Leicester House

Escrito por Giovana - Siga a autora no Twitter
Beta-Reader: Lelen



Já estava cansada, cansada dos sermões dos professores. O que tem de tão mau em querer se divertir e aproveitar a vida? Nada, creio eu. Mas foi por causa disso, por causa de estar cansada desses sermões, regras, lições, festas com parentes estúpidos, entre tantas outras coisas, que eu vim parar aqui de novo, só o lugar mais badalado de Londres inteira: Leicester House.

Leicester House é o tipo de lugar que só as pessoas mais ricas e influentes podem frequentar.
Estava usando um vestido preto apertado e um sapato de salto alto azul. Até que eu estava bonita. Não me preocupei muito com a minha aparência, hoje iria até a balada só para me distrair.

Como minha casa é muito próxima da Leicester House, resolvi não ir de carro, aproveitar a noite londrina e ir a pé mesmo.

Por ser sexta feira, quando eu cheguei lá, a balada estava absolutamente lotada. Por um minuto fiquei com pena das pessoas que estavam lá se sufocando, suadas, esfregando seus corpos uns nos outros... Mas para minha sorte eu sou rica e ficaria na área Vip, com as melhores pessoas e os melhores atendimentos.

- Uma vodka, por favor - pedi para o balconista, um cara até que bonitinho para ser sincera.
- Será que não é muito forte para a mocinha? - o balconista me deu uma piscadela significativa e eu apenas revirei os olhos, já estava acostumada com esses garotos me paquerando.
- Se eu estou pedindo, obviamente quer dizer que eu sou forte o suficiente para tomar uma vodka.

Ele me entregou a taça com a vodka de cara fechada por conta do meu comentário, eu ignorei-o. Comecei a passar os olhos pela pista de dança em busca do meu brinquedinho da noite...

Eu estudo em uma das melhores escolas de Londres, então, muitos dos meus "colegas" tem o costume de vir nessa mesma balada que eu. Foi só eu pensar isso que vi Fletcher ao longe caminhando em minha direção.
Eu até gosto de Fletcher, ele é o palhaço da turma e um dos poucos meninos que conversa comigo por realmente ser meu amigo e não por querer ficar comigo em alguma festa estúpida.

- E aí, Rainha da Beleza, como você tá? - ele perguntou-me enquanto me abraçava, quase fazendo com que eu derrubasse a taça que estava na minha mão.
- Sempre engraçadinho você, não é Fletcher? - eu disse apertando as bochechas dele. Ele apenas deu uma gargalhada. - Agora me diz "Rei da Pegação", por que não está se agarrando com uma garota por ai?
- Ah, eu estava alguns segundos atrás. Mas acho que paguei tantas bebidas para a garota que ela começou a vomitar que nem uma louca. Então eu a larguei e vim atrás de uma nova presa.

Aquilo era nojento. Sempre achei patético garotas que bebem demais sendo que não conseguem nem tomar um gole de uísque sem ficarem com tontura.

- Escolha sua presa melhor da próxima vez Fletcher. - eu disse dando risada.
- Ah, mas não se preocupe, eu consegui me divertir o suficiente com ela. - Fletcher, sempre malicioso.

Voltei minha atenção para a pista de dança. Vi alguns garotos bonitos, até sorri para alguns, mas ficaria com eles só mais tarde...

- Oh não, entra na minha frente Fletcher, agora! - eu disse enquanto deixava minha taça ainda com vodka em cima do balcão.
- Mas por... - ele terminou de falar assim que viu quem estava vindo em nossa direção - Ah sim, certo. Ele.
- É, ele mesmo... Agora continua na minha frente e vai andando até o outro lado Fletcher.
- Até poderia fazer isso, mas eu vi uma garota bonita logo ali, até daqui a pouco .

Traidor, desgraçado, sem vergonha, imbecil, eu o odiava. Mesmo sabendo que esse ódio seria passageiro, eu o odiava muito. Fletcher sabia muito bem que eu não suportava esse garoto que agora já está quase ao meu lado, e que sempre brigávamos quando éramos deixados juntos.
é o nome dele. Nos odiamos desde... Bom, desde sempre, desde que eu me lembro. Mas eu tenho que admitir, esse garoto não é nada feio... Ele tem lindos cabelos e os olhos mais lindos que eu já vi na minha vida. Seu sorriso era completamente ofuscante, e seu corpo? Uau! Nem tenho palavras para descrever... Ele realmente era o garoto mais irritante, porém mais encantador do mundo.

- Ora se não é a metida da ... - ele disse debochado.
- Ora se não é o certinho do - eu disse também debochada.
- Ridícula...
- Olha quem fala, com que direito você me chama de ridícula? - eu perguntei indignada, o ridículo aqui era ele.
- Com todos os direitos... Nem argumentar você sabe garota, se toca - ele deu as costas para mim indo em direção ao bar - Dois uísques, por favor.
- Dois? Quer dizer que você está acompanhado hoje à noite? - eu perguntei-lhe sentindo uma pontada estranha no meu peito.
- Exatamente - o garoto do bar entregou-lhe os copos com uísque - Agora se me dá licença. - ele disse fazendo um gesto claro com a cabeça pedindo para que eu fosse para o outro lado.

Perplexa demais para poder responder, eu apenas fiz o que ele pediu. Não sei por qual motivo, mas não gostei nada dele estar acompanhado de alguma piranha que ele encontrou por ai.
Geralmente quando nos encontramos ele sempre está sozinho, e nós passamos o resto da noite discutindo. Não estava acostumada a ser posta de lado nem por ele e nem por ninguém.

Fiquei apenas observando. Primeiro eles ficaram conversando enquanto bebiam aquele maldito uísque. Sabia que a garota, seja lá quem ela fosse, estava se oferendo. Ela usava uma saia tão curta que era mais fácil chamar aquilo de calcinha... A blusa era tão apertada que por um momento eu tive a sensação de conseguir enxergar as costelas dela. Sem contar que ela ficava provocando o , jogando os cabelos, mordendo os lábios...

Depois ela puxou-o para a pista de dança. Eles começaram a dançar como se fossem apenas amigos, mas pelo visto a garota não se contentava com apenas aquilo. Ela começou a se exibir para ele, enquanto o tocava... Até que ela o beijou. Pra mim já chega.
Fui em direção ao "casal da noite". Hoje estava querendo briga.

- Ei querida, quem você pensa que é beijando o namorado de outra garota? - eu disse dando um tapa na cara da garota desconhecida.
- ! O que você pensa que está fazendo? - perguntou-me enquanto segurava os meus braços.
- Cuidando do que é meu.

Aparentemente ele não esperava por essa resposta, ficou tão assustado que eu consegui, facilmente, me soltar de seu aperto...

- Ah me desculpe se você não foi boa o suficiente para ele que foi preciso ele te trocar - a ignorante disse com uma falsa voz de pena fazendo biquinho no final da frase.

Eu não me aguentei, quando dei por mim, peguei o copo de um garoto que estava passando ao meu lado e taquei naquela pirralha imbecil.

- Sua idiota!! Olha o que você fez com a minha roupa! Você é louca? - ela começou a berrar apontado para a roupa cheia de um líquido azul. Aquilo provavelmente era um energético.
- Bom, eu vou te dar as boas notícias... Pelo menos não ficou pior do que já era. - eu disse-lhe sarcástica.

Sem argumentos, a garota começou a chorar de raiva e saiu da balada, aliás, não sei nem por que ela veio.

- , você sabe que isso que você fez foi errado não sabe? - já estava começando com seus costumeiros sermões.
- Quer saber , já estou cansada das pessoas brigando comigo... Você sabe que isso deveria ter acontecido faz muito tempo.
- Isso o que? - ele me perguntou desconfiado.

Para minha sorte, começou a tocar uma das minhas músicas favoritas, Glad You Came do The Wanted.

The sun goes down (O sol se põe)
The stars come out (As estrelas saem)
And all that counts (E tudo o que conta)
Is here and now (É o aqui e agora)
My universe will never be the same (Meu universo nunca mais será o mesmo)
I'm glad you came (Estou feliz que você veio)

Eu mexia o meu quadril conforme o ritmo da música e aparentemente já estava o deixando louco. Ele me deu liberdade para passar as mãos em sua nuca, e eu não pude deixar de perceber que ele havia ficado arrepiado.

A outra parte da música eu comecei a sussurrar em seu ouvido:

You cast a spell on me, spell on me (Você lançou um feitiço em mim, feitiço em mim)
You hit me like the sky fell on me, fell on me (Você me atingiu como se o céu tivesse caído sobre mim, caído)
And I decided you look well on me, well on me (E eu decidi que você fica bem comigo, fica bem comigo)
So let's go somewhere no-one else can see, you and me (Então, vamos para algum lugar onde ninguém possa ver, você e eu)

me observava maliciosamente enquanto mexia seu corpo em sincronia com o meu. Ambos estávamos perdendo a própria consciência.

- Parece que estamos querendo fazer isso há um bom tempo não é mesmo? - eu perguntei-lhe.
- Cale a boca - foi a única coisa que ele me disse.

Quando já estava no refrão da música nós finalmente nos beijamos, um beijo desesperado e há muito tempo desejado.

- Amizade colorida? - ele me perguntou.
- É, amizade colorida...

My universe will never be the same (Meu universo nunca mais será o mesmo)
I'm glad you came (Estou feliz que você veio)

Fim

 

Comentários da autora




Comente aqui