigada.?? A aeromoça avisava. Apertei o cinto e fiquei abrindo e fechando a boca por conta do ouvido. O avião pousou e a aeromoça avisou dizendo que já poderíamos tirar o cinto, e preparar pra sair. Peguei minha mochila e a do e entreguei a ele.
- Boa sorte com ela! - sorriu a senhora.
- Obrigada! - retribui o sorriso.
- Bem, vai precisar de sorte mesmo - falou .
- É, eu sei disso.
Andamos e saímos do avião. Caminhamos até o corredor de fora que nos levaria até o aeroporto.
- Vai precisar de sorte também pra poder encontrar com ela no hotel. Se ela ainda estiver lá né. - completou.

POV?S

- Estamos atrasadas, anda logo ! - disse Adriana pegando minhas coisas.
- Espera, to ajudando o Jordan com as coisas aqui - falei.
- Calma Adriana - disse Jordan. O meu guitarrista. Meu não né... Ele seria da Jennifer. Eu acho, iria apresentá-los depois.
- Vão pro portão de embargue que eu despacho as coisas. - falou a mesma.
- Certo. - disse. - Ei gays, vamos! - falei pro resto da banda.
- Cala a boca anã - disse Peter, o mais alto da banda, tocava baixo e era o backvocal.
- Fala com o Batman - fiz o Batman com a mão. E ele assanhou meu cabelo.
- Idiota - ri. - Até que a rádio do aeroporto está com músicas boas não? Olha só o que está tocando - ri mais ainda.
- Amostradaaa! - falou Jordan - E olha de quem é o solo da guitarra! - riu.
Quando eu estava indo pro portão de embarque com os meninos, e segurando um monte de coisas e com uma mochila nas costas e com muito sono, e claro, sem contar os meus olhos inchados de chorar a noite. Sim, eu chorei muito ainda. Eu vejo o com o .
- O que ele faz aqui? - perguntou Jordan.
- Não faço a mínima... E espero que não venha falar comigo e que nem olhe na minha cara. - falei pra ele.
- Vamos passar direto por ele - disse Peter.
E foi o que fizemos né. Ou tentamos.

POV?S

- Olha a ali - disse - É, sua sorte aumentou cinco por cento - riu levemente.
- Vou tentar falar com ela... - disse.
Enquanto eu ia em direção dela, ela olhou feio pra mim e tentou desviar.
- , ESPERA! - falei. Dei uma corridinha leve e segurei o braço dela.
- Solta ela cara - disse o carinha que estava junto com ela, que deveria ser da banda.
- Jordan, deixa... - ela disse pro tal carinha - Vão indo. Já já eu chego - falou.
- Tudo bem... Qualquer coisa, grita - disse o outro carinha.
- Certo. - ela riu levemente. - O que você quer, ? Eu disse que não era pra vim atrás de mim, e nem olhar na minha cara. - ela falou olhando feio pra mim. Enquanto começava a tocar with me do sum 41, a música que falamos que era nossa no dia do aniversário dela.
- Ainda usando o colar que te dei? - perguntei calmo.
- Esqueci de tirar. Aproveitando, toma logo ele - ela ia soltando as coisa no chão e eu a interrompi.
- Não, fica, eu só vim...
- Veio aqui para o quê? Me xingar e me tratar mal mais uma vez? Primeiramente o que veio fazer em NY?
Na verdade eu vim pra falar com ela né, mas ela foi arrogante comigo, então desisti de dizer o que realmente vim fazer aqui.
- Ainda querendo me controlar?
- Porra , qual foi hein? Eu to prestes a ir embora e você ainda vem até mim pra falar merdas?
- Vim só resolver umas coisas com o .
- Certo. Não tinha pra que vim atrás de mim. Some da minha vida.
Na hora que ela disse isso, Deryck do sum41 canta o refrão que eu disse a ela.
??Cause it?s true: I?m nothing without you?.??
- Irônico tocar essa mésica logo agora, não acha? - ela perguntou.
- Demais... Quer saber... É, vai, e boa sorte na sua carreira e na turnê. Dessa vez eu falo de coração. Não desejo mal a você.
- Obrigada... Nem eu a você. Só que você me machucou - ela começava a ficar vermelha e prendia o choro - E eu só te peço pra ficar longe de mim... Pro nosso bem.
- Te peço o mesmo. - falei e ela levantou a sobrancelha.
- Adeus . - disse e deu meia volta. Acenou pro e se juntou com os caras da banda dela.
- Sinto muito cara - chegava atrás de mim (N/A: hum... atrás né... - parei)
- Deixa... Eu tentei falar, sabe? Mas ela está muito mal mesmo, e já foi atirando pedras em mim. E logo essa merda de música veio tocar agora. PUTA QUE PARIU! - gritei e todas as pessoas olharam pra mim, inclusive .
- Vamos logo pra casa do Gabe. - disse .
- É, vamos.
Pegamos um taxi e partimos pro apartamento do Gabe Saporta.

POV?S

- O que ele queria? - perguntou Adriana.
- Sei lá... Falar besteiras. AH! Não quero saber, vamos logo entrar nesse avião, quero sair desse país um pouco! - falei pra ela.
- ISSO AE! Vamos arrasar lá fora - disse Jordan!
- Arrasar? Se joga pintosa - falou Brian, o baterista. Esses meninos me divertiam e muito. Entramos no avião. E foi uma briga pra quem iria na janela. E a briga era minha com o Peter.
- Eu vou na janela! - falou Peter.
- NÃO, EU QUE VOU! Sou menina e tenho que ir na janela! - disse.
- Sou menina também, tenho que ir - fez voz de mulher.
- Peter, senta aqui - falou Adriana e apontou pra cadeira do lado da dela.
- Pareceu um cachorro agora - riu Jordan.
- HAHA, ganhei! - disse. E ele me deu língua.
Guardei minha mochila e minhas coisas no porta malas em cima das cadeiras e me sentei. Apertei o cinto e fiquei lá, sentada pensando no ... Nas coisas que vivemos juntos, depois nas nossas brigas, e no nosso termino.
??Senhoras e senhores, queríamos avisar que vamos iniciar o nosso vôo de NY ao aeroporto internacional de Londres, por favor apertem os cintos...??
O avião levantou vôo e já estávamos sobrevoando NY. Olhei pra minha mão e vi o anel que ele me deu quando estávamos em NY nas férias. Fiquei olhando pra ele por uns segundos, abri minha bolsa, tirei de dentro dela um saquinho preto de veludo. Tirei o anel, olhei mais um pouco e coloquei-o dentro do saquinho. Em seguida, tirei o colar que ele tinha me dado de presente de aniversário, e coloquei junto com o anel. Guardei dentro da bolsa e fiquei conversando com o Jordan, que sentava do meu lado.
- Esse vôo vai demorar pra caramba. Temos que fazer alguma coisa!
- Vamos filmar. Melhor! Vamos filmar tudo, a partir de agora e toda a turnê! - falou Peter.
- Boa idéia - disse. - Na minha câmera não dá. Está na mala - ri.
- Anta! - falou Peter.
- Cala a boca, você tá com a sua? - perguntei pra ele.
- Não!
- Olhe aí! ANTA! - ri.
- Eu estou! - falou Brian.
- Ótimo, vamos filmar qualquer besteira.
Pegamos a câmera do Brian e filmamos a gente conversando, brincando, fazendo palhaçada. Até ficarmos cansados, com sono e dormir. Bem, eu demorei um pouco pra isso, aí filmei os meninos e a Adriana dormindo. Fiz com que o Peter desse um tapa na cara mexendo no nariz dele. Foi engraçado, ele ficou puto. Aí quando dormi, jogou água na minha cabeça. Do mal ele. Enchemos o saco de uma aeromoça que tinha cara de bruxa velha. Ela ficou muito puta com a gente, mas não podia reclamar muito né. Ela tinha que nos satisfazer. Entendem?
O vôo passou até que rápido, também quando se faz alguma coisa pra te distrair, passa que você nem sente. A aeromoça avisava pra apertar o cinto, e ainda disse ??Vocês que estão brincando e em pé, por favor sentem-se??.
Qual foi da mulher, nem deixa a gente brincar um pouco. Tivemos que sentar né, mas só sentamos porque Adriana mandou.
- Até que enfim chegamos! - falei - Não via a hora de chegar aqui!
- Nunca veio a Londres? - falou Adriana.
- Ah, não.
- Vai amar aqui!
- Não duvido nada! - sorri.
- Vamos pegar logo as malas que uma van está nos esperando aqui.
- Tudo bem. - Esperamos por uns dez minutos todas as nossas coisas chegarem. Tipo os instrumentos, as nossas malas, entre outras coisas.
- , olha só... Fãs! - falou Peter.
- Não creio... Tem certeza que é pra mim? Pra gente? - sorri animada.
- Bem, não tem outro famoso aqui, a não ser você... Tem essa possibilidade, não acha? - perguntou.
- Sim... Meu que legal!
Pegamos nossas coisas e saímos. E sim, aquelas pessoas eram pra mim. Meu DEUS! Só pode ser um sonho.
- Tem como falar com eles, Adriana? São meus fãs de fora, nem sabia que tinha - ri levemente - E pelo menos eles gostam de mim de verdade - fechei os olhos.
- Pode, mas não vamos demorar muito. Temos que ir logo! - disse.
- JORDAN! - gritou uma menina
- Ela me conhece? - falou o mesmo, que foi direto até ela.
- , vem aqui! - gritavam outras.
Atendemos quase todos os fãs que estavam nos esperando ali, e partimos direto pra van depois.
- Vamos pra onde agora? - perguntei pra Adriana.
- Bem, vamos encontrar os meninos do McFly agora, e depois partiremos pra primeira cidade.
O motorista da van nos levou até uma enorme casa, onde em frente dela tinha quatro ônibus. Descemos e entramos na casa.
- Olá! - falou Flecth todo animado pra gente.
- Oi! - sorri.
- Prazer em te conhecer - sorriu.
- Prazer é meu - retribui o sorriso.
Flecth foi falar com os meninos e com Adriana depois. Fiquei parada lá vendo a cena, até o me dar um susto por trás.
- Puta merda, ! - ri.
- Oi - ele me abraçou - Como você está?
- Bem, e você?
- Tudo ótimo... E a Milena? - perguntou.
- Está ótima, mandou um beijão pra você.
- Não vejo a hora de encontrá-la. - sorriu - Os meninos estão aqui, vem. - falou já me puxando.
Encontrei o , o e o em uma sala jogando videogame.
- chegou! - gritou .
- Oi ! - falou me abraçando. - Como foi a viagem?
- Ótima. Obrigada - sorri.
me deu um abraço também de boas vindas. E ficou parado.
- Oi ...
- Oi - sorria. Levantou-se e veio até mim.
- Como está? - perguntei a ele.
- Ótimo... - sorria - Chega, vem cá! - ele me abraçou forte.
- Assim você vai estourar meus olhos - ri. E ele riu também.
- Saudades desse seu humor leso.
- Nossa, humor leso. Obrigada viu? - o soltei e fiz um sinal de jóia com o dedão.
- Animada pra turnê?
- Muito! Não vejo a hora, mas também estou meio nervosa. Cantar assim pra seus fãns, e talvez meus também. - ri levemente.
- Ah eles vão... Eles comentaram no twitter sobre você! - continuou sorrindo.
- Bem, mesmo assim, será a minha primeira vez, então estou nervosa.
- Você esteve em um reality show, . Não será diferente.
- É, tem razão - ri.
Ficamos conversando um pouco, até que nos chamaram pra guardar as coisas no ônibus, e explicar a rotação de cidades.
Tinha quatro ônibus. Um era pra mim e pra minha banda. O outro pro McFly. Os outros dois, ficaria os instrumentos meus em um ônibus e a minha equipe, e no outro as do Mcfly.
- Bem, está ficando tarde, vamos só nos arrumar. Tomar um banho. Vocês também, claro! Jantar e partiremos pra primeira cidade. - disse Flecth.
- Ótimo! - falou Adriana. Demorou um pouco para que TODO mundo ficasse pronto e jantasse. Tinha mais de quarenta pessoas ali. Mais ou menos. Depois de quase quatro horas para que todos tomassem banho, e comessem, partimos para a primeira cidade.
- Mãe?
- Oi querida, já estava preocupada.
- Está tudo bem, é que chegamos que já tivemos que ver as coisas pra ir viajar. Estou no meu ônibus. Tão lindo - dei um gritinho.
- Que bom, foi tudo bem então?
- Tudo tranquilo. Te ligo quando chegar, ok?
- Ok. Mas, você está melhor em relação ao ?
- ESTOU ótima mãe! Claro... Não cem por cento, mas estou melhor, tipo, não chorei por ele. E ele foi lá no aeroporto.
- Em NY? - perguntou surpresa.
- Sim. Mas foi depois disso que eu me toquei, e fiquei melhor. Um pouco... Mas você sabe.
- Sim, sei... - ela riu levemente - Bem, esfrie sua cabeça aí e curta a turnê, e arrase, dê seu melhor!
- Tudo bem. Te conto tudo com detalhes depois. Vou desligar. Ah, manda um beijo grande por meu pai!
- Mando sim. Te amo, criança.
- Também te amo, mãe.
Desliguei o telefone e voltei pra sala/cozinha do ônibus onde os meninos estavam. Ficamos jogando vídeo game, filmando, claro, comendo umas besteiras que tinha na geladeira até cansar e todo mundo resolver ir dormir. Quer dizer, os meninos né, porque eu mesma estava sem um pingo de sono. Liguei meu notebook e tinha um monte de gente agradecendo a mim por ter terminado com o . Outras dizendo que tinha sido uma pena, que éramos um lindo casal. Apenas tuitei uma coisa sobre isso:
??@ Estou triste, mas estou levando. A vida é de altos e baixos, nunca é como queremos. Agora eu tenho que me recuperar.??
E ainda postei o refrão da musica do SUM 41. Não agüentei e postei. Era o que eu sentia ainda. Não conseguia esconder.
??@ Enfim... Minha turnê com o McFly tá ai. Me desejem sorte :) Irei dormir, amanhã o show será insano!??
Fechei a página do twitter, e das outras redes sociais que eu tinha. Dormir. Ou tentar né.
Acordei e já estávamos na primeira cidade. Paramos no estacionamento dos ônibus e descemos. A fila estava ENORME! Mas não podemos falar com o pessoal. Entramos pra fazer a passagem de som e depois seria o McFly.
E eu com meu celular, voltei a usar o twitter.
??@ passagem de som agora \o/??
Fizemos a passagem, voltamos pro ônibus, escolher roupas e escolher playlist do show. Tudo feito. As horas se passaram bem rápidas, e já estávamos na hora do show.
O cara anunciava lá que já iríamos começar. A platéia estava animada. Orei para que tudo desse certo hoje à noite. E quando o homem saiu, ele disse que poderíamos entrar quando a luz fosse apagada.
- Vamos lá! É agora! - falou Brian passando na minha frente e entrando no palco, levantando os braços com as baquetas nas mãos.
Entrei e a platéia gritou. Foi insano.

FIM

 

Comentários da autora



E ACABOU!
Fazer um pequeno texto aqui, e agradecer a TODAS que leram minha fanfic. E pra quem não sabe, ela foi a primeira que eu escrevi na vida. Primeira de Muitas que ando trabalhando.
Incluindo a já publicada Forever Discover Kids com FTSK. :)
Espero que tenham curtido e gostado de McLow, porque eu gostei de escrevê-la. Não vou mentir.
E se preparem que em Setembro McLow 2 vai ser publicada! Não esqueçam dela, gente. kk
Thanks a todas que leram!
xxx
@camihere_