Destaques


Últimas 5 histórias avaliadas com 5 estrelas.

Another Daydream Away, por Lelen
Breathe Me, por Effy Stanfield
Beach Office, por Luh Marino
Acorrentados no Inferno, por Ste Pacheco
Need You Now, por Liv

Gostaria de ter sua história avaliada?
Faça seu pedido aqui.

Top Histórias

1. Another Life, por Mylla Martiniano
2. Forest On Fire, por Forlly
3. Life as One Direction, por Ana Braga e Vitória Berçot
4. Às Escuras, por Natashia Kitamura
5. 60 Days Of Dreams, por Victória Borges
6. Living In The Moment, por Ma
7. Ballet Shoes, por Ella Souza
8. Passionate For My Dad, por Sâmela Ferpisou
9. Caps Lock, por Karoline Gomes
10. Our Worlds Collide, por Maraíza Santos

Trailer da Semana

 Fraternity and Sorority {One Direction, Finalizada}




Últimas Colunas

Encaixando a Música
A Idade Que Interessa
Mau ou Mal? Mais ou Mas? Quando usar?
Da TV Para o Papel
Qual nome escolher?

• Leia mais Colunas •

Últimas Críticas

Extra Especial, por B Menezes {Outros, Finalizada}
Salted Wound, por Jullya Silva {Outros, Restrita, Finalizada}
Another Daydream Away, por Lelen {Outros, Finalizada}
Breathe Me, por Effy Stanfield {Outros, Não-Interativa, Finalizada}
Colors, por Luisa Silva {Original, Finalizada}

• Leia mais Críticas •

Últimas Entrevistas

Destaque Autor Outubro 2016 – Gaby Pingituro
Destaque Equipe – Gabi
Destaque História – Ana Braga e Vitória Berçot
Destaque Autor Julho 2016 – Ste Pacheco
Destaque Equipe Julho 2016 – Angel (beta)

• Leia mais Entrevistas •

Destaque Autor Outubro 2016 – Gaby Pingituro
|| domingo 06/11/2016 às 09:05 - 2 comentários
|| Arquivado em: Entrevista

A Gaby Pingituro é autora de histórias como Dear Aiary e That’s Enough aqui no Espaço Criativo! Confira abaixo a entrevista que fizemos com a autora:

1. Primeiramente gostaríamos de parabeniza-la pelo destaque! Você acha que o EC apresenta algum diferencial para quem escreve? Se sim, o quê?
Gaby:
Quero começar agradecendo imensamente por essa oportunidade! Quando vi meu nome como destaque alguns dias atrás, era de manhã e eu estava no meio de uma aula completamente chata (que, aliás, eu não estava prestando muita atenção) e tive que me controlar loucamente para não sair pulando e rindo pela sala! Hahah Muito obrigada, de verdade. É quase inacreditável!
Definitivamente o EC me conquistou. A equipe é simplesmente incrível! Muito atenciosa, com certeza. Posso dizer de verdade que nos poucos meses que estou aqui, já fiz várias amigas autoras e betas. Até temos um grupo, diga-se de passagem, chamado MULHERES MARAVILHAS no whatsapp, que consegue realmente animar meus dias. Essas garotas são incríveis!
É como se toda gente que participa desse site fizesse parte de uma família. É um carinho muito grande para com todas as pessoas. Fora também a quantidade imensa de projetos que estão sempre rolando! São tantos incentivos disponíveis para nós autores, que é impossível não conseguir e não querer participar de algo ou simplesmente não se sentir inspirado para escrever ainda mais.

2. Para você, qual fator mais importante em um enredo? O início, seu desenvolvimento ou o fim? Por quê?
Gaby:
Essa pergunta é complicada! Hahaha Mas a meu ver, todos os fatores estão presos e interligados entre si. Eu particularmente não conseguiria escolher um mais importante, simplesmente porque todo o conjunto influencia inteiramente na construção direta do enredo. Um é a continuação do outro, e acredito que para uma história ser bem feita, é necessário que todos esses pontos sejam igualmente muito bem trabalhados para conquistar o leitor definitivamente.

3. Como é o processo criativo por trás de suas histórias? Você monta algum fluxograma, lista ou algo que sirva de norte ou apenas vai escrevendo e vê o que sai?
Gaby:
Bom, admito que no início (por volta de quando eu tinha uns 14 ou 15 anos) sinceramente eu apenas escrevia e via o que saía. Não fazia ideia do que estava fazendo! Usava a escrita como passatempo e não a levava muito a sério. E isso foi acontecendo até quando comecei a escrever Dear Diary. Hahah
Porém, depois que vi os primeiros capítulos prontos, gostei demais do resultado para simplesmente me deixar levar, e então comecei a organizar minhas ideias, determinando mais ou menos uma sequência de acontecimentos.
Mas foi também a partir do momento em que resolvi participar de projetos onde era necessário escrever um Oneshot ou uma Shortfic, que percebi o quão essencial era ter um plano de como se desenvolveria a história, tendo em mente ao menos o ponto inicial e o ponto final para não perder o foco, me desviar do assunto e acabar escrevendo até mais que o necessário (fazer isso é realmente a minha cara haha).
Por isso hoje faço as coisas um pouquinho diferentes. Tenho um caderninho que levo comigo para cima e para baixo (nunca se sabe quando a criatividade vai aparecer), onde anoto todas as ideias para minhas histórias, me organizando o máximo que posso, e por fim escrevendo em cima do que tenho.

4. Parte de suas histórias aqui no site já foram criticadas. Como autora, com que tipo de sentimento você recebeu a crítica? Quando aceitou ter suas criações avaliadas, o que esperava receber? Foi surpreendida? Você achou que a nota e argumentos foram concretos? Conseguiu extrair algum aprendizado deles?
Gaby:
Quando eu soube pela primeira vez que uma das minhas histórias havia sido criticada, fui pega completamente de surpresa! Não sabia pelo que esperar, estava ansiosa e inquieta, até com um friozinho na barriga hahaha, mas depois acabei sendo surpreendida e fiquei de queixo caído pelas críticas incríveis que recebi.
Deixei que minhas histórias fossem avaliadas para poder receber dicas de como melhorar, incrementar o desenvolvimento, saber sobre os pontos negativos e positivos, simplesmente tentando buscar uma maneira de melhorar minha escrita cada vez mais.
Estou sempre aberta a críticas! E apesar de às vezes ter um pé atrás sobre como as opiniões virão, se serão muito duras e etc., acredito que a visão de fora muitas vezes nos faz abrir os olhos para coisas que não percebemos. Independente para que sejam, críticas também são conselhos. Elas nos fazem crescer.
No fim, recebi notas ainda mais altas do que de fato esperava. Foram avaliações, sem dúvidas, inspiradoras. Me deram ainda mais vontade de me aventurar por esse mundo de histórias!

5. Dear Diary parece ser o carro chefe da sua lista de enredos. A frequência de atualizações é admirável e desde a sinopse podemos criar uma expectativa de enredo diferente com um tema que é bastante abordado nas fanfics de One Direction. Como você está fazendo para fugir do clichê e não ser colocada no julgamento da “mesmice”, tornando a história com uma leitura tão gostosa de se ler?
Gaby:
Ah, quanto amor! Muito obrigada!
Bom, devo começar dizendo que adorei essa pergunta!
Basicamente, tudo isso se deve ao fato de que sempre fui uma leitora voraz. Quando embarquei nesse mundo de fanfics, tive altas expectativas de ler temas diferentes e até ideias inovadoras. E apesar de adorar um romance clichê, decidi então, entre uma leitura e outra, que não queria deixar óbvio o que aconteceria na minha história logo de cara, mesmo que o tema, como foi mencionado acima, seja bastante abordado.
E logo no primeiro capítulo o rumo tomado na história já se mostra diferente do que o esperado. Sim, a fanfic é sobre fama, e apesar de ser sobre o One Direction, não estamos falando diretamente de música, mas sim sobre atuação, a mídia televisiva. E por que não? Os bastidores por trás do desenvolvimento de uma série são tão incríveis e interessantes quanto o processo de criação, por exemplo, de uma música ou um show.
Por isso, acho que dá pra dizer que eu tento inovar dentro da mesmice. Hahah

6. Você encontra dificuldade em escrever algum tipo de cena? Se sim, qual? E como faz quando uma história PEDE esse tipo de descrição?
Gaby:
Eu tenho extrema dificuldade em escrever cenas hot! Hahaha
Para ser bem sincera eu nunca escrevi uma cena restrita na minha vida, sempre parei na parte do “e então depois de um tirar a roupa do outro, apagaram a luz”. Hahaha Entretanto tenho plena consciência de que em breve será necessário que eu escreva uma cena assim (olha o spoiler) e por isso tenho tentado desenvolver essa escrita um pouco mais adulta já faz um tempo. I want you in every single way e o capítulo 13 de Dear Diary (se não me engano) foram algumas dessas tentativas. Sinceramente fiquei surpresa por terem sido, ambas, bem sucedidas. Fiquei feliz comigo mesmo por isso!
De qualquer forma, acho que tudo o que preciso para que eu finalmente desenvolva uma cena +18, é mandar minha vergonha lá para onde Judas bateu as botas, porque no fim, isso é o que mais me atrapalha. E infelizmente, até hoje não consegui achar uma explicação para tal, simplesmente travo e fico repetindo para eu mesma enquanto encaro a tela do PC “não acredito que estou escrevendo isso”. Mas tenho certeza que se me concentrar bastante e ler algumas histórias mais maduras para poder me inspirar, vou acabar desfazendo esse bloquei e escrever algo com um resultado minimamente aceitável. Hahaha

7. Dizem que todo autor é também leitor. Se pudesse fazer parceria com alguma autora que costuma acompanhar, quem seria e por quê? Quais seriam os benefícios que sairiam dessa parceria?
Gaby:
Ah, que difícil! Hahah São tantas as histórias que acompanho que fico até confusa.
Eu diria que adoraria fazer parceria com alguma autora que já conheço, como as garotas do grupo que já falei antes, mas vou falar de novo, MULHERES MARAVILHAS. Simplesmente tenho um carinho muito grande por elas, e a ideia de poder juntar minhas ideias com as delas seria com certeza uma ótima experiência. Conhecer como trabalham, a assinatura individual de cada uma e ainda pensar junto delas para a construção de um enredo completamente novo, seria sem dúvida uma chance de crescer como autora.
Fora elas, eu admiro muito o trabalho das autoras Ste Pacheco e Mylla Martiniano. Acho incrível como a Ste consegue trabalhar suas tramas de suspense e terror. As histórias dela prendem completamente sua atenção, sempre com aquela pergunta “o que vai acontecer agora?” rondando no final de cada capítulo. Particularmente eu amo gêneros como esses e tenho muita vontade de um dia, quem sabe, escrever algo mais dark/sobrenatural.
E adoro também como Mylla consegue trabalhar tão bem o enredo de Another Life. As cenas de romance entre os PPs são maravilhosas, já perdi a conta de quantas vezes parei no meio de um capítulo só para respirar fundo feito uma boba apaixonada. Eu queria ter esse poder de emocionar o leitor, de deixa-lo tão dentro da história, como ela própria faz. Hahah

8. Como autora, qual o tipo de reconhecimento que você gostaria de receber de um leitor?
Gaby:
Sou movida a motivações. Seja da minha beta, de alguma amiga próxima, ou mesmo alguém que eu não conheça, eu simplesmente AMO quando comentam minhas histórias!
Não importa se é aquela frase curtinha de “continua logo!”, um daqueles parágrafos/textos que me fazem ficar sorrindo abobadamente por minutos, ou então algum elogio feito pessoalmente. Esse gesto tão pequeno, saber o que as pessoas estão pensando sobre o que faço, me deixa feliz, com um sentimento de missão cumprida. Sinto como se realmente estivessem gostando do que está escrito lá, e isso definitivamente faz com que eu queria continuar com meus trabalhos mais e mais.

9. Suas histórias são, na maioria, romances. Você escreve nesse gênero por ter facilidade, mais conhecimento ou os dois? Existe algum gênero que gostaria de se arriscar a escrever?
Há alguma história de um gênero que nunca escreveu, que leu e despertou o seu interesse em querer tentar escrever também? Se sim, qual?
Gaby:
Sou uma romântica incorrigível! Hahaha
Escrevo romances porque tenho mais facilidade com o desenvolvimento sim, minha mente viaja por conta própria quando esse é o assunto. Simplesmente coloco em palavras o que, muitas vezes, gostaria que acontecesse comigo. Se eu pudesse escolher, faria da minha vida um romance eterno típico de livros!
Com certeza eu adoraria me aventurar pelo suspense. Sou apaixonada por mistérios e tramas surpreendentes. Por várias vezes me vejo pensando sobre o assunto, imaginado coisas que talvez um dia venham a se tornar histórias também. Quem sabe, não é?
Ultimamente tenho me interessado por quase tudo que envolva ficção científica. Aconteceu meio por acaso, mas foi amor à primeira vista. Se meu cérebro ajudasse, muito provavelmente eu acabaria tentando escrever sobre. Falta a ideia inicial e um pouquinho de força de vontade. Meio improvável que algum dia exista uma história minha abordando ficção científica, mas irei deixar essa questão em aberto. Haha

10. Você poderia contar para nós se tem algum projeto futuro de história? E spoiler? Você tem algum para os leitores de Dear Diary?
Gaby:
Sim, com certeza tenho alguns projetos, o que me falta para desenvolvê-los é tempo. Hahah
Posso dizer que, se tudo der certo, vou fugir um pouco do romance dessa vez. Mas não vou revelar nada mais que isso, ainda estou em fase de pesquisa sobre o assunto e desenvolvimento da ideia. Não será uma história que sairá logo, isso eu deixo certo.
Bom, e sobre Dear Diary… Capítulo 23. Aguardem por ele. Hahah

Muito obrigada por todo o carinho, fazer esta entrevista é, sem dúvida, uma das coisas mais legais que já fiz! Sou muito grata a vocês pela oportunidade.

» Confira outras entrevistas aqui!




Posts Relacionados





2 Comentários em “Destaque Autor Outubro 2016 – Gaby Pingituro”


Ste | 08-11-2016 às 08:47 | Responder

Amei a entrevista, muito divertida!!! 🙂

Gaby Pingituro | 10-11-2016 às 22:21 | Responder

Obrigada, Ste ❤️❤️


Comentar