Destaque Autor Outubro 2016 – Gaby Pingituro

nov. 6, 2016 by

A Gaby Pingituro é autora de histórias como Dear Aiary e That’s Enough aqui no Espaço Criativo! Confira abaixo a entrevista que fizemos com a autora:

1. Primeiramente gostaríamos de parabeniza-la pelo destaque! Você acha que o EC apresenta algum diferencial para quem escreve? Se sim, o quê?
Gaby:
Quero começar agradecendo imensamente por essa oportunidade! Quando vi meu nome como destaque alguns dias atrás, era de manhã e eu estava no meio de uma aula completamente chata (que, aliás, eu não estava prestando muita atenção) e tive que me controlar loucamente para não sair pulando e rindo pela sala! Hahah Muito obrigada, de verdade. É quase inacreditável!
Definitivamente o EC me conquistou. A equipe é simplesmente incrível! Muito atenciosa, com certeza. Posso dizer de verdade que nos poucos meses que estou aqui, já fiz várias amigas autoras e betas. Até temos um grupo, diga-se de passagem, chamado MULHERES MARAVILHAS no whatsapp, que consegue realmente animar meus dias. Essas garotas são incríveis!
É como se toda gente que participa desse site fizesse parte de uma família. É um carinho muito grande para com todas as pessoas. Fora também a quantidade imensa de projetos que estão sempre rolando! São tantos incentivos disponíveis para nós autores, que é impossível não conseguir e não querer participar de algo ou simplesmente não se sentir inspirado para escrever ainda mais.

2. Para você, qual fator mais importante em um enredo? O início, seu desenvolvimento ou o fim? Por quê?
Gaby:
Essa pergunta é complicada! Hahaha Mas a meu ver, todos os fatores estão presos e interligados entre si. Eu particularmente não conseguiria escolher um mais importante, simplesmente porque todo o conjunto influencia inteiramente na construção direta do enredo. Um é a continuação do outro, e acredito que para uma história ser bem feita, é necessário que todos esses pontos sejam igualmente muito bem trabalhados para conquistar o leitor definitivamente.

3. Como é o processo criativo por trás de suas histórias? Você monta algum fluxograma, lista ou algo que sirva de norte ou apenas vai escrevendo e vê o que sai?
Gaby:
Bom, admito que no início (por volta de quando eu tinha uns 14 ou 15 anos) sinceramente eu apenas escrevia e via o que saía. Não fazia ideia do que estava fazendo! Usava a escrita como passatempo e não a levava muito a sério. E isso foi acontecendo até quando comecei a escrever Dear Diary. Hahah
Porém, depois que vi os primeiros capítulos prontos, gostei demais do resultado para simplesmente me deixar levar, e então comecei a organizar minhas ideias, determinando mais ou menos uma sequência de acontecimentos.
Mas foi também a partir do momento em que resolvi participar de projetos onde era necessário escrever um Oneshot ou uma Shortfic, que percebi o quão essencial era ter um plano de como se desenvolveria a história, tendo em mente ao menos o ponto inicial e o ponto final para não perder o foco, me desviar do assunto e acabar escrevendo até mais que o necessário (fazer isso é realmente a minha cara haha).
Por isso hoje faço as coisas um pouquinho diferentes. Tenho um caderninho que levo comigo para cima e para baixo (nunca se sabe quando a criatividade vai aparecer), onde anoto todas as ideias para minhas histórias, me organizando o máximo que posso, e por fim escrevendo em cima do que tenho.

4. Parte de suas histórias aqui no site já foram criticadas. Como autora, com que tipo de sentimento você recebeu a crítica? Quando aceitou ter suas criações avaliadas, o que esperava receber? Foi surpreendida? Você achou que a nota e argumentos foram concretos? Conseguiu extrair algum aprendizado deles?
Gaby:
Quando eu soube pela primeira vez que uma das minhas histórias havia sido criticada, fui pega completamente de surpresa! Não sabia pelo que esperar, estava ansiosa e inquieta, até com um friozinho na barriga hahaha, mas depois acabei sendo surpreendida e fiquei de queixo caído pelas críticas incríveis que recebi.
Deixei que minhas histórias fossem avaliadas para poder receber dicas de como melhorar, incrementar o desenvolvimento, saber sobre os pontos negativos e positivos, simplesmente tentando buscar uma maneira de melhorar minha escrita cada vez mais.
Estou sempre aberta a críticas! E apesar de às vezes ter um pé atrás sobre como as opiniões virão, se serão muito duras e etc., acredito que a visão de fora muitas vezes nos faz abrir os olhos para coisas que não percebemos. Independente para que sejam, críticas também são conselhos. Elas nos fazem crescer.
No fim, recebi notas ainda mais altas do que de fato esperava. Foram avaliações, sem dúvidas, inspiradoras. Me deram ainda mais vontade de me aventurar por esse mundo de histórias!

5. Dear Diary parece ser o carro chefe da sua lista de enredos. A frequência de atualizações é admirável e desde a sinopse podemos criar uma expectativa de enredo diferente com um tema que é bastante abordado nas fanfics de One Direction. Como você está fazendo para fugir do clichê e não ser colocada no julgamento da “mesmice”, tornando a história com uma leitura tão gostosa de se ler?
Gaby:
Ah, quanto amor! Muito obrigada!
Bom, devo começar dizendo que adorei essa pergunta!
Basicamente, tudo isso se deve ao fato de que sempre fui uma leitora voraz. Quando embarquei nesse mundo de fanfics, tive altas expectativas de ler temas diferentes e até ideias inovadoras. E apesar de adorar um romance clichê, decidi então, entre uma leitura e outra, que não queria deixar óbvio o que aconteceria na minha história logo de cara, mesmo que o tema, como foi mencionado acima, seja bastante abordado.
E logo no primeiro capítulo o rumo tomado na história já se mostra diferente do que o esperado. Sim, a fanfic é sobre fama, e apesar de ser sobre o One Direction, não estamos falando diretamente de música, mas sim sobre atuação, a mídia televisiva. E por que não? Os bastidores por trás do desenvolvimento de uma série são tão incríveis e interessantes quanto o processo de criação, por exemplo, de uma música ou um show.
Por isso, acho que dá pra dizer que eu tento inovar dentro da mesmice. Hahah

6. Você encontra dificuldade em escrever algum tipo de cena? Se sim, qual? E como faz quando uma história PEDE esse tipo de descrição?
Gaby:
Eu tenho extrema dificuldade em escrever cenas hot! Hahaha
Para ser bem sincera eu nunca escrevi uma cena restrita na minha vida, sempre parei na parte do “e então depois de um tirar a roupa do outro, apagaram a luz”. Hahaha Entretanto tenho plena consciência de que em breve será necessário que eu escreva uma cena assim (olha o spoiler) e por isso tenho tentado desenvolver essa escrita um pouco mais adulta já faz um tempo. I want you in every single way e o capítulo 13 de Dear Diary (se não me engano) foram algumas dessas tentativas. Sinceramente fiquei surpresa por terem sido, ambas, bem sucedidas. Fiquei feliz comigo mesmo por isso!
De qualquer forma, acho que tudo o que preciso para que eu finalmente desenvolva uma cena +18, é mandar minha vergonha lá para onde Judas bateu as botas, porque no fim, isso é o que mais me atrapalha. E infelizmente, até hoje não consegui achar uma explicação para tal, simplesmente travo e fico repetindo para eu mesma enquanto encaro a tela do PC “não acredito que estou escrevendo isso”. Mas tenho certeza que se me concentrar bastante e ler algumas histórias mais maduras para poder me inspirar, vou acabar desfazendo esse bloquei e escrever algo com um resultado minimamente aceitável. Hahaha

7. Dizem que todo autor é também leitor. Se pudesse fazer parceria com alguma autora que costuma acompanhar, quem seria e por quê? Quais seriam os benefícios que sairiam dessa parceria?
Gaby:
Ah, que difícil! Hahah São tantas as histórias que acompanho que fico até confusa.
Eu diria que adoraria fazer parceria com alguma autora que já conheço, como as garotas do grupo que já falei antes, mas vou falar de novo, MULHERES MARAVILHAS. Simplesmente tenho um carinho muito grande por elas, e a ideia de poder juntar minhas ideias com as delas seria com certeza uma ótima experiência. Conhecer como trabalham, a assinatura individual de cada uma e ainda pensar junto delas para a construção de um enredo completamente novo, seria sem dúvida uma chance de crescer como autora.
Fora elas, eu admiro muito o trabalho das autoras Ste Pacheco e Mylla Martiniano. Acho incrível como a Ste consegue trabalhar suas tramas de suspense e terror. As histórias dela prendem completamente sua atenção, sempre com aquela pergunta “o que vai acontecer agora?” rondando no final de cada capítulo. Particularmente eu amo gêneros como esses e tenho muita vontade de um dia, quem sabe, escrever algo mais dark/sobrenatural.
E adoro também como Mylla consegue trabalhar tão bem o enredo de Another Life. As cenas de romance entre os PPs são maravilhosas, já perdi a conta de quantas vezes parei no meio de um capítulo só para respirar fundo feito uma boba apaixonada. Eu queria ter esse poder de emocionar o leitor, de deixa-lo tão dentro da história, como ela própria faz. Hahah

8. Como autora, qual o tipo de reconhecimento que você gostaria de receber de um leitor?
Gaby:
Sou movida a motivações. Seja da minha beta, de alguma amiga próxima, ou mesmo alguém que eu não conheça, eu simplesmente AMO quando comentam minhas histórias!
Não importa se é aquela frase curtinha de “continua logo!”, um daqueles parágrafos/textos que me fazem ficar sorrindo abobadamente por minutos, ou então algum elogio feito pessoalmente. Esse gesto tão pequeno, saber o que as pessoas estão pensando sobre o que faço, me deixa feliz, com um sentimento de missão cumprida. Sinto como se realmente estivessem gostando do que está escrito lá, e isso definitivamente faz com que eu queria continuar com meus trabalhos mais e mais.

9. Suas histórias são, na maioria, romances. Você escreve nesse gênero por ter facilidade, mais conhecimento ou os dois? Existe algum gênero que gostaria de se arriscar a escrever?
Há alguma história de um gênero que nunca escreveu, que leu e despertou o seu interesse em querer tentar escrever também? Se sim, qual?
Gaby:
Sou uma romântica incorrigível! Hahaha
Escrevo romances porque tenho mais facilidade com o desenvolvimento sim, minha mente viaja por conta própria quando esse é o assunto. Simplesmente coloco em palavras o que, muitas vezes, gostaria que acontecesse comigo. Se eu pudesse escolher, faria da minha vida um romance eterno típico de livros!
Com certeza eu adoraria me aventurar pelo suspense. Sou apaixonada por mistérios e tramas surpreendentes. Por várias vezes me vejo pensando sobre o assunto, imaginado coisas que talvez um dia venham a se tornar histórias também. Quem sabe, não é?
Ultimamente tenho me interessado por quase tudo que envolva ficção científica. Aconteceu meio por acaso, mas foi amor à primeira vista. Se meu cérebro ajudasse, muito provavelmente eu acabaria tentando escrever sobre. Falta a ideia inicial e um pouquinho de força de vontade. Meio improvável que algum dia exista uma história minha abordando ficção científica, mas irei deixar essa questão em aberto. Haha

10. Você poderia contar para nós se tem algum projeto futuro de história? E spoiler? Você tem algum para os leitores de Dear Diary?
Gaby:
Sim, com certeza tenho alguns projetos, o que me falta para desenvolvê-los é tempo. Hahah
Posso dizer que, se tudo der certo, vou fugir um pouco do romance dessa vez. Mas não vou revelar nada mais que isso, ainda estou em fase de pesquisa sobre o assunto e desenvolvimento da ideia. Não será uma história que sairá logo, isso eu deixo certo.
Bom, e sobre Dear Diary… Capítulo 23. Aguardem por ele. Hahah

Muito obrigada por todo o carinho, fazer esta entrevista é, sem dúvida, uma das coisas mais legais que já fiz! Sou muito grata a vocês pela oportunidade.

» Confira outras entrevistas aqui!

Destaque Equipe – Gabi

out. 22, 2016 by

A Gabi é colunista das matérias como O que vem depois do travessão, E o que eu faço com tanto personagem? e outros mais.

Para celebrar o destaque dela, confira a entrevista:

Primeiramente gostaríamos de parabenizá-la pelo destaque! Desde sua entrada na equipe até agora, quais as mudanças que percebeu no seu desempenho dentro da equipe?
Obrigada! Sobre as mudanças, eu percebi que tenho tido mais dificuldade em encontrar algo realmente útil para as leitoras. Quero sempre trazer algo que faça diferença para elas e a cada coluna parece mais difícil *risos*

Para criar uma coluna é necessário possuir um bom assunto, mas cada vez que uma nova coluna é postada no site, você possui um tema a menos para falar. Como surge a ideia dos temas de suas colunas? Você realiza algum tipo de pesquisa?
Exato. Isso nos obriga a pensar e faz do nosso trabalho algo mais complicadinho. Minha sorte é que eu estou na mesma situação do meu público. Escrevo todos os dias e tento perceber, na minha experiência com escrita, quais são as coisas que mais tive (e talvez ainda tenha) dificuldade. É daí que tiro a maioria das minhas ideias e fico, sim, algum tempo pesquisando sobre os temas para desenvolver as colunas. Algumas vezes, minhas pesquisas pessoais acabam virando ideias para colunas também.

Em nossas redes sociais, além dos avisos de atualizações individuais na conta da equipe, as colunas são os posts mais compartilhados pelos seguidores, o que significa que o trabalho da equipe está sendo aprovado por muitas pessoas. Mesmo que a quantidade de comentários não seja grande, você sente-se responsável por criar colunas com um bom conteúdo para esses leitores fantasmas?
Totalmente. Meu objetivo é ajudar quem escreve a ter cada vez menos obstáculos no processo de produção criativa. Claro, comentários são extremamente motivadores e ajudam a saber se você está entregando um material à altura (e todo mundo ama), mas, mesmo que esse público seja fantasma, eu sei que ele existe e precisa de um conteúdo bom e útil.

Pode acontecer de você criar colunas baseadas em fanfics que leu no site? Se sim, a ideia surge do nada enquanto lê ou você já abriu uma fanfic com a intenção de tirar inspiração?
Algumas vezes. Nunca cheguei a abrir uma fanfic com essa intenção, mas sim, é quase que automático para mim. Acabo vendo um detalhe que é muito bom ou, por outro lado, algo que poderia ser melhorado e já me vem a ideia para uma coluna.

Colunistas também correm o risco de passar por bloqueios, como os autores. Você já escreveu ou pensou em escrever uma coluna baseada em sua experiência como autora de colunas? Pode colocar os links aqui para divulgação!
Já pensei em escrever. Ainda mais voltando para esse aspecto de criação. Criar conteúdo é algo complicado e demanda uma confiança no próprio trabalho que não temos toda hora. Essa experiência maravilhosa que estou tendo como colunista me ajuda a enxergar isso ainda mais. Quem sabe um dia não escrevo algo sobre como escrever uma história e uma coluna tem suas semelhanças, sim.

Criar colunas é aprender. Sempre que imaginamos o processo de criação de uma coluna, pensamos na pesquisa que a autora fez antes de postar o conteúdo no ar. Existe alguma coluna que rendeu a você um aprendizado que vem levando para uso pessoal?
Ah, sim! Por vezes já me peguei escrevendo e lembrando da coluna que escrevi, da pesquisa que eu fiz, percebo erros que não perceberia antes. Todas as minhas colunas me servem de algum aprendizado pessoal, até porque conhecimento nunca é demais. Também aprendo muito com as colunas das minhas colegas de equipe, que trazem temas que eu talvez nunca nem prestasse devida atenção.

Podemos ler que algumas críticas do site fazem uso das colunas para auxiliar o autor a incrementar algum ponto que, durante a avaliação, foi dada como um ponto a ser melhorado. Você também utiliza as críticas como base de avaliação sobre quais os assuntos que podem ser abordados?
Já cheguei a tentar isso. Lia algumas críticas e tentava perceber quais as dificuldades maiores dos leitores. Isso me ajudou um pouco no começo, mas admito que hoje já não é algo que eu faça com muita frequência.

Houve algo em específico que a motivou a entrar na equipe do Espaço Criativo? O que você consideraria um diferencial em estar aqui?
Eu já postei histórias no site e sempre fui de escrever muito, sempre querendo melhorar o que produzia. Organizava resuminhos das pesquisas que fazia e guardava para mim mesma, até que vi a vaga de colunista no site e pensei: “Ora, porque não? Se me ajudou, pode ajudar alguém mais.”
Ter esse contato, em um site com autores que são como eu, faz toda a experiência um aprendizado. Pra mim o EC é um xodó, adoro as histórias, a equipe e o quanto me sinto cheia de pessoas ao meu redor. Não troco por nada.

O que ser parte da Equipe do EC tem significado para você?
Me dá mais confiança no que crio. Eu aprendo conforme tento ensinar e me sinto parte de algo enorme. Mesmo no tempinho até que apertado que tenho, adoro fazer as pesquisas e criar uma coluna porque sei que pelo menos UMA pessoa eu vou ajudar. É uma honra e significa para mim compartilhar o pouquinho que sei, aprender coisas novas e inspirar.

É muito importante que as colunas recebam um retorno, para que vocês saibam se o trabalho de vocês está ajudando o autor ou leitor do site. Como integrante da equipe, o que espera dos visitantes do EC com relação às colunas?
Espero que, antes de comentar, compartilhar ou elogiar, os leitores aproveitem. Quero que aquilo que os mantinha parados naquela cena difícil não os segure mais. Quero que sintam que podem fazer tudo e que amem o que criam. Espero que nenhum obstáculo, por mais complicado que seja, os impeça de criar. É o que eu espero em relação às colunas. É postando as histórias, é dando um trabalho danado às nossas queridas betas que espero o retorno. Não em comentários, mas em criação.

» Confira outras entrevistas aqui!

Destaque História – Ana Braga e Vitória Berçot

out. 13, 2016 by

Confira abaixo a entrevista com Ana Braga e Vitória Berçot, autoras de Life as One Direction {One Direction, Finalizada}, história destaque do 2º trimestre de 2016!

Primeiramente gostaríamos de parabenizá-la pelo destaque! Da onde surgiu a ideia de Life As One Direction?
Bom, éramos leitoras de fanfic e queríamos escrever uma. Sempre fomos parceiras nessas questões ligadas a literatura e tal, aí pensamos em escrever uma fanfic juntas. Como as duas gostavam de One Direction, concluímos que seria um tema perfeito. Então começamos a escrever.

Faz um tempo desde que a história finalizou no All Time Fics. Receber esse destaque significa que vocês ainda recebem um grande número de leitores. Isso, de alguma forma, não incentiva vocês a escreverem mais?
Olha, foi uma surpresa pra nós. Porque fazem 4 anos que a história foi finalizada no All Time. Éramos bem mais novas na época. Nós escrevemos outra fanfic, mas com a banda Cine, se chama Zelo. Também escrevemos algumas que não foram publicadas, falta dar um retoque ou outro. Quando escrevemos Life As One Direction, tínhamos 13 e 14 anos, na época não tínhamos muitas responsabilidades, hoje, com 17 e 18, não temos mais muito tempo pra se dedicar às fanfics. Ano que vem quando tudo se ajeitar na faculdade, acreditamos que será mais fácil para escrever mais coisas, nosso estilo mudou muito desde Life As One Direction.

Como funcionou a parceria de vocês? Escreviam juntas em um documento ou cada uma escreve uma parte? Qual as características de escrever com alguém?
Tínhamos uma conta no tumblr para escrever a fanfic, escrevíamos nos rascunhos. Então, particularmente com nós duas, cada uma escrevia metade de cada capítulo, todo capítulo tinha a escrita das duas. O conteúdo era repassado previamente. A parte mais legal é que você é leitora e autora da sua fanfic ao mesmo tempo, porque não sabíamos como a outra narraria a história. Isso sempre foi o mais interessante, cada capítulo era uma surpresa para nós duas também.

Pelos personagens serem fixos, houve alguma dificuldade na descrição ou na combinação dos casais? Vocês possuíam um grupo de amigas e cada uma tinha seu favorito ou vocês duas quem criaram as personagens de acordo com a características dos meninos?
Tínhamos um grupo de amigas, então foi bem mais fácil. A maioria das características usadas na fanfic, são características verdadeiras das nossas amigas. Até a intimidade que elas possuem durante a viagem. Realmente imaginamos como se fosse o nosso grupo vivendo tudo aquilo.

A história já possui mais de 160 mil visualizações desde sua estreia no All Time Fics. O que vocês acham que levou a fanfic a ter todo esse sucesso? A dedicação de vocês? O enredo? A relação de vocês com os leitores? Como foi a divulgação da história?
Acreditamos que foi uma união de fatores. Na época, esse tipo de fanfic era bem comum. Tínhamos e ainda temos uma relação muito boa com as leitoras. Mas acho que o ponto principal foi que nós escrevemos a história imaginando como se nós estivéssemos vivendo aqui tudo, demos o nosso melhor. Quando se faz algo com amor e dedicação, tem tudo para dar certo. No início, a divulgação era somente no All Time Fics, pelos posts de atualização. Quando algumas leitoras entraram em contato conosco, começamos a avisar as atualizações pelo Twitter. Esse número de acessos foi algo surreal, nunca imaginamos que chegaríamos a 160 mil visitas.

Houve algum momento em que a parceria atrapalhou o desenvolvimento da história? Por exemplo, alguma divergência de opinião sobre o que fazer em seguida ou o fato de serem 2 pessoas que tem, cada uma, seu jeito próprio de escrever?
Nunca. Sempre fomos muito amigas, muito íntimas e muito parceiras, isso é fundamental para se escrever em dupla. Você deve conhecer muito bem a outra pessoa. Sempre aceitamos as sugestões uma da outra, sempre debatemos com muita calma. Nunca nem brigamos no processo. Cada uma dava algumas ideias e juntávamos tudo. É bem trabalhoso, porque tínhamos que conversar horas e horas todos os dias, para decidir o destino da história. Mas foi uma experiência incrível que deu certo.

Vocês sentiram que terminaram a história com alguma experiência nova? A dar mais atenção em algum aspecto que, quando começaram, não tinham o hábito, como ser mais exigente com a escrita, dar atenção aos comentários ou querer colocar alguma lição de moral ou vida no enredo?
Sentimos que o nosso estilo de escrita mudou muito. Ficamos um ano escrevendo a fanfic, tem um número grande de capítulos. Então acreditamos que o último capítulo ficou bem “melhor” do que o primeiro, por exemplo, até mesmo pela questão da maturidade. Hoje, ao ler a fanfic, não escreveríamos daquele jeito, seria bem diferente, éramos mais inocentes/ ingênuas naquela época, e talvez isso que diferenciou de outras fanfics. Escrever essa fanfic foi muito bom para nós também na questão da relação com as leitoras. Foi uma experiência bem proveitosa.

Geralmente os comentários faz os autores mudarem o rumo da história, principalmente quando descobrem os planos do desenvolvimento muito no começo. Com vocês duas aconteceu isso?
Sempre levamos muito em consideração os comentários das leitoras, mas nunca recebemos muitas críticas em relação ao desenvolvimento da história. Então, no nosso caso, pudemos ser fiéis ao enredo no início, pois nossas leitoras nunca entraram em contradição com a história. Acrescentamos sugestões, um toque aqui, outro ali, mas não foi necessário mudar a essência da fanfic.

[SPOILER] Vocês decidiram escrever a história dos casais literalmente do início ao fim. Isso foi premeditado ou, de acordo com o desenvolvimento, iam escrevendo até perceberem que chegaram no final?
Foi decidido antes. Na verdade, sempre líamos fanfics com personagens fixos e não gostávamos quando, por exemplo, meu preferido era o Niall e a fanfic só contava a história da preferida do Harry, e aí a menina do Niall tinha uma história coadjuvante. Quando fizemos a fanfic, quisemos dar a todas as leitoras uma história do início ao fim, independente do preferido delas. Tentamos ao máximo deixar a história sem ter uma “principal”.

Já faz um tempo desde quando enviaram fanfic para Espaço Criativo. Vocês têm planos de postarem mais fanfics (seja em dupla ou individualmente)? Se sim, falem um pouco das histórias para que seus leitores saibam o que esperar!
Provavelmente sempre enviaremos fanfics em dupla, hahaha! Então, como comentamos em outra pergunta, estamos passando por um período meio turbulento, cursinho, vestibular e, no momento, estamos sem tempo para escrever. Ano que vem nossa vida estará mais calma e aí, se tudo der certo, poderemos dar continuidade aos projetos. Deixamos muitas fanfics pela metade nos rascunhos e temos muitas ideias, mas tudo para 2017 provavelmente. Queríamos aproveitar o espaço para agradecer o apoio de sempre, nossa beta Natashia, o site que sempre incentiva a escrita, é um projeto maravilhoso, e agradecer também nossas leitoras, que sempre acompanharam nossa fanfic, sempre comentaram, sempre estiveram conosco. Isso foi muito importante. Obrigada por tudo e até breve. ♥

» Confira outras entrevistas aqui!