Dear Metropolis

Escrito por Adrielle - Siga a autora no Twitter
Beta-Reader: Lelen



Música: Metropolis, por Owl City

Eu me encontrava olhando novamente para o porta-retratos que continha a foto de um casal aparentemente feliz, onde a garota ria e o garoto deva uma mordia em sua bochecha rosada. Tudo bem que tinha que parar de viver no passado, mas era impossível. Só quem viveu um verdadeiro amor sabe o quão difícil é ficar longe de quem se ama. O quão torturador é não ter noticias dessa mesma pessoa.
Vocês não estão entendendo nada, certo? Pois bem, deixe-me explicar as coisas: Eu me chamo , tenho meus 26 anos e moro em Liverpool, Inglaterra. E estou cuidando da empresa de meu pai, mas nem sempre morei aqui, na verdade eu sou de Metropolis e foi lá que deixei meu coração, minha vida, minha felicidade. Foi em Metropolis que deixei o amor da minha vida, a minha garota, minha Amy.

Quem é ? Bom, ela é uma garota dois anos mais nova que eu, é dona de lindos cabelos longos, e brilhantes, olhos de um hipnotizante, pele pálida, bochechas coradas e lábios da cor de um vermelho vivo. Mas não é isso que importa, o que importa é que ela é a garota da minha vida, a única em que eu amei verdadeiramente desde que eu era um pirralho. Onde ela está agora? Eu acredito que, em Metropolis.

Desde que sai de lá, nunca recebi uma noticia sua, nunca havia recebido uma simples carta que fosse, dizendo que ela estava bem. Por que sai de Metropolis e a deixei por lá? Meu pai estava com problemas de saúde, não tinha ninguém para cuidar de sua empresa, a não ser eu. Eu não podia negar isso a ele, ele fora quem sempre me ajudou desde que minha mãe me abandou quando eu ainda era um bebê. Fora sempre meu pai que esteve comigo e eu não podia deixa-lo na mão, não naquela época. Então eu fui "obrigado" a me mudar para Liverpool e deixa-la lá, deixa-la magoada, sofrendo e tudo isso por culpa minha, mas ela sabia que era para a felicidade de meu pai, ela me entendia. Ou pelo menos eu achava que sim.
Ah, se ela tivesse aceitado vir comigo para cá. Estaríamos casados e possivelmente com filhos, mas não. Ela não quis vir para Inglaterra comigo, ela simplesmente não quis. Ela quis ficar lá.

Oh oh, I can't even take it in.
Oh oh, I can't even take it in.
Oh oh, I left my heart in Metropolis.

Fui tirado de meus devaneios quando ouvi duas leves batidas na porta de meu escritório. Sem ânimo algum murmurei um "entre" completamente sem emoção.
- Sr. , deixaram uma carta para o senhor. – , uma senhora já de idade, que insista em cuidar de minha casa e de mim, falou com sua voz serena. – É de Metropolis.
Senti meu coração acelerar, minhas mãos soarem e uma ponta de esperança crescer dentro de mim. Com um sorriso bobo no rosto, levantei-me da cadeira e fui caminhando na direção da adorável senhora que me encarava confusa.
- Obrigada, . – peguei a carta de sua mão e dei-lhe um beijo na testa.
- Disponha. – percebi que ela segurava o riso, mas dei de ombros. – Se o senhor me der licença. – assenti e a vi se retirando com um sorriso divertido no rosto.

So far apart, I check that the coast was clear,
I feel like a postcard, I wish you were here.
Subway through the dark, tearing through the
park.

Minhas mãos tremiam, o nervosismo tomava conta de mim e o sorriso bobo não deixa meu rosto. Abri a carta e de lá tirei um papel azul claro, onde letras bem feitas vinham o decorado, a letra da minha garota. Mas algo, sem ser a letra, me chamou a atenção. A folha tinha marcas, como se ao escrever, tivesse deixado algumas lagrimas caírem.
Suspirei frustrado e resolvi ler de uma vez por todas, aquela maldita carta que não me trazia bons pressentimentos.

Taxi down the street, the avenue's at my feet
Don't matter much to me what it is that I do, as
long as I'm coming home
with you.

"Querido .
Se você está lendo essa carta significa que finalmente eu tive a coragem de te responder todas as que você mandou. Por favor, não ache que eu me esqueci de ti ou coisa parecida, porque eu já mais te esquecerei. Só estava precisando de um tempo, estava querendo assimilar tudo o que você havia me dito nas outras cartas. Juro que não acreditei quando li que você ainda me amava, que sentia minha falta e queria que eu me mudasse para ai. Confesso que fiquei mais incrédula ainda quando chegou aqui passagens para Liverpool.
Olha , eu ainda te amo, sinto sua falta, mas não podemos ficar juntos. Por quê? Bom, eu me casei.Tenho uma filha, Savanna, de dois anos e estou grávida de oito meses. Me desculpe, meu amor.
Sei que não tenho mais o direito de te chamar assim, sei que depois de ler essa carta você vai me odiar, mas eu precisava seguir com minha vida e quero que você siga com a sua e acima de tudo: Quero que você me perdoe. Por tudo. E saiba e eu serei para sempre a sua !
xXSua!"

Oh oh oh, as far as I can see,
You're the only one, the only one who can get
to me.
Like a high jacked plane, or a runaway train,
Or a speeding bullet, there's no stopping me!
I left my heart in Metropolis!

Não, ela não podia estar falando sério. Como assim, "casada"? E com filhos? Savanna,era esse o nome da filha dela? Mas ela disse que esse seria o nome da nossa filha, nossa.
Senti minhas mãos começando a amassar o papel, e o soltei em cima da mesa. Caminhei até a estante que tinha ali em meu escritório, onde tinha diversas garrafas de álcool. Peguei uma garrafa de whisky e enchi um copo; tomei tudo em apenas um gole e fechei fortemente os olhos quando o álcool passou rasgando pela minha garganta.

A thousand miles feels like a million years,
Like hundreds of postcards that say I wish you
were here!

E eu aqui, o tolo. Mandando cartas e mais cartas, mandando passagens para ela vir morar comigo, viver comigo. Mas ela estava lá, se casando, tendo seus filhos e vivendo feliz. É. Eu sou um completo idiota, um estúpido.
Depois de milhares de copos eu já estava bêbado, quebrando todos os porta-retratos que eu tinha com fotos nossas, quebrando tudo que me lembrava dela.
- Sr. , está tudo bem? – perguntou colocando a cabeça para dentro do escritório e logo arregalou os olhos quando viu a bagunça em sua frente.
- Está tudo nas mais perfeitas ordens, . – falei com a voz de embriagado e ri sem humor.
- O senhor está bêbado? – ela perguntou indignada. – O que aconteceu para o senhor ficar desse jeito? – adentrou no escritório e veio até mim, me puxando para a cadeira. – Você nunca fica bêbado!
- Eu nunca fui tão iludido, tão trouxa como agora, . – falei rindo. – Eu fui trocado, iludido, enganado. – senti um gosto salgado em minha boca. Ótimo, eu estava chorando.
- Oh, querido. – ela afagava meus cabelos. – Essa é a vida, a amarga vida! – me levantou novamente. – Venha, você tem que tomar um banho e tomar um café forte.

Airplane through the sky, grey all racing by,
Air bike on the beach, sailboat on the sea,
Don't matter much to me what it is that I do,
as
long as I'm coming home
with you.

Eu já tinha tomado meu banho, completamente gelado, e agora estava esperando vir com o meu café.
Sabe, eu tinha que agradecer muito a . Ela sempre esteve comigo, sempre foi a mãe que eu nunca tive. Me viu crescer e fazer as mais diversas estripulias, cuidava de mim quando meu pai não podia e a cima de tudo, nunca me deixou como minha verdadeira mãe.
Mais uma vez fui tirado de meus devaneios com alguém batendo na porta, e logo em seguida uma aparecer segurando uma bandeja com uma xícara.
- Tome! Você vai se sentir melhor. – me entregou a xícara que eu peguei sem hesitar.
Tomei todo o liquido quente em um gole só, e quando o liquido foi rasgando minha garganta eu fiz uma careta extremamente engraçada, até porque, riu.
- Obrigado. – falei sorrindo e colocando a xícara na escrivaninha em minha frente.
- Disponha. – sorriu terna. – Agora me diga! Meu filho, o que o levou a beber desse jeito?

Oh oh oh, as far as I can see,
You're the only one, the only one who can get
    to me.                

- Ela me enganou, falou que quando acabasse a faculdade ela viria morar comigo. – senti as lagrimas começarem a escorrer. – Ela me enganou, .
- Ela você quer dizer, a ? – questionou afagando meus cabelos.
- Sim. – falei de má vontade. – A única garota que eu amei. A única em toda minha vida.
- Oh, . – me abraçou, e pela primeira vez eu na vida eu soube o que era um abraço de mãe. – Aposto que ela não fez por mal, ela te amava... Você a amava, eu via no olhar de vocês.
- Não, . – falei fazendo um sinal negativo com a cabeça. – Ela teve uma filha. O nome da criança é Savanna, que segundo ela é o nome que daríamos a nossa filha. A NOSSA FILHA. – gritei, assustando-a. – Desculpe.
- Não se desculpe. – ela falou calma. – Você está assim porque seu coração ficou em Metropolis, mas logo você esquece isso. Você é jovem, tem a vida toda pela frente, pode encontrar um outro amor. – sorriu tristonha. 

Like a high jacked plane, or a runaway train,
Or a speeding bullet, there's no stopping me!
I left my heart in Metropolis!
I left my heart in Metropolis!

- O que você quer dizer com isso? – perguntei confuso. – Eu a amo!
- Não estou discordando. – ela me encarou. – Só estou dizendo que, talvez, o certo não é vocês ficarem juntos. Talvez, o certo é você deixar alguém te conquistar.
- Como assim? , a senhora está me assustando. – falei e a vi ri divertida.
- , eu já passei exatamente pelo que você está passando agora. – sorriu boba. – Mas estou dizendo que, você nunca deixou ninguém se aproximar. Você sempre viveu em função à , nunca deixou nenhuma mulher te conquistar.
- Mas eu a conheço desde que eu tinha meus 7 anos.
- Por isso mesmo, meu filho. – ela sorriu. – Diga-me, você já ficou com alguma outra mulher sem ser a ?
- Isso é constrangedor, mas não, eu nunca fiquei com ninguém a não ser ela. – falei de cabeça baixa.
- Então. Talvez esse seja o problema. – ela falava sorrindo. – Talvez, depois que você se envolver com alguma outra mulher, quem sabe vocês não possam ficar juntos?

Like a high jacked plane, or a runaway train,
Or a speeding bullet, there's no stopping me!
I left my heart in Metropolis!
I left my heart in Metropolis!
I left my heart in Metropolis!
       I left my heart in Metropolis!      

saiu do quarto e me deixou ali com cara de taxo. Me deitei na cama e fiquei pensando em tudo que ela havia me dito, em tudo que eu havia passando com , em tudo que aconteceu na minha vida. É, talvez esteja certa, eu deveria tentar me apaixonar por outra pessoa, afinal, eu nuca poderia trazer para viver comigo. Embora, meu coração vivesse em Metropolis, junto de , eu nunca poderia tê-la aqui comigo. Nossa história ficaria para sempre em Metropolis e nunca mudaria, nunca poderia mudar.

Oh oh, I can't even take it in.
Oh oh, I can't even take it in.
Oh oh, I can't even take it in.
Oh oh, I left my heart in Metropolis.

É, agora eu entendi o que quis dizer com "O seu coração ficou em Metropolis" até porque, meu coração tinha ficado realmente em Metropolis, e o que me restava era seguir minha vida sem ele.

FIM

 

Comentários da autora