Posted by on 13/01/2016

Alguma vez você já deu um duro danado para continuar um capítulo porque ele simplesmente não fluía? Seja lendo ou escrevendo, o problema nem sempre é a personagem ou a trama, mas sim a escrita.

Por exemplo, digamos que estejamos lendo uma história e de repente a personagem principal dá de cara com o fantasma da sua tia falecida:

“O fantasma apareceu na frente de Angela. Ela tremeu de medo ao reconhecer a tia que faleceu há dois meses.”

Esse trecho nos disse tudo que precisávamos saber: a aparição do fantasma e o medo de Angela, nossa pobre protagonista.

Porém, uma escrita assim não ajuda o leitor a se conectar com a personagem. Vamos melhorar esse trecho usando uma técnica chamada “Show, don’t tell” (“Mostre, não conte”):

“Uma figura estranha apareceu na frente de Angela, veias azuis saltavam de sua pele fina como papel encerado e olhos fundos arregalavam-se para ela. O rosto de sua falecida tia formava-se por trás dos cabelos negros emaranhados. Angela tropeçou para trás, suas pernas gritando por ajuda para mantê-la de pé. As mãos suadas dela agarram a cadeira, que serviu de apoio para seu corpo. Seu coração batia rápido demais e sua respiração falhava, tornando impossível para Angela reagir.”

Não fica bem mais fácil imaginar o fantasma, a reação de Angela e até saber que ela está morrendo de medo mesmo que a palavra “medo” não apareça? Então, seguindo esse exemplo, não diga que sua personagem está com vergonha, diga que ela desviou o olhar, que ela escondeu o rosto nas mãos, que ela riu olhando para o chão… Lembre-se, o seu leitor tem um cérebro, faça-o botar ele pra trabalhar!

Veja, eu não defini o “show, don’t tell” para vocês, eu mostrei no que ele consiste.

É legal também pensar nos cinco sentidos na hora de escrever uma cena. Há cheiros estranhos, um vento frio? Ou será que a personagem sentiu o sangue ferver quando o namorado saiu pra balada sem ela? Pensar nisso é divertido e vai ajudar a desenhar a cena na mente do leitor, mas cuidado, é sempre bom lembrar que NADA em excesso é bom. Exagerar no “show, don’t tell” pode deixar seu texto cansativo. Equilíbrio é a chave.

Então, divirta-se e deixe sua imaginação escorrer para o teclado do computador!

Coluna por Gabi

CAMPANHA: VAMOS DAR TRABALHO ÀS BETAS!
ENVIE SUA HISTÓRIA PARA NÓS! CLIQUE AQUI.

[WWW] O Game das Leitoras está de volta!
[WWW] Adote/doe uma ideia!
[WWW] Vagas abertas! Inscreva-se!
[WWW] Peça sua capa/crítica/trailer!

Posted in: Colunas